Sistemas de Informação Distribuídos/Computação Ubíqua nos Sistemas de Informação Distribuídos/Comunicação

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Comunicação[editar | editar código-fonte]

Conectividade[editar | editar código-fonte]

Características de conexão:

  • Sempre conectado: assim como computadores pessoais estão normalmente conectados interruptamente por cabo de rede, dispositivos pervasivos pode também estar sempre conectados, mesmo que sem uso de cabos. i.e: celulares, PDAs em WLAN;
  • Parcialmente conectado: a maioria dos dispositivos pervasivos possuem conexão parcial devido ao alto consumo de energia para essa operação, ou seja, utilizam os recursos de rede somente quando necessário, de maneira mais eficiente possível com intuíto de premanecer o menor tempo possível conectado.

Meios de conexão:

  • WLAN (Wi-Fi 802.11 a/b/g – 54/11/54 Mbps - 100 metros)
  • WMAN (Wi-Max 802.16 – 70Mbps – 50Km)
  • WWAN: WMAN, GSM, CDMA, W-CDMA, UMTS, etc.
  • Bluetooth (classe 1-100m, classe 2–10m, classse 3–1m)
  • IrDA (Infrared) (1 metro)
  • GPS

Sincronismo[editar | editar código-fonte]

Veja a sessão Sincronismo desse mesmo livro.

Protocolos[editar | editar código-fonte]

Descoberta de Recursos[editar | editar código-fonte]

No mundo dos dispositivos móveis especializados e heterogêneos prontos para operar num ambiente ubíquo, uma arquitetura para coordenar a interação entre dispositivos é necessária.[1]

Essas arquiteturas são essencialmente frameworks de coordenação que sugerem certos modos e meios de interação entre dispositivos.

Algumas das arquiteturas de descoberta de serviços que merecem destaque são:

  • Jini: Sun Microsystems; Java; protocolos bem definidos, autonomia [2];
  • Universal Plug and Play (UPnP): Microsoft, novos protocolos TCP/IP (i.e.: SSDP – Simple Service Discovery Protocol) [3];
  • Salutation [4];

Funcionalidades:

  • Habilidade de anunciar sua presença à rede;
  • Descoberta automática de dispositivos na vizinhança e também daqueles localizados remotamente;
  • Habilidade de descrever seus serviços e reconhecer os serviços dos outros dispositivos;
  • Capacidade de se auto-configurar sem a intervenção de um administrador.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Araujo, Regina Borges. 2003. "Computação Ubíqua, Princípios, Tecnologias e Desafios". "XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores.
  2. http://www.jini.org "Jini"
  3. http://www.upnp.org "UPnP"
  4. http://www.salutation.org "Salutation"