Latim/Índice/Lição 1/Apêndice

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Neste Apêndice à lição 1, sistematizaremos, por meio de tabelas, a declinação e a conjugação vistas até aqui.

Declinação[editar | editar código-fonte]

Chama-se declinação à flexão de nomes nos diversos casos que podem assumir. Também se conhece por declinação cada um dos cinco grandes grupos em que essas flexões se agrupam. Em termos de gramática histórica, a diferença entre as cinco declinações seria a vogal temática, uma vogal colocada entre a raiz da palavra (podendo ou não ser parte integrante dela) e a terminação própria a cada caso.

À época do latim clássico, as transformações da língua já haviam tornado a vogal temática irreconhecível em muitos casos; em tempos posteriores, as declinações acabaram se fundindo e, na maioria das línguas românicas, desaparecendo. Entretanto, ainda que a vogal temática às vezes seja irreconhecível, normalmente se podem detectar as marcas de cada caso. Nos casos já vistos, a marca mais constante é o M do acusativo singular.

Caso e número Primeira   Segunda   Terceira   Quarta   Quinta  
Nominativo singular   liber urbs
  plural   libri urbes
Acusativo singular   librum urbem

Das palavras vistas nesta lição, o substantivo uir se flexiona como liber:

uir, uiri, uirum.

Como urbs se flexionam homo, miles e mulier:

homo, homines, hominem
miles, milites, militem
mulier, mulieres, mulierem

Repare que as palavras de uma mesma declinação podem pertencer a gêneros diferentes. Na segunda declinação, tanto "liber" quanto "uir" são nomes masculinos. Já na terceira, enquanto "urbs" e "mulier" são femininos, "homo" e "miles" são masculinos. Ambas estas conjugações apresentarão também nomes neutros, que veremos adiante.

Os adjetivos vistos até aqui (magnus, nouus, paruus), se relacionados a um nome masculino de qualquer declinação, seguem a segunda.
Assim:

magnus miles
magni milites
magnum militem

Conjugação[editar | editar código-fonte]

Assim como os nomes assumem diversas formas segundo sua declinação, os verbos também o fazem, segundo sua conjugação. Há quatro conjugações em latim, e nelas a existência de uma vogal temática é mais patente. A primeira conjugação é a do "a" longo, ā. A segunda, do "e" longo, ē. A terceira é a do "e" breve, ĕ. A quarta, do "i" longo, ī.

Veremos, por enquanto, apenas o tempo presente do modo indicativo da voz ativa dos verbos. Mais adiante, estudaremos outros tempos, modos e a voz passiva. Neste Apêndice, você terá duas tabelas: a primeira é o paradigma de conjugação para todos os verbos regulares. A segunda serve para indicar a conjugação de um verbo irregular, isto é, que não segue inteiramente o paradigma, o verbo SVM. Há outros verbos irregulares, que serão apresentados mais adiante.

Primeira   Segunda   Terceira   Mista (3a./4a.)   Quarta
Primeira pessoa do singular   amo uideo lego
Segunda pessoa do singular   amas uides legis
Terceira pessoa do singular   amat uidet legit
Primeira pessoa do plural   amamus uidemus legimus
Segunda pessoa do plural   amatis uidetis legitis
Terceira pessoa do plural   amant uident legunt

Repare que, nas três conjugações já vistas, as terminações permanecem as mesmas:

Pessoa  Terminação
1a. sing. Ō (M)
2a. sing. S
3a. sing. T
1a. pl. MVS
2a. pl. TIS
3a. pl. NT

Essas terminações se mantêm no verbo SVM, cuja conjugação apresentamos a seguir. Incluímos o M como desinência porque todos os verbos vão apresentar essa terminação mais adiante, em outros tempos e modos.

1a. sing.    SVM
2a. sing.    ES
3a. sing.    EST
1a. pl.    SVMVS
2a. pl.    ESTIS
3a. pl.    SVNT