2010, Ano Internacional da Biodiversidade

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nenhum dos 21 objetivos estabelecidos para este ano foi cumprido. O número de espécies ameaçadas aumentou e a cobertura global das áreas protegidas continua abaixo do mínimo estabelecido. Os habitats essenciais continuam a ser destruídos a um ritmo alarmante.

A ação do homem continua a gerar havoc nos diferentes ecossistemas terrestres. De acordo com o relatório do WWF (World Wide Fund for Nature), se essa tendência continuar, no ano de 2050 precisamos de um segundo planeta para atender às nossas demandas de recursos (energia, água, alimentos, etc. ) para manter nosso padrão de consumo atual. No Brasil, empresas como Alcoa, CPFL, Natura, Philips, Vale e WalMart lançaram o movimento para a conservação e uso sustentável da biodiversidade.
Em 13 de outubro, foi publicado o relatório "Planeta Vivo" da Rede WWF, uma publicação que apresenta a principal pesquisa sobre a saúde do nosso planeta. Este relatório relaciona "O Índice do Planeta Vivo" - um indicador de saúde da biodiversidade global - com a "Pegada Ecológica" e a "Pegada Hidrológica", que medem as demandas da humanidade sobre os recursos naturais renováveis ​​da Terra. Os dados revelam uma realidade alarmante: a biodiversidade mundial está diminuindo a uma taxa sem precedentes, a queda é mais pronunciada nas populações de espécies tropicais, onde há uma diminuição de 60% em menos de 40 anos. A demanda humana por recursos naturais aumenta vertiginosamente e atinge 50% mais do que o planeta pode suportar.
Recentemente, realizou-se em Nagoya, Japão, o encontro mais importante sobre o futuro das espécies e recursos naturais do planeta: COP-10 da convenção sobre diversidade biológica. Representa para a conservação da biodiversidade o que a COP-15 da Convenção sobre Mudanças Climáticas significou para a luta contra o aquecimento global no ano passado em Copenhague. Verificou-se que nenhum dos 21 objetivos estabelecidos para este ano foi cumprido. O número de espécies ameaçadas aumentou e a cobertura global das áreas protegidas continua abaixo do mínimo estabelecido. Os habitats essenciais continuam a ser destruídos a um ritmo alarmante. De acordo com o ambientalista indiano Vandana Shiva, "a regeneração é parte da essência da vida e é o princípio central que orienta sociedades sustentáveis; Sem regeneração, não pode haver sustentabilidade. A sociedade industrial moderna, no entanto, não tem tempo para pensar sobre a regeneração e, portanto, não tem espaço para viver regenerativamente. A desvalorização por processos regenerativos é a causa da crise ecológica e da crise de sustentabilidade ".
Sem dúvida, é essencial compreender a dimensão ecológica da vida, ciclos naturais, fluxos de energia, inter-relações entre diferentes espécies, energia e estoques de alimentos, dentre outros. Nesse sentido, o processo de educação para a sustentabilidade é um eixo fundamental de transformação, buscando formar pessoas capazes de interpretar o meio ambiente, dialogar com diferentes segmentos e participar de decisões públicas, reafirmando os laços vitais que sustentam a comunidade.
Além de ser fundamental para os negócios, para a economia e para a sociedade, a questão ainda não entrou na agenda de executivos e governos. A qualidade dos serviços ambientais que sustentam a vida humana neste planeta depende da biodiversidade. Os ditames sociais, políticos, econômicos, filosóficos, éticos, culturais e educacionais existentes estão sendo questionados, e um novo modelo de desenvolvimento em busca de caminhos sustentáveis está sendo projetado. Muitos intelectuais já escolheram o "cuidado" como o paradigma fundamental do século XXI.
Estamos vivendo um momento muito importante para a nossa civilização, momento de transição. Torna-se essencial estudar as relações de nossas atividades com a natureza, os recursos que consumimos, a pressão que geramos em diferentes ecossistemas e, assim, assumimos a responsabilidade pela proteção e regeneração dos mesmos. Para fazer isso, os estudos de pegada ecológica se tornam uma ferramenta chave, que pode permitir a criação de programas de desenvolvimento para uma sociedade mais justa, saudável, democrática, consciente, responsável e sustentável.
Precisamos passar do pensamento linear para o pensamento sistêmico e compreender a complexidade dos processos. Cuidar da natureza e das pessoas, compartilhar excedentes e estabelecer limites razoáveis para crescimento, produção e consumo são algumas das chaves deste novo modelo de desenvolvimento que está surgindo. Através de processos de estudo, planejamento e design de ambientes que levem em conta esta nova ética, bem como as características ambientais locais e regionais, demandas individuais e coletivas, é possível conciliar o bem-estar e as necessidades básicas das gerações atuais com futuros.
Nossa vida diária também representa uma parte fundamental da mudança cultural. É necessário estabelecer hábitos e hábitos de vida simples e ecológicos. Etso significa caminhar para um estilo de vida integrado e equilibrado com o meio ambiente em todos os aspectos básicos de nossas vidas, como transporte, saúde, nutrição, educação, habitação e produção, entre outros.

Mais informações: Planeta Vivo 2010

Data: 16-11-2010