Web 2.0

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Regras[editar | editar código-fonte]

Dados[editar | editar código-fonte]

Tudo na informatica funciona tendo como base os dados, que são um conjunto de informações sobre determidado assunto sem nenhum tratamento em especial, e a internet não é diferente ela usa os dados como sua fonte de informação. Antes da "WEB 2.0", cada site possuia sua própria base de dados, e apenas ele podia ultiza-la, mas com esse novo modelo vários sites usam uma mesma base de dados, tendo como diferente apenas a forma como esses dados se tornão informação.

Outro tipo de dados são os CGU (conteudo gerado pelos usuários), sites movidos com esses tipos de dados são o Youtube, Flicker, Wikipédia, MySpace, Orkut entre outros, nesses sites os usuário não são apenas os espectadores, eles também são os criadores e isso é uma das coisas que fizeram surgir esse novo modelo de internet.

Usuarios Agregam Valor[editar | editar código-fonte]

Os usuários não sendo apenas espectadores, agoram podem gerar e complementar conteudo havendo assim uma enorme participação desses, com isso a um grande volume de informação gerada, e em grande velocidade, seguindo essa idéia era pra internet se tornar uma enorme fonte de conteudo útil, mas não há uma educação por parte das pessoas sobre o que disponibilizar como dados, e vão colocando o que lhes vêem a cabeça fazendo assim com que a internet se encha de lixo, poluindo assim toda a informação que já havia sido gerada, e dificultando a criação de novas informaçãos úteis.

Direitos Reservados[editar | editar código-fonte]

Com essa grande quantidade de informação, e a facilidade de uso, acesso e edição da mesma, muitos conteudos passam a ser compartilhados sem os devidos creditos aos seus autores. A maioria dos autores são contra essa facil distribuição, e a tentam impedir, com leis de direitos autorais e proteção de propriedade intelectual, mas isso de nada adianta já que sempre que param um vem mais dez para retomar a distribuição. Ao invés de lutarem contra essa distribuição coletiva eles deveriam se unir a ela, usando licenças mais flexiveis e menos restritivas, a proibição não vai resolver esse problema mas essas empresas entrando nessa onda de colaboratividade elas podem ganhar muito em publicidade, pois cobrar um pouquinho sobre muita coisa é melhor do que combrar muito por apenas uma coisa (que é o modelo da teoria da cauda).

O Beta Perpétuo[editar | editar código-fonte]

Na informatica a expressão beta designa algo que ainda esta em fase de testes, seguindo esse principio a web 2 é um beta que nunca terá fim já que sempre haverá mudanças feita para atender mais os usuarios e com isso aumentar seu numero, mas essas mudanças não agradará a todos e novas mudanças então serão feitas gerando assim um ciclo sem fim de mudanças.

Cooperação[editar | editar código-fonte]

Dados, serviços e informações estão disponiveis a todos com esse novo modelo, e cada um pode ser usado com outros como uma espécie de lego virtual, uma parte se encaixa com outra formando algo completamente novo, com isso uma infinidade de novas ferramentas, serviços e até mesmos dados podem ser assim gerados, essa cooperação faz com que muita coisa seja criada, mas nem tudo seja aproveitado, gerando assim muita coisa ultil que ainda não foi descoberta ou muita coisas inútil que atrapalha nossas vidas.

Software Além do Computador[editar | editar código-fonte]

Não é mais necessario que todos os software ultilizados por alguém estejam em seu computador, muitas empresas estão investindo nessa idéia conhecida como "cloud computing" em que as aplicações que você nescessita estão em um servidor em algum lugar do mundo sendo necessario apenas acesso a internet para usa-lás, o yahoo e a google são uma dessas empresas que estão fazendo um grande investimento nesse modelo.

Outra coisa que a web 2.0 propiciou é que não são apenas os computadores que estão acessando a web, pdas, celulares, gps e outros, tornando esses aparelhos mais populares e criando assim um novo tipo de usuário e consequentemente gerando mais dados e informação.

A Minorias são a Maioria[editar | editar código-fonte]

A Teoria da Cauda[editar | editar código-fonte]

Na internet, não existe um grande numero de pessoas interessadas em um assunto especifico, mas sim um grande numero de grupos pequenos e cada um interessado em um assunto diferente, com isso não adianta investir muito em apenas um nicho de internautas mas sim dividir esse investimento em varios e desse modo abocanhar um grande número de usuarios.

A Amazon é um exemplo dessa idéia, grande parte da renda da empresa vinha da venda de pequenos volumes de itens raros a muitos consumidores em vez de altas vendas de meia dúzia de artigos populares.

Esse fenômeno é típico da internet. Para um estabelecimento físico, o custo de manter nas prateleiras poucos volumes de muitos livros com baixa vendagem é muito alto, a ponto de fazer com que isso não valha a pena. Porém, para as prateleiras virtuais de um site de varejo, como a Amazon.com, o custo é ínfimo e é o mesmo que o de manter livros super vendidos, o que permite que ofereça uma infinidade de títulos pouco vendidos.

Bola de Neve[editar | editar código-fonte]

Para entender essa bola de neve imagine um blog, existem muitos espalhados pela net, agora junte todos os blogs de tecnologia continua sendo muitos, como ler suas noticias então? junte em um agregador, ótimo, você agora tem as noticias no mesmo lugar, pronto agora você já tem a mesma informação em dois lugares diferentes, mas você usa varios agregadores de noticias, como postar o mesmo blog em todos? use o socialposter e coloque o mesmo link em todos os seus agregadores, mais uma vez a informação foi duplicada e assim vai indo, gerando o mesmo conteudo varias vezes e com isso aumentando o lixo da internet.

Revolucionários[editar | editar código-fonte]

Com a web 2.0 muitas ferramentas foram originais foram criadas e tiveram e tem muito sucesso até hoje, e devido ao seu sucesso várias ferramentas semelhantes foram criadas para tentarem seguir o mesmo sucesso da original, mas nem sempre isso acontece, essas cópias não possuem algo que chame a atenção para fazerem o tal sucesso que esperavam fazer - salvo algumas exceções - e com isso muitas dessas startups que pipocaram na rede sumiram e levaram junto muito dinheiro de seus investidores, as vezes até milhões.

Como alguns exemplos temos algumas redes sociais para os mais diferenciados públicos - hamsters, presidiarios, cães, góticos, crianças e até neonazistas e por ai vai, a web 2.0 não tem limites.

Limite dos Usuários[editar | editar código-fonte]

Um dos maiores problemas da nova web é ela não impor limite aos seus usuarios. E eles não são como webdesigners que tem algum senso na hora de criar algo, eles abusão de coisas que são odiadas por quem acessa internet - textos coloridos piscando, fotos muito coloridas, widgets barulhentos e piscantes - imagine um perfil do orkut que se pudesse encher de fotos, sons, videos e musicas... acho que agora é possivel entender o limite que os usuarios deveriam ter.

Formato[editar | editar código-fonte]

É fácil achar um site no formato web2 basta reparar em alguns quesitos:

  • cor: usam sempre as mesmas, alguma variação do azul chapado ou gradiente, sempre com reflexos as vezes algumas transparencias, o "beta" próximo ao logo do site.
  • minimalismo: os sites geralmente não possuem muitas coisas, é uma cor suave no fundo, sem muitas imagens, uma sombra aqui, uma transparencia ali e pronto.
  • API Aberta: todo site web2 tem uma ferramenta de outro site web2 e assim vai indo, um site A gera informações sobre transito usando informações de um site B que pegou informações de um site C que pegou o mapa do site D (google), na maioria dos casos a ordem é essa e o fim tb =).
  • Widgetes: também não pode faltar nos sites atuais, principalmente nos blogs em que as colunas laterais são cheias disso, bonequinhos dançando, tag clouds, calendario, relogio, meteorologia, horoscopoco, chat.... é uma lista infinita de widgets que se não forem bem usados mais pertubam do que ajudam.
  • Tags: Palavras chaves para auxiliar na procura de informação, site nos moldes web2 tem que ter tags senão não é um site descente.
  • Buzzwords: Muito encontradas também, são palavras bonitas, geralmente em outro idioma (ingles) mas que não acrescentam nada a informação, são apenas como dizem "para encher linguiça".
  • Nomes: Esses sites também possuem algo muito peculiar em relação aos antigos, seus nomes são pequenos e silabicos, até parece que foram criados por crianças - meebo, ebudy, digg, xanga e por ai vai.
  • Ajax:Diga adeus aos sites estaticos, sem bolinhas rodando enquanto carrega, os sites não são mais aquele tanto de texto puro e sem graça, agora ele é feito na hora pelo seu browser quando é acessado viva o javascript =)


Bolha[editar | editar código-fonte]

A web 2.0 supostamente nasceu de uma bolha que estourou, e agora ela se encontra em outra que segue o mesmo caminho, investimentos milionarios sem garantias, varias startups sendo criadas a todo momento, a falta de controle sobre o conteudo gerado, a internet caminha para o caos, como resolver isso, já se fala em web 3.0, onde a semantica organizara a informação gerada, diminuindo o lixo encontrado, investidores seram mais sensatos nessa nova geração da web? Ninguém pode garantir, mas algo é certo esse mundo paralelo em que nos encontramos agora ainda é algo recente e tem muito a ser melhorado.

Referencias[editar | editar código-fonte]