Laboratório de Jornalismo Multimídia/2021/Estruturação e diversidade sonora em podcast

Fonte: Wikiversidade

Bem-vindas e bem-vindos às atividades eletivas

Nesta parte do curso, você pode escolher entre uma das seguintes propostas, a realizar em grupo:

Leia bem as instruções de cada proposta. Monte seu grupo. Aprenda e divirta-se!

Estruturação e diversidade sonora em podcast[editar | editar código-fonte]

A expectativa desta atividade é que cada grupo desenvolva podcasts jornalísticos sobre ciência brasileira.

A orientação a este projeto é realizada pela jornalista Thais May, produtora audiovisual do CEPID NeuroMat.

Justificativa[editar | editar código-fonte]

"Estudos sobre podcast: um panorama do estado da arte em pesquisas brasileiras de rádio e mídia sonora", 2020

O texto abaixo foi extraído de "Estudos sobre podcast: um panorama do estado da arte em pesquisas brasileiras de rádio e mídia sonora", de Luana Viana.

O podcast é um formato que surgiu em 2004 e provém das expansões do rádio, demonstrando um vasto crescimento nos últimos anos. Uma pesquisa realizada pela Volt Data Lab, divulgada em agosto de 2019, revela que a produção dos 100 principais podcasts brasileiros cresceu em 200 vezes desde 2005, chegando a mais de 3.400 episódios publicados em 2018. Em comparação, os 100 principais podcasts nos Estados Unidos, maior país produtor e consumidor do formato, produziram cerca de 5.800 episódios no mesmo ano.

Uma das plataformas utilizadas para consumo desse tipo de áudio é o Spotify, que, segundo relatório próprio, dobrou sua audiência de podcast no segundo trimestre de 2019, período no qual registrou mais de 30 mil novos podcasts na plataforma globalmente. Já uma pesquisa do Podcast Stats Soundbites aponta o Brasil como o segundo país que mais consome esse formato no mundo, registrando 110 milhões de downloads de episódios em 2018, ficando atrás apenas dos EUA que são, de longe, o maior mercado com mais de 660 milhões de downloads no mesmo período.

A junção de potencialidades tecnológicas proporciona experiências imersivas pela tecitura de uma narrativa radiofônica complexificada associada à transmidialidade dos meios e à convergência das mídias”. Ou seja, mantendo o áudio como formato principal, o podcast tem a potencialidade de desenvolver narrativas transmídia por meio de narrativas secundárias distribuídas por outras plataformas.

Fim do texto extraído de fonte supramencionada.

A competência primordial no campo do jornalismo multimídia a ser desenvolvida com este exercício é desenvolver por meio de estrutura e pesquisa uma experiência sonora imersiva e diversa.

A área do podcast viveu nos anos recentes um boom no Brasil, com mais consumidores e mais oferta. A proposta aqui é pensarmos a narrativa transmidiática a partir de uma estratégia narrativa, quebrando com o costume de fazer mesas-redondas em podcasts.

Organização dos grupos[editar | editar código-fonte]

Os grupos são formados pelos próprios estudantes. Devem contar com três a cinco integrantes. A nota será coletiva, isto é, será a mesma para todos os integrantes do grupo. Para identificar os componentes de seu grupo, entre em:

Se por algum motivo, você não estiver num grupo e desejar estar, avise-me por email (japeschanski@casperlibero.edu.br) ou por mensagem no Microsoft Teams.

Cronograma[editar | editar código-fonte]

  • 3/5: apresentação das páginas do trabalho
  • 10/5: aula teórica sobre Acessibilidade imagética (quiz)
  • 17/5: finalização dos grupos
  • 24/5: aula teórica sobre comunicação computacional (quiz)
  • 31/5: aula teórica sobre estruturação e diversidade sonora em podcast (quiz)
  • 7/6: realização de projeto
  • 14/6: finalização e entrega de projeto (no horário de aula)

Modelos de trabalho[editar | editar código-fonte]

Cada grupo vai desenvolver um podcast jornalístico sobre um tema relacionado à ciência brasileira.

Modelos realizados por estudantes:

Modelos profissionais:

Referências[editar | editar código-fonte]

Atividade a ser realizada[editar | editar código-fonte]

Instruções[editar | editar código-fonte]

  • A publicação do podcast acontecerá num canal Anchor único.
  • A publicação deve necessariamente ser feita por um dos estudantes do grupo. Não é necessário que todos os integrantes do grupo editem.

Critério de avaliação[editar | editar código-fonte]

Neste trabalho, é esperado de cada grupo que realize um podcast sobre um tema relacionado à ciência brasileira.

Na avaliação, será levado em conta:

  • Organização jornalística do episódio (escaleta e roteiro; vinhetas) (30%)
  • Utilização de recursos sonoros: estruturação e diversidade (50%)
  • Adequação ao protocolo de carregamento (10%)
  • Interesse jornalístico do episódio (10%)

Leiam com atenção o material disponibilizado. Assistam novamente à aula específica. Vejam os modelos propostos e ouçam o material de exemplo. Pesquisem sobre podcast, discutam entre vocês, definam uma estratégia para o episódio.

O episódio deve ter no máximo quarenta minutos e precisa ter pelo menos um(a) entrevistado(a).

Área de publicação[editar | editar código-fonte]

O carregamento do podcast deve ser feito seguindo as seguintes orientações:

  1. Acessar https://anchor.fm/login?return_to=%2Fdashboard (o e-mail e a senha para o login serão divulgados na aula)
  2. Inserir o arquivo de áudio (em MP3), o título do episódio, uma breve descrição e uma imagem de capa
  3. Não esquecer de clicar no botão (na parte superior) para publicar o episódio

Cada grupo deve colocar na seção abaixo o link do trabalho e redigir um relato próprio sobre os desafios encontrados e aspectos marcantes do produto realizado. Esteja logado/a para fazer as publicações abaixo:

Grupo A7[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/BioCast-A-Presena-Da-Qumica-Na-Vida-e134g1d
  • Relato: De forma geral, as dificuldades e desafios do trabalho não ultrapassaram a normalidade presente em quaisquer outras tarefas. No entanto, encontrar um especialista, em um período relativamente curto, foi o principal contratempo, sendo muito bem vindo o adiamento da entrega. Para além deste fator, comum em atividades jornalísticas, editar o podcast para caber no tempo previsto também configurou uma pequena adversidade. Apesar da demora, encontramos um bom especialista e pesquisador, com quem tratar de temas complexos foi simples, mas não menos demorado.

Grupo A8[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/Humanidades-Conversando-sobre-LGBTfobia-e-sexualidade-no-ambiente-escolar-e135eeg
  • Relato: Os principais desafios encontrados foram em relação ao tempo que tivemos para a realização do podcast e para o encontro de um entrevistado que fosse ideal à pauta desejada. Mais do que isso, a maior parte do grupo tinha pouca experiência com o formato de podcast. A pandemia, em si, também pode ser considerada uma adversidade, já que não podemos fazer entrevistas presenciais com a mesma liberdade. Mesmo assim, acreditamos que, a distância, conseguimos contactar um entrevistado com quem não conseguiríamos falar presencialmente (por motivos de distância geográfica e de compatibilidade de agendas). Um dos aspectos marcantes do nosso podcast é, então, nossa fonte: Toni Reis, doutor em Educação e diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI+. Além disso, mesclar trechos de entrevista, com dados de pesquisa e informações históricas também, sem dúvidas, marca nosso episódio do "Humanidades". Ao final dessa experiência, ver nosso podcast pronto, sobre Ciências Humanas, nos traz profundo orgulho e a certeza de que superamos os desafios encontrados.

Grupo A9[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/Antivax-e134qji
  • Relato: Os principais desafios encontrados pelo grupo A9 foram a definição da pauta e a construção do roteiro, visto que nunca tínhamos feito um roteiro para podcast, ainda mais porque nossas entrevistas para o episódio tiveram uma média de 30 minutos e precisamos garimpar a história que iríamos apresentar. Acreditamos que os pontos que se destacam em nosso trabalho são a presença de três especialistas que apresentaram suas análises referentes ao tema, sendo eles a historiadora Vanessa Bortolucci, o cientista político Márcio Juliboni e a médica infectologista Rebeca Saad, também ficamos satisfeitos com o texto que amarrou as sonoras no podcast.

Grupo A10[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/Por-Trs-da-Mscara-e1351di
  • Relato: O podcast, como uma ferramenta que se expandiu aceleradamente durante a pandemia, figura hoje como um meio de comunicação basilar na formação e no entendimento de qualquer comunicador. Projetos empíricos ganham muita relevância quando abordam universos por nós, estudantes, ainda nebulosos, pois a prática, diante de proposições como a deste trabalho, facilita muito a confecção e a compreensão daquilo que foi sugerido. Por assim, a realização de um podcast foi uma experiência muito enriquecedora, nos instigando a, mesmo com todas as dificuldades, buscar um conteúdo dinâmico e apresentar um episódio de qualidade, explicitando ainda mais a relevância dessa ferramenta.  

Grupo A11[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/Cincia-no-Brasil-Os-malefcios-dos-cigarros-eletrnicos-entre-os-jovens-e12rgau
  • Relato: A realização do projeto sobre estruturação e diversidade sonora em podcast nos possibilitou um maior entendimento sobre tal mídia e seus principais aspectos. Como os maiores desafios encontrados pelo grupo, tem-se a escolha de pauta, tendo em vista a ampla quantidade de abordagens e a edição. Para um bom aproveitamento destes, foi preciso um debate, feito pelo próprio grupo, sobre diversos assuntos até que encontrássemos um tema pertinente e de possível interesse do público. Quanto aos aspectos marcantes do produto realizado tem-se a apuração, com uma elaboração mais longa e detalhada, contando com diversas pesquisas e uma entrevistada para trazer mais detalhes sobre o assunto. Durante a apuração, contamos com os relatos e estudos trazidos pela doutora Danielle Kertzman Harari, pediatra, formada pela USP, e alergista e imunologista pediátrica, formada pela Unifesp.

Grupo B7[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/O-uso-de-dados-dos-novos-leviats--Cincia-e135add
  • Relato: O grupo encontrou dificuldade de encontrar maneiras para falar sobre a temática dos dados de maneira simples. Como posto no próprio episódio, é uma tarefa difícil e que o jornalismo não tem realizado com os cuidados e a atenção devida. Nossa preocupação era passar isso para os ouvintes de maneira simples e explicativa. Como por exemplo, explicar o que é a dataficação. Pensando nisso, apesar da dificuldade, acreditamos que fizemos um bom trabalho, inclusive de atualizar o ouvinte sobre o que está acontecendo com os dados de cada indivíduo e como a falta de dados públicos e estatísticas geram problemas para a Ciência. CA característica marcante do nosso episódio é ele ser apresentado por quatro pessoas. Queríamos muito que tivesse a presença completa da equipe. Pode ter parecido muito, mas a identificação das vozes ficou fácil de ser realizada e dá uma maior dinamicidade. Além disso, a trilha sonora de entrada e de passagem de blocos, foi escolhida de maneira alinhada ao tema, que remete a tecnologia, dados e computadores, por exemplo.

Grupo B8[editar | editar código-fonte]

  • Link:

https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/Cincia-Hoje-Projeto-voluntrio-produz-mscaras-e-viseiras-em-impressoras-3D-e12sn6r

  • Relato:

Não tivemos dificuldade em realizar o trabalho em si, apenas um pouco na busca de fontes. Foi um processo muito interessante e construtivo para nós, poder conversar com o Marcelo Bamonte e entender um pouco mais do projeto voluntário sobre máscaras e viseiras em impressoras 3D. Além disso, a aula que tivemos sobre podcast, foi fundamental para elaborarmos um bom produto final.

Grupo B9[editar | editar código-fonte]

  • Link:https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/A-Dengue-em-tempos-de-pandemia-e1356dh
  • Relato: Em relação ao trabalho, não tivemos dificuldades em realizá-lo, muito menos problemas técnicos. Foi um tema que o grupo achou interessante e pertinente nesse momento de pandemia. Além de grande critério de noticiabilidade, é parte de prestação de serviço à população, esclarecendo alguns pontos não tão claros para boa parte dos cidadãos.

Nossa busca se baseou em notícias que traziam dados de anos passados sobre o tema, comparando-os com o que disseram os especialistas consultados, e talvez trazer um parâmetro futuro, tanto na condição biológica do problema quanto na sabedoria de alguém que atua no combate.

Grupo B10[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/S-Fatos---A-falta-de-investimento-na-cincia-e135333
  • Relato: Em termos de questões técnicas, o maior problema foi a conexão fraca que enfrentamos na hora de entrevistar nosso convidado. No entanto, na gravação o áudio ficou bom e, mesmo nas partes com algum ruído, conseguimos melhorar na edição. Quanto à seleção do tema, tivemos um pouco de dificuldade, pois queríamos fugir um pouco do "clichê" do momento que é falar sobre a pandemia da Covid-19. Sabemos que é um assunto bastante importante e é o que mais está em pauta no momento, mas queríamos encontrar algo diferente dentro da comunidade científica. Por ser um assunto que chama a atenção de boa parte do grupo e ainda tem relação com a crise sanitária vivida no momento, optamos por focar nosso episódio na falta de verba pública destinada à ciência brasileira. A partir daí, nos dividimos em produtores e roteiristas, editor e apresentadores para organizar melhor nossa produção e não tivemos nenhum empecilho quanto a isso.

Grupo B11[editar | editar código-fonte]

  • Link: https://anchor.fm/ciencia-em-pauta/episodes/Vacinao-em-Serrana-o-que-a-imunizao-em-massa-fez-a-cincia-concluir-e136r50
  • Relato: O maior desafio que encontramos foi achar um entrevistado para a pauta sugerida, dentro de um tempo tão curto. Depois que conseguimos fazer a entrevista, as coisas andaram mais fácil, ainda que muito em cima do prazo. Como a entrevista foi curta, o episódio também ficou curto, num estilo meio expresso, por isso não tivemos muitas dificuldades com a elaboração do roteiro. A edição, a gravação das falas e a capa foram feitas todas no mesmo dia.