Portal:Epistemologias não standard

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Epistemologias Não Standard

Proposta pelo Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE) da Universidade Estadual de Campinas, para auxiliar o debate e o diálogo entre o conhecimento produzido na academia e o conhecimento realizado pelos povos originários e comunidades tradicionais.


o que é?[editar | editar código-fonte]

Este portal é uma iniciativa do Grupo de Pesquisa Multilinguismo e Interculturalidade no Mundo Digital, localizado no Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Iniciamos as atividades abertas de estudo em funçao da criaçao da cotas na graduaçao da Unicamp.

Aqui na Unicamp vimos consolidando uma parceria entre Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência - CLE e Faculdade de Educação - FE em torno nossos interesses de pesquisa em comum. Essa parceria na Unicamp é fruto dos estudos desenvolvidos pelos grupos de Pesquisa Multilinguismo e Interculturalidade no Mundo Digital (CLE) <https://www.cle.unicamp.br/index.php/multiculturalismo-multilinguismo> e PHALA: Educação, Linguagem e Práticas Culturais (FE) <https://www.phala.fe.unicamp.br/campos-de-pesquisa>, dos quais nós fazemos parte. As discussões focalizam temas em torno de estudos em práticas educativas afro-diaspóricas e de povos originários, considerando fortemente questões de multilinguismo, interculturalidade e epistemologias não standard.


Fundamento do diálogo

Nós estamos na trilha da reflexão do Michel Debrun, um dos fundadores do Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE), ao pensarmos a realidade brasileira (conhecimentos tradicionais de outros povos entrando na academia hoje). Estamos também discutindo governança e sociedade, porque precisamos de uma compreensão reflexiva deste encontro entre diferentes culturas e epistemes que se dá - ou queremos que se dê - hoje na nossa universidade. Dialogar com quem é diferente no âmbito profissional promove as necessidades teóricas, metodológicas e práticas que surgem desta mudança de postura: propor diálogo com instâncias intelectuais que estavam canceladas no nosso espaço de trabalho. É uma mudança do acordo sobre o que vale e o que não vale academicamente, e queremos agregar filosoficamente estes novos-velhos intelectuais, estas diferentes heranças cosmológicas e tudo o que advem daí. Sem perder a diferença neste encontro e melhorando cada vez mais esta possibilidade do diálogo entre nós pensando uma reflexão voltada para o bem comum.


o que fazemos?[editar | editar código-fonte]

Vamos discutir juntos no campus as possibilidades de interlocução entre diferentes modos de pensar o que sabemos que sabemos. Para discutir estas questões, vamos ler juntos (ou separados) alguns textos que podem suscitar questões de qualidade. E, principalmente, colocar questões bacanas, para permitir que a reflexão avance.


Então a nossa ideia é fazer um grupo de estudos em 2020 que se reuna quinzenalmente para refletir e ler sobre esses encontros de mundos, seres e divindades no ambiente acadêmico e na vida. Com estudo, música, dança e alegria!

Nos reuniremos uma quinta-feira sim, uma quinta feira não, a tarde, das 14h as 17h, no Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE) da Universidade Estadual de Campinas. Em breve nosso calendário de encontros.


o que ler?[editar | editar código-fonte]

Em geral, precisamos ler referências bem conhecidas que vão nos dar um parâmetro do tipo de discussão em que estamos entrando.

Assim, para uma noção acadêmica do que se trata o conceito epistemologia, podemos considerar uma entrada em inglês e uma entrada em português.

Propomos esta tradução ligeiramente modificada da tradução do tradutor automático:

1) "Definida estritamente, epistemologia é o estudo do conhecimento e da crença justificada. Como estudo do conhecimento, a epistemologia se preocupa com as seguintes questões: quais são as condições necessárias e suficientes do conhecimento? Quais são as suas fontes? Qual é a sua estrutura e quais são os seus limites? Como o estudo de uma crença justificada, a epistemologia visa responder a perguntas como: como devemos entender o conceito de justificação? O que pode justificar as crenças justificadas? A justificação é interna ou externa à própria mente? Entendida de maneira mais ampla, a epistemologia trata de questões relacionadas à criação e disseminação de conhecimento em áreas específicas de investigação. Este artigo fornecerá uma visão geral sistemática dos problemas que as questões acima levantam e focam em profundidade questões relacionadas à estrutura e aos limites do conhecimento e aos limites da justificativa."

- "Epistemology"  da  Stanford Encyclopedia of Philosophy <https://plato.stanford.edu/entries/epistemology/>


Ou podemos considerar esta proposta de estudo em português:

2) "EPISTEMOLOGIA" é o termo que mais frequentemente empregamos hoje para nos referirmos à "teoria do conhecimento" - a disciplina tradicional dos currículos de filosofia. Em manuais mais antigos, podemos também encontrar o termo "gnosiologia", atualmente em desuso. Os dicionários de filosofia e mesmo os dicionários comuns das línguas trazem definições do termo "epistemologia"e seus correlatos nas línguas modernas. Como ocorre, contudo, com todas as disciplinas acadêmicas, tais definições informam muito pouco sobre a atividade em questão e, via de regra, o fazem de maneira distorcida. A melhor maneira de saber o que é epistemologia consiste em examinar o que aqueles estudiosos dedicados a essa disciplina fizeram e fazem.[...]"

(Dutra, Introdução à epistemologia. São Paulo, UNESP, 2010 (p.9), ISBN 978-85-393-0054-9)


E na sequência alguns textos que deslocam esta compreensão, ou que apontam para deslocamentos possíveis:

Referenciais de Filosofia Africana: em busca da Intersubjectivação, José Castiano - https://www.academia.edu/23452552/CASTIANO_Jos%C3%A9_P._Referenciais_da_filosofia_africana

Filosofia desde África: Perspectivas Descoloniais, Luis Thiago Freire Dantas - https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/54739/R%20-%20T%20-%20LUIS%20THIAGO%20FREIRE%20DANTAS.pdf?sequence=1&isAllowed=y&fbclid=IwAR2U5f-W6Or3XeUxJ4p7XU_ICVRhjIUnyi5Ex9AzaIIBGAx6GslTwrASVug (download)

Aporias de Ensino Superior em Moçambique à luz das epistemologias glocais, José Castiano e Dulce Maria Passades - https://www.academia.edu/7408580/Artigo_FORGES_2013_Castiano_e_Passades

Ética e Candomblé, Robson Gabioneta - https://www.academia.edu/40114601/%C3%89tica_e_Candombl%C3%A9

Oxum é Fundamento Epistemológico: um diálogo com Oyèronké Oyèwúmi, Carla Akotirene - https://www.cartacapital.com.br/opiniao/osun-e-fundamento-epistemologico-um-dialogo-com-oyeronke-oyewumi/

Pedagogia das Encruzilhadas, Luiz Rufino Rodrigues Junior - https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/periferia/article/view/31504/0

Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador, Antonio Carlos Quinto - https://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-humanas/orixa-exu-tem-sua-imagem-desmistificada-como-ser-do-mal-e-assustador/

Exu nas escolas, Exu na ciência, Exu na política, Pai Rodney - https://www.cartacapital.com.br/blogs/dialogos-da-fe/exu-nas-escolas-exu-na-ciencia-exu-na-politica/

Não sou o diabo. Sou Exu, https://www.cartacapital.com.br/blogs/dialogos-da-fe/nao-sou-o-diabo-sou-exu/


OPANIJÉ: A Dança do Orixá OBALUAÊ como estratégia para discutir identidade negra, racismo e antirracismo no contexto educacional, Dalvan de Santana Sena, https://docs.google.com/document/u/1/d/1608SZdl-B_wXC0lkrBhVnaQhK-nFdp0aFW5TZ4mlOBc/mobilebasic


Epistemologias: transversalidades nas artes da cena, https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/conce/issue/view/1417?fbclid=IwAR0rABIrpbougRLwdnN1lSgHpjIcJIaQ0G-1h1hPbm8jU6sGNL4iBqy-0KE


Evento 19 novembro de 2019 - Unicamp Afro[editar | editar código-fonte]

Epistemologias não-standard: deslocamentos linguísticos, culturais e epistemológicos na academia


Queremos pensar conjuntamente e de forma horizontal as epistemologias, culturas e linguagens ligadas aos povos negros e aos povos tradicionais em geral. Nesta reflexão conjunta, aberta, perguntamos como podemos trabalhar academicamente de forma a integrar os conhecimentos dos povos negros  e a expandir a percepção filosófica, cultural e linguística da educação superior em língua portuguesa. Perguntas iniciais: Dandalunda/Oxum é fundamento epistemológico? E o samba constrói uma filosofia? O que fazemos com o conhecimento tradicional no campus, qual a vocação da universidade publica? Venha conversar com a gente.

Claudia Wanderley (CLE-UNICAMP)

Paula Vermeersch (UNESP)

Jackeline Mendes (FE-UNICAMP)

Luana Tvardovskas (IFCH-UNICAMP)

Marta Ferreira (FE-UNICAMP)

Maria Clara Cavalcanti (IFCH-UNICAMP)

Robson Gabioneta (IFCH-UNICAMP)

Teatro de Arena da UNICAMP, 19 de novembro de 2019 das 17h30 as 20h30

Convite para você contribuir com este portal:[editar | editar código-fonte]

Estamos abrindo a interlocução com você, e gostaríamos de saber das possibilidades de trabalharmos em parceria na reflexão.

Gostaríamos de saber se há interesse de sua parte em dialogar conosco. Em caso positivo, gostaríamos de saber quais temas vêm sendo discutidos por seus grupos de pesquisa para que possamos iniciar uma interlocução. Assim, ficaremos extremamente gratas em ter acesso a publicações suas para iniciar esse diálogo.


Coloque um link para sua publicação:[editar | editar código-fonte]

Para a gente que é interessado no tema ficar sabendo o que você está discutindo e lendo... e assim podermos desenvolver juntos uma conversa de qualidade.