Alfabetização/Métodos de alfabetização

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Jogos de alfabetização[editar | editar código-fonte]

Introdução[editar | editar código-fonte]

Por meio das observações, pôde-se constatar que as atividades desenvolvidas com as crianças, baseavam-se na utilização das cartilhas, leitura de textos, separação silábica e exercícios de memorização, não demonstrando a função social dos conteúdos trabalhados, desconsiderando a importância das atividades lúdicas no processo de aprendizagem.

Percebeu-se assim, que toda essa situação acabava interferindo nas atividades apresentadas às crianças e consequentemente em seu desenvolvimento no processo de alfabetização e letramento.

Diante do exposto e considerando a importância dos jogos e brincadeiras para o desenvolvimento da criança, desenvolveu-se o projeto intitulado “A Importância dos Jogos e brincadeiras para o Processo de Alfabetização e Letramento”. Dessa forma, as atividades lúdicas foram articuladas aos conteúdos de Arte, Língua Portuguesa e Matemática de forma que não se fragmentassem essas áreas de conhecimento e que pudessem desenvolver as habilidades físicas, cognitivas, afetivas e sociais dos alunos. Desse modo, o embasamento teórico utilizado durante a prática de estágio foi a perspectiva Histórico-Cultural. Esta linha teórica enfatiza a importância da mediação para o processo de ensino e aprendizagem, ou seja, o professor enquanto mediador do conhecimento trabalhará na zona de desenvolvimento proximal da criança, para que esta se aproprie do conhecimento científico sistematizado. Nestas perspectivas, a prática de estágio desenvolvida teve como objetivos articular os jogos e as brincadeiras aos conteúdos escolares; propiciar às crianças o conhecimento sobre o uso social da leitura e da escrita; estimular a sensibilidade, a percepção e a análise crítica por meio da Arte e desenvolver o raciocínio lógico e o pensamento abstrato através de atividades matemáticas. Assim, percebe-se que o brincar e o jogar constituem-se como importantes fontes de desenvolvimento e aprendizagem, possibilitando ao aluno apropriar-se de conhecimentos e habilidades no âmbito da linguagem, da cognição, dos valores e da sociabilidade. Ou seja, é no brincar e no jogar que as crianças vão se constituindo como agentes de sua experiência social, organizando com autonomia suas ações e interações, elaborando planos e formas de ações conjuntas, criando regras de convivência social e de participação.

A Importância dos jogos e brincadeiras para o desenvolvimento da criança[editar | editar código-fonte]

Durante os jogos e brincadeiras, as crianças adquirem diversas experiências, interagem com outras pessoas,organizam seu pensamento, tomam decisões, desenvolvem o pensamento abstrato e criam maneiras diversificadas de jogar, brincar e produzir conhecimentos. Nesse sentido, os jogos e as brincadeiras são instrumentos pedagógicos importantes e determinantes para o desenvolvimento da criança, pois no jogar e no brincar as mesmas desenvolvem habilidades necessárias para o seu processo de alfabetização e letramento. Diante do exposto, foram desenvolvidas durante a prática de estágio, algumas atividades lúdicas articuladas aos conteúdos de Arte, Língua Portuguesa e Matemática de forma que não se fragmentassem essas áreas de conhecimento e que pudessemdesenvolver as funções psíquicas superiores dos alunos. Antes do início da prática de estágio, realizou-se a leitura do Projeto Político Pedagógico da instituição escolar, bem como o conhecimento de suas dependências físicas e do trabalho da coordenação pedagógica. O Projeto Político Pedagógico (2007),apresenta discussões sobre a concepção de infância, de desenvolvimento humano, de ensino e aprendizagem, de sociedade, de educação, bem como as características socioeconômicas das famílias dos alunos que freqüentam a instituição. Nas leituras realizadas, percebeu-se a importância e a responsabilidade do professor para estimular e propiciar às crianças ao seu desenvolvimento integral, evidenciando que a brincadeira constitui-se como uma das linguagens mais significativas das crianças, por mobilizar capacidades intelectuais,afetivas e sociais para sua realização. O brincar revela a estrutura do mundo da criança, como se organiza o seu pensamento, às questões que ela se coloca como vê o mundo à sua volta. Na brincadeira, a criança explora as formas de interação humana, aprende a lidar com a espera, a antecipar ações, a tomar decisões, a participar de uma ação coletiva (BRASIL, 2007, p.9). Após a leitura do Projeto Político Pedagógico, foram realizadas observações na escola e na sala de aula do 1° ano do Ensino Fundamental. Durante as observações, pode se conhecer a realidade da sala e a prática pedagógica nela desenvolvida. A educadora conta com o apoio de uma professora auxiliar, iniciando todos os dias de aula com atividades de rotina, como a verificação do calendário, do tempo e a quantidade de alunos que estão presentes. As atividades desenvolvidas com as crianças, baseavam-se na utilização das cartilhas, leitura de textos, separação silábica e exercícios de memorização, não demonstrando a função social dos conteúdos trabalhados, desconsiderando a importância das atividades lúdicas no processo de aprendizagem. Percebeu-se assim, que toda essa situação acabava interferindo nas atividades apresentadas às crianças e consequentemente em seu desenvolvimento no processo de alfabetização e letramento.

Metodologia[editar | editar código-fonte]

Existem três métodos para alfabetizar:

  • Método Sintético: Parte do estudo de elementos menores que a palavra.
  • Método Analítico: Parte do estudo da palavra e de elementos mais significativos. Do conto, frases, palavras, sílabas e letras. Parte do

todo para as partes.

  • Método Misto: É formado por elementos dos métodos Analítico e Sintético.

No método sintético, consiste em decorar todo o alfabeto, reconhecer, cada letra isoladamente, reunir as sílabas para formar e ler palavras. Aprendem o alfabeto depois as sílabas, palavras, frases e textos. Processo Fônico - Parte dos sons das letras e não do seu nome. Aprende-se o som da letra, sua representação gráfica, depois a sílaba, a palavra, a frase e o conto.

No processo silábico - Representa a fase mais avançada do método sintético. Parte das sílabas, que constituem unidades sonoras. Começa pelas vogais depois vai para sílabas e famílias das sílabas (das sílabas mais fáceis para as mais difíceis).

No método analítico, ele processo de Palavração - Parte da escolha de uma palavra com sílabas simples, que é memorizada pelas crianças e depois partida em sílabas. Processo de sentenciação - Para este processo o fundamental são as frases curtas, que tenham sentido completo e que apresentem uma sequência de dificuldades crescente.

Sequência : FRASE - PALAVRA -SÍLABA - LETRA

Processo de Contos - Pode partir de um dos seguintes recursos: Um conto de uma cartilha que será adotada. Um conto curto criado pela professora ou adaptado de uma história do interesse dos alunos. Um conto criado com as crianças,sobre um assunto do seu interesse. Método Ä porque tem uma sequência,possui alguns passos a serem seguidos.

Importância dos Jogos

Para auxiliar os alunos a fixarem o conteúdo podemos construir jogos, como: memória, trilha, dominó, baralho, entre muitos outros diante do exposto, a prática de estágio teve por método de abordagem teórica a perspectiva Histórico-Cultural. De acordo com Gasparin (2002), nesta perspectiva a tarefa do professor consiste em trabalhar o conteúdo científico e compará-lo com o cotidiano, de forma que os alunos, ao realizarem a mesma ação do professor,

“[...] através das operações mentais de analisar, comparar, explicar, generalizar etc., apropriem-se dos conhecimentos científicos e neles incorporem os anteriores, transformando-os também em científicos, constituindo uma nova síntese mais elaborada”. (GASPARIN, 2002, p.58).

Vygotsky (2000), enfatiza a importância da mediação para o desenvolvimento da criança, assim, o professor parte do conhecimento que os alunos já possuem sobre o conteúdo a ser trabalhado, ou seja, enquanto mediador do conhecimento, trabalhará na zona de desenvolvimento proximal da criança, para que esta se aproprie do conhecimento científico sistematizado.

Segundo Vygotsky (2000), a zona de desenvolvimento proximal caracteriza o desenvolvimento mental prospectivo do docente e do discente, ou seja, trata-se de um estágio do processo de aprendizagem em que o aluno necessita da ajuda de uma pessoa mais experiente que saiba o conteúdo que está sendo trabalhado. Enquanto a zona de desenvolvimento real caracteriza o desenvolvimento mental retrospectivamente, isto é, o educando já consegue fazer as atividades sem necessitar da ajuda de outras pessoas. A zona de desenvolvimento proximal que Vygotsky (2000), enfatiza como sendo importante para elaborar dimensões do aprendizado escolar, permite “delinear o futuro imediato da criança e seu estado dinâmico de desenvolvimento, propiciando o acesso não somente ao que já foi atingido através do desenvolvimento, como também aquilo que está em processo de maturação” (VYGOTSKY,2000, p. 113).

Considerações finais[editar | editar código-fonte]

As práticas realizadas possibilitaram a articulação dos jogos e brincadeiras, com as áreas de conhecimento da Arte, Matemática e Língua Portuguesa de forma interdisciplinar, permitindo verificar o quanto é importante trabalhar a unidade entre teoria e prática, bem como é preciso planejar atividades voltadas para a realidade dos alunos, para conseguir atingir os objetivos estabelecidos no processo de ensino e aprendizagem. As dificuldades encontradas durante o desenvolvimento das atividades, sem dúvida foram muitas, principalmente pelo fato das crianças não estarem habituadas a uma prática que permitisse sua participação com suas opiniões e com oportunidades de expressão. Assim, as crianças puderamdesenvolver práticas, antes não vivenciadas, em uma rotina que propiciou autonomia e interação entre as mesmas. Faz-se necessário ressaltar que os processos de desenvolvimento e de aprendizagem envolvidos no jogar e no brincar contribuíram de forma significativa nos processos de apropriação do conhecimento, uma vez que, quando as crianças durante as atividades lúdicas, foram submetidas a respeitarem regras, aprenderam a dominar seu próprio comportamento, desenvolveram o pensamento abstrato, a percepção visual, o autocontrole, a observação e a memorização. Sendo assim, pode-se constatar que os jogos e brincadeiras foram utilizados como importantes instrumentos pedagógicos para o desenvolvimento dos alunos nas habilidades físicas, cognitivas, afetivas e sociais. Assim, entende-se a grande responsabilidade que o professor deve ter com a educação de seus discentes, uma vez que, o verdadeiro papel do educador é o de fazer com que os alunos, por meio de mediações, se apropriem do conhecimento científico, sistematizado, contribuindo assimpara uma educação transformadora.