Predefinição:IJC/doc

Fonte: Wikiversidade
Esta é uma subpágina de documentação para Predefinição:IJC (Clique na ligação se você quer vê-la diretamente).
Ela contém informações sobre o uso, categorias e outros conteúdos que não são parte da predefinição propriamente dita.

Esta predefinição invoca o Módulo:IJC.

Uso[editar código-fonte]

  • {{IJC|id=<id>}}
  • {{IJC|<id>}}

Exemplos[editar código-fonte]

  • {{IJC|id=1}} → Em 2013, o total foi de 1,7 trilhão de dólares, sendo que dez países representam 80% desse total.

| |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- | id="2" | Os EUA, líderes nesse quesito, investiram 473,4 bilhões de dólares, o equivalente a 2,7% de seu Produto Interno Bruto (PIB). | |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- | id="3" | Desta perspectiva, porém, ninguém supera a Coreia do Sul, que investiu 4,3% de seu PIB, ou 91,6 bilhões de dólares. | |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- | id="4" | Nos EUA, instituições privadas, como empresas e universidades, representam 66% do investido, mesma parcela que na Alemanha. Na China e na Índia, os números são 75% e 69%, respectivamente. | |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Em dados de 2015, o Brasil investiu 1,28% do PIB ou 76,5 bilhões de reais, dos quais 38,3 bilhões de reais foram dispêndios públicos repassados pela União e pelos estados por meio de agências de fomento, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES) e as fundações estaduais de amparo à pesquisa (FAPs). | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |O setor privado investiu 38,1 bilhões de reais, ou 0,64% do PIB, que saíram das empresas com setores de Pesquisa, das universidades particulares e dos raros institutos privados. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |O próximo passo é alcançar os 2% do PIB, objetivo do governo federal para 2019. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |No Brasil, cientistas, pesquisadores e engenheiros estão concentrados em instituições governamentais, tanto federais quanto estaduais. A maioria, 73%, trabalha em universidades como docentes de dedicação exclusiva ou integral, enquanto apenas 11% trabalha para empresas. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Acontece justamente o oposto nos países líderes em P&D, onde as taxas de cientistas empregados na indústria são superiores a 60% | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Há casos por aqui que evidenciam a importância do investimento de empresas em P&D, como o caso da Natura, que coloca 3% de sua receita em P&D, ou a Embraer, que destina 10% da receita à Pesquisa e Desenvolvimento. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |O levantamento de 2016 mostra que o número de mestres e doutores cadastrados era de 217.741, dos quais 83.321 com título de mestrado e 134.420 com título de doutorado. | |5 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Entre os mestres, 44.337 eram mulheres e 38.984 eram homens. A situação se inverte entre os doutores: 70.567 são homens e 63.853 são mulheres. | |5 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}]<!--|- | id="n+1" | XErro de citação: Etiqueta <ref> inválida; refs sem parâmetro de nome devem ter conteúdo associadoBlue pencil.svg

  • {{IJC|2}} → Os EUA, líderes nesse quesito, investiram 473,4 bilhões de dólares, o equivalente a 2,7% de seu Produto Interno Bruto (PIB).

| |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- | id="3" | Desta perspectiva, porém, ninguém supera a Coreia do Sul, que investiu 4,3% de seu PIB, ou 91,6 bilhões de dólares. | |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- | id="4" | Nos EUA, instituições privadas, como empresas e universidades, representam 66% do investido, mesma parcela que na Alemanha. Na China e na Índia, os números são 75% e 69%, respectivamente. | |1|| [{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Em dados de 2015, o Brasil investiu 1,28% do PIB ou 76,5 bilhões de reais, dos quais 38,3 bilhões de reais foram dispêndios públicos repassados pela União e pelos estados por meio de agências de fomento, como o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES) e as fundações estaduais de amparo à pesquisa (FAPs). | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |O setor privado investiu 38,1 bilhões de reais, ou 0,64% do PIB, que saíram das empresas com setores de Pesquisa, das universidades particulares e dos raros institutos privados. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |O próximo passo é alcançar os 2% do PIB, objetivo do governo federal para 2019. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |No Brasil, cientistas, pesquisadores e engenheiros estão concentrados em instituições governamentais, tanto federais quanto estaduais. A maioria, 73%, trabalha em universidades como docentes de dedicação exclusiva ou integral, enquanto apenas 11% trabalha para empresas. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Acontece justamente o oposto nos países líderes em P&D, onde as taxas de cientistas empregados na indústria são superiores a 60% | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Há casos por aqui que evidenciam a importância do investimento de empresas em P&D, como o caso da Natura, que coloca 3% de sua receita em P&D, ou a Embraer, que destina 10% da receita à Pesquisa e Desenvolvimento. | |1 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |O levantamento de 2016 mostra que o número de mestres e doutores cadastrados era de 217.741, dos quais 83.321 com título de mestrado e 134.420 com título de doutorado. | |5 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}] |- |Entre os mestres, 44.337 eram mulheres e 38.984 eram homens. A situação se inverte entre os doutores: 70.567 são homens e 63.853 são mulheres. | |5 |[{{fullurl:{{FULLPAGENAME}}|veaction=edit}} {{Botão clicável|color=blue|editar}}]<!--|- | id="n+1" | XErro de citação: Etiqueta <ref> inválida; refs sem parâmetro de nome devem ter conteúdo associadoBlue pencil.svg

Template data[editar código-fonte]

Esta predefinição invoca o Módulo:IJC

Parâmetros da predefinição

Esta predefinição prefere a formatação em linha dos parâmetros.

ParâmetroDescriçãoTipoEstado
idid 1

identificador de linha na tabela de conteúdos do curso Introdução ao Jornalismo Científico

Exemplo
1
Stringobrigatório