Temperaturas Paulistanas/Planejamento/Moema/Turma C

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

PLANEJAMENTO: DISTRITO DE MOEMA[editar | editar código-fonte]

O distrito de Moema está localizado na zona sul de São Paulo e é pertencente à subprefeitura da Vila Mariana. Com uma população em torno dos 71.459, segundo o Censo de 2010, nele estão localizados alguns pontos importantes e significativos, como o Parque do Ibirapuera e o shopping Ibirapuera, além de possuir o metro quadrado mais caro da cidade.

Distrito com o maior IDH de São Paulo (0,961), Moema lideraria o mundo no quesito caso fosse um país independente, ultrapassando inclusive a Noruega (0,941). Segundo o Censo 2010, Moema possui uma renda per capita de R$4.967,83, sendo considerado o mais rico da capital paulista e possuindo também indicadores de saúde e vida extremamente favoráveis e superiores se considerarmos a média municipal e estadual (dados estes obtidos através do IMP, fornecido pelo Seade). Segundo o Mapa de Vulnerabilidade Social construído pelo Centro de Estudos da Metrópole, Moema é um distrito que apresenta pouquíssima ou nenhuma vulnerabilidade, reforçando a aparente qualidade de vida elevada na região. Entretanto, em regiões mais próximas da Vila Mariana e ao redor do Parque do Ibirapuera (mais especificamente Vila Lusitânia e Vila Nova Conceição, esta que faz divisa com o bairro Santo Amaro) se verifica uma baixíssima vulnerabilidade, algo aparentemente irrelevante, mas interessante para análise.

APLICAÇÃO DOS QUESTIONÁRIOS


Tomando como referência o centro da cidade de São Paulo, a Avenida Ibirapuera será a base para a realização das pesquisas e tanto seu lado direito como esquerdo serão cobertos pelos questionários. No primeiro, a Avenida dos Imarés será o ponto de partida e a Avenida Moema fechará o quadrilátero, percorrendo a área onde estão localizados o shopping Ibirapuera, a Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Moema, restaurantes e cafés, como Outback, Fran’s Café, Ofner e Bacio di Latte, e a Praça Nossa Senhora Aparecida. O limite será a Alameda dos Aicás.

No segundo, o início será na avenida dos Eucaliptos e terminará na avenida Juriti, com a alameda Jauaperi como limite, quadrilátero esse que cobrirá o Pão de Açúcar, a Praça Paul Harris, o Starbucks, o Applebee’s, concessionárias e lojas de grife.

Por ser a região que conta com o shopping principal, diversos restaurantes, lojas de alto padrão e a praça que abriga a Paróquia Nossa Senhora Aparecida de Moema, a circulação de moradores é intensa, principalmente daqueles que atendem ao perfil escolhido pelo grupo e que são a maioria no distrito devido ao poder aquisitivo.

A primeira visita ao distrito está marcada para o dia 16 de agosto de 2016, terça-feira, durante o período da tarde, entre às 14 horas e às 17 horas. O aprofundamento das pesquisas e a elaboração da pauta para a reportagem final serão feitos posteriormente e, para isso, a priori, outras datas já estão reservadas, como os dias 27 de agosto e 10 de setembro de 2016.

TEMAS QUE SERÃO DEBATIDOS

Os temas a serem abordados nas pesquisas de campo são relacionados a políticas públicas e questões particulares que podem moldar a forma de vida dos entrevistados. A partir disso, o recolhimento de informações será feito com homens e mulheres entre 20 e 70 anos de idade, moradores do distrito Moema, podendo ser trabalhadores, estudantes, aposentados ou apenas bon vivant.

Com base nesse perfil e na região estudada, as perguntas passarão pelos seguintes temas: nível de conhecimento da população em relação aos candidatos que disputam as Eleições 2016, opinião política e partidária, trânsito e mobilidade urbana, segurança pública e serviços contratados particularmente.

INTEGRANTES DO GRUPO

João Tavares Varella, Marcos Antomil, Matheus Dietrich, Matheus Godoy, Otávio Freire, Renato Brigati e Thaís Lopes.

DIVISÃO DAS RESPONSABILIDADES

- Administração da Página: Matheus Dietrich e Thaís Lopes;

- Aplicação do Questionário: Todos, divididos em dois grupos para aumentar a área de cobertura da região selecionada;

- Elaboração da Planilha com os resultados: Otávio Freire;

- Entrevista e/ou Grupo Focal: Todos (em caso de necessidade de um grupo focal, um membro será escolhido para ser o mediador da discussão);

- Elaboração da Reportagem Final: Todos.

BIBLIOGRAFIA

CEM - CENTRO DE ESTUDOS DA METRÓPOLE. Disponível em: <http://www.fflch.usp.br/centrodametropole/584>

ELEIÇÕES 2016. Disponível em: <https://www.eleicoes2016.com.br/>

GOOGLE MAPS - MOEMA. Disponível em: <https://www.google.com.br/maps/@-23.60916,-46.6677466,16z?hl=pt-BR>

IMP - INFORMAÇÕES DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS. Disponível em: <http://www.imp.seade.gov.br/frontend/#/>

INFOCIDADE - PREFEITURA DE SÃO PAULO. Disponível em: <http://infocidade.prefeitura.sp.gov.br/htmls/7_populacao_recenseada_projetadataxas_de_c_1950_638.html>

MOOTIRO MAPS. Disponível em: <http://maps.mootiro.org/community/480/about>

PREFEITURA DE SÃO PAULO - MOEMA. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/upload/moema_1285687682.pdf>

RESULTADOS & PERGUNTAS DOS QUESTIONÁRIOS[editar | editar código-fonte]

GÊNERO DOS ENTREVISTADOS

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Masculino1359,09
Feminino940,91


IDADE DOS ENTREVISTADOS

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
20-30940,91
31-40522,73
41-50418,18
51-6029,09
61-7029,09


QUESTÃO 1

Você conhece todos os candidatos que disputarão as Eleições para a prefeitura de São Paulo em 2016?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Todos14,55
A Maioria1254,55
A Minoria522,73
Desconhece418,18


QUESTÃO 2

Gráfico de Intenção de voto 1° opção

Em qual candidato você pretende votar na eleição para a prefeitura de São Paulo?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Altino Prazeres (PSTU)00,00
Celso Russomanno (PRB)418,18
Fernando Haddad (PT)313,64
Henrique Áreas (PCO)00,00
João Bico (PSDC)00,00
João Doria (PSDB)313,64
Levy Fidélix (PRTB)00,00
Luiza Erundina (PSOL)313,64
Major Olímpio (Solidariedade)00,00
Marta Suplicy (PMDB)14,55
Ricardo Young (REDE)14,55
Branco14,55
Nulo313,64
Não sabe313,64


QUESTÃO 3

Gráfico de Intenção de voto 2º opção

Se seu candidato não concorresse, qual seria sua segunda opção?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Altino Prazeres (PSTU)00,00
Celso Russomanno (PRB)14,35
Fernando Haddad (PT)28,70
Henrique Áreas (PCO)00,00
João Bico (PSDC)00,00
João Doria (PSDB)28,70
Levy Fidélix (PRTB)00,00
Luiza Erundina (PSOL)14,35
Major Olímpio (Solidariedade)00,00
Marta Suplicy (PMDB)28,70
Ricardo Young (REDE)00,00
Branco313,04
Nulo521,74
Não sabe730,43


QUESTÂO 4

Você acha importante saber quem é o candidato a vice-prefeito na chapa que você votará?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Sim22100,00
Não00,00


QUESTÃO 5

Você conhece o candidato a vice-prefeito na chapa na qual votará nas eleições municipais?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Sim731,82
Não1359,09
Não Respondeu29,09


QUESTÃO 6

De que maneira você se locomove pelo seu bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
A pé1538,46
Carro1333,33
Táxi/Uber00,00
Ônibus717,95
Metrô e/ou trem12,56
Bicicleta37,69


QUESTÃO 7

Como você se locomove pelo restante da cidade?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
A pé35,66
Carro1222,64
Táxi/Uber713,21
Ônibus1732,08
Metrô e/ou trem1426,42
Bicicleta00,00


QUESTÃO 8

Qual é a sua profissão?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Advogado29,09
Atendente14,55
Ator14,55
Cozinheiro14,55
Diretor Comercial14,55
Engenheiro313,64
Estudante731,82
Funcionário Público14,55
Médico14,55
Publicitário14,55
Recepcionista29,09
Técnico de enfermagem14,55


QUESTÃO 9

Qual é a sua renda mensal ?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Até 1 salário mínimo731,82
De 1 a 3 salários mínimos418,18
De 3 a 6 salários mínimos313,64
De 6 a 9 salários mínimos00,00
De 9 a 12 salários mínimos14,55
Mais de 12 salários mínimos522,73
Não informaram29,09


QUESTÃO 10

Você tem empregados particulares, como, por exemplo, segurança, motorista e empregada doméstica? Se sim, quais?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Segurança00,00
Motorista00,00
Empregada doméstica731,82
Cozinheiro(a)00,00
Jardineiro00,00
Diarista313,64
Não possui1254,55


QUESTÃO 11

Como você avalia a segurança do seu bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Ótima14,55
Boa731,82
Regular836,36
Ruim522,73
Péssima14,55


Motivos para considerar como um local seguro
Policiamento adequado2
Pouca ocorrência de crimes e assaltos2


Motivos para considerar como um local inseguro
Falta de policiamento3
Excesso de crimes e assaltos2
Ausência de vigilância durante a noite2


QUESTÃO 12

Como você avalia a qualidade de ensino escolar de seu bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Ótima522,73
Boa627,27
Regular627,27
Ruim313,64
Péssima29,09


Motivos para considerar um ensino positivo
Infraestrutura avantajada1
Sistema de ensino adequado3
Preço da mensalidade acessível1


Motivos para considerar um ensino negativo
Escolas públicas sem qualidade5
Modelo de ensino fraco2


QUESTÃO 13

Como você considera a estrutura de praças e ruas de seu bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Ótima14,55
Boa731,82
Regular940,91
Ruim313,64
Péssima29,09


Motivos para considerar as estruturas positivas
Regiões de praças são bem localizadas1
Ruas e calçadas em bom estado2
Arborização agradável1


Motivos para considerar as estruturas negativas
Ruas e calçadas esburacadas3
Ausência de praças2
Manutenção ocorre raramente (praças e ruas)5


QUESTÃO 14

Para 2018, está prevista a entrega da Estação Moema, que pertencerá à Linha 5-Lilás do Metrô. Você enxerga como uma obra positiva ou negativa para o bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Positiva2195,45
Negativa14,55
Gráfico de opinião sobre o Metrô em Moema

Motivos para considerar a obra positiva
Facilidade e velocidade de locomoção9
Menos carros nas ruas e melhora no trânsito2


Motivos para considerar a obra negativa
Barulho e aumento no trânsito1


QUESTÃO 15

Você apoia o impeachment da presidente Dilma Roussef?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Sim1568,18
Não418,18
Não sabe313,64

Motivos para considerar o afastamento positivo
Crime comprovado durante o governo3
Corrupção2
Problemas econômicos1


Motivos para considerar o afastamento negativo
Não comprovação de crime1
Manobra "suja" de poder1


QUESTÃO 16

Entre tantas ideologias políticas, você se encaixa em alguma? Se sim, em qual?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Direita313,64
Centro29,09
Esquerda313,64
Centro-Esquerda14,55
Centro-Direita313,64
Nenhuma418,18
Não sabe313,64
Outras313,64


QUESTÃO 17

Você considera ter mudado de preferência partidária nos últimos dez anos?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Sim836,36
Não1463,64


QUESTÃO 18

Quais são os pontos negativos de Moema que precisam ser revistos no próximo mandato de prefeito?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Segurança725,93
Mobilidade518,52
Infraestrutura e conveservação do bairro (metrô, praças...)1244,44
Saúde13,70
Inclusão aos moradores de rua13,70
Não enxerga problemas13,70

*Obs: Mais de uma escolha por entrevistado


QUESTÃO 19

Qual o principal problema da cidade de São Paulo?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Segurança1437,84
Saúde616,22
Transporte e mobilidade821,62
Educação513,51
Desigualdade25,41
Infraestrutura25,41

*Obs: Mais de uma escolha por entrevistado


QUESTÃO 20

Você está satisfeito com o seu bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Completamente627,27
Parcialmente1568,18
Não14,55


QUESTÂO 21

Você mudaria de bairro?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Sim940,91
Não1359,09


QUESTÃO 22

Você mudaria de São Paulo?

OpçõesQuantidadePorcentagem (%)
Sim1150,00
Não1150,00

MATERIAL BRUTO UTILIZADO NA REPORTAGEM[editar | editar código-fonte]

Drive público contendo as entrevistas realizadas:

https://drive.google.com/drive/folders/0BwjVQRXRxLGjdXVZWHV3OUZPZEk

METRÔ EM MOEMA: O TRANSPORTE PARA TODOS EM UM BAIRRO PARA POUCOS[editar | editar código-fonte]

Metrô em Moema? Eu não vou ver! Estou com um pé no buraco e outro na casca de banana.”, diz o espanhol Julio Muiños de 86 anos.

Jurupis, Nhambiquaras, Aicás, Bem-Te-Vi, Eucaliptos, Canário. Tribos indígenas, pássaros e árvores dão nome às ruas de Moema, distrito de maior qualidade de vida de todo Brasil, localizado na zona sul da capital paulista. Entre o verde da natureza e o reflexo do Sol nas vidraças imponentes que revestem os edifícios, o bairro acomoda em torno de 71.459 habitantes de padrão de vida elevado e de pouquíssima vulnerabilidade social, ultrapassando, inclusive o IDH de outros países, como a Noruega.

Bares, restaurantes, negócios, prédios residências e comerciais de luxo – em sua maioria com piso de mármore e chafarizes dignos de cartões-postais – agregam-se a áreas de lazer, como o Shopping e Parque Ibirapuera e a Praça Nossa Senhora Aparecida. Passarela de idas e vindas, Moema recebe fluxo de pessoas, cujo espaço não lhes pertence: um perfeito bairro-escritório.

O transporte público na região limita-se às linhas de ônibus, fato de recorrentes reclamações dos moradores: “Sem o metrô fica meio complicado. Aqui na Ibirapuera passa bastante ônibus, só que a maioria deles faz o mesmo trajeto, então fica meio inútil. Eu sei que dois deles passam no Metrô Ana Rosa, só que fazem exatamente o mesmo caminho. Tem vários para o Largo São Francisco, só que para ir para a faculdade, pra Higienópolis ou até mesmo para a Paulista há pouca opção”, diz o estudante Felipe Gallian, 20.

Para acessar alguma linha do Metrô, é preciso ir à Vila Mariana ou ao Jabaquara. Atrasos, estresse, gastos. Desde Maio de 2011, a Linha 5-Lilás passa por uma extensão que ligará o Capão Redondo à Chácara Klabin, passando por Moema e outros distritos próximos, facilitando a movimentação dos seus moradores e trabalhadores para outras regiões da cidade. A previsão de entrega é 2018, mas ainda em 2016, a obra causa transtornos: “O pessoal deve olhar para ela com uma visão um pouco mais positiva, de que ela um dia vai ficar pronta e a gente vai ter Metrô em Moema. Mas, por enquanto, as obras estão atrapalhando, desviando trajeto, fechando vias – até para ir ao Shopping não podemos mais acessar algumas ruas”, completa Gallian.

A área ocupada pela futura estação contará com uma área verde sobre ela, aprovada pela Associação dos Moradores de Moema, que exigia preservação ambiental, já que mais de 70 árvores serão remanejadas e replantadas.

Um dos pontos onde o metro de Moema está sendo construído em setembro de 2016

A HISTÓRIA DO METRÔ[editar | editar código-fonte]

O primeiro metrô brasileiro foi implantado em São Paulo e está funcionando desde setembro de 1974. O sistema metroviário é operado pela empresa Companhia do Metropolitano de São Paulo e apenas a Linha 4-Amarela pela empresa privada ViaQuatro.

Os primeiros projetos apresentados à prefeitura datam de 1927, com iniciativa da concessionária Light, responsável pelos bondes.

Foi apenas na gestão do Brigadeiro Faria Lima na prefeitura de São Paulo que o projeto do Metrô ganhou espaço, com a criação da Companhia do Metropolitana de São Paulo, em 1966 e, dois anos depois, as obras da Linha 1-Azul começaram.

A Linha 5-Lilás começou a ser construída em 1998 e somente no segundo semestre de 2002 foi aberta. Atualmente, o trecho inaugurado liga o bairro do Capão Redondo ao Alto da Boa Vista. O projeto de expansão, previsto para 2018, visa interligar o bairro que se situa em um dois extremos da zona sul até a Vila Mariana (Estação Chácara Klabin), onde terá acesso à Linha 2-Verde do Metrô. O caminho fará integração para as Linhas 17-Ouro e 1-Azul.

AS OBRAS E O ATRASO[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, ainda em 2010 e no governo de Geraldo Alckmin, a inauguração da Linha 5-Lilás estava prevista para meados de 2014. Os motivos reais para o atraso, como de costume, não são divulgados com clareza, fazendo com que a função jornalística entre em campo para a obtenção de dados, apesar de parecer algo relativamente simples.

Em uma das ligações numa quinta-feira à tarde, os responsáveis pelo atendimento ao público e à imprensa deram apenas uma informação, garantindo que “não, as obras não estão atrasadas”. O adiamento da inauguração para 2018, no mínimo, contraria totalmente essa afirmação. Gallian parece concordar que houve um “pequeno” atraso: “Eu acho que já passou a fase da decepção. Agora é mais aceitação mesmo, porque todo mundo esperava que o metrô estivesse pronto já em 2014, mas eu particularmente já esperava que isso iria acontecer”.

Um dos pontos onde o metro de Moema está sendo construído em setembro de 2016

Por mais que a demora seja muito maior do que o período estipulado anteriormente, ainda existem esperanças positivas para o futuro. A facilitação do transporte pelo bairro e em alcance de outras regiões da cidade, por exemplo, são temas comentados. Aliás, o povo paulistano não gosta de se atrasar e tem pressa para chegar a seu destino. Quanto antes, melhor! Não é mesmo, Gallian? “Não teria nem comparação do que é agora, todo dia eu pego um ônibus e pego o metro para ir lá pro Mackenzie, depois ainda pego mais um ônibus para descer a Consolação - não dá tempo de descer a pé. Ele ajudaria muito no meu tempo”, afirma o estudante.

CAPÃO x MOEMA: MISTURA DE CLASSES SOCIAIS[editar | editar código-fonte]

A Linha 5-Lilás evidenciará o contraste maiúsculo característico da região metropolitana de São Paulo. Use o substantivo que quiser: segregação ou marginalização, ambos estão compreendidos na percepção de Gallian: “Esse é o símbolo da desigualdade. Vai ser uma coisa muito contrastante”.

O engenheiro Ary Fonseca, 64, expõe sua visão econômica sobre a abertura da estação em Moema: “Não acha que vai popularizar não, acho inclusive que vai facilitar a vida desse pessoal que presta serviço, vai facilitar muito. Acho até que vai baratear o serviço para quem contrata, porque se a pessoa tem mais condição de chegar (locomover), mais pessoas se disponibilizarão a trabalhar. É a lei da oferta e da procura. Se hoje uma pessoa gasta três horas para chegar aqui de ônibus – três ônibus em um dia – se essa pessoa pegar um único tipo de transporte para chegar aqui, eu acredito que ela pode abrir mão de algum ganho por conta da facilidade”.

A extensão da Linha 5-Lilás convergirá extremos sociais da cidade. O Capão Redondo tem IDH 0,782; Moema, 0,961. Devido à generalização que se faz, não só com as classes mais baixas, ganha ressonância o grau de hostilidade que os moradores de Moema apresentam com a possibilidade de pessoas do Capão frequentarem o bairro, porém, é possível encontrar quem conviva com as diferenças de maneira racional e empática.

Para Ary, a integração entre diferentes níveis econômicos da sociedade é uma realidade brasileira e a considera como uma circunstância positiva, já que dará maiores oportunidades para a população que vem de um bairro carente. Além disso, ele afirma que não há contrariedade alguma em utilizar um meio de transporte junto a pessoas desprovidas de tantos bens, mas reconhece que os moradores de Moema não têm grandes motivos para visitar Capão Redondo e que a extensão servirá mais para facilitar a ida até as zonas leste e oeste, por exemplo.

A questão da desigualdade, por ser um traço constante no Brasil, aparece também na fala de Felipe, que acredita que a conexão entre esses dois bairros será composta por uma estrutura mais sofisticada, fazendo com que a população do Capão Redondo passe a frequentar Moema, buscando por melhores condições de vida. Com isso, ele afirma que tem medo da reação da maioria dos moradores do bairro, visto que o preconceito é inerente.

Mas alguns moradores consideram que o acesso ao transporte popular acarretaria na massificação do distrito. Segundo a publicitária Gabriela Nassar, 26, “Moema é muito tradicional e as pessoas são jovens que vieram morar por ser perto do trabalho ou são aquelas que moram há muitos anos. Trazendo o metrô, acaba popularizando um pouco, já que terá pessoas frequentando o shopping, por exemplo, que antes não frequentavam”. Para Felipe, acontecerá a mesma situação, em que pessoas de outras zonas e de outros bairros enxergarão a extensão da linha como uma forma de descomplicar a ida a áreas de lazer, como o Parque do Ibirapuera e restaurantes. Relativizando, outros moradores acreditam que Moema já é e se manterá oxigenada e ainda completam que o principal benefício será o acesso ao transporte mais rápido que o ônibus e que não depende estritamente de ruas e avenidas. O metrô otimizará o tempo daqueles que estudam e trabalham em outros distritos e afetará a cultura do uso exclusivo do automóvel: “Uso ônibus e eu estou com uma expectativa muito grande que esse metrô fique pronto logo, porque quero, definitivamente, ficar livre de carro”, afirma Ary. Porém, essa não é a opinião do dono de um banca de jornais do bairro Toni Silva, 43, que diz que a cultura do carro não será abandonada pelos cidadãos – inclusive por ele e pelos mais velhos – que já estão acostumados.

Além disso, haverá também um impulso em novos negócios e no comércio, principalmente ao redor da estação, devido a maior circulação de pessoas, e uma valorização em toda a região. Desde o início das obras metroviárias, o preço dos imóveis no bairro aumentou, dificultando a inserção de novos habitantes no distrito. O metrô pode agravar a situação de segurança, já que maior circulação de pessoas provoca mais casos de assaltos pelo difícil controle. Por esse motivo, os moradores sugerem um plano “pós-metrô”, para que a área seja avaliada e um planejamento bom de segurança seja colocado em prática.

Moema, apesar da toda caracterização elitista, apresenta um encontro entre camadas da sociedade proporcionado pelo seu seio comercial, que abrange desde grandes empresas até pequenos bares nas esquinas. O metrô não só facilitará o deslocamento dos moradores, mas simplificará a vida dos trabalhadores que moram em regiões segregadas. Verdadeiramente, a Linha 5-Lilás e a Estação Moema são um reflexo da desigualdade social, dos encontros e desencontros, do preconceito, da facilidade e das dificuldades do transporte em São Paulo.

OPINIÃO DO MORADOR[editar | editar código-fonte]

Ouça a entrevista com Felipe Gallian na integra:

Metro em Moema Audio Morador