Pesquisa:Experimentação e modelagem de campanhas de mobilização em saúde/INC/Objetivos e demandas

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Objetivos do projeto[editar | editar código-fonte]

A natureza dessa pesquisa é um experimento social baseado numa intervenção sobre o relacionamento da população do entorno de uma instituição de saúde com o sistema de saúde, através de pesquisadores daquela instituição.

Como experimento social, o objetivo primário não é o sucesso da intervenção em si, mas o que se pode aprender dela para, futuramente, projetar intervenções de maior sucesso.

Expandindo, o projeto tem três principais objetivos, em ordem:

  • Estudar, no âmbito da saúde, como o contexto social em que um indivíduo está inserido, afeta suas perspectivas de mobilização sobre temas da saúde individual, familiar, comunitária e do sistema de saúde como um todo
    • O contexto social, aqui, será entendido como a variação, nos diferentes grupos de amostra, das ferramentas disponíveis na plataforma, do uso feito delas, e da forma como os temas serão abordados
    • Os temas serão escolhidos em conjunto com a equipe, priorizando assuntos de maior valor conjunto para o grupo de pesquisa, a instituição onde se encontra e a população do local (i.e. doenças crônicas, epidemias, atividade física, abuso de substâncias, saúde da mulher e criança etc)
    • A manifestação das diferentes perspectivas de mobilização poderá ser mensurada:
      • Qualitativamente, por relatos etnográficos
      • Quantitativamente, pelo volume de interações, adesão às tarefas e por avaliações de prioridades postas aos voluntários
      • De forma mista, pela análise quantitativa dos resultados de uma classificação semântica qualitativa de mensagens individuais
  • Provocar uma mobilização voluntária para melhoria das condições de saúde na região, ao promover o intercâmbio de informações e demandas entre pesquisadores inseridos no sistema de saúde e agentes voluntários da população.
  • Compreender as variáveis que afetam a intensidade e eficácia dessa mobilização popular, visando o aprimoramento das ferramentas e de futuras instâncias deste processo

Em toda análise caberá, além da estatística sobre variáveis escalares, também uma análise dos padrões de comunicação e estrutura da rede de relacionamento formada em torno da plataforma de comunicação, tentando-se identificar as propriedades funcionais de formas estruturais que pareçam recorrentes.

Traduzindo, isso quer dizer que além de considerar variáveis de nível – socio-econômico, educacional, idade, volume de mensagens etc – também vamos olhar padrões de conexão e fluxo em como as redes sociais se organizam, por exemplo se e como o nível de mobilização está vinculado à formação de lideranças, panelinhas, ou à forma como o pesquisador se faz presente.

Demandas do projeto para o NATS[editar | editar código-fonte]

Versão curta[editar | editar código-fonte]

Disponibilidade de um pesquisador, que agirá como responsável local pela interação através das plataformas virtuais da pesquisa. Essa pessoa pode ser desde um aluno com bom histórico e interesse pelo tema a um profissional formado ou pós-graduando. Ela será capacitada a realizar suas tarefas e também, na medida do seu interesse acadêmico, a participar plenamente do trabalho científico. Deverá, contudo, dedicar ao projeto cerca de 8h a 14h semanais por um período de 6 meses.

Versão detalhada[editar | editar código-fonte]

O projeto requer da instituição participante a disponibilidade de um ou mais pesquisadores, que podem ser bolsistas ou funcionários com aptidão e interesse em pesquisa, dedicando ao projeto cerca de 8 a 14 horas semanais por um período de 6 meses.

Em poucas palavras, as qualidades ideais desse pesquisador são um interesse espontâneo por questões de saúde coletiva, curiosidade científica sobre métodos quantitativos em sociologia, e habilidades comunicativas em ambientes virtuais.

O pesquisador, ou pesquisadores, será responsável pelo contato com os grupos de voluntários mobilizados amostrados da população, exercendo diversas funções de interlocução entre eles e o sistema de saúde. Também tomará parte na escolha dos temas a serem abordados, nas decisões sobre a condução do experimento e na análise dos dados da pesquisa, até e inclusive a produção dos artigos resultantes.

Sendo esta uma pesquisa com um enfoque de saúde coletiva, é desejável que o pesquisador tenha interesse em alguma combinação de assuntos pertinentes, como medicina preventiva, epidemiologia, educação para saúde, a estratégia de saúde da família, sanitarismo e medicina social etc. Conhecimento prévio seria bastante apreciado, mas mais importante é o interesse em aprender segundo as demandas que surgirem.

Além do aspecto de saúde coletiva, a pesquisa também envolve questões sociológicas ligadas à organização e motivação para ação coletiva, em que seria desejável algum interesse, e, definitivamente, habilidades comunicativas e familiaridade com Internet e mídias sociais, pois a quase integralidade das interações ocorrerá on-line.

Por fim, como o projeto a princípio lidará com a população da região próxima ao centro de pesquisa, espera-se interesse em obter conhecimento da área e disposição para interagir tanto com a comunidade quanto com as instituições de saúde - hospitais, unidades básicas, equipes de saúde da família e da vigilância sanitária - da região.

O pesquisador também deverá adquirir domínio das ferramentas e plataformas do projeto, para o que será treinado presencialmente e orientado sempre que necessário.

Dentro da interlocução com as amostras, considera-se:

  • Prover informações sobre saúde (individual, da família, comunidade e coletiva) aos participantes do experimento
  • Provocar discussões entre eles
  • Buscar informações para eles
  • Orientá-los a agir efetivamente frente a cenários de risco à saúde
  • Acompanhar, e conduzir quando necessário, as informações providas pelos participantes às instâncias onde serão efetivas
  • Divulgar atividades, programas e oportunidades oferecidas pelo sistema de saúde
  • Orientá-los a multiplicar em suas comunidades as informações obtidas através de sua participação na pesquisa
  • Outras funções acordadas com a coordenação da pesquisa

O candidato não fornecerá, em nenhuma circunstância, aconselhamento médico.

O relacionamento com os grupos ocorrerá de forma disciplinada por protocolo de pesquisa a ser desenvolvido em conjunto, para garantir condições de uniformidade entre os diferentes grupos do experimento.