Pesquisa:Wikipédia e o ambiente discursivamente emancipatório

Da wiki Wikiversidade
Ir para: navegação, pesquisa

Longe de ser considerada uma “massa amorfa, a web articula uma multiplicidade aberta de pontos de vista” (LÉVY, 2000, p. 154-155). É um território movediço, paradoxal, urdido por inúmeros mapas, todos diferentes, do próprio território. Na web, cada um dos indivíduos torna-se autor e proprietário de uma parcela do ciberespaço. Nela, “o autor ou proprietário coletivo toma corpo [...] e haverá lugar para toda a gente, todas as culturas, todas as singularidades, infinitamente” (LÉVY, 2000, p. 155).

Na esteira do que Pierre Lévy apresenta no início do século XXI, passa a operar, a partir de 15 de janeiro de 2001, alguns dos maiores projetos de referência editados colaborativamente em todo o mundo: a Wikipédia . Parece, assim, iniciar a ideia proposta por Lévy para a web, que é a de “anunciar e realizar a unificação de todos os textos num só hipertexto, a fusão de todos os autores num só autor coletivo, múltiplo e contraditório” (LÉVY, 2000, p. 155).

a Wikimedia Foundation, que é uma organização beneficente, sem fins lucrativos,


Demo comenta e exemplifica o novo cenário: Plataformas digitais como web 2.0, sendo potencialmente autorais, valorizam a perspectiva colaborativa, pela via da geração de conteúdo próprio interativo em blogs, wikis, moodle, redes sociais etc. Exemplo maior é a Wikipédia, uma enciclopédia pertinente e gratuita, feita a mil mãos, na qual a autoria individualizada não prepondera, em nome do processo coletivo de produção do conhecimento (DEMO, 2012, p. 96).

A Wikimedia Foundation, presidida por Jimmy Wales, que é co-criador da Wikipédia, surge, em 2003, como projeto complementar à Nupedia e passa abrigar. o site, cuidar do servidor e do desenvolvimento do projeto de enciclopédia online. É importante lembrar, porém, que o acadêmico Larry Senger, que já desenvolvia a Nupedia, um projeto semelhante, mas que tinha como premissa a correção e edição sumária dos artigos enviados, é quem assina a criação. A sede fica localizada em São Francisco, Estados Unidos da América (até 2007 sua sede era no estado da Flórida). A fundação é uma entidade filantrópica cujo regulamento declara que seu propósito é o recolhimento de dados, o desenvolvimento de conteúdo educacional e divulgação de forma eficaz e global. O objetivo declarado da Wikimedia Foundation é desenvolver e manter conteúdo aberto, por meio de projetos baseados no sistema wiki e fornecer o conteúdo completo desses projetos ao público gratuitamente.

Além da Wikipédia, a fundação gera um dicionário multilíngue chamado Wikicionário, uma enciclopédia de citações chamada Wikiquote, um repositório de textos de fontes em qualquer língua chamado Wikisource, e uma coleção de textos, estilo livros, para estudantes (tais como: manuais e livros de domínio público) chamado Wikibooks. Wikijunior é um subprojeto do Wikibooks e é especializado em livros para crianças.

Todos os projetos principais da Wikimedia Foundation são desenvolvidos colaborativamente por seus usuários por meio do software MediaWiki. O conteúdo é livre e distribuído sob a Atribuição-Compartilhamento pela mesma Licença 3.0 (exceto o Wikinotícias, licenciado sob o Creative Commons Attribution 2.5), o que significa que pode ser livremente usado, livremente editado, livremente reproduzido e livremente redistribuído, sujeito às restrições de tal licença.

Recorda-se que as primeiras enciclopédias constituíam trabalhos individuais e, portanto, por mais erudito que fosse seu autor, o trabalho refletia apenas seu próprio conhecimento. O crescimento e a especialização da ciência levaram à prática da constituição de comissões editoriais, transformando as enciclopédias em obras de autoria coletiva. É possível perceber, portanto, que a dinâmica editorial da enciclopédia foi se modificando lentamente ao longo dos anos. (CAMPELLO, 2008, p. 15). “A democratização do conhecimento também atinge as enciclopédias, notadamente a Wikipédia online” (BURKE, 2012, p. 341).

A tecnologia eletrônica transforma as tradicionais enciclopédias impressas em produtos definitivamente ultrapassados, pelo menos para a faixa de usuários que utiliza o computador e tem acesso fácil às redes eletrônicas. Nesse sentido, a enciclopédia, que é um produto que conta com grande aceitação social, com um reconhecimento estético-formal instantâneo, passa a sofrer mudanças que podem ser caracterizadas por um novo paradigma similar ao ocorrido por ocasião da invenção da imprensa no século XVI (CAMPELLO, 2008, p. 15).

O advento de tecnologias digitais permite a criação de uma enciclopédia online, a Wikipédia, e que pode ser considerada como carro-chefe da ciência cidadã (BURKE, 2012, p. 341). Mais especificamente, considera-se neste trabalho a de conteúdo em língua portuguesa, formada por cidadãos dos seguintes países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Baseado na tecnologia wiki, o conteúdo da Wikipédia é produzido por meio de código aberto e de forma coletiva na internet. Distingue-se, ainda mais, por ser feita de “a partir de baixo” (grifo do autor) (BURKE, 2012, p. 342). O termo wiki é inventado, em março de 1995, pelo programador de computador norte-americano Ward Cunningham e desde este período é usado para os sites configurados no modelo de criação coletiva (JOHSON, 2010, p. 18). Cunningham batiza sua criação de Wiki (do havaiano wiki-wiki = "rápido", "veloz", "célere") por ser a primeira expressão havaiana que aprendeu quando um atendente do aeroporto recomendou, em sua primeira visita às ilhas, que pegasse os ônibus expressos "wiki wiki", no Aeroporto de Honolulu (BLATMANN e SILVA, 2007, p. 201).

O sistema Wiki, diferentemente de outras páginas da Internet, permite que o conteúdo seja editado e atualizado pelos usuários, constantemente, sem haver a necessidade de autorização do autor da versão anterior. Este sistema permite corrigir erros e inserir novas informações, ou seja, ninguém é autor proprietário de nenhum texto e o seu conteúdo é atualizado devido à possibilidade de ser reformulado (BLATMANN e SILVA, 2007, p. 201).

Disponível na web desde sua criação e chamado de Portland Pattern Repository (http://www.c2.com), Cunningham pretendia desenvolver um site no qual os próprios usuários pudessem gerar, gerenciar e disseminar conteúdos. Com o sucesso do sistema que desenvolveu, vários clones surgem como alternativa para a construção participativa de textos.

Segundo a Wikimedia Foundation , a Wikipédia é um dos cinco sites mais acessados no mundo e possui mais de 400 milhões de visitantes únicos por mês e este número representa 5% de toda a população do mundo. A comunidade colaborativa é formada por voluntários que contribuem com artigos novos, edição de artigos existentes, sugestão de mudanças, formatação nos padrões de edição, inclusão de referências, ajuda a novos usuários, além de criação e inserção de imagens com objetivo de contribuir com um assunto em que é especialista.

A Wikipédia não é apenas uma enciclopédia online multilíngue. Embora o site seja útil, popular e permita que praticamente qualquer pessoa contribua, o site é apenas o artefato mais visível de uma comunidade ativa. É uma comunidade e uma enciclopédia. E a enciclopédia, a qualquer momento no tempo, é simplesmente um instantâneo de conversação contínua da comunidade (REAGLE Jr, 2010, p. 2).

Alguns princípios básicos pelos quais a Wikipédia opera é sumarizada pelos editores na forma de cinco pilares: (i) é considerada uma enciclopédia; (ii) rege-se pela imparcialidade; (iii) é uma enciclopédia de conteúdo livre; (iv) possui normas de conduta e (v) não possui regras fixas. Ressalta-se, neste sentido, o que ela não é: enciclopédia de papel, dicionário, publicadora de pesquisas originais ou coleção de informação indiscriminada; anunciante, meio de promoção, blog, rede social , site de memórias; repositório de links, imagens ou arquivos de mídia; diretório, manual, guia ou periódico científico; democracia, burocracia, anarquia, campo de batalha ou site de hospedagem de páginas web, bola de cristal.

Os artigos da Wikipédia não são criados de uma vez só. Eles crescem ao longo de várias edições e muitas vezes feitas pela colaboração de diversos usuários diferentes. Um colaborador pode iniciar o artigo. Outro pode acrescentar mais textos e outro ainda pode reorganizá-lo para deixá-lo mais fácil de ler. Ninguém é dono do artigo, mas muitas pessoas têm um zelo especial pelos artigos nos quais investiram uma boa quantidade de tempo. Os colaboradores discutem como os artigos devem evoluir, avaliam a qualidade das fontes e estabelecem políticas editoriais. Essas páginas e discussões são abertas para análise pública detalhada, bem como os próprios artigos.

Há a premissa de que o debate entre muitos colaboradores com ideias diferentes sobre o mesmo assunto pode gerar como resultado o consenso. Tipicamente as discussões iniciam mais calorosas e participativas até se estabilizarem. Quando atingem o estágio menos dinâmico, o conteúdo é considerado como válido pela maioria do grupo, o que pode ser interpretado como consenso.

Rodas (2009, p.102) explica que cada artigo tem sua própria página de discussão. No topo de cada artigo há um link chamado “Discussão”. É possível clicar nele e visualizar a evolução do debate em cada criação de artigo. Como a produção é colaborativa e voluntária, a qualidade dos artigos varia imensamente. Como meta descrita no planejamento estratégico da Wikimedia Foudation, para o período que vai de 2011 a 2015, de todos os seus projetos, as prioridades são: estabilizar a infraestrutura, aumentar a participação, aprimorar a qualidade, aumentar a busca e incentivar a inovação.

Sunstein (2006, p. 149) apresenta a ideia de que os wikis são democráticos no sentido de permitir que qualquer pessoa tenha poder de editar o conteúdo. A Wikipédia ainda possui projetos-irmãos, como Wikispecies (destinado aos cientistas e busca agregar as diferentes espécies), Wikitionary (dicionário e tesauro em diversas línguas), Wikisource (biblioteca livre, que possui um acervo digital de livros e textos fontes que estejam em domínio público ou possam ser usados livremente, de acordo com a licença Creative Commons), Wikiquote (coletânea de citações), Wikinotícias (fonte de notícias livres), Wikisource (documentos originais livres), Wikimedia Commons (imagens, sons e vídeos), Wikiversidade (centro ilimitado do aprender), Wikidata (base de dados livres), Wikilivros (livros didáticos e manuais livres), Wikivoyage (guia livre de viagem) e Meta-wiki (site sobre os vários projetos da Wikimedia Foundation). Estes ambientes wikis levam os usuários passivos da web à condição de co-criadores de conteúdo. A sabedoria coletiva é explorada em contraposição à visão tradicional da especialização. Assim, a riqueza de conteúdo trazida pela diversidade das multidões substitui os modelos tradicionais de produção individual (RODAS, 2009, p. 102). Outros exemplos de wikis revelam casos curiosos de como a produção colaborativa contribui para o enriquecimento cultural e a formação política da sociedade. O dKosopedia , conhecida como a “livre enciclopédia política”, oferece conteúdo sobre política. O projeto iniciou em abril de 2004. Lá é possível obter informações acerca da política mundial e o conteúdo é todo feito de forma colaborativa (SUNSTEIN, 2006, p. 160).

Na página Wikia é possível encontrar mais de 300 mil projetos wiki. Esta foi fundada por Angela Beesley e Jimmy Whales. O conceito surge quando Angela e Jimmy percebem que havia muitos tópicos que não se encaixavam em um modelo de enciclopédia tradicional, ou seja, cultura pop, jogos, entretenimento e estilos de vida. A Wikia convida pessoas para contribuírem com informações e opiniões sobre temas que conhecem bem e encoraja que indivíduos apaixonados sobre um determinado tópico possam criar o último recurso para isso. Estes podem se conectar com outras pessoas igualmente apaixonadas e passam a construir alguma coisa juntos. São mais de três milhões de usuários registrados, mais de 275 mil comunidades wiki e 50 milhões de visitantes mensais.

Com o propósito de promover o compartilhamento de informação sobre prevenção, diagnóstico, tratamento e demais informações sobre gripe, o projeto Flu Wiki é encontrado não só em inglês, mas também em francês, espanhol e árabe. No site é possível encontrar dicas de saúde, vacinas e sintomas da doença. Tem-se, portanto, um novo cenário a respeito da informação de referência. Hoje estes ambientes wiki promovem o acesso a um conteúdo popularizado e produzido de forma colaborativa e voluntária.

Para Burke (2012, p. 342) esta inovação traz problemas, como, por exemplo, a interferência ou “vandalismo” para “apagar ou inserir comentários desfavoráveis sobre indivíduos ou instituições ou para acrescentar propagandas”. Por se sentir incomodado com a falta de respeito pelo conhecimento especializado da Wikipédia, Larry Sanger, um dos primeiros colaboradores de Wales, funda um projeto rival, organizado de cima para baixo, conhecido como Citizendium .

O fluxo de informação e sua distribuição ampliada e equitativa têm sido um sonho de diversos pesquisadores e cientistas em diferentes épocas. Desde a escrita o homem vem passando por proezas tecnológicas que têm mudado sua visão e sua relação com o mundo da informação (BARRETO, 2008). Vannevar Bush ao publicar na revista The Atlantic Monthly, em 1945, o seu mais conhecido ensaio As you may think, consolida a descontinuidade da ideia dos clássicos processos de armazenagem e distribuição do grande volume de informação científica acumulado. Para Bush, a informação científico-tecnológica não deveria estar restrita aos cientistas, mas, sim, alcançar o cidadão comum como forma de elevá-lo social e culturalmente. Parece, assim, que, hoje, a Wikipédia até seja considerada um projeto que consolida as ideias deste cientista norte-americano (AIGRAIN, 2003).

Tais mudanças no comportamento do usuário, do acesso e produção da informação acontecem devido às oportunidades surgidas com as tecnologias de informação e comunicação. Campello faz considerações sobre o novo cenário: As mudanças causadas pela tecnologia têm sido tão abrangentes e inovadoras que até mesmo conceitos estabelecidos como canais informais e canais formais são questionados por alguns autores, que alegam já não ser possível distinguir com clareza as diferenças entre eles (CAMPELLO, 2000, p. 33).

Vivencia-se a emergência de um novo nível na economia da informação que pode ser chamado de economia da informação em rede. Este nível tem tomado o lugar da economia industrial de informação que tipificou a produção da informação da metade do século XIX e ao longo do XX. A economia da informação em rede caracteriza-se pela ação individual descentralizada e pela ação cooperativa distribuída por mecanismos não mercadológicos que não depende de estratégias de propriedade que têm um papel muito maior, ou deveriam ter, na economia industrial da informação (BENKLER, 2006, p. 3; LIMA, ROMAN, RÉGIS, DITTRICH, 2010, p. 103).

Benkler (2006, p. 400) afirma que a produção colaborativa emerge como “sistema técnico social, viável, para motivar e organizar as contribuições coletivas humanas por outros meios que não sejam os contratos e a compensação do mercado”. A produção colaborativa é a realização de uma atividade voltada para o comum. As redes de produção colaborativa da sociedade atual têm características participativas e horizontais, entre produtores e usuários, que são diferentes das relações entre produtores, mediadores e consumidores do modo de desenvolvimento industrial do capitalismo.

As redes colaborativas levam a uma economia de produção da informação por meio de laços sociais entre cientistas ou cidadãos comuns. No ambiente da Wikipédia, sobretudo, vê-se como a participação promove, mais e mais, um compartilhamento de verbetes que, constantemente, sofrem alterações, acertos, inclusões etc. “Wikipédia é apresentada como uma nova/outra forma do conjunto dos saberes que estaria surgindo na contemporaneidade (SCOTTA, 2009, p. 71).

“Seriam a capacidade de memória praticamente ilimitada da Web e a abertura à edição colaborativa da Wikipédia que alimentariam o imaginário da “enciclopédia completa” (grifo do autor)” (SCOTTA, 2009, P. 73). Em outras palavras, se antes os sujeitos concebiam estar diante do “saber total” (grifo do autor) porque a materialidade da enciclopédia limitava, no espaço e no tempo, sua extensão e seu campo de abrangência, fazendo com que estes tomassem as “coisas a saber” (grifo do autor) ali apresentadas como a “totalidade dos saberes” (grifo do autor) existentes, hoje tal interpretação estaria se delineando justamente pelo fato de a Wikipédia possibilitar que mais e mais saberes sejam disponibilizados a todo momento em seu escopo (SCOTTA, 2009, p. 75). A Wikipédia conclama a sociedade em geral para produzir conhecimento. O progresso da Wikipédia elucida, com cores muito vivas, uma proposta de produção de “conhecimento mais visivelmente conturbada e criativa, em parte retomando um desiderato antigo da enciclopédia (reunir todo o conhecimento humano disponível), em parte refundando a epistemologia, tornada a ágora de acesso generalizado” (DEMO, 2009). Scotta (2009) alerta que quando se atenta para a história do enciclopedismo, não é encontrada nenhuma obra que, tendo sido construída em tão pouco tempo, tenha tido tantas ‘coisas a saber’ (grifo do autor) como a Wikipédia. Ao contrário, a formulação dos saberes, na maior parte dos casos, era um trabalho demorado, que exigia do enciclopedista um tempo para a elaboração e para a reflexão (SCOTTA, 2009, p. 77).

Scotta recorda a produção enciclopédica na época do Iluminismo: No Iluminismo, quando foi produzida uma das mais célebres enciclopédias de todos os tempos, a Encyclopédie ou dictionnaire raisonné des sciences, des arts et des métiers, a elaboração dos seus vinte e oito volumes e setenta e dois mil artigos prolongou-se por vinte e um anos (SCOTTA, 2009, P. 77).

Encontra-se, ainda hoje, frente a uma elaboração dos saberes que não é a mesma da Wikipédia. Embora enciclopédias como a Britannica (grifo do autor) e a Universalis (grifo do autor), por exemplo, atualizem seus conteúdos com mais frequência, o que geralmente ocorre são atualizações a cada um ou vários anos, e o número de novos verbetes ou de alterações é bastante reduzido (SCOTTA, 2009, P. 78). “No caso da Wikipédia há saberes que são mobilizados nas práticas e que dizem respeito à tentativa de conferir status científico aos conteúdos da enciclopédia” (HENGE, 2010, p. 2).

Pode-se afirmar que na Wikipédia, de fato, temos saberes estabelecidos por “práticas discursivas e que podem, ou não, atribuir-lhes caráter científico, mas que, de um modo ou de outro, são formados por esses elementos que compõem grupos de objetos” (que determinam o que vem a tornar-se tema de verbete), conjuntos de enunciações (que constroem no fio do discurso as definições ditas enciclopédicas), jogos de conceitos (que mobilizam discursos e se relacionam pelos links) e séries de escolhas (que regulam os posicionamentos e a permanência ou não de certos enunciados) (HENGE, 2010, p. 2).

Henge (2010, p.2) conclui que acerca do conhecimento enquanto discurso que configura a Wikipédia, vê-se que ela [a Wikipédia] se caracteriza como enciclopédia por buscar abarcar “todo o conhecimento humano de forma imparcial” (grifo do autor) e “on-line uma vez que a internet em suas relações históricas com a formulação e a circulação dos saberes é seu suporte e o hipertexto sua materialidade discursiva” (HENGE, 2010, p.2). Em seu tom pós-moderno, a “Wikipédia consagra a noção preciosa de que uma ideia só pode ser “crítica”, se for plural. Ideia única, sendo “ideia fixa”, não passa de argumento de autoridade” (DEMO, 2009).

A popularização da produção, edição e publicação de informações por meio de “plataformas colaborativas baseadas na world wide web (www) tem provocado significativos impactos sobre os processos editoriais adotados por publicações tradicionais ou inauguradas a reboque do fenômeno da web 2.0” (D’ANDRÉA, 2009, p. 74). O gerenciamento da Wikipédia é especialmente complexo devido à necessidade de chegar a um consenso sobre o melhor formato e conteúdo para cada artigo (D’ANDRÉA, 2009, p. 76). A web 2.0 tem alavancado a Internet como um ambiente de compartilhamento de informações e permite que usuários comuns sejam, além de leitores, também produtores de informação na rede (SANTAREM SEGUNDO, 2012, p. 105).

Demo apresenta a Wikipédia nos planos individual e coletivo: A Wikipédia congrega a dedicação de milhares de pessoas gratuitamente para editar textos sob a égide da liberdade de expressão. No plano individual, todos podem apresentar seu texto e/ou fazer mudanças nos textos existentes; no plano coletivo, nenhuma autoria individual é soberana, valendo o texto coletivamente urdido e sempre aberto (DEMO, 2009).

D’Andréa (2009, p. 77) “ressalta que cada uma das bases para a consolidação de uma comunidade virtual mais horizontalizada é o reconhecimento e valorização do engajamento dos usuários”. A lógica meritocrática de um site como a Wikipédia privilegia a dedicação do colaborador ao projeto, em detrimento de características tradicionalmente valorizadas, como a publicação de informações pessoais e a titulação formal do participante (D’ANDRÉA, 2009, p.77).

D’Andréa reflete sobre a lógica de produção a partir da página Discussão: Acredita-se que um texto produzido em sistema wiki de publicação leva ao extremo a noção de texto como fruto de interações, uma vez que todo o seu processo de elaboração e leitura é resultado direto de uma “negociação” entre os usuários, sendo necessário, por exemplo, um “pacto” entre os envolvidos quanto à natureza instável e dinâmica do ambiente onde o trabalho se materializa. Esta relação fica clara, por exemplo, na página Discussão associada a cada texto wiki, que é um espaço para que os usuários debatam sobre o conteúdo e as tendências do texto e busquem um consenso sobre a melhor abordagem para o tema (D’ANDRÉA, 2009).

Web 2.0 representa uma mudança na proposta comunicacional dos sites, uma vez que se abrem espaços para que o usuário participe de grande parte do processo de construção do conteúdo, por meio da produção, publicação, edição, comentário, discussão e/ou votação de conteúdos. (D’ANDRÉA, 2009). Ao permitir que o usuário deixe de ser “apenas” (grifo do autor) um leitor ou alguém que escolhe os links que deseja clicar, um site wiki propõe um modelo de hipertexto que se baseia no rompimento dos limites entre autor e leitor, possibilitando uma nova relação baseada na colaboração e na negociação, através das quais fica explícito que o texto é fruto das relações, ainda que indiretas, estabelecidas pelos envolvidos. (D’ANDRÉA, 2009).

Demo (2009), no entanto, ressalta, que na “chance incrível de construção de conhecimento a infinitas mãos”, pode haver disputas de poder: A Wikipédia guarda uma utopia notável, maravilhosa, sensacional e que galvaniza milhões de contribuintes, mas vira utopismo, quando se apresenta como modelo cabal de enciclopédia ou ignora suas ambiguidades na construção e institucionalização do projeto. Longe de uma comunidade apenas orientada pela cooperação de boa fé, ela oferece o espetáculo dantesco de vandalismo insistente e de disputas dramáticas por poder, mostrando que rivalidades a constituem também (DEMO, 2009).

A utopia do texto aberto é uma visão das mais fascinantes da Wikipédia, pois para Demo (2009) “apanha em cheio a dinâmica disruptiva do conhecimento, que não é pacote, mera informação, coisa armazenada, mas gesto incessante de desconstrução e reconstrução”. Apanha igualmente a energia infindável e profunda, suave e forte, da autoridade do argumento que, ao apresentar-se, constitui uma “força sem força” (grifo do autor). É o tipo da autoridade não autoritária porque sua autoridade é de mérito do argumento mais bem fundamentado, tão bem fundamentado que pode sempre ser reconstruído. Inicialmente, pelo menos, “a Wikipédia tinha esta visão de seus textos: em progresso infindável, sem formato final, aberto à reconstrução de todos sem peias” (DEMO, 2009).

Na visão de Demo (2009), uma coisa é entender enciclopédia como repositório do que já se fez – por isso, não cabe pesquisa original, mas compilar o que está disponível -, outra coisa é entender como referência de incessante reconstrução do conhecimento, na qual o repositório disponível é infinitamente recriado (DEMO, 2009). “A Wikipédia seria uma fábrica em funcionamento 24 horas por dia, 365 dias por ano, não um mausoléu. Quando menos, isto desvela outra marca brilhante: os textos seriam atualizados naturalmente na própria dinâmica de sua reconstrução sem fim” (DEMO, 2009).

Na contextualização do pensamento de Habermas aplicado ao argumento, Demo (2009) afirma: Mas há outra maravilha: se todos os textos estão sempre abertos à reconstrução de todos, o texto que mais chance teria de merecer a atenção seria aquele mais bem argumentado, sem que daí decorresse qualquer formatação definitiva. Seria apenas menos provisório, porque deteria melhor fundamentação. Considero esta face uma propriedade pedagógica inestimável, porque, como diria Habermas, na esfera pública democrática e eticamente estruturada, vale a “força sem força do melhor argumento” (grifo do autor) (1989). Como não cabe o argumento de autoridade, nem qualquer imposição autoritária, ser ouvido só poderia ser questão de mérito de quem se faz ouvir, não gritando, vociferando, agredindo, ofendendo, mas argumentando (DEMO, 2009). Um dos traços mais atraentes da Wikipédia é a desconstrução da academia como dona da verdade e do método científico. No surgimento da era moderna (por volta do século XVI) a descoberta mais incisiva foi a da “autoridade do argumento” (grifo do autor)- o discurso científico se mantém, não pendurado em autoridades (por exemplo, religiosas, tradicionais, políticas), mas por força de sua argumentação (DEMO, 2009; BURKE, 2003). A Wikipédia, para Demo (2009) “não pretende desconstruir rigores formais ou formalização como método. Satiriza a pretensão inatacável dos cientistas, em especial a venda fácil do argumento de autoridade como autoridade do argumento”. O critério maior de cientificidade é a “discutibilidade” (grifo do autor) dos textos em nome da autoridade do argumento (grifo nosso) O exercício do aprimoramento das edições, desde que feito sob a égide da autoridade do argumento, é a dinâmica de rara beleza pedagógica, porque não só promove a habilidade de produzir conhecimento, como promove, ainda mais, um estilo de cidadania capaz de negociar consensos aprimorados, ainda que nunca finais (DEMO, 2009).

Ao substituir a linearidade da escrita pela proliferação textual e imagética, obriga a nossa cultura a um decisivo afastamento relativamente aos padrões usuais da cultura visual tipográfica em que estávamos inseridos. (POMBO, 2013). As pesquisas nacionais sobre dicionários e enciclopédias são mais voltadas para a questão terminológica (principalmente as que se referem aos dicionários), sendo assim, um estudo com abordagem focada no conteúdo e estrutura da fonte, configura-se em importante contribuição para a ciência da informação (ALCARÁ, 2004). Cabe dizer, sempre, é “que a Wikipédia não substitui outros formatos de enciclopédia” (DEMO, 2009).