Ensino de Sociologia e Estágio Supervisionado/II-2016

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sobre[editar | editar código-fonte]

Disciplina obrigatória do curso de Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo

Professor Responsável: Prof. Dr. Henrique Zoqui Martins Parra

contato: opensocialsciences [arroba] gmail.com

Local: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - Campus Provisório: Av. Monteiro Lobato, 679, Guarulhos.


Período e Carga Horária[editar | editar código-fonte]

Quando: 1° semestre de 2016 às quintas-feiras.

Turma vespertino: 14:00 - 17:40hs

Carga horária total: 135 horas


Objetivo Geral[editar | editar código-fonte]

Experienciar, investigar e desenvolver conhecimentos específicos relativos a prática docente a partir da análise, elaboração e execução de um projeto de ação educativa em escolas do Ensino Médio.

Objetivos Específicos[editar | editar código-fonte]

  • Investigar e problematizar as dinâmicas sociais de formação e atuação docente.
  • Analisar e experienciar práticas de ensino e seus modos de conhecimento.
  • Pesquisar as dinâmicas sócio-organizacionais das escolas e seus impactos nas formas de produção e difusão de conhecimento escolar.
  • Analisar alguns fundamentos didático-pedagógicos da relação professor-aluno e do ensino-aprendizagem.
  • Articular o ensino e a pesquisa tendo como objeto de mobilização e análise a ação educativa desenvolvida no Estágio.

Ementa Ensino de Sociologia II[editar | editar código-fonte]

A disciplina tem como objetivo proporcionar formação teórica e experiência reflexiva articuladas ao acompanhamento das atividades de ensino de sociologia na educação básica, realizada durante o Estágio Supervisionado II. O percurso desta disciplina será norteado pelo estudo e investigação das dinâmicas sociais, culturais e políticas implicadas na atuação profissional e na formação docente; objetiva refletir sobre a relação entre o conhecimento científico e o conhecimento escolar; nos conhecimentos e saberes implicados na prática docente e nas formas de relação professor-aluno em correspondência às teorias pedagógicas. Por fim, o(a) docente também deve orientar os estudantes na elaboração de uma sequência didática, explicitando os critérios teórico-metodológicos que fundamentam a escolha dos conteúdos, dos objetivos e dos recursos didáticos a serem utilizados em sala de aula.

Ementa Estágio Supervisionado II[editar | editar código-fonte]

O Estágio II visa criar oportunidades para o estudante experienciar a prática do ensino de Sociologia através da observação e do desenvolvimento de uma ação educativa elaborada no percurso da disciplina e sob a coordenação do professor responsável na escola. O(a) docente responsável pela disciplina deverá oferecer ferramentas teóricas e metodológicas para subsidiar o desenvolvimento e a execução de uma sequência didática, bem como a produção de material didático e paradidático utilizado na atividade. Por fim, o estudante será orientado a produzir um relatório de estágio que demonstre a co-elaboração e discussão coletiva dos projetos educativos e o desenvolvimento da proposta.

Conteúdo Programático[editar | editar código-fonte]

  • Unidade I: Saberes e profissão docente; políticas de formação docente.
  • Unidade II: Instituições educacionais e transformações nos modos de organização (sôcio-econômica, política e cultural) da produção-difusão de conhecimentos.
  • Unidade III: Constituição social do professor e modos de conhecimento.
  • Unidade IV: Relação professor-aluno e fundamentos didático-pedagógicos.

Atividades[editar | editar código-fonte]

Distribuição das Horas/atividades[editar | editar código-fonte]

  • 32hs em formação em sala (presença na Universidade);
  • 50hs em campo (registradas na Ficha de Estágio);
  • 28hs em supervisão;
  • 25hs preparação projeto e relatório final.

Avaliação[editar | editar código-fonte]

  • Avaliação do projeto de intervenção e relatório de estágio.
  • Presença: 100% das horas práticas e supervisão, 75% das horas de formação em sala.

Campos Estágio[editar | editar código-fonte]

Há dois caminhos possíveis.

  • Alguns estundantes, por razões diversas, irão desenvolver estágios individuais em escolas já contactadas.
  • Formação de grupos de trabalho para atuar junto a professores/escolas mobilizadas pelo responsável para a disciplina. Neste caso, o trabalho seguirá um plano de trabalho mais específico a ser construído coletivamente.

Escolas e Profs:

  • Ana Lídia - EE. Dr. Angelo Mendes - Jabaquara - Leciona terça, quarta e sexta pela manhã (das 7h às 12:20) e de terça a sexta pela noite das 19h às 22:30). As aulas noturnas são majoritariamente com EJAS (sete salas no total). Tenho disponibilidade de terça a sexta no período da tarde para conversar sobre demais ações (com certa dificuldade da quinta a tarde, pois pela manhã estou em Campinas). Minha escola fica próxima ao metrô Jabaquara, de fácil acesso.
  • Erika - EE professor Sebastião de Oliveira Gusmão - Jaraguá/Anhanguera.
  • Jenifer - Escola E. Padre Anchieta - Bairro Brás.
  • Maria Cecilia - Osasco - EE Prof. Alcyr Oliveira Porciúncula. 2a. feira - noturno das 19hs às 23hs;

3a. feira noturno:19hs às 23hs; 4a.feira 7:00 às 10:20hs e das 20:30 às 23hs; 5a.feira 7:00 às 09:30hs; 6a. feira 9:30 às 12:20hs e das 19hs às 23hs

  • Fernanda Sales - salesdiogo arroba hotmail.com (A) E.E. PROFESSOR ELIAS ZUGAIB, RUA JAPÃO, 10 - JD. OBELISCO - POÁ, Segunda - das 07h às 12h20; terça e quarta - 09h50 às 12h20. (B) ETEC DE POÁ, Avenida Vital Brasil, 827, quinta: das 07:50 às 11:30.
  • Aureni: Seg, Qua, Qui 7:00 às 12:20h e na sexta 7:00 às 8:30h (período da manhã) estou na escola EE. Prof. Maria Helena Barbosa Martins.
  • Alex da Mata - prof.alexdamata arroba gmail.com .Leciono em Itapevi, Zona Oeste da grande São Paulo, próximo a Osasco e Carapicuíba. Meus horários são Terça, quarta e sexta pela manhã; Segunda e quinta a noite; Quinta a tarde.
  • Carla - Itaquaquecetuba Escola Homero Fernando Milano, Av. João Barbosa de Moraes, 157 - Vila Zeferina, Itaquaquecetuba

(Fica próximo a estação Itaquaquecetuba da CPTM). Período Noturno: De segunda à sexta, das 20h45 às 23h Período Matutino: Quinta e sexta, das 7h às 9h30.

  • Tom - Bairro Pimentas - E.E Lindamil Barbosa de Oliveira. Aulas às terças-feira das 8:00 ás 12:20h. tommaia1981 [arroba] gmail.com
  • Paula Harumi - Sta. Andre
  • Renata Miranda: E.E. Nossa Senhora da Penha, todos os dias de manhã.


Grupos formados:

  • Michele, Ariana, Lisangela e Antonia: com profa. Erika - EE professor Sebastião de Oliveira Gusmão - Jaraguá/Anhanguera
  • Bruno, Pamela, Tayane, Caio: com profa. Jenifer - Escola E. Padre Anchieta - Bairro Brás.
  • Michele, Tais, Laila: com profa. Ana Lídia - EE. Dr. Angelo Mendes - Jabaquara
  • Pedro, Daniela, Rodrigo: com profa. Priscila.

Questões Disparadoras[editar | editar código-fonte]

Em se tratando de um curso de formação de professores de sociologia é fundamental que estejamos sintonizados com os desafios e problemas contemporâneos relacionados ao campo da educação. Neste sentido, não podemos ignorar a importante experiência das ocupações das escolas realizadas no final de 2015 pelos estudantes da rede pública. Considero que esta experiência pode servir de eixo articulador de nossas reflexões e aprendizados durante o semestre.

Justamente num momento em que muitos acusam os jovens de estarem desinteressados na escola e na educação, muitos jovens respondem ocupando e gerindo autonomamente suas escolas, criando novos sentidos para a escola em suas vidas e reivindicando outras escolas possíveis. O que podemos aprender dessa experiência? O que os jovens estão enunciando? Quais suas reivindicações, desejos e como a escola pode participar de uma proposta de educação democrática e dotada de sentido para a elaboração de projetos de autonomia juvenil? Como o professor participa dessas mutações da experiência escolar?

Concepções sobre o Estágio:

  • Estágio como ação educativa que se desenvolve como projeto de investigação e intervenção.
  • Ênfase nas dinâmicas coletivas: formação para o trabalho em equipe; potencializar e diversificar as experiências individuais de estágio.
  • Estágio como produção colaborativa de conhecimento sobre o local de atuação: objetiva-se evitar o caráter fragmentário e não-contínuo do estágio.
  • Estágio como escuta de si e do outro.
  • Articulação entre formação teórica e experiência prática.

Algumas questões mobilizadoras:

  • O que podemos aprender com a experiência das ocupações das escolas em 2015?
  • Que escola queremos? Como a concepção da escola se relaciona às diferentes concepções (epistemológicas) sobre educação?
  • A escola como aparato de controle X escola como lugar de experiência democrática;
  • Formação, experiência e práticas de ensino para a educação democrática;
  • Gestão coletiva, público-estatal X comum;

Reflexões sobre produção de conhecimento e saberes docentes:

  • O que é conhecer hoje? Sociedade do Conhecimento ou da Des-Informação?
  • Quais os impactos das mudanças sociais e culturais nos processos de socialização e educação escolar? Transformação na centralidade das instituições de ensino?
  • Como produzimos, compartilhamos, transmitimos e comunicamos o conhecimento?
  • Quais as especificidades do Ensino Médio? Ciências Sociais para quê? O que significa ensinar a pensar sociologicamente?
  • O que eu, como professor em formação, preciso saber? Quais conhecimentos, habilidades, competências?

Detalhamento proposta de estagio[editar | editar código-fonte]

  • Trabalho em equipe (mínimo duas pessoas) => aprender a fazer juntos;
  • Projetos de estágio: co-elaborado com o professor e a escola => o que podemos fazer junto à escola e seus atores?
  • Local: prioritariamente escolas públicas de guarulhos => públicas sao paulo => privadas/comunitárias.
  • Relatório terá duas dimensões: (1) Pública: análises, projeto, reflexões => pode ser compartilhado; (2) Privada = Elaboração de um "diário de campo": será um anexo com relatos mais experiênciais, lidará com reflexões e informações sensíveis.
  • Seminário Temático: cada grupo deve escolher um seminário. Enviar com dois dias de antecedência para a lista da disciplina uma sintese do texto e 3 questões para o debate. Para o dia do seminário o grupo deve também selecionar materiais empíricos que ajudem na discussão em sala.

Recursos Disponíveis

  • Kit multimídia para pesquisa de campo composto de: 1 camera fotografia, 1 gravador de audio, 1 smartphone.
  • Site para publicação e documentação coletiva.


Relatório Final[editar | editar código-fonte]

Roteiro mínimo para elaboração do Projeto de Estágio: http://ensinosociologia.milharal.org/files/2013/04/Projeto-Intervencao-EstagioII-III.pdf

Sobre o Relatório Final:

O texto impresso deverá ser entregue em digitalmente por email (henrique@pimentalab.net) nos formatos (.odt , .doc, ou .pdf) até o dia 2 de agosto. O texto do relatório não deve ultrapassar 15 páginas (excluindo-se os anexos); no formato Times (Fonte 12); Espaçamento 1,5; modo justificado e margem direita, superior e inferior de 2,5 cm e a margem esquerda de 3,0 cm; capa, sumário e bibliografia. As imagens produzidos nos mapeamentos, o registro imagético das intervenções e demais materiais visuais, sonoros ou textuais produzidos e/ou utilizados para a realização da intervenção deverão compor um Anexo ao relatório. As matrizes dos planos de ensino também poderão compor um anexo ao relatório.

Estrutura:

Bloco 1: Identificação do campo do estágio

  • Escola
  • Endereço
  • Diretoria de Ensino
  • Contato das pessoas de referência no local: nome, tel, email
  • Diretora ou Vice (alternativo)
  • Nome e Email do(a) Professor(a)


Bloco 2: Etnografia e reflexão sobre o campo do estágio

Neste bloco o estudante deverá descrever seu campo de estágio tendo em mente os temas e a literatura que foi discutida em sala durante este semestre, procurando articular os elementos observados com o referencial teórico que utilizamos para cada tema:

  • Caracterização do espaço escolar
  • Saberes docentes: conhecimentos, competências e habilidades do fazer docente
  • Relações professor X aluno; professor X estrutura escolar;
  • Currículo

Bloco 3: Descrição do projeto realizado

Neste item, caso não tenha realizado um projeto de intervenção você deverá apresentar, descrever, analisar o que você produziu ao final da disciplina: planos de ensino; material didático, etc. Os materiais didáticos ou as matrizes dos planos de aula deverão ser adicionados ao anexo.


Referencial bibliográfico e documentos utilizados

Anexos

Filmes sugeridos[editar | editar código-fonte]

Cronograma[editar | editar código-fonte]

  • 4 aulas de atividades do curso: apresentação disc., entrega projetos, apresentacao relatorios.
  • 6 seminarios tematicos com supervisao
  • 5 dias para atividades de campo.


Aula 1 - 03/05 - Apresentação do Curso e Acordos gerais[editar | editar código-fonte]

Objetivos da Aula 1:

  • Apresentação da proposta de estagio
  • Mapeamento da situação inicial
  • Detalhamento do percurso do estágio nesta disciplina: como faremos?
  • Construção dos acordos.

Proposta: organização coletiva do semestre. temos que lidar com uma nova conjuntura (atraso no inicio do semestre) e cronograma de reposição.

  • Formação de grupos de trabalho (5 grupos).
  • Identificação e proposta de temas relevantes (5 eixos).
  • Escolha de 5 escolas.
  • Realização de atividade nas escolas

Aula 2 - 10/05 - Atividade de campo 1[editar | editar código-fonte]

  • Visita às escolas e definição do campo do estágio.
  • Formalização da documentação.

Aula 3 - 17/05 - Seminário I: Conhecimentos, Saberes e Prática Docente[editar | editar código-fonte]

Leitura obrigatória:

Leitura complementar:

  • DUARTE , Newton. Conhecimento Tácito e Conhecimento Escolar na Formação do Professor (Porque Donald Schön não entendeu Luria). Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 83, p. 601-625, agosto 2003 . Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v24n83/a15v2483.pdf

Aula 4 - 24/05 - Atividade de Campo 2[editar | editar código-fonte]

Atividades a serem realizadas e apresentadas na aula do dia 31/5:

  • Entrevista com professor(a) supervisor(a) do campo de estágio: cada grupo ou estudante (no caso de estágio individual), deverá realizar uma entrevista informal com o professor supervisor. O objetivo da entrevista é conhecer o percurso e a experiência de formação deste professor, e explorar as relações entre o conhecimento das ciências sociais adquirido na universidade (conhecimento disciplinar) e o conhecimento das ciências sociais ensinado na escola. Para isso, o texto do Mauricio Tardif, indicado para a aula anterior, fornece um bom roteiro para questões a serem discutidas. Cada grupo/estagiário deverá entregar nesta aula um breve relatorio desta entrevista, procurando conjulgar as reflexões deste autor com o relato do professor supervisor. Este trabalho é a primeira parte do relatório do estágio em construção.
  • Tarefa coletiva sobre o Curriculo de Ensino de Sociologia: identificar, reunir, organizar materiais sobre o curriculo de sociologia para a educação básica. A proposta é que possamos reunir informações e documentos (legislaçao, documentos, DCNs, PCNs, OCNs) e inclusive materiais sobre a nova proposta de base nacional curricular em sociologia (que pode entrar em vigor em breve).

Os materiais encontrados devem ser enviados para este drive virtual: http://drive.pimentalab.net

Aula 5 - 31/05 - Seminário II e Supervisão coletiva[editar | editar código-fonte]

  • Avaliação do material de campo: entrega das entrevistas
  • Analise do material coletado sobre currículo de Ensino de Sociologia.
  • Leituras para discussão em Sala:

Texto de referência

FREIRE, Paulo & SHOR, Ira. Medo e Ousadia.São Paulo: Paz e Terra, 1987. Capítulo 1 (pp.27-66). Disponível em: http://drive.pimentalab.net/estagio/Bibliografia

Texto para inspiração

GAGNEBIN, Jeanne Marie. O método desviante: algumas teses impertinentes sobre o que não fazer num curso de filosofia. Disponivel em: http://drive.pimentalab.net/estagio/Bibliografia

Textos para reflexão do momento:

ANGERAMI, Paula Linhares. A pedagogia da ocupação ensinada pelos alunos paulistas. Disponivel em: http://jornalggn.com.br/noticia/a-pedagogia-da-ocupacao-ensinada-pelos-alunos-paulistas.

Entrevista com o coletivo Mal Educado (2014). pp. 64-69. Revista Urbânia 5. Disponível em: http://drive.pimentalab.net/estagio/Bibliografia

Recursos Adicionais

Links sobre "Escola sem Partido":

Aula 6 - 07/06 - Atividade de Campo 3[editar | editar código-fonte]

Não haverá aula presencial neste dia.

Neste momento do curso avançamos sobre a questão: O que ensinar?

Pesquisa sobre o Curriculo de Ensino de Sociologia: identificar, reunir, organizar materiais sobre o curriculo de sociologia para a educação básica. A proposta é que possamos reunir informações e documentos (legislaçao, documentos, DCNs, PCNs, OCNs) e inclusive materiais sobre a nova proposta de base nacional curricular em sociologia (que pode entrar em vigor em breve).

Observar e analisar o que está sendo ensinado na escola e pelo professor(a) que recebeu vocês na escola. Para o relatório final este item deverá ser desenvolvido e analisado à luz da bibliografia indicada para a aula do 14 de junho.

Aula 7 - 14/06 - Seminário III - Construção Social do Currículo - e Supervisão[editar | editar código-fonte]

Leitura para discussão: GOODSON, Ivor. Currículo, Narrativa e o Futuro Social. Revista Brasileira de Educação, maio-agosto, vol.12, n°35, 2007, pp.241-252. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a05v1235.pdf

Leitura de base: FORQUIN, Jean Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação. Porto Alegre, n. 5, p. 28-49, 1992. Disponivel em: http://disciplinas.stoa.usp.br/mod/resource/view.php?id=143437

Materiais Complementares sobre as propostas curriculares de sociologia (passado, presente e futuro): https://ensinosociologia.milharal.org/recursos-de-referencia/parametros/

Aula 8 - 21/06 - Atividade de Campo 4 - Visita MASP[editar | editar código-fonte]

Dia 21 de junho, nos encontraremos no MASP, um pouco antes das 14hs, em frente da bilheteria. Entrada é gratuita neste dia.

Para a conversa com a Joana Zatz, do Coletivo Contra Filé, sugiro o texto da Vera Pallamin e o capítulo 1 do livro "O mestre ignorante" de J. Ranciere.

Leitura indicada:

RANCIÈRE, Jacques. O Mestre Ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. Disponível em: http://ir.nmu.org.ua/bitstream/handle/123456789/126125/06c02e9d1ab5c9fd8ea0e29aa3f2864b.pdf?sequence=1 [Versão pdf: Autêntica, 2002]

Aula 9 - 28/06 - Cancelada - Entrega dos Projetos de Estágio[editar | editar código-fonte]

  • Projeto de estágio, plano de ensino e sequência didática

Aula 10 - 05/07 - Seminário IV e Supervisão coletiva[editar | editar código-fonte]

Relações com o Saber e prática docente

  • CHARLOT, B. Relação com o Saber, Formação de professores e Globalização. Porto Alegre: ArtMed, 2005. Capítulos sugeridos: “Enquanto houver professores…os universais da situaçao de ensino” e “Ensinar, formar: lógica dos discursos constituídos e lógica das práticas.

Aula 11 - 12/07 - Seminário V e Supervisão[editar | editar código-fonte]

Aula 12 - 19/07 - Seminário VI e Supervisão[editar | editar código-fonte]

Aula 13 - 26/07 - Conclusão: Apresentação final e entrega dos relatórios[editar | editar código-fonte]

  • Avaliação, documentação coletiva e publicação


Bibliografia Básica[editar | editar código-fonte]

BERNSTEIN, B., (1996a). A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Petrópolis: Vozes.

CHARLOT, B. Relação com o Saber, Formação de professores e Globalização. Porto Alegre: ArtMed, 2005. Capítulos sugeridos: “Enquanto houver professores…os universais da situaçao de ensino” e “Ensinar, formar: lógica dos discursos constituídos e lógica das práticas”.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação. Porto Alegre, nº 2, p. 177-229, 1990.

DUBET, François. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor . Revista Brasileira de Educação . N o 5 Set/Out/Nov/Dez 1997. Disponível em: http://www.uff.br/observatoriojovem/sites/default/files/documentos/rbde05_6_19_angelina_e_marilia.pdf

________________. A formação dos indivíduos: a desinstitucionalização. Contemporaneidade & Educação, Ano III, n°3, março-1998.

DUARTE , Newton. Conhecimento Tácito e Conhecimento Escolar na Formação do Professor (Porque Donald Schön não entendeu Luria). Educ. Soc., Campinas, vol. 24, n. 83, p. 601-625, agosto 2003 . Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v24n83/a15v2483.pdf

FORQUIN, Jean Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria e Educação. Porto Alegre, n. 5, p. 28-49, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/espanhol/pdf%5Cpedagogia_do_oprimido.pdf [Versão pdf: 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1987]

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n°19, 2002. Disponível

em: http://www.redalyc.org:9081/home.oa?cid=93572

ou : http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf

LELIS, Isabel Alice. Do Ensino de conteúdos aos saberes do professor: mudança de idioma pedagógico. Educação & Sociedade, ano XXII, no 74, Abril/2001. Link: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302001000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

GOODSON, Ivor. Currículo, Narrativa e o Futuro Social. Revista Brasileira de Educação, maio-agosto, vol.12, n°35, 2007, pp.241-252. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a05v1235.pdf

PACHECO, José Augusto. Escritos Curriculares. São Paulo: Cortez, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O Mestre Ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. Disponível em: http://ir.nmu.org.ua/bitstream/handle/123456789/126125/06c02e9d1ab5c9fd8ea0e29aa3f2864b.pdf?sequence=1 [Versão pdf: Autêntica, 2002]

RUSSELL, Bertrand. Liberdade e Autoridade no Ensino. Disponível: http://ensinosociologia.milharal.org/atividades/ensino/estagio-iii-2010/bertrand-russell-liberdade-autoridade-ensino/

SANTOS, L. L. de C. P. História das disciplinas escolares: perspectivas de análises. Teoria e Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 21-29, 1990.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2008 (1°edição 1991)

TARDIFF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, vozes, 2007.

Eixos teóricos Seminários[editar | editar código-fonte]

Saberes Docentes: Tardiff, Newton Duarte, Isabel Lelis

Curriculo: Goodson, Jean Claude Forquin

Poder e autoridade: Freire e Shor; Bertrand Russel, Arendt,

Escola pra que?:

Ranciere, Situaciones, Pellejero, Iconoclasistas,

1. O que ensinar: -Curriculo: o que selecionar? -Qual sociologia?

2. Como ensinar => metodologias e teorias de ensino X aprendizagem

3. Onde = Contexto de ação

Estrutura, gestão e politica educacional? Quais os dispositivos de gestão e participação: do gremio estudantil à burocracia estatal.

4. A quem ensinar? Juventude, transformações da socialização, sentidos da escola.

5. Saberes e atuação docente =>

Quais os saberes? Ação docente e relações de poder.