Discussão:Projeto Fila-SUS

Fonte: Wikiversidade

Outars normas[editar código-fonte]

Importante norma de referência para o "sigilo na Internet" (criptografia nos exames por email por exemplo), Resolução CREMESP 097 de 2001

URLs estimativas do SUS[editar código-fonte]

Bons artigos sobre as filas de espera:

Dois estudos elaborados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada procuram medir o tamanho das filas enfrentadas pelos pacientes do Sistema Único de Saúde. O resultado é preocupante: em média, as pessoas ficam 4,5 dias à espera de uma internação. Especialistas acreditam que a solução passa necessariamente por um choque de gestão

Lembrete das causas reais do problema:

  • Investimento em prevenção ...
  • Relação entre demanda e investimento ...
  • Ineficiência por ausência de controle na informação do histórico médico do pacientes
  • ...

Aleatórios com algum tipo de estimativa:

Faltam dados e conferir acesso[editar código-fonte]

Na PORTARIA Nº 321 DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007, o Artigo 10 indica como a tabela será detalhada,

Art. 10. Compete ao Departamento de Informática do SUS – DATASUS/SE/MS adotar as medidas técnicas e operacionais necessárias à implantação da Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais
-OPM do Sistema Único de Saúde - SUS, permitindo a utilização por todos os sistemas de informação da atenção à saúde e os demais sistemas por ele desenvolvidos, que utilizem a Tabela no todo ou em parte. Parágrafo único. O layout da Tabela a ser utilizado nos sistemas referidos no caput deste artigo será publicado no mês de março de 2007 em portaria específica. Art. 11. É de responsabilidade do DATASUS/SE/MS manter atualizado o banco de dados de produção nos aplicativos TABWIN e TABNET, inclusive com a preservação da série histórica. Art. 12. A Tabela com todos os procedimentos, seus atributos e compatibilidades (ex: Procedimento X CID, Procedimento X CBO) será publicada em portaria específica no mês de março de 2007. Art. 13. A partir da publicação desta Portaria, procedimentos novos somente serão incluídos após adotada a lógica da Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais - OPM do Sistema Único de Saúde - SUS.

Convém conferir como se encontra hoje esse modelo de dados, e quais dados já são fornecidos de forma transparente, por solicitação do cidadão via eSIC.

Subsídios da Teoria das Filas[editar código-fonte]

Modelo de referência de uma fila de espera.

A Teoria das Filas (Queueing theory ) é bem conhecida e dominada em ramos da Matemática Teórica (Probabilidades), Matemática Aplicada (Pesquisa Operacional), Engenharia de Produção, Computação e outros — na Física é descrita pela Termodinâmica dos sistemas abertos, pelo modelo de Ehrenfest e em diversas outras áreas e modelos discretos onde se impõe uma equação da continuidade. A grosso modo, todos os modelos afirmam que, dado um sistema, tudo o que entra nele precisa sair, ou fica armazenado nele por um tempo.

Independente da área do conhecimento há bastante consenso em torno dos modelos mais simples. O modelo de referência adotado é dos mais simples, conforme ilustração:

  • Há uma certa taxa de entrada de pessoas na fila. Essas pessoas vem de uma "população fonte" (fonte).
  • É possível que hajam algumas desistências após certo tempo de espera, ou mesmo recusas no ato do registro de entrada.
  • A fila é um conjunto ordenado de pessoas. Em geral é uma fila FIFO (First In, First Out), mas podem haver, como no caso do pronto-socorro, critérios de priorização e regras de reordenação da fila.
  • Há uma certa taxa de atendimento, e tempo médio para se prestar o serviço ao paciente.
  • Independente do grau de sucesso ou qualidade no atendimento, o paciente é considerado atendido ao final do processo.

Terminologia e abordagens na Matemática[editar código-fonte]

Ver "UMA INTRODUÇÃO ÀS FILAS DE ESPERA", de Cláudia R. V. Pereira, tese PUC de 2009.

"As filas de espera são um fenómeno corrente no dia-a-dia, onde existem clientes que desejam prestações de serviços (servidores que para serem utilizados é necessário que os clientes esperem e formem uma fila física ou conceptual) e que haja um número de clientes superior ao número de servidores, pois o servidor demora algum tempo a atender cada cliente (tempo de serviço), e este serviço termina quando o cliente se retira".
"Os pontos de interesse da teoria das filas são: o tempo de espera do cliente, o número de clientes na fila e a razão entre o tempo de espera e o tempo de prestação de serviço".

As considerações sobre estimativa de tempo de espera são descritas neste trabalho como "disciplina da fila". Os demais elementos de interesse foram descritos na seção 3 da obra. Também observa, com relação à hipótese de estado estacionário ou de equilíbrio, "para que ocorra uma situação estacionária é preciso que o número médio de entradas por unidade de tempo seja igual ao número médio de saídas, em cada estado". Ver também 1,

Terminologia e abordagens na Engenharia[editar código-fonte]

Estuda-se o "fenômeno da formação de filas de solicitantes de serviços fornecidos por um determinado recurso". Segundo ssmarlucia, a Teoria das Filas "permite estimar importantes medidas de desempenho de um sistema a partir de propriedades mensuráveis das filas". A fila mais simples, expressa pelo Modelo de Referência do Fila-SUS, é do tipo "M/M/1". Na sua ilustracao mostra também a simbolização da "disciplina da fila" como catraca controlando o fluxo dentro do sistema, entre a fila e o atendimento.

Ver também apresentações de J. Marques, "Administração de Operações Modelos de Filas de Espera"; e de M. C. Machado, "Gestão de Operações II, Teoria das Filas".

Modelagem de dados e padronização[editar código-fonte]

Um bom exemplo de especificação dos dados, a cada coluna de planilha ou campo de tabela, é o "data specification" oferecido pelo Popolo project, que também foi adotado no EveryPolitician... O ideal de qualquer forma, é não diversificar nas referências RDF, hoje já é possível focar em duas, no máximo 3:

  • http://schema.org tem quase tudo o que precisamos
  • https://www.wikidata.org complementaria com algo mais quando se deseja precisão, exceto quando for um item de baixa estabilidade (muito novo ou não-associado a página da Wikipedia estável).
  • Um vocabolário tido como relevante no LOV.

O padrão tabular-metadata da W3C completa o referencial necessário para especificar de forma padronizada.

--Krauss (discussão) 18h47min de 13 de março de 2017 (UTC)[Responder]

Dados do SIGA-SP do SUS[editar código-fonte]

Ver artigos em ima.sp.gov.br/noticias 2017 e video com entrevista de 2012.

Segundo Moacyr Perche, sobre o sistema de Campinas:

  • "Na área de cadastro do Cartão Nacional de Saúde, (...) dando valor de uso ao número do cartão SUS, que agora permite a organização das pastas das famílias e dos pacientes gerando economia de tempo e de recursos". "Hoje temos 1,264 mil pessoas cadastradas no sistema, número que expressa a confusão de cadastros antigos que foram aproveitados e o atendimento de pessoas da região".
  • Resultados de melhora do sistema informatizado em Campinas: "... Para o cidadão campineiro esses resultados na gestão se traduzem em menor necessidade de gastar seu tempo indo até a unidade, economia de transporte coletivo, menor tempo esperando na unidade ... com o acesso imediato ao seu histórico de uso, entre outros".

Referencial do cadastro DataSUS[editar código-fonte]

Artigo em infoq.com.

Caso Joinville[editar código-fonte]

Em junho de 2011 quase 83 mil esperavam por uma consulta na rede pública do município... Até que houve um TAC - Termo de Ajustameto de Conduta. Veja o TAC na íntegra (ou baixar PDF).

De fevereiro de 2014 a junho de 2015 foram se avolumando os processos de pedido de afastamento dos responsáveis, culminando com o afastamento do prefeito Udo.

O sistema online se originou desta crise, como uma das medidas para solucionar os problemas recorrentes e a demanda por transparência. Segundo esta reportagem de 2014, "a divulgação da lista de espera por consultas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) cumpre com o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado pela Prefeitura de Joinville e Ministério Público Estadual em abril".

Em SC[editar código-fonte]

Com relação ao reuso do sistema de Joinville na esfera estadual, parece que está longe... A noticia mais recente, de abril de 2017, é que

"A 20 dias para o fim do prazo estipulado para que o Estado publique na internet a lista de espera dos pacientes do SUS, a Secretaria de Saúde de Santa Catarina pediu mais tempo para implementar o sistema. A lei estadual 17.066, aprovada em 2016 e sancionada em janeiro deste ano, definiu o prazo de 12 de maio para que o serviço esteja disponível. No entanto, o governo do Estado garante que o programa ficará pronto apenas em outubro. O pedido deve ser analisado pelos deputados."
(conforme anoticia.clicrbs.com.br/sc)

Segundo a mesma notícia, no novo sistema de SC, a lista de espera deve conter:

  1. Data de solicitação da consulta (discriminada por especialidade), do exame, das intervenções cirúrgicas ou de outros procedimentos;
  2. Posição que o paciente ocupa na fila de espera;
  3. Nome completo dos inscritos habilitados para consulta, exame, intervenção cirúrgica ou outros procedimentos;
  4. Relação dos pacientes já atendidos, por meio da divulgação do CNS ou do CPF;
  5. Especificação do tipo de consulta (discriminada por especialidade), do exame, das intervenções cirúrgicas ou de outros procedimentos; e a estimativa de prazo para o atendimento solicitado.

Dica para homologar localização[editar código-fonte]

Os locais de atendimento do SUS, por lei (Portaria 2.838 de 2011 do Ministério da Saúde), devem ser devidamente sinalizados: qualquer cidadão pode homologar o endereço que contém a sinalização.

Ver Guia-de-Sinalizacao-SUS. Lembrar que podem ser distintos os locais de inscrição (fila de registro) dos locais de atendimento.

Com isso pode-se estabelecer um manual para registro dos postos de atendimento SUS no Openstreetmaps e a garantia de associação com CEP e centroide.

Em São Paulo tem API[editar código-fonte]

A API denominada UBS oferece a listagem dos locais e permite que cada local seja consultado.

https://api.prodam.sp.gov.br/store/apis/info?name=UBS&version=v1.0&provider=admin#!/default/get

Alguns dados relevantes do retorno:

    "cepUBS": "string",
    "codigoUBS": 0,

    "tipoPrimeiroNivelUBS": "string"
    "nomeTipoPrimeiroNivelUBS": "string",
    "codigoNacionalSaude": 0,
    "nomeTipoSengundoNivelUBS": "string",
    "tipoSengundoNivelUBS": "string",

    "enderecoUBS": "string",
    "numeroEnderecoUBS": "string",
    "geoLocalizacaoUSB": {
      "longitude": "string",
      "latitude": "string"
    },

    "telefone1UBS": "string",
    "telefone2UBS": "string",

    "horarioFuncionamentoUBS": "string",

Relações semânticas[editar código-fonte]

  • FalaSUS, em trocadilho que pode ser útil (ver seção de "descrição do problema").

Rascunhando modelo[editar código-fonte]

Para relacionar modelo da fila com contexto organizacional e definição formal de paciente.

Ver figura em http://yuml.me/9be316f9.png

A fila-SUS pode ser definida com base nos conceitos de paciente com demanda e paciente em atendimento, sendo a espera o tempo que permanece aguardando para sair do estado "Com demanda solicitada" para o estado "Em atendimento".

[<<Kind>>;Pessoa]
[<<Relator>>;Serviço]

[<<Relator>>;Serviço]^-[<<Phase>>;De agendamento]
[<<Relator>>;Serviço]^-[<<Phase>>;De atendimento]

[<<Role>>;Paciente]^-[<<Phase>>;Sem demanda]
[<<Role>>;Paciente]^-[<<Phase>>;Com demanda não-solicitada]
[<<Role>>;Paciente]^-[<<Phase>>;Com demanda solicitada]
[<<Role>>;Paciente]^-[<<Phase>>;Em atendimento]

[<<Phase>>;Em atendimento]1..*---1..*[<<Phase>>;De atendimento]

[<<Kind>>;Pessoa]^-[<<Role>>;Paciente]

[<<Kind>>;Organização]<>1-especialidade 0..*>[<<Role>>;Unidade serviços médicos]

[<<Role>>;Unidade serviços médicos]1..*---1..*[<<Relator>>;Serviço]