Aprimorar a interpretação e a produção de textos

Da wiki Wikiversidade
Ir para: navegação, pesquisa

A norma culta do português e a linguagem como instrumento de trabalho

  • Contexto: Projeto Incluir Direito, da Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Professoras: Bianca Santana, Ester Rizzi e Mei Hua Soares

Ementa[editar | editar código-fonte]

Por intermédio da leitura de textos de diferentes gêneros e tipologias discursivas, preferencialmente de autores(as) negros(as), pretende-se dialogar sobre a escrita e a fala enquanto ferramentas utilitárias no campo profissional, como expressões socioculturais e enquanto voz. As produções textuais serão realizadas a cada encontro a partir de motes específicos, trechos e temas disparadores. As proposições envolverão aspectos da oralidade e abordarão peculiaridades da escrita. Questões relacionadas à norma culta serão pontuadas e trabalhadas a cada texto produzido.

Objetivos, habilidades e competências[editar | editar código-fonte]

Espera-se que os encontros possam:

  • facilitar a expressão, tanto oral quanto escrita, dos(as) graduandos(as);
  • impulsionar a leitura de textos de diferentes vertentes, gêneros e tipologias;
  • ampliar o domínio da norma padrão da língua, bem como proporcionar a compreensão da língua enquanto sistema complexo e variado;
  • propiciar espaço propenso ao debate, ao compartilhamento de ideias e assuntos;
  • fomentar a organização e a estruturação de pensamentos e reflexões – em discursoscoesos, coerentes e fundamentados – que possam figurar tanto em textos orais quanto escritos, dentro e fora da sala de aula.

Ao final dos encontros é desejável que os(as) graduandos(as):

  • tenham diversificado sua formação de leitura;
  • transitem com maior facilidade por diferentes tipologias e gêneros textuais e discursivos, seja lendo ou produzindo;
  • apresentem maior domínio e compreensão da norma padrão e das variações da língua;
  • ampliem a capacidade de expressão por intermédio da escrita de textos coesos, coerentes e fundamentados de acordo com o contexto da interação; ampliem a capacidade de expressão por intermédio de falas estruturadas, projetadas e adequadas ao contexto de interação.

Conteúdo programático[editar | editar código-fonte]

  • Linguagem, Língua e Cultura
  • Variação e preconceito linguístico
  • Ponto de vista, ponto de partida: uma escrita em primeira pessoa;
  • Interseccionalidade (gênero, raça, classe);
  • Memória individual e coletiva;
  • Descrição densa;
  • Narração;
  • Argumentação;
  • Oralidade.

Plano de aulas[editar | editar código-fonte]

  • Encontro 1: 05 de agosto - pela manhã (8h30 - 12h30): "Buscar a voz própria". Apresentação e discussão sobre o programa.

Indicação de leitura para a aula seguinte: "Quarto de despejo", de Carolina Maria de Jesus

  • Encontro 2: 19 de agosto - pela manhã (8h30 - 12h30):

Ponto de vista, ponto de partida: uma escrita em primeira pessoa. Língua, variação e preconceito linguistico. Narração

  • Encontro 3: 02 de setembro - pela manhã (8h30 - 12h30):

Narração. Interseccionalidade. Planejamento da publicação.

  • Encontro 4: 16 se setembro - pela manhã (8h30 - 12h30)

Memória individual e coletiva. Descrição Densa. Tópicos da norma culta, a partir das dificuldades mapeadas

  • Encontro 5: 30 de setembro - manhã (8h30 - 12h30):

Oralidade, por jogos teatrais e a entonação da leitura

  • Encontro 6: 30 de setembro - tarde (13h30 - 17h30):

Argumentação.

  • Encontro 7: 14 de outubro (8h30 - 12h30):

Tópicos da norma culta, a partir das dificuldades mapeadas.

  • Encontro 8: 14 de outubro - tarde (13h30 - 17h30): AVALIAÇÃO E ENCERRAMENTO

Finalização da publicação e auto-avaliação

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

ABREU, A. S. O design da escrita. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2008.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Americanah. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Autonomia universitária e ações afirmativas. Revista Brasileira de Estudos Constitucionais [recurso eletrônico], 2015.

ALVES, Míriam et al. Olhos de azeviche: dez escritoras negras que estão renovando a literatura brasileira. Rio de Janeiro: Malê, 2007

ANTUNES, I. Lutar com palavras: coesão e coerência. São Paulo: Parábola Editorial, 2005. ARISTÓTELES. Arte poética. São Paulo: Martin Claret, 2005.

BAGNO, M. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003. BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo, Martins Fontes, 1992. ______________. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2004.

BARBOSA, Lícia Maria de Lima. Feminismo negro: notas sobre o debate norte-americano e brasileiro. In: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. 2010.

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. Editora Companhia das Letras, 2010.

BORGES, Rosane. Esboços de um tempo presente. Rio de Janiero, Editora Malê, 2016.

CANDIDO, Antonio. “A literatura e a formação do homem”. In: Ciência e Cultura, v.24, n.9, São Paulo, 1972. __________________. “O direito à literatura”. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

CARNEIRO, Sueli e CURY Cristiane. O poder feminino no culto aos orixás. Revista de Cultura Vozes, 1990. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2015/05/Mulher-Negra.pdf

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. Revista Parágrafo, 2017. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2017/07/01.pdf

COLLINS, Patricia Hill. Rasgos distintivos del pensamiento feminista negro. Feminismos negros, una antología, p. 99-134, 2012. Disponível em: https://www.traficantes.net/sites/default/files/pdfs/Feminismos%20negros-TdS.pdf

DALCASTAGNÈ, Regina (org.). “Vozes nas sombras: representação e legitimidade na narrativa contemporânea”. In: Ver e imaginar o outro – alteridade, desigualdade, violência na literatura brasileira contemporânea. Vinhedo (SP): Horizonte, 2008.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

_____________. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

EVARISTO, Conceição. Becos da Memória. Ilha de Santa Catarina: Editora Mulheres, 2013. ______________________. Olhos D'Água. Rio de Janeiro: Pallas, 2015.

_____________________. Insubmissas lágrimas de mulheres. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

FIORIN, José Luiz. Linguagem e ideologia. São Paulo: Ática, 2007.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2006.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2011.

GAMA, Luiz; FERREIRA, Ligia Fonseca. Com a palavra, Luiz Gama: Poemas, artigos, cartas, máximas. Imprensa Oficial do Estado, 2011.

GONÇALVES, Ana Maria. Um defeito de cor. Rio de Janeiro: Record, 2006.

GUIMARÃES, Geni. Leite do peito. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2001.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

____________. Alisando o nosso cabelo. Revista Gazeta de Cuba–Unión de Escritores y Artista de Cuba, 2005. Disponível em: https://www.geledes.org.br/alisando-o-nosso-cabelo-por-bell-hooks/#gs.wCVMDAw

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Abril Educação, 2006.

KILOMBA, Grada. Plantation memories: episodes of everyday racism. Münster: Unrast, 2008.

KOCH, I. G. V.; ELIAS, V. M. Ler e escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MARCONDES, Danilo. Textos básicos de linguagem: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

MOISÉS, M. A criação literária: poesia e prosa. São Paulo: Cultrix, 2012.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Editora Perspectiva SA, 2016.

PROUST, Marcel. Sobre a leitura. Campinas (SP): Pontes, 2011.

RANCIÉRE, Jacques. O fio perdido: ensaios sobre a ficção moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. Edusp, 2002.

SOUZA, Elizandra. FAUSTINO, Carmen. Antologia Poética Pretextos de Mulheres Negras. São Paulo: Mjiba.

SILVA, Cidinha da. #Parem de nos matar! São Paulo: Editora Ijumaa, 2016.

SILVA, Francisca Souza da. Ai de vós! Diário de uma doméstica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983.

SOARES, Marli Pereira. Marli Mulher: "Tenho pavor de barata, de policia não". Rio de Janeiro, Avenir, 1981.

WERNECK, Jurema. MENDONÇA, Maisa. WHITE, Evelyn. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro: Pallas, Criuola, 2006.

XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana Barreto; DOS SANTOS GOMES, Flávio (Ed.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. Selo Negro Edições, 2012.