Wikinativa/Vinicius O S Cavalcante (vivencia Guarani 2016 - relato de experiência)

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Seminário de Políticas Públicas Setoriais II

Nome: Vinicius Oliveira Siqueira Cavalcante

N° USP: 9423676

Professor: Prof. Dr. Jorge Alberto Silva Machado


Relatório individual da experiência

A palavra e o sentimento "Resistência" são predominantes no estilo de vida e atitude mental de todo o povo originário que permanece firme pela luta do que os é de direito, espaço para proteger e viver em harmonia com a natureza e o homem. A existência de aproximadamente 300 etnias diferentes sobreviventes de tantas batalhas físicas e na justiça do direito evidencia seu grande poder de resistência, sabedoria e força. Nas escolas e faculdades quando se abordam matérias que citem os indígenas, tudo parece muito distante ou como se fosse apenas um conto qualquer, dificilmente se quebram os padrões esteriótipos que comumente vemos ou ouvimos falar de seus hábitos e cultura, e se por qualquer motivo o índio não estiver portando seus itens ou estar em sua aldeia, "ele já não é mais um índio", quando na verdade sua originariedade independe de vestimentas ou do local onde ele esteja. Hoje em dia há muitos nativos vivendo nas cidades, pegando metrô e ônibus, mendigando por assistência médica e saneamento adequados, dignos de um ser humano. Outra questão é sobre a luta contra os preconceitos contra os mestiços (filho(a) de nativo com não-nativo), que também é um povo originário, mas que é alvo de ofensas e opressões de seus direitos como nativo também.

Ir à Aldeia Rio Silveiras é sempre maravilhoso e gratificante. Lá posso andar descalço na lama, repetir a roupa, suar, brincar, conversar, orar na casa de rezo, meditar, comer comida boa feita pelas mãos das cozinheiras mulheres da aldeia, crescer como ser humano, aprendendo a humildade, o amor, a honestidade e a confiança entre todos. Desta vez o passeio à aldeia, junto com a matéria, foi realizarmos grupos para interagirmos na vivência entre todos nós, alunos e os guaranis.

Fiquei responsável pelo grupo de Lazer e Brincadeiras, o qual organizamos atividades para toda a comunidade participar. A ideia deste grupo veio pela nossa vivência ser no Dia das Crianças! Realmente encheu de crianças no dia 12. Presenciamos muita chuva durante o final de semana que estivemos lá, mas isto não foi o suficiente para parar a brincadeira das crianças no sábado de manhã até o final da tarde. Eu e todo o meu grupo ficamos muito felizes pela nossa ação conjunta ter culminado em muitos risos e sorrisos entre nós todos que participamos que assistíamos ao ver as brincadeiras rolando com naturalidade e as crianças se divertindo com tudo.

Eu levo toda essa vivência e essas questões que a matéria do Professor Jorge oferece, para minha vida. São inúmeros os valores de tudo o que a vivência nas aldeias e as discussões em classe sobre o assunto despertaram em mim, e hoje eu compreendo um pouco mais o quão ignorante é a mente do homem egoísta, e o quão sábio e resistente é este povo originário que luta para que não os apaguem da história e eles possam continuar honrando a mãe Terra diariamente, e recuperar suas terras.