Coletivo Cético M.Faraday

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coletivo Cético M.Faraday
Logo camisa Caminhão com Ciência 2018.png
Cama de pregos em exposição do Caminhão com Ciência

O Coletivo Cético M.Faraday é formado por estudantes e professores da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Seu principal objetivo é a defesa da autoridade da ciência contra o obscurantismo, os negacionismos e as pseudociências.[1][2] Ligado ao Programa Caminhão com Ciência, o coletivo também faz popularização da ciência, promove o pensamento crítico[3][4] e combate pseudociências, charlatanismos e demais obscurantismos anticientíficos na UESC.

A atuação do coletivo é orientada pelas situações-limite[5] e baseada no ethos científico de Robert Merton,[6][7] nas ideias sistematizadas por Martin Gardner e no realismo ontológico de Mario Bunge.[8]

Por que combater pseudociências ?[editar | editar código-fonte]

Mario Bunge[9]

Cientistas e filósofos tendem a tratar superstição, pseudociência e até a anticiência como lixos inofensivos ou mesmo como adequadas para o consumo em massa; eles estão muito ocupados com sua própria pesquisa para se preocuparem com tais nonsenses. Tal atitude é muito lastimável pelas seguintes razões:

  • Superstição, pseudociência e anticiência não são resíduos que podem ser reciclados em algo útil; elas são viroses intelectuais que podem atacar qualquer pessoa, leiga ou cientista, ao ponto de adoecer toda uma cultura e torná-la contrária à pesquisa científica
  • A emergência e difusão da superstição, pseudociência e anticiência são fenômenos psicossociais importantes para serem investigados cientificamente e talvez mesmo usados como indicadores do estado de saúde de uma cultura
  • Pseudociência e anticiência são bons casos para testar qualquer filosofia da ciência
  • A dignidade de uma filosofia pode ser avaliada pela sua sensibilidade às diferenças entre ciência e não-ciência, ciência de alto e baixo nível, entre ciência viva e morta

John Ziman[10]

But parascientism is a dangerous disorder for the experienced scientist, tending to lower his sceptical guard, and often bringing out an extraordinary capacity for credulity and self-deception. To those who are afflicted by it, the only answer of the scientific community must be: come with reliable consensible evidence, come with sound argument, and we will be ready to be convinced - but until that day you must not expect us to put much faith in your claims, nor to give much support to a cause in which we do not really believe.

Robert Crease[1]

Pregar, denunciar ou gritar "Ciência funciona!" não irá ajudar. Nem atirar estatísticas, gráficos e tabelas. A melhor abordagem, na minha visão, é examinar as experiências dos pioneiros proponentes da autoridade científica, que enfrentaram poderosa resistência, arriscaram suas carreiras e até suas vidas e tiveram que desenvolver contraofensivas. Em meu último livro, The Workshop and World, eu descrevo o que eles podem nos ensinar sobre como confrontar o moderno negacionismo científico.

O ceticismo de Michael Faraday[editar | editar código-fonte]

Aparato desenvolvido por Faraday para testar o efeito ideomotor nas mesas girantes.[11]

Em 1853 Michael Faraday publicou três textos sobre a moda das mesas girantes. Ele responsabilizou as deficiências no sistema educacional pelos equívocos no entendimento público do fenômeno.[12][11][13]

No final de julho do mesmo ano Faraday revelou ao amigo Christian Friedrich Schönbein, em uma carta que também tratava do recém descoberto ozônio, sua opinião sobre o assunto:[14]

I have not been at work except in turning the tables upon table turners – nor should I have done that but that so many enquiries poured in upon me that I thought it better to stop the inpouring flood by letting all know at once what my views and thoughts were. What a weak credulous, incredulous, unbelieving superstitious, bold, frightened, what a ridiculous world ours is, as far as concerns the mind of man. How full of inconsistencies, contradictions and absurdities it is. I declare that taking the average of many minds that have recently come before me (and apart from that spirit which God has placed in each) and accepting for a moment that average as a standard, I should far prefer the obedience affections and instinct of a dog before it. Do not whisper this however to others. There is one above who worketh in all things and who governs even in the midst of that misrule to which the tendencies and powers of man are so easily perverted.

Atividades[editar | editar código-fonte]

  • Reuniões semanais
    • Debates sobre a literatura
    • Programação de atividades
    • Integração com outros grupos
    • Estratégias de atuação
  • Divulgação do Coletivo
  • Participação em eventos pseudocientíficos
  • Discussões via WhatsApp

Ver também[editar | editar código-fonte]

Na Wikipédia[editar | editar código-fonte]

Ceticismo
Livros
Biografias
Popularização da ciência
Biodiversidade
Pseudociências

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. 1,0 1,1 Crease, R.P. 2019. The rise and fall of scientific authority — and how to bring it back. Nature 567, 309-310.
  2. Thorp, H. Holden. 2020. Editorial: Persuasive words are not enough. Science, 368(6498):1405.
  3. Sagan, C. 2006. O mundo assombrado pelos demônios: A ciência vista como uma vela no escuro. São Paulo: Companhia das Letras. "Além de nos ensinar o que fazer na hora de avaliar uma informação, qualquer bom kit de detecção de mentiras deve também nos ensinar o que não fazer. Ele nos ajuda a reconhecer as falácias mais comuns e mais perigosas da lógica e da retórica. Muitos bons exemplos podem ser encontrados na religião e na política, porque seus profissionais são freqüentemente obrigados a justificar duas proposições contraditórias."
  4. Sloan, R.P., 2006. Blind faith: the unholy alliance of religion and medicine. New York: St. Martin’s Press.
  5. Freire, P. 2019. Pedagogia do Oprimido, 63ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p.133. "Esta forma de proceder se observa, não raramente, entre homens de classe média, ainda que diferentemente de como se manifesta entre camponeses. Seu medo da liberdade os leva a assumir mecanismos de defesa e, através de racionalizações, escondem o fundamental, enfatizam o acidental e negam a realidade concreta. Em face de um problema cuja análise remete à visualização da "situação-limite", cuja crítica lhes é incômoda, sua tendência é ficar na periferia dos problemas, rechaçando toda tentativa de adentramento no núcleo mesmo da questão. Chegam, inclusive, a irritar-se quando se lhes chama a atenção para algo fundamental que explica o acidental ou o secundário, aos quais estão dando significação primordial."
  6. Ziman, J.M. 1996. Reliable Knowledge: An Exploration of the Grounds for Belief in Science. Cambridge, Cambridge University Press.
  7. Reis, V.M.S., Videira, A.A.P. 2013. John Ziman e a ciência pós-acadêmica: consensibilidade, consensualidade e confiabilidade. Scientiae Studia, 11(3), 583-611.
  8. Bunge, M. 1989. Ethics: The Good and The Right, Treatise on Basic Philosophy. Springer Netherlands.
  9. Bunge, M. 1984. What Is Pseudoscience? The Skeptical Inquirer 9, 36–46.
  10. Ziman, J.M. 1996. p.148.
  11. 11,0 11,1 Faraday, M. Table turning. The Illustrated London News. 16 de julho de 1853.
  12. Faraday, M. 1859. Table-turning In: Experimental Researches in Chemistry and Physics. London, Taylor & Francis. p. 381-391
  13. Marc Andersen, Kristoffer L. Nielbo, Uffe Schjoedt, Thies Pfeiffer, Andreas Roepstorff & Jesper Sørensen. 2018. Predictive minds in Ouija board sessions. Phenomenology and the Cognitive Sciences 18, 577–588.
  14. Georg W. Kahlbaum, Francis V. Darbishire. (eds.) 1899. The letters of Faraday and Schoenbein 1836-1862, London, Williams & Norgate. p. 214-215.
  15. Thompson, Neil & Hanley, Douglas. 2018. Science Is Shaped by Wikipedia: Evidence From a Randomized Control Trial MIT Sloan Research Paper No. 5238-17.
  16. Callis, Kristine L.; Christ LR, Resasco J, Armitage DW, Ash JD, Caughlin TT, Clemmensen SF, Copeland SM, Fullman TJ, Lynch RL, Olson C, Pruner RA, Vieira-Neto EH, West-Singh R, Bruna EM. 2009. Improving Wikipedia: educational opportunity and professional responsibility (requer pagamento). Trends in Ecology & Evolution, 24(4):177-179. ISSN 0169-5347. PMID 19269059.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Vídeos[editar | editar código-fonte]

Dez pensadores inspiradores[editar | editar código-fonte]

Robert P. Crease. 2019. The Workshop and the World: What Ten Thinkers Can Teach Us About Science and Authority. New York, W. W. Norton & Company.

Publicações[editar | editar código-fonte]