Jogo 2014/Aula 5

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Quarteto 4 , Aula 5 Fernanda, Vittor, Luanna e Olivia

10 de Abril de 2014

I.Tema e Objetivo da Aula[editar | editar código-fonte]

Poéticas lúdicas e o estado de jogo a partir do texto Homo Ludens do autor Johan Huizinga.
O objetivo da aula está em associar e provocar discussões entre o texto,ambientes lúdicos e sua relação com a cultura.

II.Materiais e Espaços Utilizados[editar | editar código-fonte]

O espaço utilizado foi a Unidade Silva Jardim, Campus Central da Unifesp Baixada Santista.
Os materiais utilizados foram os textos Tipologia e pedagogia do jogo e Homo Ludens,visto que a primeira parte da aula foi para a apresentação do trio 3 e os conhecimentos adquiridos até o momento.
Campus Central - Unifesp Baixada Santista

III.Método didático[editar | editar código-fonte]

Aula Teórica do Módulo "FAFE´S II: JOGOS", por ser uma aula conceitual foi bastante tranquila na apresentação dos textos pelos alunos e na explicação e debate juntamente com o professor.

IV.Descrição das Atividades/Discussões e Dúvidas dos alunos[editar | editar código-fonte]

Primeira parte da aula: [editar | editar código-fonte]

A primeira parte da aula foi feita com a complementação da apresentação do quarteto 3 na mesma aula com seu respectivo texto, fotos, vídeos e um formulário criado para estudo dos alunos referente ao texto por eles apresentado.
Na apresentação do texto, Os Jogos e os homens (Caillois), abordaram primeiramente as características principais em que o autor se baseia, sendo elas a tese defendida e mostraram a diferença entre a classificação que o autor impõe sobre o jogo. Em particular a apresentação que fizeram do vídeo Escravos de Jó que foi gravado na aula 4, traz para os alunos a oportunidade de analisar que a experiência de fazer práticas de jogo primeiramente com o corpo pode gerar resultados mais positivos do que aqueles jogos que são construídos diretamente a partir de objetos. Para finalizar, o grupo elaborou uma questão para discussão durante a aula: qual nível de relação entre instinto, razão e jogo? Quarteto 3

Pontos apresentados durante a aula : [editar | editar código-fonte]

O professor começa uma introdução comparando os tipos de jogos definidos por Caillois e os limites que os jogo proporciona para o individuo em suas categorias.
Categorias: Agon; Alea; Mimicry; Ilinx.
Posteriormente, o professor provoca uma discussão sobre o tema com a seguinte questão:
O jogo de Vertigem (ILINX), ele possui algum sentido para os seres humanos?
Nessa discussão, foram levantados pontos em que o individuo procura testar seus próprios limites, sendo assim, almejam jogos de vertigem em busca de tencionar esse limite. Gerando a percepção de controle e descontrole onde o individuo tem estabilidade e procura fugir do comum colocando caos como ponto central da vida, proporcionando a ele desenvolvimento.
Exemplo de como o ser humano pode procurar testar seus limites e correr riscos Forma de Ilinx- Drifit
Vide vídeo referente ao jogos de Mimicry e algumas explicações. A Noticia citada pelo professor foi envida ao e-mail da turma e refere-se ao jogo de Vertigem(ILINX)em dois pontos diferentes:Notícia
Alpinismo & Escalada Urbana.

Foram também discutidos pontos de como a sociedade encara o jogo.
Qual deles esta mais presente? Quais valores são impostos a sociedade e que como nós como educadores físicos futuramente faremos intervenções para modificar o modo de jogar.
Como exemplo temos o jogos de competição(agon)ele é mais presente na sociedade pois o mundo vive de valores econômicos, sociais e culturais. Já os jogos Alea(Sorte), não possuem mais tanta presença na sociedade atual. Esses, por sua vez,sofrem uma desvalorização pois a sociedade atual valoriza méritos, sobretudo.

Segunda parte da aula : [editar | editar código-fonte]

A segunda parte da aula,foi destinada à discussão e apresentação do Texto Homo Ludens.
A princípio, foram abordados tópicos ressaltando o conhecimento prévio do texto, como nome do autor, local e data de publicação, dentre outras curiosidades. Logo após, destacou-se os principais assuntos que o autor trata, como a relação "racional x irracional" entre animais, humanos e jogos; a problemática entre cultura e jogo; a utilização de jogos como forma de rituais, cultos e processos espirituais e de sacrifício. Por fim, o autor caracteriza o jogo como a essência da vida primitiva.
Na finalização da aula ocorre uma discussão sobre o que Huizinga defende e seu modo de ver o jogo. O professor durante essa explicação utiliza um Power Point que faz relação com os outros textos apresentados durante o módulo até o presente momento.

Questões apontadas[editar | editar código-fonte]

O que vem primeiro, o jogo ou a cultura?
O jogo é uma particularidade do ser humano?
Como o jogo constrói o caráter cultural?
Como o jogo pode possuir uma não-seriedade?

VI. Escolha seu jogo ![editar | editar código-fonte]

Veja as diferentes aplicações dos jogos segundo a visão de Johan Huizinga:
Animais
Rituais
Crianças e Cultura

VII. Temas interdisciplinares[editar | editar código-fonte]

IS - Inserção Social:
Texto "Você tem cultura?" de Roberto da Matta
Documentário "A cultura e a casca de banana" de Somos Um Só
Texto "Antropologia das emoções, cap. 1 Emoções: biológicas ou culturais?" de Claudia Barcellos Rezende e Maria Claudia Coelho

VIII. Considerações Finais[editar | editar código-fonte]

A partir da análise do texto, é possível detectar o jogo de maneira primitiva e diversificada, tendo como ponto principal a cultura e não as bases biológicas. Porém o jogo surgiu muito antes da cultura, sendo presente até mesmo em animais, não sendo restrito apenas aos seres humanos.
A partir disso é possível a relação de racionalidade, em que os animais são irracionais, o jogo é irracional e os homens são racionais, porém os homens em contato com o jogo se tornam irracionais por sair da realidade e entrar em um mundo onde a fantasia e o lúdico são as principais características de um jogador.
Esse lúdico pode ser associado aos mitos e mitologia presentes até mesmo em cultos e diversas religiões, podendo assim constatar a dimensão que o jogo possui, sendo aplicado em diversos âmbitos da cultura e sociedade.

Pesquisas Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

Huizinga, Johan - Homo Ludens, O Jogo Como Elemento da Cultura - Holanda; 1938