Curso de Ética e Filosofia Política II: Da guerra das raças (Foucault) ao quilombismo (Nascimento) na Unifesp de Guarulhos

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

OBJETIVOS[editar | editar código-fonte]

Examinar as relações de poder em seus aspectos de dominação e resistência e no modo como atuam além das esferas da representação política tradicional. Investigar as variadas relações de poder, suas as estratégias e táticas, funções e mecanismos, procurando identificar ações centradas nas práticas da esquiva e nas territorializações de subjetividades em movimentos que fazem uso do vocabulário de direitos humanos e de suas formas de luta mantendo, contudo, percursos autônomos. Introduzir o aluno ao uso instrumental de conceitos para a compreensão do contemporâneo e, em especial, da realidade brasileira. Indicar um percurso de investigação dos temas afins à ação política, conduzindo as discussões de uma origem eurocêntrica, mais conhecida na academia, em direção aos conhecimentos específicos e saberes locais das experimentações de resistência, com enfoque no pensamento afro-brasileiro.

EMENTA

O curso propõe introduzir o aluno em saberes de conflitos específicos do pensamento e das práticas políticas brasileiras.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. Compreender a análise da sociedade cindida e do discurso bélico enquanto constituintes das relações de poder nos Estados nacionais (Foucault).

2. Pontuar o debate foucaultiano no contexto da globalização do século XXI (Alliez e Lazzarato). ]

3. Aprofundar o conhecimento das práticas políticas e de resistência cultural conhecidas como quilombismo e oriunda da produção de intelectuais negros (Abdias Nascimento e Beatriz Nascimento, entre outros).

4. Localizar, reconhecer e instrumentalizar conceitos filosóficos a partir dos textos abordados.

BIBLIOGRAFIA

bibliografia

ALLIEZ, Éric e LAZZARATO, Maurizio. Guerres et Capital. Paris: Amsterdam, 2016.

DELIGNY, Fernand. O aracniano e outros textos. Trad. Lara de Malimpensa. São Paulo: N-1, 2015.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. O que é filosofia? São Paulo: 34, 2005. Link: https://ayrtonbecalle.com/colecao-educadores-dominio-publicomec-62-livros-em-pdf/14-2/livros-de-filosofia-pdf/23-livros-de-deleuze-em-pdf/

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GERBER, Raquel (Direção). Ôrí (vídeo documentário sobre e de Beatriz Nascimento). Fotografia de Hermano Penna, Pedro Farkas, Jorge Bodanzky, entre outros, música de Naná Vasconcelos e arranjos de Teese Gohl. 1989. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DBxLx8D99b4.

JESUS, Carolina Maria. Quarto de desejo. Diário de uma favelada. São Paulo: Círculo do Livro, 1960. Link: https://pt-br.facebook.com/coletivodenegrasenegros/posts/983845371636935

MISKOLCI, Richard. O desejo da nação. Masculinidade e branquitude no Brasil de fins do XIX. São Paulo: Annablume, 2012.

MOURA, Clóvis. Os dilemas da negritude. In: Brasil: raízes do protesto negro. São Paulo: Global, 1983, pp. 100-105.

_____. A quilombagem como expressão de protesto radical. In: Os Quilombos na Dinâmica social do Brasil. Maceió: Edufal, 2001, pp.103-108.

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo. Documentos de uma militância pan-africanista. Petrópolis/RJ: Vozes, 1980. Link: https://baobavoador.noblogs.org/files/2016/01/O-QUILOMBISMO-Abdias-Do-Nascimento.pdf

_____. O genocídio do negro brasileiro. Processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

NASCIMENTO, Maria Beatriz. Kilombo e memória comunitária: um estudo de caso. In: Revista Estudos Afro-Asiáticos 6-7. Rio de Janeiro, CEAA/UCAM, 1982, pp. 259-265.

_____. O conceito de quilombo e a resistência negra. In: Revista Afrodiáspora Nos, 6-7, 1985, pp. 41-49.

_____. O conceito de quilombo e a resistência afro-brasileira. In: Nascimento, Elisa Larkin (Org.). Cultura em movimento: matrizes africanas e ativismo negro no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2008, p. 71 -91.

RATZ, Alex. Eu sou atlântica. Sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo: Instituto Kuanza e Imprensa Oficial, 2006. Disponível em: https://www.imprensaoficial.com.br/downloads/pdf/projetossociais/eusouatlantica.pdf

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. 2a ed. (impressão fac-similar). Prólogo de Horácio de Almeida. Rio de Janeiro: Gráfica Olímpica, 1975.

SODRÉ, Muniz. O terreiro e a cidade: a forma social negro-brasileira. Petrópolis/RJ: Vozes, 1988.

TELES, Edson. Democracia e estado de exceção. Transição e memória política no Brasil e na África do Sul. São Paulo: Fap-Unifesp, 2015.

_____. O abismo na história. São Paulo: Alameda, 2017.    

Aula 1 - 17 de Agosto de 2017[editar | editar código-fonte]

Texto: FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999 - Aula de 7 de janeiro de 1976 Acessa o texto aqui