Seminários Internacionais sobre a Teoria Histórico-Cultural: Fundamentos e Implicações para a Pesquisa em Ensino de Ciências

Fonte: Wikiversidade

Universidade de São Paulo/Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências

Universidade Federal de Santa Catarina/Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica

CEFET do Rio de Janeiro???

Disciplina: Seminários Internacionais sobre a Teoria Histórico-Cultural: fundamentos e implicações para a pesquisa em Ensino de Ciências

Primeiro encontro: Sylvie Barma[editar | editar código-fonte]

  • Thérèse Laferrière; Barbara Bader; Sylvie Barma; et al. (2011), L’étude de la réussite scolaire au Québec : une analyse historicoculturelle de l’activité d’un centre de recherche, le CRIRES, ISSN 1916-8659 (em francês), 39 (1), doi:10.7202/1004335AR, Wikidata Q58150861 

Perguntas enviadas:[editar | editar código-fonte]

Perguntas do grupo tal[editar | editar código-fonte]

  • How could we carry out a work in partnership with school community and corporations, aiming at favoring a meaningful education to school subjects, seeking to solve problems like school dropouts, poor school performance, banking model education, and outside the everyday social context, without incurring in the development of an utilitarian education to the job market, converging to the conflicts of arising therefrom (contradictions), in favor of a collaborative school action, in the context of today’s Brazil?
  • Could you elaborate on the steps of Change Lab? What are your recommendations to carrying out educational research using this method in Brazil?
  • In the text “Engaging discussion about climate change in Quebec secondary school: A challenge for Science teachers”, when addressing the notion that conflicts of motives are key components of “double stimulation”, there is the following statement: “the conflicting situation constitutes the first stimulus and is a necessary element to trigger the transformative agency (Engeström & Sannino, 2013). For example, a teacher can employ a pedagogical strategy as a second stimulus”. Hence, I question: could the first stimulus (conflictual situation) be understood as something close to the concept of tension/contradiction and the second stimulus (the creation of the pedagogical strategy) configure the synthesis that emerges as a solution to the contradiction? Could you clarify in which aspects these concepts of tension, contradiction, double stimulation, and conflict of motives come closer and farther apart?
  • Thinking from the category of work, there is a contradiction between work as a commodity, for which the worker receives a salary, and work as a transformation of the world, socially significant work. In the text “Early stages in building hybrid activity between school and work: the case of PénArt” both the word Labor and the word Work appear, something that caught my attention and made me look for it as it was written in the OIT or ILO. From the point of view of directing world transformations towards social justice (Labour), how do you interpret this relationship between school-enterprises in the sense of training for the labor market (Work)?
  • During the elaboration of the new curriculum that is mentioned in the text “Engaging discussion about climate change in a Quebec secondary school: A challenge for science teachers.” was there teacher participation in its elaboration? The teachers that participated in the study seemed a little lost, as if the curriculum had caught them by surprise. Also, are there reports of other schools with similar problems where teachers didn’t know how to deal with how to discuss the subject? If so, how did they deal with this issue?


As perguntas originais em português:

  • Como realizar um trabalho de parceria comunidade escolar x empresas, visando privilegiar uma educação significativa aos sujeitos escolares, buscando sanar problemas como evasão escolar, baixo desempenho escolar, educação bancária e fora do contexto social cotidiano, sem incorrer no desenvolvimento de uma educação utilitarista ao mercado de trabalho, convergindo os conflitos de valor daí oriundos (contradições), em prol de uma ação escolar colaborativa, no contexto do Brasil atual?
  • Você poderia detalhar melhor as etapas do laboratório da mudança? Quais são as suas recomendações para a realização de pesquisas educacionais utilizando este método no Brasil?
  • No texto “Engaging discussion about climate change in a Quebec secondary school: A challenge for Science teachers”, ao abordar a noção de que os conflitos de motivos são componentes chave do “duble stimulation”, há a seguinte afirmação: “a situação conflituosa constitui o primeiro estímulo e é um elemento necessário para desencadear a agência transformadora (Engeström & Sannino, 2013). Por exemplo, um professor pode empregar uma estratégia pedagógica como um segundo estímulo”. Daí que questiono: o primeiro estímulo (situação conflituosa) poderia ser compreendida como algo próximo do conceito de tensão/contradição e o segundo estímulo (a criação da estratégia pedagógica) configurar a síntese que emerge como solução da contradição? Você poderia esclarecer em quais aspectos esses conceitos de tensão, contradição, duble estimulation e conflitos de motivos se aproximam e se distanciam?
  • Pensando a partir da categoria do trabalho, existe uma contradição entre trabalho como mercadoria, ao qual o trabalhador recebe o salário, e o trabalho enquanto transformação do mundo, trabalho socialmente significativo. No texto “Early stages in building hybrid activity between school and work: the case of PénArt” aparecem tanto a palavra Labour como a palavra Work, algo que me chamou atenção e me fez ir buscar como estava escrito na OIT ou ILO. Do ponto de vista de um direcionamento das transformações do mundo no sentido de justiça social (Labour), como você interpreta essas relações entre empresasescola no sentido de formação para o mercado de trabalho (Work)?
  • Durante a elaboração do novo currículo que é citado no texto de mudanças climáticas, houve participação dos professores na sua elaboração? Pelo menos os professores que participaram do estudo pareciam um pouco perdidos, como se o currículo os tivesse pegado de surpresa. Há relatos de outras escolas com problema similar onde os professores não souberam lidar com a questão de discutir o assunto? Se sim, como elas lidaram com o problema?

Perguntas do grupo 4[editar | editar código-fonte]

  • How can we define agency? Is it a “product” from activity or an essentially human being feature? Is Agency “what makes us human” or is “what makes us agents”?
  • Following the perspective of having a “Provincial Exam” and the necessity of “face the reality of their [students] lives as citizens” (Barma, et al., 2015, p. 8), can Teachers really feel autonomous in the learning development? Or in the co-construction of new curricular perspectives?
  • If we consider that contradictions and conflicts are important to activities evolving in space and time, how can we “not lose control” of these contradictions? Can conflicts make the organisation of activity fail and the subjects give up? Are contradictions always good?
  • Considering that the initial study was made almost 10 years ago, do you picture Cany changes that should be considered given the 2021 context? Is climate change a bigger contradiction today compared to the same topic 10 years ago? Do you believe that the climate change approach should be different nowadays?

Perguntas realizadas no encontro[editar | editar código-fonte]

  • Pergunta 1:  Sobre agência, como ela entende, processo ou produto da atividade?
  • Pergunta 2: Algo sobre prática, estágio...

Segundo encontro: Antti Rajala[editar | editar código-fonte]