Portal:9o ano 2014 - Língua Portuguesa - Colégio I. L. Peretz/Eric e Stefanie

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Diário de Bordo[editar | editar código-fonte]

05/11- pesquisamos os resumos dos livros escolhidos e que existem e começamos a arrumar os erros existentes.No caso "O Diário de Anne Frank" já existia já "O Garoto No Convés" não existia.

13/11- Terminamos de pesquisar sobre o livro O Garoto no Convés e traduzimos a pagina para o Português.

18/11- Arrumamos os links,vimos o que tínhamos para organizar na nossa página e terminamos de arrumar.


Diário de Anne Frank[editar | editar código-fonte]

O Diário de Anne Frank (em alemão: Das Tagebuch der Anne Frank. Em neerlandês, a língua do diário original: Het Achterhuis - Dagboekbrieven 15 juni 1942 - 1 augustus 1944. Em inglês: The Diary of a Young Girl, como dizem no livro, ou The Diary of Anne Frank, como é no filme.) é um diário escrito por Anne Frank entre 12 de junho de 1942 e 1 de agosto de 1944 durante a Segunda Guerra Mundial. Escondida com sua família e outros judeus em Amsterdã durante a ocupação nazista nos Países Baixos, Anne Frank, com treze anos de idade, conta, em seu diário, a vida deste grupo de pessoas.

Em 4 de agosto de 1944, agentes da Gestapo detiveram todos os ocupantes que estavam escondidos em Amsterdã. Separaram Anne de seus pais e levaram-nos para os campos de concentração. O Diário de Anne Frank Foi entregue por Miep Gies a Otto H. Frank após a morte de Anne Frank ser confirmada. Anne Frank faleceu no campo de concentração Bergen-Belsen no fim de fevereiro de 1945 quando tinha 15 anos.

Otto foi o único dos escondidos que sobreviveu no campo de concentração. Em 1947, o pai decidiu publicar o diário. O diário está no Instituto Neerlandês para a Documentação da Guerra. O Fundo Anne Frank (na Suíça) ficou como herdeiro dos direitos da obra de Anne Frank. O pai Otto Heinrich Frank faleceu em 1980.

Depois de receber um prêmio humanitário da Fundação Anne Frank em 1994, Nelson Mandela chamou uma multidão em Johannesburgo, dizendo que ele tinha lido o diário de Anne Frank enquanto estava na prisão e que o livro lhe trouxe muito estímulo. Sua luta contra o nazismo e o apartheid, explicando o paralelo entre as duas filosofias: porque estas crenças são patentemente falsas e porque eram e sempre serão desafiados por gente como Anne Frank, eles estão no limite do fracasso.

Controvérsias sobre a autenticidade do diário de Anne Frank[editar | editar código-fonte]

Quando morreu, em 1980, Otto Frank deixou os manuscritos da filha para o Instituto Estatal Neerlandês para Documentação de Guerra 1 , em Amsterdã. Como a autenticidade do diário fora questionada desde a sua primeira publicação, principalmente pelo revisionista francês Robert Faurisson (autor de Le Journal d'Anne Frank est-il authentique?, de 1980), o Instituto para Documentação de Guerra ordenou uma investigação total. Assim que foi dado como autêntico, sem qualquer sombra de dúvida, o diário foi publicado na sua totalidade, juntamente com os resultados de um estudo exaustivo, artigos sobre o passado da família Frank, as circunstâncias relativas à sua prisão e deportação e o exame da caligrafia de Anne, do documento e dos materiais usados.2 As alegações segundo as quais diversas páginas do diário teriam sido escritas (após a guerra ou não) por outra(s) pessoa(s), encontraram assim uma refutação decisiva.

Em 2006, a validação do diário foi definitiva



O Garoto no Convés[editar | editar código-fonte]

O título original é Mutiny On The Bounty, Mutiny On The Bounty foi um motim a bordo do navio da Marinha Real HMS Bounty em 28 de abril de 1789. O motim foi liderado por Fletcher Christian contra o seu capitão, o tenente William Bligh. De acordo com relatos, os marinheiros foram atraídos para a vida "idílica" e as oportunidades oferecidas sexuais na ilha do Pacífico de Tahiti. Também foi argumentado que eles foram motivados pelo tratamento alegadamente dura de Bligh deles.

Dezoito amotinados definir Bligh à tona em um pequeno barco com dezoito anos da tripulação de vinte e dois leais a ele. Para evitar a detecção e evitar deserção, os amotinados em seguida, diversamente resolvidos na Ilha Pitcairn ou no Taiti e queimado recompensa off Pitcairn.

Em um feito extraordinário de marinharia, Bligh navegado a 23 pés (7 m) lançamento aberto em uma viagem de 47 dias a Timor nas Índias Orientais Holandesas, equipado com um relógio quadrante e bolso e sem mapas ou bússola. Ele gravou a distância como 3.618 milhas náuticas (6701 quilômetros; 4164 km). Ele então retornou para a Grã-Bretanha e relatou o motim ao Almirantado em 15 de março de 1790, 2 anos e 11 semanas após sua partida original.

O governo britânico despachou HMS Pandora para capturar os amotinados, e Pandora chegou a Tahiti em 23 de março de 1791. Quatro dos homens de recompensa veio a bordo logo após a sua chegada, e mais dez foram presos dentro de algumas semanas. Estas quatorze foram presos em uma cela improvisada no convés de Pandora. Pandora encalhou em parte da Grande Barreira de Corais em 29 de agosto de 1791, com a perda de 31 dos tripulantes e quatro dos prisioneiros. Os sobreviventes dez presos acabaram sendo repatriados para a Inglaterra, julgado em um tribunal naval, com três enforcado, quatro absolvidos e três perdoados.

Descendentes de alguns dos amotinados e taitianos ainda vivem em Pitcairn. O motim foi comemorado em livros, filmes e músicas.