Introdução à Arquitetura de Computadores/Introdução

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

INTRODUÇÃO

Observamos uma atuação cada vez maior dos computadores nas diversas atividades do nosso dia a dia, como as operações bancárias, as telecomunicações e o manuseio de muitos aparelhos eletrodomésticos são exemplos claros das facilidades trazidas pela utilização dos computadores, isto sem falar em aplicações mais clássicas, como os sistemas de reservas de passagens aéreas e a previsão meteorológica.

A evolução da informática foi caracterizada pelo desenvolvimento de computadores com características diversas, traduzidas pelos diferentes parâmetros, cada vez mais conhecidos da maioria de usuários de computador: a CPU adotada, a capacidade de memória, a capacidade do disco rígido, a existência de memória cache e outros menos conhecidos. A definição destes parâmetros e a forma como os diversos componentes de um computador são organizados, define aquilo que é conhecido por arquitetura de computador e vai determinar aspectos relacionados à qualidade, ao desempenho e à aplicação para a qual o computador vai ser orientado.

A população brasileira tem a cada dia que passa maior acesso aos novos computadores, com preços baixos devido a alta concorrência entre os fabricantes. Isso não significa que os micros fabricados hoje tenham melhor qualidade ou maior vida útil, sendo proporcionalmente o inverso das décadas de 80 e 90, onde os custos eram altíssimos, pouquíssimas pessoas tinham acesso aos computadores, porém, eram equipamentos com longa vida útil e excelente qualidade, para época. Falava-se em 18 meses entre o lançamento de uma tecnologia e outra. Já hoje, a cada 72 horas os lançamentos são renovados.

Com a aceleração no desenvolvimento de novas tecnologias, também cresce rapidamente o descarte de lixo tecnológico, o que acarreta em um impacto ambiental incalculável. Apesar de 80% dos materiais usados para a montagem de hardwares ser reciclável, não estamos nem perto de dar conta da reciclagem de todo este material, que apesar de ultrapassado, ainda pode ser utilizado em inúmeras funções, antes de virar sucata. O Brasil ainda tem uma cultura muito pobre a respeito da reciclagem de lixo tecnológico, deixando muito a desejar se comparado aos países de primeiro mundo.

A história da informática se repete em números de tempos em tempos, quando que no início da década de 80, existiam HD´s com a mísera, porém, altíssima capacidade de armazenamento de 1 Mb, sendo que hoje, não conseguiríamos armazenar sequer uma foto nesta peça. Alguns anos depois, foram lançados disquetes com capacidade 50% maior e além de serem portáteis. Anos a frente nos reencontramos em números, com a mais uma vez incrível capacidade de armazenamento em disco rígido de 1Gb, sendo mais uma vez superada nos dias de hoje com HD's na casa dos terabytes (Tb) e assim seguirá a evolução dos hardwares, aumentando suas capacidades de armazenamento, diminuindo seu tamanho físico, com super processamento de dados, transferência de dados, renderização de vídeo, qualidade em áudio, porém, sempre haverá a repetição da história. Sempre nos impressionaremos com o hoje, e desprezaremos o ontem, mas é imprescindível saber que sem o ontem, o hoje não seria possível.

Quando aplicar uma ou outra arquitetura em cada área de atuação? Onde realmente é necessário uma ou outra arquitetura? Existe realmente um sistema computacional correto?

A informática nos abre um campo dentro de Hardwares que tende ao infinito a cada dia. Os computadores realmente perderam a qualidade de seus componentes ou os bons componentes ainda são usados e ainda, nos dias de hoje temos boas marcas com grande vida útil?

Em cima de tais observações, definimos o objetivo deste projeto de pesquisa, que visa comparar e mostrar as diferenças, aplicações, desempenho e valores dos computadores que utilizam arquitetura proprietária dos que utilizam a arquitetura aberta.