Educação na Web/Vacina vencida da Rubéola como causadora da Microcefalia

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Boato[editar | editar código-fonte]

No início de dezembro de 2015, começou a circular um boato pela Internet sobre o possível envolvimento dos casos de microcefalia com a administração de vacinas vencidas de Rubéola para mulheres grávidas. Não foi possível identificar a origem exata do surgimento do boato, pois todas as notícias e vídeos que o transmitem não correspondem ou citam as pessoas que realmente o criaram. Encontramos um vídeo no Facebook em duas páginas diferentes, uma página pessoal [1] e uma página de notícias [2], com grande número de “Curtidas” e “Compartilhamentos”. Ambas são datadas de 9 de dezembro de 2015, mas não são responsáveis pela criação do vídeo. Em blogs e outros sites de notícias, apenas encontramos a desmitificação do mito, mas algumas páginas apresentam apenas uma captura de tela de uma postagem sobre o mito sem identificar o autor/data [3][4][5]. Ainda no Facebook, encontramos uma postagem feita por um usuário utilizando a imagem de um bebê microcefálico para divulgar o boato, também 9 de dezembro [6]. Além disso, no YouTube localizamos um vídeo de um pastor compartilhando o boato, mas ele não era o criador do mesmo [7].


Argumentos usados pelos boatos[editar | editar código-fonte]

  • Rubéola, quando contraída por mulheres grávidas, pode provocar microcefalia nos bebês → Então a vacina contra rubéola vencida aplicada nas gestantes provoca microcefalia dos recém-nascidos.
  • Se realmente a microcefalia fosse causada pelo zika vírus, por que isso só ocorreu na região Nordeste, considerando que o zika vírus já estava presente na África e não foram encontrados casos de microcefalia relacionados ao vírus?
  • Tentativa de redução populacional pela mortalidade infantil realizada pelo governo ou o governo não quer se responsabilizar pelo erro cometido com vacinas vencidas para não ter de pagar indenização às famílias
  • A lógica por trás do argumento pode ser: a vacina não está mais na validade, logo os vírus atenuados voltam a estar ativos. Ou a lógica por trás do pensamento é: após o término da validade, o composto vencido se torna perigoso, causando a microcefalia.
  • Vírus não poderiam ser transmitidos por picadas de insetos, pois, se isso acontecesse, o HIV também seria transmitido desse jeito.
  • Algumas fontes sugerem estudos realizados por instituições não relacionadas ao governo em conjunto com médicos experientes da área (mas não os cita) para dizer que não há correlação do zika vírus com casos de microcefalia, mas sim com as vacinas vencidas.

Motivações[editar | editar código-fonte]

O boato foi espalhado em tom de terror em todos os casos, e até anexado a uma foto “comovente” de um recém nascido com microcefalia[6], sempre pedindo compartilhamentos, buscando a autopromoção. Além disso, alguns vídeos apelam para um posicionamento político, afirmando de que o governo teria sido o responsável pela distribuição das vacinas vencidas em um plano de contenção populacional.

Tweet comentando uma publicação no campo de comentários do site G1
Ficheiro:Ref6.PNG
Publicação no Facebook do boato "Vacina de rubéola vencida causa microcefalia".

Contra-argumentos aos boatos[editar | editar código-fonte]

  • “O Ministério da Saúde confirmou no sábado (28/11) a relação entre o vírus Zika e o surto de microcefalia na região Nordeste. O Instituto Evandro Chagas [...] encaminhou o resultado de exames realizados em um bebê, nascida no Ceará, com microcefalia e outras malformações congênitas. Em amostras de sangue e tecidos, foi identificada a presença do vírus Zika.” [8]
  • Gestantes não são vacinadas contra rubéola, ao contrário do que foi apresentado em um dos vídeos sobre o boato. Mesmo nos casos de mulheres que tomaram a vacina contra rubéola sem saberem que estavam grávidas, não há evidências de que filhos desenvolverem sintomas de rubéola. [9]
  • A rubéola foi considerada erradicada do Brasil e das Américas pela OMS. [10]
  • Ocorrência de vários casos de microcefalia no restante do país, não se restringe apenas à região Nordeste, o que enfraquece a ideia de uma vacina vencida de rubéola, pois esta deveria ser distribuída e aplicada por todo o país. [11]
  • Existem casos de má-formação do sistema nervoso central que podem estar relacionados com zika vírus em outras regiões, como na Polinésia Francesa. [12]
  • Existem vários sintomas em bebês de mulheres que tiveram rubéola durante a gravidez além de microcefalia e má formações, como surdez, deficiências intelectuais, catarata, problemas cardíacos congênitos, entre outros [13][14].
  • Conforme o artigo da Organização Mundial da Saúde (OMS) descreve "Nenhum caso de Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) foi reportada em mais de 1000 mulheres suscetíveis que estavam, sem conhecimento, em estágios iniciais de gravidez e foram vacinadas contra rubéola. Entretanto, devido a um risco teratogênico teórico, mas nunca demonstrado, a vacinação de mulheres grávidas contra rubéola deve ser evitada em princípio. Mulheres que pretendem engravidar deveriam ser alertadas para atrasarem em um mês após tomada vacinação contra rubéola. Apesar de questionamentos sobre a possibilidade de estágios iniciais de gravidez devam ser feitos às mulheres, testes de rastreio para detectar a gravidez não são necessários. A vacinação contra rubéola em mulheres que não sabiam que estavam grávidas não é um indício para aborto." [14]
  • O protocolo de vigilância e resposta à ocorrência de microcefalia relacionada à infecção pelo vírus Zika, criado pelo Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia no Brasil - Ministério da Saúde, exclui a possibilidade de outras fatores estarem relacionados com o grande aumento de casos de microcefalia recentes, além de proporcionar mais informações sobre a infecção, origem, diagnóstico, entre outros. [15]

Material recomendado[editar | editar código-fonte]

Importância de tomar vacinas[editar | editar código-fonte]

  • Importância da vacinação [16]
  • “A vacinação é uma das medidas mais importantes de prevenção contra doenças causadas por vírus e bactérias. É muito melhor e mais fácil prevenir uma enfermidade do que tratá-la, e é isso que as vacinas fazem.” [17]
  • “A prevenção da rubéola é feita através da vacinação. A vacina contra a rubéola contém o vírus vivo atenuado, isto é enfraquecido, mas com capacidade de induzir o organismo humano a produzir anticorpos.” [18]
  • Vacinas recomendadas para gestantes. [19]
  • Calendário nacional de vacinação de gestantes. [20]
  • Não há relação entre vacina MMR (tríplice viral) e aumento do risco da criança de desenvolver autismo. [21]

Consequências de vacinas vencidas[editar | editar código-fonte]

  • “Doses de vacinas vencidas que são administradas inadvertidamente geralmente não devem ser consideradas válidas e devem ser repetidas.” [22]
  • “Nossas orientações, baseadas nas recomendações do Comitê Consultor em Práticas Imunitárias (ACIP), são de que uma vacina expirada é uma dose inválida e uma dose posterior (não-expirada) da vacina deve ser dada o mais cedo possível.” [23]

Vírus Zika e Microcefalia[editar | editar código-fonte]

  • Vídeo do Dr. Drauzio Varella falando da relação de Zika com microcefalia. [24]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Vídeo no Facebook - página pessoal https://www.facebook.com/medeiros1976/videos/10200831113457929/
  2. Vídeo no Facebook - página de notícias https://www.facebook.com/informese1/videos/585002214980658/
  3. Blog Gene Repórter http://genereporter.blogspot.com.br/2015/12/sai-zika-mitos-sobre-o-virus-zika-e.html
  4. Postagem no Twitter https://twitter.com/shoujofan/status/674522476769099776
  5. Blog Extra Globo http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/eboato-que-vacina-contra-rubeola-vencida-a-causa-da-microcefalia-18258112.html
  6. 6,0 6,1 Postagem no Facebook https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1024223964284054&set=a.702206409819146.1073741841.100000893811396&type=3
  7. Vídeo no YouTube https://www.youtube.com/watch?v=pGB7JOMei1U
  8. Página do Ministério da Saúde do Paraná http://www.saude.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=3086
  9. Biblioteca Virtual em Saúde - Ministério da Saúde http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/agentesacao/rubeola.pdf
  10. Portal da Saúde - Ministério da Saúde http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/21071-brasil-recebe-certificado-de-eliminacao-da-rubeola-em-territorio-nacional
  11. Site da Época Globo http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/12/o-avanco-assustador-do-zika.html
  12. BBC http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/11/151126_zika_gravidez_polinesia_lab
  13. Site Minha Vida http://www.minhavida.com.br/saude/temas/rubeola
  14. 14,0 14,1 Adaptado de artigo da OMS http://www.who.int/wer/2011/wer8629.pdf
  15. Portal da Saúde - Ministério da Saúde http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2015/dezembro/08/microcefalia-protocolo-de-vigilancia-e-resposta-v1.pdf
  16. Fundação Oswaldo Cruz https://www.bio.fiocruz.br/index.php/a-importancia-da-vacinacao
  17. Portal Brasil http://www.brasil.gov.br/saude/2014/10/vacinas-sao-armas-eficazes-para-prevenir-doencas
  18. Campanha de Vacinação contra Rubéola http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/resp/rub_pergunta.htm
  19. http://www.cdc.gov/vaccines/pubs/downloads/f_preg_chart.pdf
  20. Portal da Saúde - Ministério da Saúde http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/197-secretaria-svs/13600-calendario-nacional-de-vacinacao
  21. G1 http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/04/novo-estudo-reforca-a-inexistencia-de-vinculos-entre-vacinas-e-autismo.html
  22. Adaptado de http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5515a1.htm
  23. Adaptação de http://www.immune.org.nz/sites/default/files/resources/AdministrationEarlyExpiredVaccineImac20110711V06Final.pdf
  24. Vídeo do YouTube https://www.youtube.com/watch?v=0F5NdpyA2Jg