Educação Artística

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aeroplano. Pintura de Paulo Cesar.JPG

Introdução[editar | editar código-fonte]

O quê pode ser avaliado em Artes? Atualmente a Arte em sala de aula tende a ser desenvolvida a através de projetos, onde cada estudante exerce funções determinadas que mais lhe interessem. Não é mais necessário que todos façam tudo, mas que cada indivíduo tenha a oportunidade de explorar o que tenha de melhor. Além disso valoriza-se a avaliação do processo de desenvolvimento, e não somente avaliar o resultado do processo. Fernando Hernandez propõe que o estudante realize o portfólio para organizar seus trabalhos e permitir a auto avaliação. O portfólio serve como um registro da trajetória de desenvolvimento do estudante, e pode ser visto tanto pelo professor como pelo próprio estudante, visando o desenvolvimento da autonomia em sala de aula. No portfólio o estudante coloca anotações sobre as leituras realizadas de obras de arte , dados informativos sobre períodos históricos e anotações sobre sua própria produção, além de imagens do trabalho que julgue importantes. O formato do portfólio é de livre escolha, desde que haja justificativa para legitimar. O portfólio permite que o professor tenha subsidios informativos sobre o processo de desenvolvimento dos estudantes, mas principalmete que os próprios estudantes cultivem o hábito de auto avaliarem-se, a fim de descobrirem a responsabilidade sobre seus processos de aprendizagem. O portfólio tem este caráter de liberdade de escolha dos conteúdos a serem armazenados por que temos o interesse que os estudantes aprendam a escolher o que realmente lhes interessa. E se escolhem, é por que a motivos para escolher. E os motivos pelos quais eles escolhem interessa discutir em sala de aula, pois o fim maior da nossa ação educativa é que os estudantes uzem o conhecimente que adquirem na vida prática. Que eles tenham condições de uzarem os recursos que usam para ler uma obra de arte para lerem todas as imagens que constituem a Cultura Visual na Atualidade, assim com de outras épocas, e não só as imagens concernentes ao universo das Artes Pláticas.

Mas é imprecindível que no começo de cada semestre ou ano de estudo, antes de propor e realizar o sistema de ensino atraves de projetos de trabalho e Portfólios, os estudantes fiquem inteirados sobre o que significam essas propostas. Para isso o professor tem que dedicar duas ou mais aulas para esclarescer os objetivos que se pretendem com a proposta. Este passo inicial interessa para a avaliação posterior, pois os portfólios permitem analisar os pontos que deram errado na trajetória de ensino e aprendizagem.

Cultura Visual[editar | editar código-fonte]

As pessoas vivenciam experiencias em suas existências que são "arquivadas" na memória. Estes subsidios memoriais são reacessados cada vez que as pessoas reviem situações semelhantes as que as fizeram guardar estes subídios. Estes subsídios é que dão valor aos significados aos elementos visuais que constituem a Cultura Visual.

Metologia (ensino e aprendizagem)[editar | editar código-fonte]

A arte educação não visa formar artistas, mas indivíduos que saibam reconhecer signos ou elementos visuais dentro de todos os âmbitos da Cultura Visual de maneira consciente e crítica.

Educação não é absorção passiva de conhecimentos absolutos. É vivencia, pensamento crítico, sentimentos e emoções.

Para interpretar uma obra de arte é necessário ter um pensamento flexível, pois não há interpretação que tenha caráter universal. As leituras em Artes Visuais são como as leituras na poesia. Só os signos são diferentes, a princípio. As imagens poéticas na Artes Visuais e as palavras poéticas na poesia.

A Arte pode ser subsidiada por outras áreas do conhecimento como meio de enriquecer a leitura ou crítica das obras de arte, assim como para enriquecer o conhecimento sobre os elementos constituintes de um período histórico. E também como subsídio desencadeador de um processo artístico visando a produção, mesmo para estudantes de Ensino Fundamental e Ensino Médio, assim como para a EJA. A proposta da arte educadora Ana Mae Barbosa inclui três elementos no ensino de Arte:leitura crítica das obras de arte, a História e a produção.

A crítica estimulada em sala de aula é de dois tipos: a formal e a de significado. A crítica formal refere-se a leitura dos elementos visuais da imagem, tais como dimensões, proporções, cores, linhas, composiçao e perspectiva. a crítica do signficado refere-se ao potencial que os elementos visuais desenpenham na comunicação da imagem.É hora de os estudantes aprenderem sobreo poder comunicativo dos elementos de uma imagem. É através dessa leitura que eles vão aprender a interpretar os elementos visuais nos diversos setores da Cultura Visual.

O professor de arte é antes de tudo um eterno estudante, disposto a aprender através do convívio com os estudantes que lhe for concedido o direito de educar. Ele funciona como um mediador de um processo que não tem começo, meio e fim; e sim intenção de encaminhamento; de direcionamento do estudante por caminhos que condizam com seus potenciais inatos. Por isso o professor tem que estar disposto a conversar e dar os rumos do processo de ensino aprendizagem segundo o interesse dos estudantes, mas assegurando a organização necessária para que o processo se desenvolva.

Processos Internos do Indivíduo

Aprendizagem Conceitual

Superação das perspectivas expressionistas e condutistas

Experiência Estética

Consciência Crítica

Compreensão e apreciação de Arte