Portal:Formação Básica/Língua Portuguesa/Língua escrita e língua falada

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nessa lição você verá mais sobre a comunicação e também verá qual é a relação existente entre a gramática e a comunicação. Como percebemos no dia-a-dia, nem sempre falamos respeitando as regras da língua, e acabamos falando uma linguagem mais coloquial, informal. Vamos ver a diferença entre a linguagem coloquial e a linguagem formal e veremos suas características.

A Comunicação[editar | editar código-fonte]

Uma das habilidades que muitos seres vivos possuem é a capacidade de Comunicação. A capacidade de se comunicar refere-se à tentativa de um ser passar através dos sentidos, uma informação para outro ser. Assim pode-se definir que para existir uma comunicação são necessários um ser que se comunique (transmissor) e outro que receba a comunicação (receptor) e o meio onde ocorre a comunicação.

Não há uma certeza sobre como o ser humano criou a comunicação falada, mas acredita-se que tenha sido uma evolução de sons básicos que o ser humano fazia com a boca, como o fazem alguns primatas. Uma palavra é um conjunto de sons distintos feitos por um ser humano através de sua voz. A voz humana é produzida pela vibração do ar que é expulso dos pulmões pelo diafragma e que passa pelas cordas vocais e é modificado pela boca, lábios e a língua. Esse estudo dos sons faz parte da gramática, mas especificamente, da fonética.

A gramática é o conjunto de regras individuais usadas para um determinado uso de uma língua, não necessariamente o que se entende por seu uso correto. A gramática tem por objetivo estudar a forma, a composição e a inter-relação das palavras dentro da oração ou da frase, bem assim o seu apropriado ou correto uso. Como vimos, a gramática é estudada em diferentes partes que são harmônicas entre si:

  • Sintaxe
  • Semântica
  • Etimologia
  • Fonética
  • Morfologia
  • Literatura

Tudo bem, a língua portuguesa tem suas regras, mas todos nós sabemos que nem sempre conseguimos segui-las. Com isso, falamos palavras erradas, gírias e outras características da linguagem informal. A linguagem informal não respeita a gramática completamente, ela é geralmente usada no dia-a-dia, quando temos intimidade com uma pessoa ou quando estamos conversando naturalmente.

É importante lembrar que uma mesma coisa pode ser dita de maneira formal ou informal. Por exemplo:


É a primeira aula de espanhol de Roberto, mas ele não sabe qual é a sala correta! Ele vê uma secretária e resolve então, perguntar para ela:

- Ei, se sabe qual sala que eu tenho que ir?

- Qual é seu nome por favor?

- Roberto Pinha.

- Sala de número 34, terceiro andar.

- Ah, valeu pela ajuda!


Como você percebeu, Roberto não falou de maneira formal. Uma mesma coisa pode ser dita de maneira formal ou informal. Na norma culta ou padrão, ficaria assim:

Com licença, você pode me informar em qual sala eu devo ir?

Isso acontece muitas vezes, é comum. Até mesmo em livros podemos encontrar uma fala de um personagem com a linguagem informal (ou coloquial). "Escrevemos em português, mas o estilo é brasileiro. O escritor tem que ter a liberdade de usar a língua no sentido formal ou informal", afirma Lygia Fagundes Telles.

Exercícios[editar | editar código-fonte]

1) Assinale X para afirmativas escritas em forma padrão, formal; e Y para as escritas em forma coloquial, informal:

Se tem um trem que eu não entendo é português! y
Aonde nesse mundo já se viu algo igual? x
Educadamente, o manobrista abriu a porta. x

Respostas:

1) Y, X, X