Educação Aberta/Acesso aberto

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O acesso aberto busca promover o acesso aberto e público ao conhecimento científico. Para entender o que isso significa, precisamos entender como o conhecimento científico tradicionalmente é publicado e circula. Depois, podemos discutir os desafios propostos pelo acesso aberto. O Brasil é um dos pioneiros e líderes dessa área.

Você está criando um texto de introdução, voltado para pessoas que não conhecem o tema. Tente escrever de forma didática e clara.

Use referências (utilizando a ferramenta citar da Wikiversidade na barra de ferramentas).

Perguntas[editar | editar código-fonte]

Como é feita tradicionalmente a publicação de trabalhos acadêmicos e pesquisas acadêmicas?[editar | editar código-fonte]

Primeiramente, após a formulação de alguma pesquisa na área de interesse, muitas vezes custeada por recursos públicos, o indivíduo registra seus resultados em artigos. Em seguida, recorre a editoras e revistas acadêmicas para que haja uma publicação de seu material, durante o processo há uma análise sobre a relevância e a credibilidade da descoberta. Quando o artigo finalmente é publicado passa a ser vendido pelas as empresas para as universidades e os demais leitores. Dessa forma, em geral, existe uma comissão científica que avalia os trabalhos e pesquisas acadêmicas submetidos quanto ao mérito de cada um. Após essa apreciação, os trabalhos pode ser diretamente aceito para a publicação, enviado aos autores para ajustes.

De que maneira o acesso aberto desafiou essas noções?[editar | editar código-fonte]

O acesso aberto desafiou essas noções demonstrando que é possível as pesquisas acadêmicas terem uma outra relação com o público, para além do acesso fechado e pago que as revistas oferecem. Como por exemplo, por que não construir um documento coletivo em que várias pessoas podem editar ao mesmo tempo? Por que as Universidades não desafiam o status quo e começam a recompensar pesquisadores por publicar em jornais de livre acesso e mídias populares? O foco do acesso aberto é que o público deve estar bem informado e bem instruído e que para além de garantir o acesso, é preciso também que o documento seja de fácil compreensão e assim, desafia-se para que a pesquisa seja mais inclusiva e democrática para atuar com a comunidade e se comunicar com o público, reflexões essas abordadas por Érica Stone, a qual conheceu diferentes Universidades em suas experiências enquanto professora substituta.

De que maneira o acesso aberto pode beneficiar diferentes atores? Pense sobre cenários que você conhece, partindo da realidade de alunos de graduação, ensino básico, professores, pesquisadores.[editar | editar código-fonte]

O acesso aberto é um importante instrumento de compartilhamento de conhecimento. Por meio dele, podem ser ampliados os locais de busca de produções científicas para diferentes atores. Os pesquisadores podem acessar um maior número de informações gratuitas de artigos e demais trabalhos acadêmicos, o que traz um maior retorno para toda a comunidade, uma vez que tendo acesso ao que já foi produzido acerca da temática de interesse, o pesquisador, pode contribuir para avanços e descobertas na área. Da mesma maneira, os alunos de graduação, com o acesso livre ao conhecimento, podem avançar em suas aprendizagens. Para os professores, acreditamos  que poderia ser ampliado o banco de questões de avaliação, além de ter um espaço para a troca de experiências. O acesso aberto, para nós, gera uma rede de pessoas que se conectam em prol de objetivos comuns, como o autodesenvolvimento, a atualização profissional e a busca pela identificação com a carreira eleita. Tudo isso só é possível através da troca de informações e compartilhamento de ideias, de conhecimento, sem barreiras que entravam o processo, com um fim em comum, um objetivo maior que engloba os demais: a educação.

Quais são alguns dos desafios para a propagação do modelo de acesso aberto a publicação científica?[editar | editar código-fonte]

As informações científicas deveriam ser abertas a toda a sociedade uma vez que esta investe e é afetada diretamente por tais informações, porém não recebe esse retorno das grandes instituições de ensino. Um dos grandes desafios para que ocorra a propagação do modelo de acesso aberto é a superação da política de combate ao plágio que as instituições seguem sem que seja permitido a abertura de informações para que outras pessoas possam remixar, recriar e criar saberes a partir de um conhecimento já pronto. Pois sabemos que todo conhecimento é a recriação de algum conhecimento anterior.

De que maneira a UnB trabalha com acesso aberto? Liste sites, iniciativas, projetos.[editar | editar código-fonte]

A UnB trabalha de forma bem restrita com seus acessos, apenas a comunidade a académica tem acesso às informações, artigos científicos, materiais , dados e trabalhos afins, embora o acesso aberto venha com essa proposta de que é possível as pesquisas acadêmicas terem uma nova interação com diversos públicos, a univerdade ainda não deixa disponível esses acessos a comunidade em geral, porém existem iniciativa e projetos como o da cátedra UNESCO de educação a distância UnB, sobre o mapeamento de iniciativas brasileiras de recursos educacionais aberto, coordenado pelo professor Tel Amiel organizado pela cátedra da UnB. A Fiocruz já coordenou projetos e eventos como workshop onde abordava temas como a política de ciência aberta da Fiocruz.

Referências úteis[editar | editar código-fonte]

Vídeo: Erica Stone - A pesquisa acadêmica é financiada com recursos públicos - Porque ela não está disponível publicamente? (legenda em português).

Site: Manual de publicação aberta de pesquisas.

Infográfico interativo: O acesso aberto é mais amplo que apenas um acesso gratuito de revistas científicas.

Texto: FAPESP - Produção científica acessível. Panorama do acesso aberto no Brasil.

Participantes[editar | editar código-fonte]

Rafaela

Suelen Fernandes Silva

Fernanda

Rayhana

Julia

Eliene

Vanessa

Iara

Beatriz

Darlen