Scout/O QUE É O ESCUTISMO?

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Escutismo, fundado por Lord Robert Stephenson Smyth Baden-Powell, em 1907, é um movimento mundial, educacional, voluntariado, apartidário, sem fins lucrativos. A sua proposta é o desenvolvimento do jovem, por meio de um sistema de valores que prioriza a honra, baseado na Promessa e na Lei escoteira, e através da prática do trabalho em equipe e da vida ao ar livre, fazer com que o jovem assuma seu próprio crescimento, tornar-se um exemplo de fraternidade, lealdade, altruísmo, responsabilidade, respeito e disciplina.

Valores do Movimento escoteiro, segundo Organização Mundial do Movimento Escoteiro[editar | editar código-fonte]

Missão

A missão do escotismo é contribuir para a educação do jovem, baseado em sistema de valores baseados na Promessa e na Lei Escoteira, ajudando a construir um mundo melhor, aonde se valorize a realização individual e a participação construtiva em sociedade.[1]

Visão

O Movimento Escoteiro, é um movimento global que produz uma real contribuição na criação de um mundo melhor.[2]

Princípios do Escotismo


A Organização Mundial do Movimento Escoteiro define como Princípios do Escotismo
  1. Dever para com Deus (crença e vivência de uma fé, independentemente de qual seja);
  2. Dever para com os outros (participação na sociedade, boa ação, serviço ao próximo);
  3. Dever para consigo próprio (crescimento saudável e auto desenvolvimento).


Desenvolvimento físico

Proporcionar o desenvolvimento físico do jovem por meio de jogos ao ar livre, exercícios, excursões e acampamentos.

Desenvolvimento moral

A finalidade é o caráter com um propósito. E o propósito é que essa geração seja sadia no futuro, para desenvolver a mais alta forma de compreensão e dever para com Deus, pátria e próximo.

Desenvolvimento intelectual

Dá-se uma preparação adequada pelo conhecimento adquirido em cada uma das etapas como cozinha; campismo, nós, natação e salvamento; primeiros socorros; regras de segurança, orientação, transmissão de sinais, estudo da natureza …

Fogo de Conselho.

Método escoteiro[editar | editar código-fonte]

Atividade de grupo no 21°Jamboree.

O Método Escoteiro baseia-se em sete pilares essenciais:

1. Aceitação da Promessa e da Lei Escoteira;
Sistema de Valores e Princípios baseados na Promessa e na Lei Escoteira, todos membros assumem voluntariamente o compromisso.[3]
2. Sistema de Patrulhas (a vida em pequenos grupos de jovens);
Os escoteiros são agrupados em pequenos grupos de 6 à 8 pessoas, para operarem como um time, vivendo e trabalhando juntos, dividindo experiências, em uma forma de democracia e regida pela Lei Escoteira.[4]
3. Sistema de Progresso;
O Escotismo promove ações para que o jovem realize ações para a auto-progressão, seguindo a Lei escoteira[4]
4. Aprender fazendo (educação pela ação);
Desenvolvimentos de atividades que mostrem a realidade, mostrem como as coisas acontecem, desde uma apresentação a uma audição.
Aplicar meios para que o jovem ganha conhecimentos, habilidades e atitude. Um exemplo é para que o jovem aprender o que é responsabilidade, da-se responsabilidade para ele;
Os saberes do escotismo passam por experiências, não são separados da realidade, ou presos a uma mundo abstrato. Não são aulas, são excursões, atividades de campo.[4]
5. Contato com a Natureza (palco privilegiado da ação, contacto com a criação).
Desenvolvimento físico: A natureza fornece ar puro, espaço para correr, oferecendo oportunidades para promover jogos e testando os limites de resistência.
Desenvolvimento intelectual: A natureza fornece oportunidades de explorar, desenvolver os sentidos e as habilidades.[4]
6. Método Projeto
concepção de objetivos, enquadramento imaginário e atividades pelos jovens;[3]
7. Presença de adultos
Adultos são voluntários que facilitam o processo de auto-aprendizagem passando pelo Método Escoteiro.[4]
Escoteiros no Jamboree.

Individualmente, muitos desses pontos são ferramentas de outras formas de educação. Mas no escotismo eles fazem parte de um todo, tornando o Método escoteiros único.[4]

Os elementos atuam como uma rede, e podem ser visto singularmente como:[4]

  • Cada um tem uma função específica;
  • Interação de cada um reforça o mesmo;
  • Contribuí para toda proposta a ser atingida.

Uma importante característica do sistema é a sinergia criada, o efeito do sistema é muito maior do que um elemento sozinho. Cada elemento do Método tem função educacional; cada elemento completa o impacto do outro. Se algum elemento se perde ou não é utilizado propositadamente, o sistema não pode servir para a proposta inicial - o progressivo e holístico desenvolvimento do jovem.[4]

O Método Escoteiro foi desenvolvido para estimular o desenvolvimento do jovem para além dos anos de escotismo. Isso significa que funciona para todos os jovens mesmo que ele tenha oitenta anos.[4]

Pode parecer que há um erro, uma pessoa não pode estar fisicamente em contato com o mundo natural e dando suporte a um hospital, mas ela pode sim conter elementos da natureza como um plano de fundo, ou mesmo presente utilizando métodos que não deteriorem a natureza, por exemplo.[4]

O sistema natural de progressão de auto-educação[editar | editar código-fonte]

O Método Escoteiro é um sistema de progressão, a intenção é estimular que cada jovem desenvolva suas capacidades e seus interesses. Ele faz isso colocando desafios a serem superados, aventuras, incentivando a explorar, a descobrir, a experimentar, a inventar e a criar a capacidade de achar soluções; mas sempre respeitando-os individualmente, suas barreiras.[4]

Hierarquia por trás do Método[editar | editar código-fonte]

ONE

Organizações Nacionais Escoteiras (ONE), são responsáveis pelo desenvolvimento "Programa de Jovens", baseados nos princípios fundamentais do Escotismo e nas necessidades dos jovens do país. Também são responsáveis por recrutarem e motivarem voluntários para propagar o "Programa de Jovens".[5]

CME

O Comitê do Método Educacional (CME) foi formado após o World Scout Conference na Tunísia em 2005, trazendo com ele o intuito de dar suporte e desenvolver, em nível mundial, o "Programa de Jovens" e o "Adultos no Escotismo", para oferecer uma aproximação mais holística entre as Organizaçõs Nacionais Escoteiras.

O CME prioriza os jovens e adultos voluntários, tanto dentro quanto fora do Movimento Escoteiro, desde que eles promovam a educação a todos, educação conjunta e o desenvolvimento espiritual.[5]

O CME aspira oferecer suporte para disseminarem um melhor do escotismo para mais jovens.

Objetivos:[6]

  • Focar nas necessidades das ONE e Regiões, reconhecendo que há diferenças nas diferentes regiões e sub-regiões.
  • Fortalecer e praticar boas ações
  • Promover suporte efetivo, interagindo com as diferentes culturas, comunicações e aplicando métodos mais efetivos de trabalho.
  • Desenvolve e dar suporte à comunidades do saber, ajudando na sustentabilidade de tais organizações e fortalecer o impacto nas ONE.

O Método pela CME[editar | editar código-fonte]

Escoteiros em meio a uma promessa.
A Lei escoteira

Os jovens são estimulados a adotá-la entre 10 e 11 anos de idades, essa é a idade que as pessoas começam a compreender valores, assim se assimilarem a Lei Escoteira nessa época, ela torna-se inerente nas ações e nas visões do jovem, passando a ser mais do que um código e sim um estilo de vida.[5]

A Promessa Escoteira

O comprometimento com ela é voluntário, mas assim que aceitar o jovem tem que te fazer o melhor que ele pode para cumpri-la, colocando Deus, a Pátria, a Paz, a honra e os valores da Lei Escoteira, acima de sua própria vida.[5]

A Proposta

Predefinição:Quote A missão do Escotismo é contribuir para educação do jovem para que ele possa ajudar na construção de um mundo melhor, onde as pessoas se realizem como indivíduos e como uma sociedade.[6] Essa missão é atingida através do Método Escoteiro, que capacita o jovem ser o responsável pelo seus atos, seu desenvolvimento, seu comprometimento, sua responsabilidade, auto-evoluído-o.[6]

Predefinição:Quote Os princípios constituem uma proposta são compromissos individuais, que representam um desafio para todos que são escoteiros. Os princípios convida a todos os jovens e adultos a constantemente enfrentar os desafios para cumprir os compromissos assumidos.[6] Algumas associações nacionais têm diferentes palavras para essa proposta de educação, mas todas versões expressão os mesmo sistema de valores. O texto abaixo mostra o que o Método Escoteiro busca.[6]

Todos os homens e mulheres que dividem a experiência de ser escoteiro aspiram fazer o melhor para ser:

Uma pessoa com liberdade e integridade, de mente aberta e com um coração verdadeiro, forte em sua determinação, responsável e ter confiança sobre seus julgamentos e ações. Uma pessoa que coloca acima de sua vida, a verdade de suas palavras.
Pronto para servir outros, envolvido com a comunidade, compromissado com a democracia e com o desenvolvimento, amante da justiça e promovedor da paz, que valoriza o trabalho humano e constrói a sua família em amor, consciente de sua própria dignidade e de outros, dividindo com todos a alegria e a afeição.
Uma pessoa criativa que deixa o mundo melhor do que quando ele encontrou e que promove grandes esforços para manter a integridade da natureza, aprende continuadamente e procura por caminhos que permanecem inexplorados; que faz o trabalhos seu trabalho bem e é livre de avidez para com posses e é independente de bens materiais.
Uma pessoa espiritualizada, com um senso transcendental de vida, que é tem o peito aberto para com Deus, vive a sua vida com alegria e faz dela parte do dia; e é aberto a diálogo, compreende, respeita a fé e a religião do próximo.

O poder da Lei é o principal assunto na pré-adolescência.[6]
Escoteiros entorno de um lampião.

Nesse período o jovem tende a questionar a autoridade dos país e de adultos em geral, de uma perspectiva do adulto, o Método Escoteiro tenta reforças os pontos que são necessários para integridade da criança, mesmo ela questionando os valores que forma lhe apresentados na sua infância, o Método utiliza através "do realizar" argumentos para não duvidar de certos pontos, pois sabe que só falar e não fazer não adianta, além disso sabe que falhando na apresentação da moral nessa fase, pode haver sérias consequências na personalidade desse.

Crianças entendem como as regras funcionam para um meio comum, entre os 10 e 11 anos.[6]

Simples observações de como as crianças vêem e aceitam as regras dão certa luz no desenvolvimento da concepção das regras. Entre os 7 e 8 anos as crianças gradualmente melhoram no trabalho de grupo, dividem responsabilidades, e começam a reconhecer regras. Nesse período elas aprendem a seguir as regras, o grupo escoteiro nessa fase tenta mostrar o "ouvir e respeitar os outros". Depois dessa fase eles entram no estágio de vida em comunidade, eles são divididos em grupos pequenos de seis membros, aproximadamente, já que estão entre seus 10 e 11 anos, nessa idade eles entendem as regras e vêem vários ângulos da mesma, podendo criar novas e o grupo aceitar.

Jovens assimilam a lei do mesmo modo que interiorizam as regras: Seguem os "líderes" que são os exemplos de lei, assim como seguem os experiências em grupo.[6]

Nas seções escoterias há dois "motores". Um é a Lei Escoteira e o outro é o modo de auto-gerência oferecida pelo Método Escoteiro nos pequenos grupos autônomos (patrulhas). A vida em grupo faz as regras serem lembradas e seguidas para manter-se uma vida em comum, na luz da Lei Escoteira.[6]

A Lei Escoteira propõe viver por outros valores.[6]

A Lei Escoteira cobre e ordena valores propostos pelo sistema educacional escoteiro e que o jovem na aquela idade pode compreender e vivenciar.

Mas a Lei é mais do que ordenar a disposição das ideias. É um código de conduta que oferece para o jovem uma opção para conduzir a vida. E mais, ele é convidado para tornar os valores parte da sua personalidade. Consciente disso ele precisa pensar e agir de acordo com os próprios valores.

A Lei Escoteira é proposta, não imposta.

Atividades[7]

O balanceamento entre as "atividades distintas" e "atividades habituais" é essencial para o manter a unidade, o espírito escoteiro, o contato com a comunidade e com o mundo.[7]

Atividades habituais

Fortalece o Método assegurando a participação do jovem, a coletividade e assegurando a presença dos valores. Contribui para criar a atmosfera do escotismo na Unidade escoteira e dar ao escoteiro a experiência tipicamente escoteira.[7]

Atividades distintas

Assegura que o programa corresponde aos interesses e projetos dos jovens respeitando a diversidade. São também atividades diretamente relacionadas com as necessidades presentes na comunidade que cerca o Grupo escoteiro.[7]

Mas as atividades habituais e distintas são conectadas, algumas atividades incluem aspectos majoritários de uma com um ou mais aspectos de outra.[7]

Contribuições[editar | editar código-fonte]

Todos os membros pertencem a grande Fraternidade Escoteira Mundial, sendo assim, pregam a paz e a proto-cooperação entre os seres.

A boa ação diária é inerente a todos os membros, o cumprimento do dever cívico, apoio a comunidade, ao próximo, a conservação dos meios naturais e cooperação a movimentos semelhantes, é incentivado pelo Movimento Escoteiro.

Em caso de conflito social o Escotismo não interveem em nenhum dos lados interessados, mas voluntariamente, pode ele ajudar na diminuição dos efeitos de calamidade pública.[3]

Modalidades[editar | editar código-fonte]

Existem três vertentes do Escotismo, diferenciando somente no foco de suas atividades, mas preservando os valores:

Modalidade Básica

A Modalidade Básica, caracterizada pelo escoteiro típico, sendo a modalidade com o maior número de integrantes, apresenta grande flexibilidade de atividades e com formação geralmente mais voltada para a atividade excursionista, campismo e montanhismo.

Os acampamentos exigem inúmeras técnicas escoteiras, dentre elas a que se destaca é a pioneiria, uma forma de suprir a necessidade de móveis e como um modo de proteção, normalmente constituídas por troncos de madeira e unidas através de amarras.

Modalidade do Mar

O que caracteriza o Escotismo Modalidade do Mar é que eles realizam suas atividades preferencialmente na água, onde quer que exista água em quantidade e profundidade suficientes para que uma embarcação possa e técnicas marinheiras, pela navegação à vela e a motor, pelas viagens e transportes marítimos, pela pesca, pelo estudo da oceanografia, pela exploração e pelos esportes náuticos, incentivando o culto das tradições da marinha. A gama de atividades que podem ser realizadas é enorme, indo da tradicional navegação a remo até mergulho ou windsurf.

Modalidade do Ar

O Escotismo Modalidade do Ar procura desenvolver nos jovens, além dos valores da Modalidade Básica, o gosto pelo aeromodelismo, aeroplanos, pelos problemas de aeroportos, aeronavegação, aeropropulsão, pelo pára-quedismo e pelos esportes aéreos, pelo estudo da meteorologia e da cosmografia, pelo mundo aeroespacial e pela cosmonáutica, incentivando o culto das tradições da aeronáutica do país.

As ênfases educativas das Modalidades do Mar e do Ar são sugeridas aos Ramos Escoteiro e Sênior. No Ramo Lobinho o desenvolvimento nas Modalidades do Mar e do Ar ocorrem sob forma de atividades especiais, especialidades, etc. No Ramo Pioneiro se reflete em Projetos de Equipes de Interesse.

O ser escoteiro[editar | editar código-fonte]

Baden-Powell destaca alguns pontos para ser escoteiro:

Vida ao Ar Livre
Uma roda gigante, feita através de pioneiria.

O acampamento é o auge da vida de um escoteiro. O contato com a natureza é imprescindível, já que se afastar da cidade e entrar em contato com as dadivas naturais traz saúde e felicidade.

Excursionar faz o escoteiro encontrar novos lugares, descobrindo novas vidas. A aventura tornando-o mais forte e rijo. Com um sorriso no rosto, enfrenta de peito aberto as intemperes.

Mas para acampar e fazer excursões tem que haver uma preparação, conhecimento de técnicas que possibilitem a vivência nas condições mais adversas.

Conhecimento sobre a Natureza

Observar a natureza pode trazer grandes benefícios, B-P em Escotismo para Rapazes diz que seguir rastros é uma maneira divertida para saber mais sobre os animais, levando a pessoa a um alto nível de observação; assim como observar pessoas. E é vergonhoso para um escoteiro não reparar em algo e outra pessoa mostrar-lhe.

Os Cavaleiros da Idade Média

Em uma visão idealizada, os cavaleiros são lembrados por sua honra. O escoteiro é equiparado com eles, na medida em que para um escoteiro a sua honra está acima de sua própria vida, assim como a sua Pátria. E também pela hierarquia e fraternidade de um grupo de cavaleiros, da mesma forma que se estrutura uma patrulha escoteira.

O Código de Cavaleiros
Selo comemorativo dos 50 anos de escotismo, ilustração faz referência ao Escotismo para Rapazes, onde o escoteiro elimina o que é ruim.

Assim como os cavaleiros escoteiros seguem alguns códigos de honra, lembrando que sua honra é sagrada; sua Pátria, seu Deus estão sempre presente em sua mente; cortesia para com mulheres, crianças, idosos e mais fracos, tem que ser presente todo o tempo; prestativos sem discriminação; poupar dinheiro e comida para doar para aqueles que não podem os ter; aprender o manejo de ferramentas que possam defender seus princípios; manter-se forte, saudável e ativo para cumprir o Código.

O escoteiro também deve praticar boas ações diariamente, pequenas coisas, mas sempre e nunca esperar algo em troca.

Salvamento de Vidas

O escoteiro tem que estar preparado para salvar vidas, para isso não basta ler livros, tem que praticar e sentir-se preparado para tal, esse é dos motivos para o lema: Be Prepared, estar preparado para qualquer situação e agir com frieza e saber o que está fazendo.

Predefinição:Quote

Resistência

O escoteiro tem que estar com o corpo preparado para os desafios, para isso ele deve manter um excelente condicionamento físico, ter resistência para aguentar noites no frio, já que muitas vezes dormirá ao ar livre, assim como banhos diários.

Ame sua Pátria

Viver pelo prazer, deixando a pátria em segundo plano não faz a pessoa um escoteiro, segundo B-P deve haver sempre ações que colaborem com a Pátria e com o globo. Ser escoteiro e ser um bom cidadão. Predefinição:Quote

Atividades[editar | editar código-fonte]

Atividade de escalada, exemplo de "atividade habitual".

No escotismo o jovem aprende fazendo, ou seja, em forma de atividades.

O jovem é o principal da atividade, ele é quem prepara, desenvolve e avalia, com o suporte dos escotistas.

Eles acreditam que as atividades dão ao jovens experiências que podem influenciar positivamente nos seu comportamento.

Exemplificando, plantar árvores e promover seu crescimento, para entender sobre natureza; compartilhar bens pessoais com outros para entender o que é solidariedade; cozinhar para o consumo próprio e limpar após, ajuda a incorporar essas atividades essas habilidades no dia-a-dia.[7]

Afirmam também que aprender fazendo é aprender descobrindo, o resultado é que o conhecimento, atitudes e habilidades são assimiladas de uma forma mais profunda e duradoura.[7]

As atividades individuais ou conjuntas[editar | editar código-fonte]

Embora as experiências e a realização dos objetivos pessoais são coisas essencialmente individuais, as atividades fixas e variáveis são quase sempre feitas em grupos e envolvem toda a patrulha ou toda unidade escoteira. No entanto, certas atividades fixas são realizadas individualmente, como ingressar na unidade, aceitar uma responsabilidade dentro da patrulha, fazer a Promessa...[7]

Certas atividades variáveis também são realizadas individualmente, como atividades de back-up, tarefas pessoais dentro de uma atividade de grupo ou de proficiência. Atividades de back-up são tarefas específicas dentro ou fora das patrulhas, que são sugeridas para um jovem pelo monitor da patrulha ou pelo escotista, a fim de adquirir experiências que irão ajudá-lo para reforçar um tipo de comportamento que tem sido difícil de alcançar.

Estas atividades não são normalmente ligadas ao resto das atividades de patrulha ou da unidade escoteira e não necessitam ser planejados ou efetuados dentro de um ciclo de determinado programa. Eles resultam do diálogo em curso entre o jovem em questão e os outros membros da patrulha, o monitor de patrulha ou o líder do adulto acompanhamento.

Tarefas pessoais, dentro de uma atividade de grupo, são as pequenas tarefas individuais que cada jovem tem a responsabilidade de realizar para ajudar a alcançar um objetivo comum.

Os tipos de atividades[editar | editar código-fonte]

As atividades são dividas em habituais e distintas.

Na primeira são atividades com a mesma forma, geralmente relacionado ao mesmo tema, tem a função de criar a atmosfera Método Escoteiro, contribui de um modo geral para o atingir os objetivos educacionais.

Isso inclui cerimonias, acampamentos e qualquer outra atividade rotineira, como manutenção de equipamento, jogos, canções …[7]

As "atividades distintas", são atividades amorfas, sem temas específicos, dependentes do interesse do jovem, não se repetem a menos que o jovem ache necessário e nesse caso deve haver um intervalo considerável entre uma e outra, contribui objetivamente para um ou mais tópicos do sistema educacional.

Visitas a locais, aprender a reciclar papel, são exemplos de "atividades distintas".[7]

Atividades habituais[editar | editar código-fonte]

As atividades ocorrem com certa periodicidade e há dois tipos de encontros, a de patrulhas e a de Unidades escoteiras:[7]

Encontro de patrulha

O encontro de patrulha ocorre pelo menos uma vez por semana, dependendo dos interesses e da disponibilidades dos escoteiros, pode ocorrer mais de uma vez por semana. Um desses encontros coincide usualmente com o encontra da Unidade escoteira.[7]

Esses encontros podem ocorrer na casa de algum dos membros da patrulha, no local que costumam praticar os encontros da Unidade escoteira, no campo, ou em outro lugar que for apropriado para a atividade. O encontro de patrulha não precisa ter a presença de todos os membros, às vezes dois ou mais membros podem unir-se para um tema específico, o que ocorre normalmente com qualquer jovem dessa idade.[7]

O propósito é pré-selecionar, selecionar, preparar ou avaliar atividades; participar de algum projeto, assegurar que encontro do conselho da Unidade aconteça. Mas também pode ser um encontro informal, como um grupo de jovens.[7]

Encontro da Unidade escoteira

O encontro da Unidade escoteira ocorre usualmente nos finais-de-semana e podem durar em torno e três horas. O encontro da Unidade ou do Grupo escoteiro ocorre em um local determinado, normalmente cedido pela comunidade local.[7]

Ele começa pontualmente com uma abertura, simbólica: Hastear a bandeira, fazer uma oração ecumênica, entoar os cantos ou gritos de patrulha. Então são dadas as notícias principais e os jovens são encaminhados para as atividades do programa.[7]

O encontro alterna entre atividades de patrulha e da Unidade escoteira, e quanto estão desenvolvendo as atividades os escotistas avaliam os jovens, tanto como indivíduos quanto em grupo. Elas também variam quanto a estrutura e ritmo, pois pode haver atividades externas, por exemplo, onde há interação com a comunidade, com a natureza, ou ainda com outro grupo ou Unidade escoteira.[7]

Os escotistas não são orientados e são desestimulados a padronizar as atividades, lembrando que a Unidade escoteira é essencialmente suportada e organizada pelo sistema de patrulhas. O ideal é que a Unidade escoteira trabalhe como uma unidade feita pelo jovem e não ditada pelo ritmo imposto pelo escotista.[7]

O fim da atividade assemelha-se com o inicio, com o arriamento da bandeira, uma oração ecumênica. Mas há também a limpeza do local utilizado e às vezes discussões sobre a administração.[7]

Acampamento e excursão[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Quote

Barracas de escoteiro da República Checa no Jamboree, 2007.

Escoteiros acampam normalmente entre três e seis vezes por ano, tentando acumular um total de no mínimo quinze dias acampados. Dependendo da seção, acampamentos duram de dois à cinco dias, exceto pelo acampamento que finaliza o ano que tem em torno de dez dias.[7]

Um calendário anual de um Grupo escoteiro seria algo assim:[7]

  • Um acampamento de dois dias a cada semestre
  • Um acampamento de três à cinco dias nas férias não principais;
  • Um acampamento de dez dias, durante o verão ou nas férias mais longas dos jovens. Comprometendo-se a no meio do desse acampamento encerrar o "ano escoteiro".

Acampar é uma atividade que envolve outras atividades, mantendo-se dentro do programa, durante o acampamento jogos de escalada, fogo-de-conselho, explorações e algumas outras, essas atividades são para o desenvolvimento do jovem. Acampamento não é somente uma versão expandida das atividades normais, são atividades que oferecem contato com a natureza, desenvolvimento da observação.[7]

Acampamento no meio da neve.

Excursões são atividades curtas que duram de um à dois dias, organizadas pelas patrulhas podem acontecer em qualquer momento do ano dentro do "calendário escoteiro".[7]

Ambas são atividades voltadas para aumentar o contato com a natureza, também à exploração de novos territórios com um grupo de amigos. Ajuda o jovem a desenvolver autonomia, exercitar a responsabilidade e superar barreiras e fortalece a coesão entre a patrulha. Tanto no acampamento quanto nas excursões a intenção é que os escoteiros:[7]

  • Redescubram o ritmo natural;
  • Utilizem os seus sentidos e desenvolvem a imaginação;
  • Percam o medo do desconhecido;
  • Descubram a importância da solidariedade, do trabalho em grupo e as limitações do grupo;
  • Experimentem a vida simples e condições rudimentares;
  • Encontrem-se cara-a-cara com eles mesmos;
  • Maravilharem-se com a criação e renovam os questionamentos ou certezas sobre Deus.
Jogos[editar | editar código-fonte]
Escoteiros recebendo instruções sobre jogo, Jamboree, 2007.

Jogos podem ser vistos sob duas perspectivas:[7]

Primeira, o jogo como uma atitude. Dessa perspectiva, jogar é aproximar-se de um estilo de ser, um jeito de fazer. Esse é o ponto de vista de quem encara as coisas de modo otimista e com bom-humor, permitindo que a vida o surpreenda. Essa atitude é introduzida para as crianças através do Método Escoteiro, como se esse fosse um "grande jogo" que cada escoteiro se apropria dele e torna é o que torna o Escotismo atraente. Essa atitude de "brincalhona" é o que faz os jovens deixarem suas inibições de lado.

Segunda, jogos podem serem vistos como atividades, um modo espontâneo de descobrir-se e descobrir outros e o mundo. Jogar implica experimentar, ver o quão longe pode-se chegar, aventurar-se, esforçar-se e alcançar. Jogar com outros envolve compartilhar, ajudar um ao outro, organizar-se, aprender a ganhar e perder. Dessa perspectiva, jogar é um modo de entrar na vida em sociedade, assim como na vida cotidiana, onde há regras a serem seguidas.

Organizar jogos atraem jovens e facilita o aprendizado. Na organização cada participante tem a responsabilidade cumprir as suas obrigações com inteligência e habilidade, tem que estar focado naquilo que faz, caso ele falhe sua equipe falha.[7]

Os escoteiros também aprendem que não podem ganhar sempre, também que os mais habilidosos devem partilhar as suas habilidades com os menos aptos.[7]

Passos definidos pela OMME para um bom jogo[7]

  • Ter uma gama de jogos e escolher o correto para cada ocasião;
  • Preparar-se para ele o quão avançado seja necessário;
  • Implementar regras simples para não haver espaço para ambiguidade e explicá-los claramente, deixando explicito como jogar e, se for o caso, explicar como se ganha e se perde;
  • Deve-se incentivar jogos onde os escotistas não participem dos jogos;
  • Não se deve interromper o jogo a menos que haja alguma razão forte para tal ato;
  • O jogo deve acabar antes dos jovens perderem interesse nele, assim pode-se aplicá-lo novamente;
  • Deve-se garantir o respeito pelo perdedor e dar o mérito ao vencedor;
  • Os jogos não devem ter um alta incidência, não repetir os mesmo jogos;
  • Tem que existir uma avaliação dos jogos e dos participantes e deve haver alguém designado para realizar tal tarefa.
Histórias, anedotas e contos[editar | editar código-fonte]
Capitão Jinks, "herói" usado no escotismo estadunidense.

Não há uma fase para contar histórias, mas entre os 11 e 15 anos de idade o jovem é tipicamente curioso, ama ter aventuras e sentem prazer em se perder no desconhecido e no mistério. Jovens sempre apreciam uma boa história, uma gostosa anedota, ou ainda, uma lenda impactante, especialmente se essa contém elementos simbólicos já presentes na cabeça do jovem.[7]

Histórias são como bons temperos: pouco é tão ruim quanto muito. Por esse motivo, os escotistas às introduzem em certas oportunidades, como um acampamento, um fogo de conselho, longas caminhadas. As histórias servem de exemplo para os escotistas também como ferramentas para exemplificarem valores, mostrarem modelos sociais, incentivarem a imaginação ou ainda mostrar situações que devem ser seguidas ou rejeitadas.[7]

O jovem pode inventar histórias para emponderar seu repertório. Isso encoraja-o a desenvolver a criatividade e a habilidade de inventar situações magicas. Os testemunhos de exploradores, inventores e cientistas geralmente são histórias verdadeiras, mas nada impede o escoteiro ler ficções da boa literatura universal, especialmente às criadas para os jovens.[7]

Som e dança[editar | editar código-fonte]
Escoteiros franceses tocando gaita-de-fole.

Som e dança são extremamente importantes para o desenvolvimento das habilidades artísticas do jovem, aprendendo a lidar com seu corpo e se socializando. Cantar e dançar são atividades que aproxima as pessoas, ajuda a superar inibições e elevar o espírito. Cada cultura tem as suas músicas, mas é importante que haja o incentivo ao canto e dança dentro do movimento escoteiro, para que eles recebam esses benefícios, mas muitas Unidades escoteiras não cantam, reflexo de seus escotistas não cantarem e isso deve ser evitado.[7]

As canções não necessitam ter o "tema escoteiro", ou ser uma música folclórica. As músicas vêem dos jovens, que incorporam as que mais lhe agradam, só se deve prezar para que elas não fujam dos valores ou do espírito escoteiro, ou seja, ter uma temática adequada.[7]

O Fogo-de-conselho[editar | editar código-fonte]
Fogo-de-conselho.

O Fogo-de-conselho da Unidade escoteira consiste basicamente em uma reunião artística ao rendor do fogo, dura normalmente entre uma a uma hora e meia. Ele é uma "diversão planejada" que mistura sons, pequenas esquetes, pequenas histórias, danças e outras atividades artísticas apresentadas pelos jovens.[7] O Fogo-de-conselho é normalmente organizado em aniversários importantes para todos, no fim da programação, na última noite e em ocasiões semelhantes.[7]

O bom Fogo-de-conselho pela OMME[7]
  • O programa do Fogo deve ser preparado com antecedência. Todos os jovens e suas patrulhas devêm participar, seguindo o que foi decidido pela Unidade escoteira;
  • Todo escoteiro tem um papel dentro da atividade, mesmo que na organização, manter a atmosfera artística no número de suas patrulhas;
  • A apresentação da patrulha deve curta, variada e de bom gosto;
  • Cada unidade tem seus rituais para acender e encerrar o fogo, isso dá a celebração um sabor, uma tradição e um sentido adequado ao momento;
  • Como as atividades do dia, o Fogo-de-conselho deve começar animado e calmamente atenuando seu ritmo e se tornando mais sóbrio, concluindo-se com um momento de reflexão e de oração;
  • No campo, o fim do Fogo coincide com a hora de dormir dos jovens, a menos que haja um breve intervalo para se servir uma bebida quente ao redor das cinzas;
  • O Fogo-de-conselho pode ter um tema principal e particionado em atividades menores, como as esquetes.

Atividades distintas[editar | editar código-fonte]

Atividades variáveis ou distintas, são atividades que envolvem atividades além do escotismo, mas mantendo os mesmo valores, essas devêm ser desafiadoras, úteis, gratificante e atrativas, sendo essas as únicas restrições, segundo a OMME.[7]

Sobre a exigência[editar | editar código-fonte]
Outro exemplo de atividade variável, Jamboree, 2007.

Desafiadora significa que se deve envolver um desafio proporcional a habilidade dos jovens, estimulá-los a fazer o melhor. Uma atividade que exige menos esforço do que os jovens são capazes de não adicionar nada às suas competências, nem incentivar o desenvolvimento de novos conhecimentos, atitudes ou habilidades. Por outro lado, se o desafio é muito além de suas habilidades e nível de maturidade, os jovens tendem a perder o ímpeto e não vai atingir o comportamento desejado.[7]

Útil significa que as atividades devem ter por objetivo gerar experiências que propiciam a aprendizagem real.[7]

Para serem consideradas educacionais atividades, no calor do momento, devém ser mais do que apenas diversão, ou cheias de ação. Elas devêm ter o foco no desenvolvimento pessoal, em outras palavras, elas devem oferecer oportunidades para se praticar desejadas padrões de comportamento.[7]

Gratificante elas devêm dar aos jovens o sentimento de que vão conseguir algo através da atividade, ou porque há alguma vantagem para ser adquirida ou porque irá satisfazer alguma necessidade ou desejo.[7]

Atraente significa que cada atividade deve despertar o interesse dos jovens e entusiasmo. Isso pode ser simplesmente por gosto, porque é original ou porque se sentem comprometidos com um valor que esta implícita nele.[7]

Temas[editar | editar código-fonte]

Atividades distintas podem envolver os mais diversos assuntos, basicamente em função dos interesses dos jovens e as necessidades da comunidade em que a unidade opera o grupo escoteiro. Os temas, ou grupos de temas, que aparecem com mais freqüência entre as atividades variáveis de uma unidade de escoteiros são:[7]

  • Técnicas manuais e habilidades;
  • Reflexão, autoconhecimento e conhecimento do próximo;
  • Esporte;
  • Diferentes tipos de artes;
  • Conhecimento e proteção da natureza;
  • Serviço comunitário;
  • Vida familiar;
  • Compreensão intercultural;
  • Direitos humanos e democracia;
  • Educação para a paz e desenvolvimento;

O fato de que esses são os temas mais comuns para as atividades distintas de forma alguma exclui outras áreas que possam ser de interesse dos jovens ou relevantes para suas comunidades. No entanto, deve-se lembrar que, em conformidade com seu método de ensino, o Escotismo proporciona prioridade para aqueles que estão relacionados a jogos, serviços e a natureza.[7]

Duração[editar | editar código-fonte]
Exemplo de atividade variável, Jamboree, 2007.

A duração das atividades distintas é muito relativa: Há atividades espontâneas ou instantâneas que são quase sempre "atividades de surpresa" e destinam-se a captar a atenção dos jovens, criar um momento de diversão ou preencher algum tempo imprevisto. Todos os monitores e escotistas precisam ter um estoque pronto de atividades, a experiência demonstra que eles sempre serão necessários. Alguns podem assumir a forma de um jogo ou música.[7]

Atividades de curta duração, geralmente ocupam uma única reunião, exemplo, uma apresentação a cerca de uma lei escoteira, e atividades de média duração pode durar dois a três semanas (por exemplo: depois de aprender um método de reciclagem de papel, os jovens a fazer o livro de patrulha com folhas que fizeram).[7]

Atividades de longa duração podem durar mais de um mês ou até mesmo um programa conjunto ciclo, ou demorar vários dias, durante um acampamento (por exemplo: escolher uma melodia, compor uma música, fazer os instrumentos para tocar, organizar um festival, apresentam as músicas e escolher o número vencedor). Neste caso, todas as patrulhas estão engajadas na mesma atividade, mas trabalhar separadamente.[7]

Os projetos são de médio ou longo prazo tipo de atividades de duração, que envolvem um conjunto de atividades complementares realizadas pelas patrulhas a fim de alcançar um comum objetivo (por exemplo, para preparar uma festa de Natal em um lar para idosos, que envolve presentes fazendo, preparando números artísticos, a decoração do local, coordenando com a gestão do estabelecimento, a obtenção de recursos e muitas outras tarefas). Neste caso, as patrulhas realizar diversas atividades que contribuem para o sucesso do grupo. O comprimento de uma atividade é relevante para o planejamento, para os jovens, para os escotistas na proposição, seleção e elaboração dos mesmos.[7]

Atividades espontâneas não precisam ser planejadas ou não incluídas no calendário de atividades. Eles normalmente são propostos pelo chefe da patrulha ou pelo escotista. Atividades de curta duração devêm estar no ciclo do programa de planejamento, mas uma atividade deste tipo também pode ser aplicada para substituir outra que não pôde ser realizada devido a circunstâncias imprevistas. No primeiro caso, a participação dos jovens nas propostas e na seleção, é obviamente maior que o segundo, em que monitor da patrulha ou o adulto responsável traz a atividade de seu "estoque" para estas situações.[7]

Atividades de média e longa duração são as mais freqüentes nas atividades escoteiras. Estas resultam de propostas dos jovens através de suas patrulhas e necessitam de muito apoio dos escotistas no planejamento, já que exigem uma combinação de diferentes tipos de atividades complementares.[7]

Simultaneidade[editar | editar código-fonte]

Para uma maior dinamicidade ou por uma questão de disponibilidade, pode haver mais de uma atividade ocorrendo ao mesmo tempo. Um exemplo é a plantação de algo, há uma necessidade de espera para que a atividade se conclua, o tempo da planta crescer, até lá ocorrerá outras atividades em paralelo.[7]

Proficiência ou Especialidade[editar | editar código-fonte]

Escoteiros jogando hockey na grama, no Jamboree.

São atividades que tem como objetivo incentivar os jovens a adquirirem e praticarem habilidades em áreas específicas, desenvolverem aptidões inatas e explorarem novos hobbies. Como resultado, elas elevam a auto-estima dos jovens através da confiança que vem com uma destreza. As atividades podem ser agrupadas em conjuntos:[7]

  • ciência e tecnologia;
  • expressão, cultura e a arte;
  • esportes;
  • serviço a outros;
  • vida na natureza;

Uma proficiência oferece a oportunidade de explorar um novo campo de conhecimento, faz com que o jovem saiba mais sobre o tema escolhido, o escotismo procura também fazer com que o jovem efetue algum serviço usando os novos conhecimentos. O mais importante é ter a oportunidade de fazer as coisas e a aprender com a experiência adquirida como resultado. Uma vez que se precisa de certa quantidade de informações para fazer efetuar esse tipo de atividade, os jovens são os primeiros incentivados a procurar informações para eles mesmos. Os jovens, assim, são encorajados a aprender por si próprios através das atividades que fazem, ou planejam fazer. O monitor incentiva esta busca de informações, apresentando o tema, estimulando o jovem para fazer novas descobertas e ajudando que a eles a tirarem conclusões sobre processo. Excepcionalmente e somente se o processo de auto-informação revelou-se insuficiente, o monitor pode proporcionar o conhecimento diretamente. Pela mesma razão, os requisitos para reconhecer a competência só podem ser avaliados por aquilo que o jovem fez realmente. Um fotógrafo que expõe as fotos que tomou ou uma atriz que apresenta um esquete no fogo-de-conselho, ambos demonstram o que conseguiram aprender e demonstram as respostas certas sobre medição de luz ou técnicas da linguagem corporal. A avaliação será ainda melhor se o jovem demonstrar, para além da forma, como a proficiência permitiu que constituíssem um serviço útil a outras pessoas. O fotógrafo poderia ilustrar o problema de leitos na área local e a atriz poderia participar de uma peça em um lar para idosos. Isso ajuda os adolescentes para experimentar a sensação de aprofundar sua integração social através da aprendizagem para si próprio e para outros. O emblema de proficiência, assim, testemunha a vontade do perito jovem a servir outros no campo da sua proficiência.[7]

Barco-viking feito por pioneiria. Ex. de atividade habitual
Exemplo de atividade variável, Jamboree, 2009.
Atividade variável, no Jamboree 2007.

Conjuntura[editar | editar código-fonte]

Apesar do número de Escoteiros parecer elevado em números absolutos, é pouco relevante se analisado demograficamente.[8]

Dez países em número de escoteiros
País Membros Início
Indonesia 8,100,000 1912
Estados Unidos 7,500,000 1910
Índia 4,000,000 1909
Filipinas 2,300,000 1910
Tailândia 1,250,000 1911
Reino Unido 1,000,000 1907
Bangladeche 1,000,000 1920
Paquistão 590,000 1909
Quênia 420,000 1910
República da Coreia 280,000 1922

Simbologia[editar | editar código-fonte]

Escoteiros saudando a bandeira.
Flor-de-lis

A flor-de-lis é o símbolo do escotismo mundial, a origem deve-se a utilização da mesma em cartas náuticas representando o norte com a sua ponta, assim como uma rosa dos ventos, além de ser o símbolo da monarquia francesa desde o século XII.

Baden-Powell então a escolheu como representação do movimento que ele criara, pois idealizava a direção que o escotismo seguiria desde então, a flor-de-lis para os franceses também representava pureza de espírito, luz e perfeição, atributos incorporados no escotismo até os dias de hoje.[9]

Aperto de mão

Diferente do habitual aperto com a mão direita, o escoteiro se cumprimenta com a mão esquerda, devido a uma passagem vivida por Baden-Powell, aonde o chefe de uma tribo indígena estende a mão esquerda, com o argumento de que para tal ele tem de largar o escudo, depositando toda sua confiança no outro, mesmo que este seja seu adversário.[10]

Sinal escoteiro

Com os dedos médio, indicador e anular unidos, simbolizando os três pilares da Promessa Escoteira (Deus, Pátria e o Próximo), e o polegar se sobrepondo ao mínimo, indicando a proteção do mais forte para com o mais fraco.[10]

Saudação escoteira

Em todas as esferas, todos os membros do movimento escoteiro, ao se verem pela primeira vez no dia se saúdam, sendo o primeiro a ver o primeiro a saudar. A saudação também é realizada para cumprimentar autoridades, durante cerimônias de hasteamento e arriamento da Bandeira Nacional. A posição dos dedos, é a do sinal escoteiro, mas ligeiramente de lado a frente da testa.[10]

Prática religiosa[editar | editar código-fonte]

Jamboree, 2007.
O Escotismo respeita e estimula os jovens a buscarem ou participarem de uma religião, seja ela qual for, e não impõe determinada religião. Incentivando ainda, o jovem a seguir os preceitos que ela o apresenta.[3]
O primeiro comprometimento de um escoteiro é com Deus

Como define a CNE:[6]

Deus é sempre presente no dia-a-dia do escoteiro, e se espera que ele esteja no coração de todos os jovens.

Deus é muito mais do que comprometimento. Ele não é apenas uma grande presença devido a Promessa. Ele é um uma parte da vida do escoteiro, mas além disso em todas as relações interpessoais Ele tem que estar presente.

A Promessa contém um profundo comprometimento para com Deus. Assim, a primeira promessa que um escoteiro faz é prometer amar a Deus, já que o amor é uma dadiva cedida por Ele. Mas amar a Deus não significa amar somente a ele e sim dedicar o amor aos outros, a família, aos amigos, as coisas criadas por Ele e a Pátria.

E é óbvio que a visão do amor à Deus depende da cultura e da religião de cada ser e isso é respeitado.

Críticas e Controvérsias ao Movimento Escoteiro[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Sem-fontes O escotismo algumas vezes tornou-se controverso,tanto na América do Sul como por movimentos de resistência nacionalista na ÍndiaPredefinição:Carece de fontes. Entre uma das críticas ao movimento criado por Baden-Powell estava a não-permissão de jovens homossexuais em alguns países. O escotismo foi introduzido na África por militares britânicos como um instrumento de domínio colonial, afim de legitimar a supremacia do Império Britânico nos lugares conquistadosPredefinição:Carece de fontes. Também sofreu críticas ao longo dos anos por não permitir ateus no movimento, embora em alguns países, atualmente, é permitido a entrada de jovens ateus no escotismo.

Em países comunistas, na maioria dos países fascistas no século XXe em alguns países de regime totalitário, há tempos atrás, o escotismo foi proibido. A URSS baniu o escotismo em 1922, criando um movimento adaptado chamado Organização Pioneira da União Soviética. Durante a Segunda Guerra Mundial,o escotismo foi banido da Alemanha,Itália,Japão,Hungria e Romênia. Em contrapartida. Em Portugal foi criada a Mocidade Portuguesa. O governo romeno criou a Străjeria. Atualmente, o escotismo está presente em todos os países do mundo, com exceção de Cuba,Coreia do Norte,Laos, Myanmar e na República Popular da China, exceto nas Regiões Administrativas especiais de Hong Kong e Macau.

Notas[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Nota Predefinição:Notalingua

Fontes[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Predefinição:Correlatos

Curiosidades

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Título ainda não informado (favor adicionar).
  • Título ainda não informado (favor adicionar).
  • 3,0 3,1 3,2 3,3 P.O.R..
  • 4,00 4,01 4,02 4,03 4,04 4,05 4,06 4,07 4,08 4,09 4,10 Scouting an Educational System.
  • 5,0 5,1 5,2 5,3 A Plan for Educational Methods 2008-2011.
  • 6,00 6,01 6,02 6,03 6,04 6,05 6,06 6,07 6,08 6,09 6,10 Handbook for the Leaders of the Scout Section Handbook for the Leaders of the Scout Section, Chapter 6, Law and Promise..
  • 7,00 7,01 7,02 7,03 7,04 7,05 7,06 7,07 7,08 7,09 7,10 7,11 7,12 7,13 7,14 7,15 7,16 7,17 7,18 7,19 7,20 7,21 7,22 7,23 7,24 7,25 7,26 7,27 7,28 7,29 7,30 7,31 7,32 7,33 7,34 7,35 7,36 7,37 7,38 7,39 7,40 7,41 7,42 7,43 7,44 7,45 7,46 7,47 7,48 7,49 7,50 7,51 7,52 Handbook for the Leaders of the Scout Section, Chapter 10, The Educational Activities.
  • OMME algumas estatísticas, 2006..
  • F64.
  • 10,0 10,1 10,2 Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome GE