Laboratório do Comum Campos Elíseos

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Sobre o Projeto[editar | editar código-fonte]

O Projeto “Laboratório do Comum Campos Elíseos: corpos, território e tecnopolíticas do fazer-bairro” se caracteriza como uma plataforma de ações integradas sob a perspectiva de experimentação de um Laboratório de Inovação Social voltado para práticas de fazer cidade. Ele nasce como um projeto de extensão-pesquisa da EFLCH/Unifesp, do Pimentalab e com apoio da LAVITS.

Descrição completa: https://trama.pimentalab.net/archives/31

Convocatória[editar | editar código-fonte]

Diante das formas renovadas de produção de desigualdades, do consórcio explícito entre forças autoritárias e as dinâmicas de expropriação da vida e do território, promotoras da crescente militarização, gentrificação, despossessão e tristeza, lançamos perguntas-vinculantes: Como reativar uma possibilidade de inteligência coletiva? Como convocar saberes e práticas coletivas que nos permitam imaginar e disseminar alternativas a esse cenário? Como produzimos e sustentamos o Comum entre todos?

Texto completo da convocatória: https://trama.pimentalab.net/archives/26

O que são os Laboratórios do Comum?[editar | editar código-fonte]

Falar em “laboratório” significa adentrar as disputas sobre os modos, locais e formas de produção de conhecimento. Há sempre uma política dos modos de conhecer.

Falar em “Comum”, substantivo, significa assumi-lo enquanto fundamento político e ontológico. Interessa-nos tanto investigar o Comum, como produzir e organizar esse modo de conhecer (laboratório) sob a lógica do Comum. Portanto, chamamos “Laboratório do Comum” a prática dessa dupla experimentação: simultaneamente cognitiva e política.

Texto completo: https://outraspalavras.net/cidadesemtranse/o-que-sao-os-laboratorios-do-comum/

Modos de fazer e conhecer, ética e política[editar | editar código-fonte]

Os laboratórios de inovação social, no sentido que aqui estamos praticando, funcionam sob um complexo arranjo sociotécnico, simultaneamente simbólico e material, normativo e pragmático. Há uma política cognitiva que se manifesta numa ética e num conjunto de práticas e tecnologias relacionadas ao modo de conhecer. Há uma tecnopolítica que se realiza nas configurações das mediações técnicas da interação social. Há uma economia política, relativa ao regime de propriedade, posse e uso dos bens e recursos produzidos. Há uma política experimental que se realiza através de processos instituintes de novas comunidades. Em síntese, um laboratório de inovação social realiza-se com uma combinação de: abertura; colaboração; cuidado; mediação; documentação; infraestruturas; tecnologias; protocolos; comunidades; protótipos e produção do comum. Trata-se de uma trama com muitas camadas, e para que cada um desses elementos se efetive ele precisa ser atravessado pelos demais.

Texto completo: https://trama.pimentalab.net/archives/33

Programa inicial em Ação[editar | editar código-fonte]

Apresentação: (03/10)[editar | editar código-fonte]

(03/10) // 19h à 22h // O que pode ser um laboratório do comum e os problemas que nos situam no território: saber-fazer habitar contra o saber-poder governar.

Tecnopolíticas da vigilância, militarização e as dinâmicas da especulação no território: (10/10) e (19/10)[editar | editar código-fonte]

  • (10/10) // 19h à 22h// Discussão e debate sobre o tema + elaboração da pesquisa-ação no território
  • (19/10) // 14h à 18h// pesquisa-ação no território

Formas de habitar, produzir vizinhança e lutas pelo bairro (24/10) e (02/11)[editar | editar código-fonte]

  • (24/10) // 19h à 22h// Discussão e debate sobre o tema + elaboração da pesquisa-ação no território
  • (02/11) //14h à 18h// pesquisa-ação no território

Regimes de sensibilidade, memória e território de aprendizagem (07/11) e (23/11)[editar | editar código-fonte]

  • (07/11) // 19h à 22h// Discussão e debate sobre o tema + elaboração da pesquisa-ação no território
  • (23//11) // 14h à 18h// pesquisa-ação no território

Oficina de encerramento: (30/11)[editar | editar código-fonte]

(30/11)// 14h à 18h// oficina de encerramento


Preparação para o primeiro dia: Questões vinculantes: afetos e problemas do Comum[editar | editar código-fonte]

Questionário elaborado para a preparação das atividades do primeiro dia. Ele foi enviado previamente aos participantes inscritos e selecionados.

Para que possamos organizar a atividade do dia solicitamos que os participantes respondam previamente ao encontro três perguntas num formulário online. São respostas curtas (máximo 2 tweets):

Para inspirar:

Isabelle Stengers, No Tempo da Catástrofe

"Nós, herdeiros de uma destruição, os filhos daqueles que, expropriados de seus Comuns, foram a presa não apenas da exploração, mas também das abstrações que faziam deles qualquer um, temos que experimentar o que pode recriar – “fazer pegar novamente”, como se diz das plantas – a capacidade de pensar e agir juntos.[...]

Essa experimentação é política, pois não se trata de fazer com que as coisas “melhorem”, e sim de experimentar em um meio que sabemos estar saturado de armadilhas, de alternativas infernais, de impossibilidades elaboradas tanto pelo Estado como pelo capitalismo. A luta política aqui, porém, não passa por operações de representação, e sim, antes, por produção de repercussões, pela constituição de “caixas de ressonância” tais que o que ocorre com alguns leve os outros a pensar e agir, mas também que o que alguns realizam, aprendem, fazem existir, se torne outros tantos recursos e possibilidades experimentais para os outros. Cada êxito, por mais precário que seja, tem sua importância.[...]

E precisamos, principalmente, do que testemunhas, narrativas e celebrações podem transmitir: a experiência que assina a produção de uma conexão bem-sucedida entre a política e a produção experimental, sempre experimental, de uma capacidade nova de agir e de pensar. Tal experiência é o que, no rastro de Espinosa e de muitos outros, eu chamarei de alegria.[...]

A alegria, poderíamos dizer, é a assinatura do acontecimento por excelência, a produção-descoberta de um novo grau de liberdade, conferindo à vida uma dimensão complementar, modificando assim as relações entre as dimensões já habitadas. Alegria do primeiro passo, mesmo inquieto. E a alegria, por outro lado, tem uma potência epidêmica. A alegria é transmitida não de alguém que sabe a alguém que é ignorante, mas de um modo em si mesmo produtor de igualdade, alegria de pensar e de imaginar juntos, com os outros, graças aos outros.


Questões:


1) Nesses tempos de catástrofes (social, política, ambiental, existencial...) como a vida na cidade afeta a sua vulnerabilidade? O que você sente como erosão, extração ou expropriação do que é Comum na vida urbana?

2) Como a sua precariedade te faz querer saber e experimentar no território?

3) Retomar nossa inteligência coletiva, fabricar bifurcações no presente. Como fazer-bairro? Qual saber-fazer-em-relação você desejaria inventar? Um arranjo socio-técnico e/ou corpóreo-sensorial e/ou estético-político e/ou cuidado-atenção e/ou de co-habitar e/ou de fazer-encontros e alianças, e/ou comunicação livre, e/ou de composição intra-espécies, e/ou de ruídos no regime binário de sexo-gênero, e/ou de neutralização dos necro-dispositivos racistas e dos tantos dispositivos da especulação que se apropriam de formas de vida produzidas no território, e/ou de nos mantermos vivos; ou outros.

Respostas

Tivemos 46 respostas. O arquivo com as perguntas e respostas anonimizadas está disponível neste link: https://trama.pimentalab.net/wp-content/uploads/2019/10/doc-publico-respostas-ao-questionario-online.pdf

Roteiro Dia 1[editar | editar código-fonte]

Roteiro do Dia – 3 de outubro de 2019

1.Abertura e roteiro do dia

2.Exercício de aproximação

3.Apresentação proposta do Laboratório do Comum

3.1 Origem da proposta

3.2 Sentidos do Comum

3.3 Laboratório e Protótipo

3.4 Do saber-governar para o saber-habitar

4.Programa em Ação – Protótipo do Laboratório

Dia-a-dia: encontros, pesquisa situada, campo, elaboração do protótipo

5.Experimentação de Afinidades e Perguntas

5.1 Baralho e nossos acordos

5.2 Mapeamento Afinidades

6.Fechamento

Link para Slides apresentados: https://trama.pimentalab.net/wp-content/uploads/2019/10/apresentacao-labcom-dia1.pdf

Roteiro Dia 2[editar | editar código-fonte]

1. Dinâmica de aquecimento (10m)

2. Abertura e discussão (40m) + Discussão coletiva (15m).

3. Dinâmica sobre problemas/perguntas aglutinadoras para formação dos coletivxs investigativistas (5 de apresentação + 15m trabalho coletivo)

4. Discussão em grupo: redesenhar e/ou aprofundar a pergunta; pensar num exercicio de investigação para o sábado.

Resumo

Neste encontro tivemos uma discussão sobre as dinâmicas da securitização/militarização/vigilância do território assim como as novas formas de extração de valor via plataformas (como airbnb, quinto andar, ifood); Discutimos também algumas questões específicas sobre economia local, as relações estreitas entre legal-ilegal na produção de novos espaços de exclusão assim como novos consórcios público-privado de gestão do espaço, as formas de produção biopolíticas de subjetivação do medo e de individualização que degradam o tecido de confiança e nos fazem dependentes de dispositivos privatizadores/expropriadores da vida coletiva.

Problematizamos como o Comum é ameaçado continuamente, mas também algumas possibilidades de criação/retomada do Comum, sua visibilidade e sustentação. A partir dessa discussão, foram criados 4 coletivxs investigativistas conduzidos por 4 grandes temas. Suas fronteiras são muito frágeis, muitas coisas transbordam e transitam de um para o outro e pensar sobre essas fronteiras e seus trânsitos também nos pareceu importante.

Link para sistematização das discussão sobre os grandes temas: https://trama.pimentalab.net/wp-content/uploads/2019/10/transcricao-crafts-dinamica-formacao-grupos-dia3.pdf

Preparação para o terceiro dia: desenhar a pesquisa e organizar xs coletivxs[editar | editar código-fonte]

Nosso desejo é que possamos iniciar uma experiência de pesquisa coletiva, trabalhando em grupos menores, onde podemos criar uma conversa-escuta mais atenta, e também construir formas de colaboração entre os grupos, de maneira a criar sinergias e evitar o desperdício da experiência. Os 4 grupos constituídos são trilhas de investigação sobre o Comum, cada qual abordando uma perspectiva mais específica.

Texto completo: https://trama.pimentalab.net/archives/102

Roteiro Dia 3: primeira saída a campo[editar | editar código-fonte]

1.Apresentação sobre as dinâmicas da securitização/militarização/vigilância do território assim como as novas formas de extração de valor via plataformas (como airbnb, quinto andar, ifood); Discutimos também algumas questões específicas sobre economia local, as relações estreitas entre legal-ilegal na produção de novos espaços de exclusão assim como novos consórcios público-privado de gestão do espaço, as formas de produção biopolíticas de subjetivação do medo e de individualização que degradam o tecido de confiança e nos fazem dependentes de dispositivos privatizadores/expropriadores da vida coletiva (Henrique e Alana)

2. Apresentação do Acácio Augusto e Luanda Vannuchi

3. Discussão coletiva e dinâmica de formação dos grupos. Problematizamos como o Comum é ameaçado continuamente, mas também algumas possibilidades de criação/retomada do Comum, sua visibilidade e sustentação. A partir dessa discussão, foram criados 4 coletivxs investigativistas conduzidos por 4 grandes temas. Suas fronteiras são muito frágeis, muitas coisas transbordam e transitam de um para o outro e pensar sobre essas fronteiras e seus trânsitos também nos pareceu importante.

Arquivo com a sistematização do material produzido nos painéis craft: https://trama.pimentalab.net/wp-content/uploads/2019/10/transcricao-crafts-dinamica-formacao-grupos-dia3.pdf

Roteiro Dia 4: avaliação coletiva[editar | editar código-fonte]

1-Aquecimento: Elixires do Laboratório de Afetos (do Coletivo EIA)

2-Síntese das anotações e contribuições recebidas nos PADs sobre a experiência do sábado (apresentação Henrique e Alana).

3-Coleta de impressões com uso de post-it em duas colunas (Dificuldades/Bloqueios X Experiência e aprendizados). Discussão coletiva sobre o processo da semana anterior: https://trama.pimentalab.net/wp-content/uploads/2019/10/registro-avaliacao-coletiva-sobre-campo1.pdf

4-Apresentação do Renato Abramo sobre o Forum Mundareu da Luz e Projeto Campos Elíseos Vivo.

5-Encaminhamentos: da pesquisa por problemas para a pesquisa por protótipos.

Roteiro Dia 5: proposição e seleção protótipos[editar | editar código-fonte]

Nos reorganizarmos em torno da criação de protótipos, formando 3 sub-grupos.

O processo ainda é bem inicial e dá tempo de todxs subirem a bordo. Consideramos, todavia, que é importante manter o grupão caminhando junto, então, essas 3 linhas de trabalho seguirão perguntas/problemas comuns e teremos um mesmo espaço de práticas e encontros para o desenvolvimento dos protótipos nos próximos encontros.

Criamos um canal de comunicação para cada protótipo. Estamos usando o Riot para a troca mais ágil.

  • Cozinha Lab Tático
  • Midias Lab Móvel Lab
  • Cartografias do Comum

Sobre os Protótipos: é muito importante não perder de vista que os protótipos devem funcionar como dispositivos de pesquisa coletiva sobre o Comum. Ou seja, a construção do protótipo não é o objetivo em si, ele não é apenas uma intervenção-instalação mas um modo de ação que nos obriga a pensar-fazer-juntos, que dispare possibilidades de conhecimento e experimentação entre todxs. Post completo: https://trama.pimentalab.net/archives/132

Organizando: comunicação e documentação[editar | editar código-fonte]

Proposta de uso e tecnologias para a documentação e comunicação geral e nos sub-coletivxs: https://trama.pimentalab.net/archives/105

Organizando: mediação e distribuição de papéis[editar | editar código-fonte]

Baralho

Mediação e Distribuição de Papéis

DAMAS:

  • cuidado com o grupo
  • controle do tempo
  • obstruir violências
  • cuidar do ambiente
  • dissolver privilégios
  • cuidar do que é inegociável e das negociações de conflitos emergentes

VALETE:

  • implicação
  • compromisso com o processo coletivo
  • evitar o desperdicio da experiência
  • documentação

CORINGA

  • escudeiro da criação
  • estimula o melhor em nós
  • vai cuidar da linguagem e dos processos estéticos

AZES

  • função guerreira, lembrar sempre quem são os inimigos
  • o que incomoda o poder?
  • situação de combate que nós força a pensar?
  • cuidar para que os inimigos não sejam desencarnados.
  • como funcionam os dispositivos da extração/expropriações

SETES:

  • são os perguntadores/investigadores
  • farejadores, querem saber o que o poder esconde
  • espanta a certeza, a verdade, volta às boas perguntas sempre que possível

REI

  • patriarcado
  • dono, proprietário
  • expropriador
  • gerente da produtividade
  • o representante
  • o especialista

Pesquisa Coletiva[editar | editar código-fonte]

Reportagens e notícias selecionadas[editar | editar código-fonte]

  • Seleção de links:
  1. gentrificação: https://links.fluxo.info/bookmarks/polart/gentrifica%C3%A7%C3%A3o
  2. campos-eliseos: https://links.fluxo.info/bookmarks/polart/campos-eliseos

Mapas colaborativos e cartografias sociais[editar | editar código-fonte]

Plano Diretor, Zoneamento e Projetos Urbanísticos[editar | editar código-fonte]

Arquivos: https://cloud.pimentalab.net/index.php/s/LJHHcWHmKrCA6X2

GT Minhocão da PMSP: https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2019/05/PMSP_GTI-PQ-MINHOCAO_RELATORIO-V7.pdf

Projeto Nova Luz: https://cloud.pimentalab.net/index.php/s/SrriZbMfP8g7Ncg

Grupos de Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Mobilização e organização social[editar | editar código-fonte]

Rede institucional de Saúde e Assistência[editar | editar código-fonte]

CRATOD, Complexo Prates, Programa De Braços Abertos, Programa Recomeço, Programa Redenção (...), AMA Sé, AMA Boracéa, CAPS Adulto Sé, CAPS Infantojuvenil Sé, CAPS AD Sé, SAE CTA/AIDS Campos Elíseos, Unidade Básica de Saúde, Centro de Acolhida Praça Princesa Isabel, Morada Nova Luz, Tenda...

Coletivxs Corpo, Saúde, Cuidado[editar | editar código-fonte]

  • Rede arte (in)comum - www.facebook.com/redearteincomum

Direito à Àgua[editar | editar código-fonte]

Água para todxs! O direito a beber água na rua: https://www.youtube.com/watch?v=EsPpfCZPBhQ

Catadores e Reciclagem[editar | editar código-fonte]

Projeto de lei que prioriza catadores no tratamento de resíduos sólidos em São Paulo: http://wikihelou.com.br/p/2-gerenciamento-de-residuos-solidos/

Dados Poluição[editar | editar código-fonte]

Escolas[editar | editar código-fonte]

  • ETEC Doutora Maria Augusta Saraiva - Rua Guaianases, 1385 - Campos Elíseos, São Paulo - SP, 01204-001.
  • ETEC Santa Ifigênia
  • Escola Estadual João Kople
  • Escola Estadual Fidelino de Figueiredo
  • Escola Estadual Conselheiro Antonio Prado
  • Escola Estadual Caetano de Campos Consolacao
  • ETEC SEBRAE - Alameda Nothmann, 598 - Campos Elíseos, São Paulo - SP, 01216-000

Segurança[editar | editar código-fonte]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

  • Grupos que mantem comedouros populares e filantrópicos
  • Redes locais de consumo
  • Empreendimentos solidários de alimentação

Atelier, Oficinas, Marcenarias[editar | editar código-fonte]

R. Dr. Carvalho de Mendonça, 174 - Campos Elíseos https://www.facebook.com/gomaoficina

Companhias de Teatro[editar | editar código-fonte]

Documentação[editar | editar código-fonte]

  • registro multimidia:
  • audio: gravação das reuniões para efeito de documentação e análise posterior.
  • video: 1 camera que circula;
  • fotografia: fazer fotografias e pequenos videos (de até 1 minuto) do processo.
  • ata em tempo real, com projetor: datashow + computador com internet

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

ANGELI, M.D. (2006). Introduction. The Commoner. n.11. Available at http://www.commoner.org.uk/?p=24. Access on April 4, 2018.

BOLLIER, D. (2014). Think Like a Commoner: A Short Introduction to the Life of the Commons. Gabriola Island: New Society Publishers.

ANASTASSAKIS, Zoy. Laboratório de Design e Antropologia: preâmbulos teóricos e práticos. Arcos Design. Rio de Janeiro, V. 7 N. 1, Julho 2013, pp. 178-193, ISSN: 1984-5596; http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/arcosdesign

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas - Notas para uma teoria performativa de assembleia. Ed Civilização Brasileira, 2018.

CASTRO, E.V. & DANOWSKI, Deborah. Há um mundo por vir? Ensaios sobre o medo e o fim. Rio de Janeiro: Travessa, 2014.

COMITE INVISIVEL. Aos Amigos. Ed. N-1. 2016. Versão lusitana disponivel em: https://we.riseup.net/assets/401437/COMITE+INVISIVEL+Aos+Nossos+Amigos%2C+Crise+e+Insurrei%C3%A7%C3%A3o+%282014%29.pdf

DARDOT, P. & LAVAL, C. Propriedade, apropriação social e instituição do comum. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 27, n. 1, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-207020150114

DARDOT, P. & LAVAL, C. Comum: ensaio sobre a revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2017.

ESTALELLA, Adolfo; ROCHA, Jara; LAFUENTE, Antonio. Laboratorios de procomún: experimentación, recursividad y activismo. Revista Teknokultura, (2013), Vol. 10 Núm. 1: 21-48. http://revistas.ucm.es/index.php/TEKN/article/view/48053/44930

FEDERICI, Silvia. Sobre o feminismo e os comuns. Disponível em: https://www.editoraelefante.com.br/federici-sobre-o-feminismo-e-os-comuns/

FERNÁNDEZ-SAVATER, Amador. Do paradigma do Governo ao paradigma do Habitar: uma mudança de cultura política. https://outraspalavras.net/sem-categoria/nova-cultura-politica-paradigma-do-habitar/

FERNÁNDEZ-SAVATER, Amador. Crisis de la presencia. Una lectura de Tiqqun. https://carnenegra.com/2015/10/03/crisis-de-la-presencia-una-lectura-de-tiqqun/

FERNÁNDEZ-SAVATER, Amador. A revolução como problema técnico. De Curzio Malaparte ao Comité Invisível. 2016. http://www.revistapunkto.com/2016/02/a-revolucao-como-problema-tecnico.htm

FERREIRA, Pedro. Reticulações: ação-rede em Latour e Simondon. Revista EcoPos, v. 20, n. 1 (2017): https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/view/10406/7900

GRAHAM, Stephen. “O bumerangue de Foucault: o novo urbanismo militar” In Bernardo Kucinski et al. Bala perdia: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015, pp. 67-73. Disponível em: https://rda69.files.wordpress.com/2015/01/graham-o-boomerang-de-foucault-o-novo-urbanismo-militarizado.pdf

HAYDEN, Dolores: feministas materiales; tomar el poder sobre la reproducción social: casa, barrio, ciudad: https://arquitecturacontable.wordpress.com/2017/10/14/dolores-hayden-feministas-materiales

HARDT, M.& NEGRI, A. Bem Estar Comum. Rio de Janeiro: Record, 2016.

LAFUENTE, Antonio; CORSÍN JIMÉNEZ, Alberto. Comunidades de atingidos, o comum e o dom expandido. Revista Galáxia, São Paulo, n. 21, p. 10-25, jun. 2011. http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/6257

LAFUENTE, Antonio. Sentidos de um laboratório cidadão: https://pimentalab.milharal.org/2017/12/12/sentidos-de-um-laboratorio-cidadao-por-antonio-lafuente/

LAFUENTE, Antonio. Laboratorio Sin Muros, 2008: http://digital.csic.es/handle/10261/2899

LAFUENTE, Antonio. Los laboratorios ciudadanos y el anarchivo de los comunes https://www.academia.edu/14834106/Los_laboratorios_ciudadanos_y_el_anarchivo_de_los_comunes

LAFUENTE, Antonio. Los cuatro entornos del procomun. 2007. https://www.academia.edu/22057248/Los_cuatro_entornos_del_procom%C3%BAn

LAFUENTE, Antonio & CANCELA, Mariana. Como hacer un prototipo http://laaventuradeaprender.educalab.es/documents/10184/64755/Como-hacer-un-prototipo.pdf

LAVAL, Christian. Os usos intelectual, social e político do comum. In. BARROS,J.; COSTA, A; RIZEK,C. Os limites da acumulação, movimentos e resistência nos territórios. São Carlos: IAU/USP, 2018. Disponível em: https://share.riseup.net/#R6cqxNsHNdlJCeEm0K7k4g

LINEAUBAUGH, P. (2008). The Magna Carta Manifesto: Liberties and Commons for All. Berkeley: University of California Press.

HARVEY, D. O direito à cidade. Lutas sociais, n. 29, p. 73–89, 2012. https://www4.pucsp.br/neils/downloads/neils-revista-29-port/david-harvey.pdf

HOOKS, Bell. Ensinando a Transgredir. Capítulo: "A teoria como prática libertadora". São Paulo: Martins Fontes, 2013. Disponível em: https://pedropeixotoferreira.files.wordpress.com/2017/10/hooks_2013_ensinando-a-transgredir_book.pdf

Madrilonia.org. La Carta de los Comunes. Para el cuidado y disfrute de lo que de todos es. Madrid: Traficantes de Sueños. https://www.traficantes.net/sites/default/files/pdfs/La%20Carta%20de%20los%20Comunes-TdS.pdf

MANZINI, Ezio. Quando todos fazem design. São Leopoldo: UNISINO, 2017.

MIRAFTAB, Faranak. Insurgência, planejamento e a perspectiva de um urbanismo humano. Conferência de Abertura do IV World Planning Schools Congress, realizada no Rio de Janeiro, em 3 de julho de 2016. Tradução de Ester Limonad: https://doi.org/10.22296/2317-1529.2016v18n3p363

OSTROM, E. (1990). Governing the Commons: The Evolution of Institutions for Collective Action. Cambridge University Press.

OSTROM, E.; Hess, C. (2007). Understanding Knowledge as a Commons: From Theory to Practice. The MIT Press.

PARRA, H. Z. M.; FRESSOLI, Mariano.; LAFUENTE, Antonio. (Org.). Dossie: Ciência Cidadã e Laboratórios Cidadão/ Citizen Science and Citizen Labs (pt/en/es). LIINC EM REVISTA, v. 13, p. 1, 2017. http://revista.ibict.br/liinc/issue/view/244

STENGERS, Isabelle. No Tempo das Catástrofes. São Paulo: CosacNaif, 2015

STENGERS, Isabelle. A proposição cosmopolítica. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 69, p. 442-464, abr. 2018. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i69p442-464

TEIXEIRA, Ricardo. As dimensões da produção do comum e a saúde. Saúde Soc. São Paulo, v.24, supl.1, p.27-43, 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902015S01003