Git vs Mercurial

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Git[editar | editar código-fonte]

O Git é um sistema de controle de versão desenvolvido pelo criador do kernel do linux e recentemente vem sendo largamente utilizado pela comunidade de desenvolvedores startups, o Git oferece um controle de versão diferente, o Distributed Version Control, ou simplesmente, controle de versão distribuído, com esta forma de controle não existe um servidor central como no SVN por exemplo, que usa versão centralizada, a comunidade diz que o Git é o controle de versão mais rápido do mercado, dentre alguns que usam o Git podemos citar o Linux Kernel, Wine, Fedora, dentre outros, o Github se estabilizou como um grande controle de versões baseado em Git, provendo um belo front end para grandes projetos como Rails e Prototype, entretanto, o Git não é muito fácil de se aprender, sendo portanto, não muito recomendado para iniciantes no mundo de controle de versões.A instalação do git pode ser feita em várias plataformas: Linux, Mac, Windows.

Mercurial[editar | editar código-fonte]

O Mercurial é outro controle de versão distribuído assim como o Git, ele foi desenvolvido para projetos de grande porte, muito além dos projetos simples de designers e desenvolvedores independentes, obviamente isso não significa que times pequenos não possam utilizá-lo, o Mercurial é extremamente rápido e os criadores focaram na performance como recurso mais importante. Além de ser muito rápido e escalável, o Mercurial é mais simples que o Git, não existem tantas funções para aprender e as funções são similares a outros CVS’s, além de ele vir equipado com uma interface web e ter uma excelente documentação. A instalação do mercurial pode ser feita em várias plataformas: Linux, Mac, Windows.

Como instalar[editar | editar código-fonte]

Git no Ubuntu[editar | editar código-fonte]

Para instalação do pacote git no sistema operacional Ubuntu, existe um software empacotado para a sua instalação nos repositórios das distribuições Ubuntu, para acessá-lo deve-se utilizar o comando:

$ sudo apt-get install git

Mercurial no Ubuntu[editar | editar código-fonte]

Para a instalação do pacote Mercurial no Ubuntu também existe um software empacotado, para acessá-lo deve-se utilizar o comando:

$ sudo apt-get install mercurial

Mercurial[editar | editar código-fonte]

Iniciando um Projeto[editar | editar código-fonte]

Neste exemplo prático, será ilustrado como proceder para iniciar um repositório na sua própria máquina ou clonar de um servidor. Primeiramente, para iniciar um repositório do zero, pode-se proceder com:

$ hg init 'diretório'
$ cd 'diretório'
$ #adiciona mudanças
$ hg add

Após, para que se possa "commitar" as mudanças deve-se registrar o usuário editando o arquivo .hgrc. Abra com seu editor preferido este arquivo no seguinte local:

$ vim ~/.hgrc

Assim, coloque as suas credenciais como abaixo e salve o arquivo:

username = Name <your.email@example.com>

Após, utilize o comando commit que as alterações serão anexadas.

$ hg commit -m "initial commit"

Para copiar um repositório em um servidor, por exemplo no repositório da Sof2U, deve-se proceder com os seguintes comandos:

$ hg clone 'repositório remoto' 
$ cd 'repositorio'
$ #edita os arquivos
$ hg add #adicionando as mudanças
$ hg commit -m 'changes' #assina as mudanças
$ hg push

Comparação de sintaxe entre comandos Git e Mercurial[editar | editar código-fonte]

Git Mercurial
git pull hg pull -u
git fetch hg pull
git reset --hard hg update -C
git revert <commit> hg backout <cset>
git add <new_file> hg add <new_file> (Only equivalent when <new_file> is not tracked.)
git add <file> Not necessary in Mercurial.
git reset Not necessary in Mercurial.
git add -i hg record
git commit -a hg commit
git commit --amend hg commit --amend
git blame hg blame or hg annotate
git blame -C (closest equivalent): hg grep --all
git bisect hg bisect
git rebase --interactive hg histedit <base cset> (Requires the HisteditExtension.)
git stash hg shelve (Requires the ShelveExtension or the AtticExtension.)
git merge hg merge
git cherry-pick <commit> hg graft <cset>
git rebase <upstream> hg rebase -d <cset> (Requires the RebaseExtension.)
git format-patch <commits> and git send-mail hg email -r <csets> (Requires the PatchbombExtension.)
git am <mbox> hg mimport -m <mbox> (Requires the MboxExtension and the MqExtension. Imports patches to mq.)
git checkout HEAD hg update
git log -n hg log --limit n
git push hg push

Branch no Mercurial[editar | editar código-fonte]

No Mercurial as branchs são permanentes. Isso significa que as branchs no Mercurial não podem ser removidas como no Git. Após ser criado merge entre branchs, a que recebeu o merge permanece enquanto a outra recebe apenas o status de desativada.

Para nomear/criar uma nova branch, separando-se da atual, assim como ocorre no git quando se utiliza do comando checkout para criar uma nova branch.

Após entrar localmente na pasta do projeto, pode-se criar uma nova branch.

$ hg branch umaBranch

Para transitar para outra branch, utiliza-se o comando:

$ hg update outraBranch

Branch no Git[editar | editar código-fonte]

As branchs no Git, ao contrário do Mercurial, são temporárias e podem ser removidas a qualquer momento, seja localmente ou remotamente. O comando para a criação de uma Branch é o checkout.

$ git checkout -b novabranch

O comando checkout permite a navegabilidade entre uma branch e outra.

$ git checkout outrabranch

Desempenho[editar | editar código-fonte]

As operações avaliadas são:

  1. Criação/clonagem de um repositório.
  2. Adição de arquivos
  3. Consolidação
  4. Visualização do estado, histórico e das diferenças
  5. Mesclagem (Merge)
  6. Comunicação entre repositórios (pull e push)

Para repositórios do estudo de caso muito pequenos. O Mercurial e o Git executaram seus comandos abaixo de 100ms. Nenhuma das duas ferramentas apresentou um tempo de resposta demorado o suficiente para que o desenvolvedor tenha motivo para se distrair com outras coisas.

Conforme esperado, o Git continua sendo extremamente rápido em repositórios pequenos. O destaque ficou com o Mercurial que foi muito rápido com o chg e até mais rápido que o Git em operações de clonagem, pull/fetch e push.

Obs:

  • Abaixo de 100ms. Percebido como resposta instantânea.
  • Abaixo de 1s. Nota-se o atraso, mas o usuário mantém o fluxo de pensamento.
  • Até 10s. Limite que o usuário permanece focado na operação. Depois disso, os usuários tendem a executar outras atividades enquanto esperam a operação terminar.

Mercurial é mais fácil de aprender do que o Git?[editar | editar código-fonte]

Mercurial é visto como mais fácil de se utilizar e aprender do que Git. Por sua vez, há a existência da percepção que o GIT é uma ferramenta mais flexível e poderosa pois o Git tende a fornecer comandos de mais baixo nível em relação ao Mercurial, que tende a esconder a recursos avançados, deixando flexível aos usuários a edição do arquivo de configuração do mercurial para ativar os recursos avançados se fizerem necessário. Isto muitas vezes leva à percepção de que recursos avançados não estão disponíveis no Mercurial. Por outro lado , o Git tem melhorado tanto em documentação e facilidade de uso.

Flexibilidade[editar | editar código-fonte]

A interface de linha de comando do Git é projetada para ser extremamente flexível. Alguns comandos tem muitas opções que podem mudar seu comportamento. Isto minimiza unifica um único comando, mas exige que se saiba que o mesmo comando pode fazer ações diferentes. A abordagem do Mercurial é mais simples e faz com a que documentação deste seja mais elegante e concisa. É fácil encontrar o que você está procurando - usando hg help, então pode-se gastar menos tempo, olhar a documentação e voltar para a codificação.

Histórico de commits[editar | editar código-fonte]

A filosofia de Mercurial é que "a história é permanente e sagrada." O núcleo Mercurial inclui apenas um comando único que pode alterar a história : rollback hg . Este comando "desfaz" o último pull ou commit , mas nunca vai tocar em nada mais para trás .

O git, por outro lado, permite-lhe modificar a história do seu projeto. Comandos como git rebase permitem reescrever a história, possivelmente descartando dados ao longo do caminho.

Manipulação de arquivos grandes[editar | editar código-fonte]

Não é recomendado o uso de arquivos grandes em ambas ferramentas, pois, não é fácil de se diferenciar e comprimir estes arquivos em um repositório. Mesmo assim o mercurial tem um desempenho melhor. Funciona para repositórios de vários gigabytes de arquivos grandes. Git não manipula tais arquivos com a mesma eficiência.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

http://www.wikivs.com/wiki/Git_vs_Mercurial

http://blogs.atlassian.com/2012/02/mercurial-vs-git-why-mercurial/

https://www.quora.com/Revision-Control-Systems-What-are-the-differences-between-Git-and-Mercurial