Segurança de Redes/Introdução

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Segurança de rede Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. No campo de redes, a área de segurança de rede[1] consiste na provisão e políticas adotadas pelo administrador de rede para prevenir e monitorar o acesso não autorizado, uso incorreto, modificação ou negação da rede de computadores e dos seus recursos associados. Segurança de rede envolve a autorização de acesso aos dados de uma rede, os quais são controlados pelo administrador de rede. Usuários escolhem ou são atribuídos uma identificação e uma senha, ou outra informação de autenticação que permite que eles acessem as informações e programas dentro de sua autorização. A segurança de rede cobre uma variedade de redes de computadores, tanto publicas quanto privadas, que são utilizadas diariamente conduzindo transações e comunicações entre empresas, agências governamentais e indivíduos. Redes podem ser privadas, como as de uma companhia, e outra podem ser abertas para acesso público. Segurança de rede está envolvida em organizações, empresas e outros tipos de instituições. Faz como seu nome sugere: torna a rede segura, assim como protege e supervisiona as operações sendo feitas. A maneira mais comum e simples de proteger um recurso de rede é atribuir um nome único e uma senha correspondente.

Índice [esconder] 1 Conceitos de segurança de rede 2 Ver também 3 Referências 4 Literaturas adicionais (em inglês) 5 Links Externos Conceitos de segurança de rede[editar | editar código-fonte] Segurança de rede começa com autenticação do usuário, geralmente com um usuário e senha. Já que isto requer apenas um detalhe para autenticar o usuário — a senha, o que é algo que o usuário 'conhece' — isto algumas vezes é chamado de autenticação de um fator. No caso da autenticação de dois fatores, alguma coisa que o usuário 'tem' também é utilizada (por exemplo, um Token, um dongle, um cartão de crédito ou um telefone celular; já em uma autenticação de três fatores, alguma coisa que o usuário 'é' também é utilizada (impressão digital ou escaneamento de retina).

Uma vez autenticado, um firewall aplica políticas de acesso, como os serviços que são permitidos a serem acessados pelos usuários da rede.[2] Embora efetivo na prevenção de acesso não autorizado, este componente pode falhar na checagem de conteúdo potencialmente perigoso, como worms ou Trojans sendo transmitido pela rede. Um software Antivírus ou um Sistema de prevenção de intrusos '(IPS - Intrusion Prevention System)'[3] ajudam a detectar e inibir as ações deste tipo de malwares. Um Sistema de Detecção de Intrusão baseado em anomalias também pode monitorar a rede e o trafego de rede, procurando por um conteúdo ou comportamento inesperado (suspeito) e outras anomalias para proteger os recursos de, mas não limitado a, um ataque de negação de serviço ou um empregado acessando arquivos em horários estranhos. Eventos individuais que acontecem na rede podem ser registrados para serem auditados e para análises posteriores de alto nível.

A comunicação entre dois hospedeiros utilizando uma rede pode ser encriptada para manter sua privacidade.

A segurança de rede envolve diversas áreas, onde as principais são:

Criptografia de Chaves Públicas Vulnerabilidade em Máquinas de Sistemas Distribuídos Vulnerabilidade em Redes Locais e de Grande Escala Firewalls Sistemas de Detecção de Intrusões - IDS Redes Privadas Virtuais ('Virtual Private Network') Segurança em Redes Sem Fios Controle de roteamento A Segurança de rede pode ser implementada com o uso de vários mecanismos, como por exemplo:

Assinatura digital Autenticação Controle de acesso Rótulos de segurança Detecção, registro e informe de eventos Enchimento de tráfego controle de enchimento