Introdução à Apicultura/Módulo 1

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Bem vindo ao Módulo 1


Para voltar a página de apresentação do curso Introdução à Apicultura acesse o link.

Lembre-se que o email wikidude90@gmail.com pode ajuda-lo, com respostas às segundas-feiras.

Bons estudos!


Lição 1: Instrumentos mínimos do apicultor


- Traje de apicultor: formado por uma máscara de tela, botas, calças grossas, casaco grosso e luvas.

- Formão de apicultor: uma ferramenta para descolar as caixas (grudadas com a própolis) e os quadros da colméia.

- Fumegador: fole de apicultura onde se coloca palha, ou raspas de madeira, e se acende para soltar fumaça e "acalmar" as abelhas.

- Enxada: é um instrumento comum à maioria das atividades agrícolas, usada na apicultura para manter a área do apiário sempre limpa de matos altos.

Tarefa desta lição: localize um, ou mais fornecedores de equipamentos apícolas, perto de sua área de residência. Verifique as opções de luvas, botas, trajes, máscaras de apicultura, fumigadores e outros utensílios.


Lição 2: A colméia


A colméia é a casa das abelhas, onde elas ficam recolhidas durante a noite. Ao amanhecer, ao primeiro sinal de luz, as abelhas operárias mais velhas são atraídas para fora, buscam a luz, e iniciam a coleta de nectar, pólem e resinas. Outras abelhas mais jovens permanecem dentro da colméia o dia todo, no escuro, evitam a luz, e fazem trabalhos internos, de limpeza, alimentação de crias, alimentação de rainha, produção de cera e construção de favos.

A rotina das abelhas é rígida, e o trabalho é especializado. Num estágio intermediário entre as abelhas jovens (de dentro) e as mais velhas (de serviço externo), existem as abelhas que ficam “na porta" da colméia, são as sentinelas. Elas ainda não tem grande capacidade de vôo, entretanto ja são atraídas pela luz e vigiam mesmo a entrada. As abelhas sentinelas impedem a entrada de abelhas de outras colméias, e pragas como a traça, ou formigas. Curiosamente as sentinelas podem deixar entrar abelhas de uma colméia vizinha se elas estiverem carregadas de alimento.

Uma colméia natural de um enxame na floresta fica instalada no alto de árvores, dentro de troncos ocos, embaixo de rochas, ou qualquer outro abrigo natural. Nos centros urbanos é comum as abelhas instalarem colméias sob os telhados das casas, oque pode trazer transtornos. (Nestes casos um apicultor é chamado para remover o enxame)

Num apiário racional são utilizadas caixas padronizadas que facilitam o transporte, e retirada do favos de mel. Existem vários padrões (ou formatos) de caixas racionais, o mais popular no Brasil, EUA e Espanha é o padrão Langstroth. Em Portugal usa-se a colméia Lusitana, e também Langstroth mais no Alentejo.

Uma colméia padronizada é formada por um fundo, uma caixa, dez quadros, e a tampa. Na parte da frente tem o alvado, que é a porta de entrada, formado por um pequeno terracinho onde as abelhas aterrisam ao chegar.


Tarefa desta lição: Localize um apicultor, seja educado e fique amigo dele (não é difícil, os apicultors são muito fraternos e gostam de incentivar a "causa apícola"). Compre algum produto dele, mel por exemplo, ou algum utensílio.


Lição 3: A abelha-rainha, os zangões e as operárias


A abelha-rainha é o centro vital de um enxame. Tudo gira em torno dela, precisa ser alimentada por outras abelhas, e come somente geléia-real. A geléia-real é um alimento produzido por abelhas jovens, através de glândulas que secretam este alimento. Não existe diferença entre a larva de abelha operária e larva de rainha, o que acontece é que a larva de operária fica num casulo de operária, pequeno, come geléia real somente nos três primeiros dias, no terceiro dia de vida, ainda larva, ela recebe pólem, daí torna-se operária. A abelha-rainha come geleia-real a vida toda. Como consequência, a abelha operária só vive 30 a 40 dias, enquando a rainha chega a 3 a 5 anos, além disso desenvolvem a capacidade de procriar, e tem o triplo do tamanho. Este é o poder da geléia-real. Um alimento muito estimulante para seres humanos, o produto mais caro das abelhas, e só pode ser consumido numa quantidade muito pequena pelas pessoas: a porção equivalente a meio grão de feijão por dia.

Quando uma abelha-rainha envelhece e coloca menos ovos, as operárias começam a construir realeiras, que são casulos grandes para as rainhas crescerem dentro. Quando nasce uma nova rainha ela destroe as outras realeiras, e se a abelha-rainha-velha estiver ainda na colméia ela será morta pela nova. Normalmente a rainha-velha evita o confronto e foge, levando metade do enxame com ela. Estes são os enxames fugidios e sem destino que as vêzes encontramos na natureza, nuvens de abelhas a procura de um novo lar.

A produtividade de uma nova rainha é muito maior, por isso os profissionais trocam a rainha todo ano, ou a cada dois anos.

O zangão é uma abelha macho. Ele não pertence a nenhuma colméia, pode entrar e sair de qualquer uma, não traz alimento, não tem ferrão (não defende colméia), só mesmo fecunda a rainha, tem a vida mansa, e morre ao fecundar.

As operárias são fêmeas, e tem muitas tarefas bem distribuidas ao longo da vida. Quando são novas tem a capacidade de produzir geléia real, por secreção, para alimentar as crias e a rainha. Depois param de secretar geléia e secretam cera de abelhas, quando então são construtoras de favos. Num estágio intermédio são as sentinelas e ficam no meio termo entre um ambiente escuro e claro, com poucos vôos perto da colméias. Depois tornam-se as chamadas campeiras, vivem a transportar néctar, resina e pólem para a colméia. As abelhas campeiras são as mais numerosas e também as mais defensivas, a cuidar da defesa da colméia. Uma abelha operária vive somente de 30 a 40 dias, então numa enxame estão sempre a neascer e morrer abelhas, numa rotatividade intensa.

Um enxame gira em torna da rainha, mas é uma autêntica ditadura da maioria. Se uma colméia sofrer alguma agressão súbita grave, por exemplo, o apicultor deixa cair a colmeia no chão, ou um galho pesado de árvore caí sobre a cólmeia, e irritar muito as abelhas, elas podem matar a rainha, como se ela fosse a responsável máxima por tudo o que se passa na comunidade.

Tarefa desta lição: localize uma abelha-rainha numa colméia. Pode ser difícil, e não confunda com o zangão, que também é uma abelha grande, só que o zangão é gordo, enquanto a rainha é esbelta e longa. Se não encontrar, não vale a pena revirar todo o enxame a procura dela, pode até machuca-la sem querer, veja se enxerga as larvas novas de três dias, isso indica a presença da rainha produtiva. As larvas novas são pontos brancos muito pequenos, nos fundos dos aovéolos (mede um ou dois milímetros, e parecem micro-pelinhos).


Lição 4: Onde obter abelhas


A melhor forma do iniciante obter abelhas é comprar enxames. Também podem ser capturados na natureza, mas a captura já é um tópico mais avançado e muito prático, não coberto por esta disciplina.

Compre enxames de um apicultor de confiança. Um bom enxame deve vir com pelo menos 5 quadros repletos de abelhas, com rainha e o os favos devem ter alimento, e crias novas (o que indica uma rainha fértil e produtiva). É comum o fornecedor entregar uma colméia com 5 quadros de abelhas e cinco quadros só com cera. Um enxame com 10 quadros completos de abelhas é um enxame muito bom, e em geral mais caro.

Tarefa desta lição: produre dois ou mais fornecedores de abelhas, pergunte o preço do enxame, e como ele vem (Se vem com abelha-rainha fecundada. Quantos quadros de abelhas? Vem com quadros vazios? Vem com cera?).


Lição 5: O apiário


Um bom número para começar um apiário são três enxames, assim o apicultor pode perceber as varições de comportamento entre eles, e se por acaso perder um enxame em algum incidente, ou manejo mal feito, ainda restarão dois...

Evite montar logo um grande apiário, porque o aprendizado da apicultura leva tempo, e será um desperdício de dinheiro. Mas se o novo apicultor tiver um amigo apicultor experiente que dê uma ajuda frequente, então ja pode começar com alguma escala.

Numa área de bom pasto apícola um apiário pode ter no máximo 30 colméias. Mais do que isso as abelhas vão saturar a área, e haverá pouco alimento no pasto apícola. Havendo pouco alimento os enxames vão definhar, ficarão fracos e poderão ser atacados por formigas.

Importante: é melhor 5 enxames fortes, do que 30 enxames fracos. A produção de um enxame fraco é zero, e certamente está a correr risco de extinguir-se.

O apicultor, se quiser, pode colocar mais 30 enxames noutra área, de preferência a uma distância de aproximadamente 1500 metros. As distâncias entre apiários variam muito de acordo com as características do terreno. Mas se ja estamos a falar de vários apiários, o curso deixa de ser introdutório.

O número de colméias num apiário varia de acordo com a qualidade do pasto apícola. Se uma área tem 50% de mata e 50% de urbanização, então só poderá comportar umas 15 colméias. Se o pasto apícola for muito fraco, ou escasso, então uns 7 enxames serão o máximo, entretanto poderão ser muito produtivos.

Importante: não instale apiário perto de casas de outras pessoas, para evitar incidentes com vizinhos. Perto da casa do apicultor não há grande problema, afinal as abelhas são dele. Durante a revisão das colméias os enxames ficam agitados e podem atacar pessoas por perto. Um apiário deve ser instalado a pelo menos 100 metros de uma casa. Esta distância pode variar de acordo com as condições do terreno, se houver uma vegetação que separe a casa do apiário, então pode ficar a esta distância, mas se houver um campo aberto, e a casa estiver na linha de visão do apiário, então a distância terá de ser maior. Se houverem muitas casas por perto, uma alternativa é fazer revisões à noite, com uma lanterna, as abelhas não voam no escuro, e vão ficar perto da colméia.

Tarefa desta lição: visite pelo menos dois apiários para ver como são organizados. Em alguns casos não será muito fácil, porque, especialmente no Brasil, os apicultores tem medo de roubo de colméias, e só recebem visitas de confiança.


Lição 6: A revisão de uma colméia


Nesta lição o ideal é ser acompanhado por um apicultor experiente, mas vamos lá. Boa sorte, será uma boa adrenalina. Você deverá estar com traje completo de proteção: botas, luvas longas, duas calças (uma sobre a outra), uma jaqueta grossa de cor clara (as abelhas odeiam cores escuras, se sua calça for preta, elas vão atacar sua calça, se a luva for preta, vão atacar a luva). Um traje profissional é todo branco, até a bota é branca. Alguns apicultores lidam com abelhas mansas sem nenhuma proteção, mas estão a correr sérios riscos, não é um procedimento correcto.

Antes de abrir uma colméia use o fumigador e espalhe um pouco de fumaça no alvado. Um pouco. A fumaça tem o efeito de acalmar as abelhas. Ao abrir uma tampa de colméia faça movimentos lentos e delicados, para não esmagar abelhas. (uma abelha esmagada liberta um ferormônio de ataque que irrita e atrai outras abelhas). Com seu formão levante lentamente um quadro de favo: ele estará colado com própolis, assim terá de fazer alguma força e movimento preciso com o formão, com jeito para não quebrar o quadro. Verifique todos os quadros da colméia. Veja o que observar na Tarefa abaixo.

Tarefa desta lição: Bem, uma revisão é só tarefa... Visitar um apiário e fazer a revisão numa colméia, ou em todas. Deverá observar em cada favo se existe: mel nos favos, pólem nos favos, larvas novas e larvas operculadas nos favos. (Operculado é o casulo fechado com cera, que pode ter mel ou cria de abelha). Se não houverem larvas, sinal que não há rainha. Neste caso veja se há realeiras, onde a rainha vai nascer, se não houver rainha, nem realeira, nem larvas, sinal que o enxame está orfão, e vai morrer em poucas semanas, pois não nascerão mais abelhas. Providencie uma rainha e coloque na colméia (tópico avançado, consulte o seu fornecedor de rainhas). Existe uma técnica alternativa mais fácil que é colocar um favo com larvas da colméia vizinha na colméia orfã, assim as abelhas poderão crias uma rainha com as larvas novas. Para transferir um favo com crias deve tem em mãos um borrifador com água e açucar. O favo dever ir com as abelhas aderentes a ele, ou seja, você vai introduzir um favo com abelhas intruzas penduradas nele. Para evitar o confronto das abelhas vizinhas use o borrifador com água e açucar. Borrife um pouco nas abelhas novas, assim as abelhas da casa vão lamber as visitantes e nesta confusão vão ficar amigas. Se os enxames tiverem pouco alimento, terá de alimentar as abelhas. Isso é muito importante na entresafra de floradas, ou no inverno. O alimento pode ser xarope de água com açucar fervido (uma parte de água com quatro partes de açucar). Também existem no mercado rações para abelhas e alimentadores que são acessórios (consulte sua loja de apicultura). Como pode ver a tarefa de revisão é fundamental, frequente, e pode ser extensa, imagine multiplicado por 30 enxames.


Módulo concluído, agora avance para Introdução à Apicultura/Módulo 2: acesse o link