Wikiversidade:Página de testes

De Wikiversidade
Ir para: navegação, pesquisa

PERIÓDICOS ELETRÔNICOS EM SOFTWARES DE ACESSO ABERTO: OPEN JOURNAL SYSTEM (OJS)

Fabrícia Arruda Patrícia Honorato Dantas

RESUMO

Tomando como base artigos escritos com o tema dos periódicos, este trabalho tem a finalidade de abordar as publicações de periódicos científicos em meio eletrônico através de softwares abertos, tendo como referência o Open Journal System (OJS), identificando o seu potencial na publicação dos artigos científicos e sua circulação no ambiente acadêmico.

Palavras-chave: Periódicos. Publicação. Tecnologia.

ELECTRONIC JOURNAL ON SOFTWARE OPEN ACCESS: OPEN JOURNAL SYSTEM (OJS)

ABSTRACT

Based on articles written on the subject of periodic, this paper aims to address the publications of scientific journals electronically, through open software, with reference to the Open Journal System (OJS), identifying their potential in the publication of scientific papers and their circulation in the academic environment.

Keywords: Journals. Publication. Technology.



1 INTRODUÇÃO

Com o objeto de identificar a importância dos periódicos eletrônicos na atualidade, o artigo apresenta um pouco da história dos periódicos e sua relação com o mundo acadêmico científico. O interesse pelo assunto surgiu durante o exercício da disciplina Tecnologia da Informação 2, do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal da Paraíba, com a orientação em sala do professor Doutor Wagner Junqueira de Araújo, após a apresentação do OJS (Open Journal System), que é desenvolvido pelo Public Knowledge Project , e é através desse que o artigo será desenvolvido. Embora o foco principal deste trabalho seja acompanhar a evolução do periódico em sua importância no meio acadêmico, apresentando o serviço e a metodologia do OJS, foi necessário o levantamento de diversos tipos de informações para entendimento do seu conteúdo, como história e conceito, a evolução enquanto meio de publicação e o seu desenvolvimento através do tempo. Os materiais tomados para revisão do assunto são artigos publicados em algumas bases de dados eletrônicas, como a Base de Dados Referenciais de Artigo de Periódicos em Ciências da Informação (BRAPCI) e a Revista ACB – Biblioteconomia em Santa Catarina. O método utilizado foi a pesquisa bibliográfica, que conforme Moresi (2003), é baseada na análise da literatura já publicada, em qualquer meio, impresso e até eletrônico, e foi realizada em forma de revisão histórica, buscando recuperar as abordagens que pudessem referenciar os conceitos e acompanhar a evolução do periódico científica na sociedade acadêmica.

2 CONCEITO DE PERIÓDICO

Nos dicionários encontramos definições como obra ou publicação que sai à luz em época fixa, ou jornal que aparece em intervalos iguais. O termo também é usado para definir uma publicação seriada e em partes, com diversas contribuições de autores e variados assuntos, apresentando uma periodicidade regular ou irregular de edição. (Houghton, 1975, apud Simeão, 2006, apud CORRÊA, 2007) De forma geral, as publicações podem ser definidas como aquelas editadas em partes sucessivas, com indicações numéricas ou cronológicas, somando contribuições de vários autores, com edições contínuas em intervalos regulares de tempo, que podem variar de acordo com a necessidade dos pesquisadores e da área do conhecimento a qual se destina. Na literatura brasileira, existem termos como: publicações periódicas, periódicos científicos, publicações seriadas e revistas, que podem ser usadas como sinônimos ou como gênero e espécie. No entanto, a utilização de cada termo é diferenciada, de acordo com o profissional que a utiliza – os bibliotecários adotam periódicos científicos como termo técnico – já os pesquisadores, professores e estudantes, utilizam o termo revistas científicas. O periódico científico é o principal meio de publicação dos artigos científicos, servindo de espaço de discussão entre pesquisadores de diferentes áreas de estudos específicas. Por esse motivo, existe um criterioso e rígido processo de avaliação sobre o que deve ou não ser publicado. Lendo os materiais bibliográficos, identificamos três principais funções dos periódicos científicos: é o arquivo que registra as descobertas científicas de maneira permanente, mantendo sua memória reabastecida, pela periodicidade de sua publicação; é o principal veículo de comunicação do saber científico, que o torna público; e é um meio que prestigia e reconhece os pesquisadores, já que seus textos são lidos e avaliados por colegas da comunidade científica antes de sua publicação.

3 EVOLUÇÃO HISTÓRICA

O Journal des Sçavans é citado como o primeiro periódico, datado de janeiro de 1665, e fundado por Denis de Sallo, um conselheiro da corte do parlamento francês, que continha notícias de interesse científico e cultural, cartas e anotações das passagens mais significativas que encontrava em suas leituras. Porém, a primeira revista científica propriamente dita foi publicada na Inglaterra, poucos meses após a criação e divulgação da revista francesa – a Philosophical Transactions. A necessidade de comunicação entre pesquisadores crescia rapidamente, servindo de base para o surgimento dos periódicos na segunda metade do século XVII. Os avanços tecnológicos no século XX, permitiram uma melhor qualidade do material publicado e maior quantidade, como também tornou mais rápida a edição das revistas. Diversos recursos foram adotados na compatibilização de equipamentos e programas a fim de facilitar o uso das publicações, permitindo a criação de novos periódicos, com acesso facilitado e utilizando recursos gráficos mais sofisticados. Ainda assim, os parâmetros utilizados para publicação impressa permanecem na versão on-line: política e conselho editorial, revisão de qualidade, dedicação à uma área específica, manutenção de edições regulares, ter ISSN , apresentar instruções aos autores, entre outros. (GRUSZYNSKI e GOLIN, 2007, p.02)

3.1 Periódicos no Brasil

Após a fundação da Imprensa Régia em 1808, surgem algumas publicações de especial importância, entre elas Gazeta Médica do Rio de Janeiro e Gazeta Médica da Bahia, respectivamente em 1862 e 1866. Também publicou o primeiro periódico destinado a textos de ciência, entre história e literatura – O Patriota, Jornal Litterario, Politico, Mercantil &c. do Rio de Janeiro, editada de 1813 a 1814. Foi de fundamental importância na comunicação das ciências e como auxiliador do ensino superior. A história do periódico científico no Brasil demonstra que a comunicação sistematizada da ciência somente ocorre de forma estável e duradoura se estiver atrelada a instituições de mesma ou semelhante finalidade, e também com certo nível de estabilidade, e não como atividades isoladas.

4 OPEN JOURNAL SYSTEM

O Open Journal Systems é um software desenvolvido pela Universidade British Columbia, no Canadá. No Brasil, foi traduzido e customizado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), sendo aqui chamado de Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas – SEER. Foi desenvolvido para a construção e coordenação das publicações periódicas eletrônicas, gerindo os conteúdos e formatos, e focando as atividades de editoração. A equipe do SEER-IBICT desenvolveu um Manual de Configuração do SEER 2.1.1, que inclui exemplos e dicas de como customizar o layout, incluir páginas de abertura, oferecendo maior interatividade aos leitores da revista. Dentro do portal do PKP , existem versões disponíveis para demonstrações, que podem ser testadas exercendo as funções de Editor Gerente, Autor, Editor ou Avaliador, utilizando um login e senha universal para acesso às funcionalidades.

4.1 Características do sistema

a) O sistema é instalado e controlado localmente; b) Editores configuram requisitos, seções, processo de avaliação, entre outros; c) Submissão on-line e gerenciamento de todo o conteúdo; d) Módulo de assinatura com opções de acesso público adiado; e) Indexação abrangente do conteúdo como parte de um sistema global; f) Ferramentas de leitura para o conteúdo, baseadas em campos definidos pelo editor; g) Notificações via email e possibilidade de comentários por parte dos leitores; h) Ajuda online completa e sensível ao contexto.

4.2 Processo editorial

As submissões passam por cinco passos no processo editorial, gerenciados por um ou mais editores. 1. Fila de submissões: os artigos são enviados e designados a um editor; 2. Avaliação da submissão: os artigos passam pela avaliação por pares ega e avaliação editorial; 3. Edição da submissão: os artigos recebem edição de texto, composição e leitura de provas; 4. Fila de agendamento: os artigos são designados a uma edição e/ou volume; 5. Sumário: os artigos são ordenados e a edição é publicada.

4.3 Funções editoriais

• Editor Gerente: configura a revista e define funções editoriais (pode exercer a função de Editor e outros papéis); • Editor: supervisiona o processo editorial; pode designar submissões a Editores de Seção para que estes acompanhem a avaliação e edição da submissão; assume o agendamento e publica as edições; • Editor de Seção: supervisiona a avaliação da submissão e pode ser designado a supervisionar a Edição da submissão; • Editor de Texto: verifica e corrige o texto, melhorando a legibilidade e clareza, questionando o autor sobre possíveis equívocos, assegurando a estrita conformidade do documento com as normas bibliográficas e estilo. • Editor de Layout: transforma a submissão editada em composições HTML, PDF, e/ou em formato EPS, próprio para publicação eletrônica; • Leitor de Prova: verifica as composições para correção de erros tipográficos e de formatação.

4.4 Fluxograma do processo editorial




5 CONCLUSÃO

O periódico científico é atualmente o principal meio de divulgação da pesquisa, e para assegurar a qualidade das revistas e artigos, foram implementados critérios relacionados com a forma e o conteúdo, garantindo suas atribuições básicas – a função memória e a função disseminação. Com o avanço da tecnologia e o aumento da necessidade de comunicação, o periódico passa a utilizar a mídia eletrônica, com certas vantagens sobre as publicações impressas. É necessário desenvolver um estudo orientado às necessidades dos pesquisadores, para identificar seu comportamento diante a recuperação, interação e uso da informação em meios eletrônicos, considerando que este é o meio que facilita a comunicação entre eles, e com os demais públicos interessados.











REFERÊNCIAS

BOMFÁ, Cláudia Regina Zilliotto; CASTRO, João Ernesto E. Desenvolvimento de revistas científicas em mídia digital – o caso da Revista Produção Online. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 39-48, mai./ago. 2004.

CORRÊA, Marisa Severo; LEMOS, Antônio Carlos Freias Vale de. Portal de Periódicos CAPES: o uso na UFSM. Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 20, ed. esp., p. 221-238, set. 2007.

CRUZ, Ângelo Antônio Alves Correa da. et al.Impacto dos periódicos eletrônicos em bibliotecas universitárias. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 2, p. 47-53, mai./ago. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v32n2/17032.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2014.

FREITAS, Maria Helena. Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 3, p. 54-66, set./dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v35n3/v35n3a06.pdf>. Acesso em 07 ago. 2014.

GRUSZYNSKI, A. C.; GOLIN, C. Periódicos científicos eletrônicos e a visibilidade da ciência na web: estudo de caso na UFRGS. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, jun. 2007. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/jun07/Art_02.htm>. Acesso em: 02 ago. 2014.

MICHAELIS. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=peri%F3dico>. Acesso em: 05 ago. 2014.

MORESI, Eduardo (Org.). Metodologia da Pesquisa. Brasília/DF, 2003, 108 p. Disponível em: <http://www.unisc.br/portal/upload/com_arquivo/metodologia_da_pesquisa..pdf>. Acesso em 18 jul.2013.

STUMPF, Ida Regina C. Passado e futuro das revistas científicas. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 3, p. 383-386, set./dez. 1996. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/viewFile/463/422>. Acesso em: 05 ago. 2014.