Sociologia e Comunicação/Aula 1

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Proposta: Divisão em grupos (04 a 05 alunos)

Associar o texto estudado às citações indicadas abaixo.

Duração da leitura e reflexão em grupo: 50 minutos

Duração da discussão coletiva (cada grupo apresenta suas reflexões aos demais): 50 minutos


1) ”A lembrança da vida da gente se guarda em trechos diversos, cada um com seu signo e sentimento, uns com os outros acho que nem se misturam. Contar seguido, alinhavado, só mesmo sendo as coisas de rasa importância. De cada vivimento que eu real tive, de alegria forte ou de pesar, cada vez daquela hoje vejo que eu era como se fosse diferente pessoa. Sucedido desgovernado. Assim eu acho, assim é que eu conto.”

(Guimarães Rosa. Grande Sertão:Veredas)


2) O Universo não é feito de átomos, mas de histórias

The Speed of Darkness by Muriel Rukeyser from Don Yorty on Vimeo

A realidade é um belo lugar para se visitar (filosoficamente) mas ninguém nunca morou lá.

Marshall Sahnlins. Esperando Foucault, ainda.

"É impossivel não se comunicar: Todo o comportamento é uma forma de comunicação."

(Paul Watzlawick)

"O maior problema com a comunicação é a ilusão de que ela foi alcançada"

(George Bernard Shaw)

"A memória é uma ilha de edição!

(Wally Salomão)

"Essa saudade que eu sinto de tudo que eu ainda não vi... "

(Renato Russo/Legião Urbana - Índios)


3)"As histórias não são apenas essenciais para a forma como entendemos o mundo – elas são a forma como entendemos o mundo. (…) Nós tecemos e buscamos histórias em todos os lugares, desde uma visualização de dados até o desenho das crianças ou a hegemonia cultural."

(Maria Popova. Blog Brain Pickings)


Conhecemos a tendência da mente de remodelar toda experiência em categorias nítidas, cheias de sentido e úteis para o presente. Mal termina a percepção, as lembranças já começam a modificá-la: experiências, hábitos, afetos, convenções vão trabalhar a matéria da memória. Um desejo de explicação atua sobre o presente e sobre o passado, integrando suas experiências nos esquemas pelos quais a pessoa norteia sua vida. O empenho do indivíduo em dar um sentido à sua biografia penetra as lembranças com um “desejo de explicação”.


(Ecléa Bosi. Memória e Sociedade)