Wikinativa

Fonte: Wikiversidade

GAMELEIRA DA LAPA

Gameleira da Lapa é uma comunidade ribeirinha situada à margem esquerda do Rio São Francisco município de Sítio do Mato ao oeste do Estado da Bahia – Brasil. Fundada em 13 de Junho (Aniversário simbólico) do ano 1760.

HISTÓRIA DE GAMELEIRA[editar | editar código-fonte]

A origem do nome GAMELEIRA é consequência das abundantes Árvores Gameleira da família das moráceas (Ficus doliaria) que havia na localidade e LAPA devido a grande quantidade de pedras argilosas na margem inferior do barranco do Rio. Gameleira ja foi palco e platéia dos grandes fazendeiros que se instalaram na região, o ponto era estratégico para as paradas de descanso dos boiadeiros bem como das embarcações que se atracavam nas costas da cidade. Essas pequenas paradas foram aperfeiçoando e progredindo gradativamente. Esse fator teve grande importância na ascensão da comunidade, onde deu início os primeiros grupos de moradores que desenvolveram a prática do comércio local, destacando os produtos como: Carne seca, mandioca, galinha, peixe, e outros, despertando assim a influência dos tropeiros para um ponto centralizado. A centralização forçou muitos moradores numa região de casas fragmentadas a proximidades das vias do comércio, facilitando o custo com as viagens de ida e volta para suas moradias criando suas formas de vendas e adequando ao local para o lazer e diversão em grupo. Gameleira da Lapa era uma das comunidades do antigo município de Urubu – posteriormente Rio Branco e hoje batizado de Paratinga, passando a pertencer a Bom Jesus da Lapa (primeiro distrito de Paratinga), quando esta desmembrou em 1890. Gameleira da Lapa é agora denominada de primeiro distrito de Sítio do Mato advindo a emancipação política em 1989.

Considerando a História do Rio São Francisco, Gameleira teve seu início nos meados do século XVII, época em que a ocupação do Rio São Francisco acontecera de fato a partir da expansão da atividade agropecuária. A região expandiu as atividades de policultura para o auto-abastecimento, que também produziam excedentes comercializáveis. A ocupação do Território do Velho Chico começou com a descoberta de minas na região do Alto São Francisco ( principalmente em Minas Gerais, mas Goiás e Mato Grosso também influenciaram), uma vez que dinamizou a economia em toda extensão do rio e essas regiões mineiras passaram a ser um mercado atrativo para o setor pecuário.

A ligação com nova região culminou no surgimento de vários núcleos de povoamento ao longo do rio, todos em volta de “currais”, o que também deu nome de “Rio dos Currais”. Muitos desses povoamentos impulsionaram os mercados de gado e produtos vegetais. Gameleira da Lapa teve localização privilegiada, em função de estar entre a região em ascensão econômica (aurífera) e a capital da colônia (Salvador), cuja ligação entre as duas regiões dera ao Rio São Francisco a denominação de “Rio da Integração Nacional”. Decorrente desse processo, Gameleira passou a se constituir como vila de povoamento desde cedo, uma vez que transitava tanto via terrestre, no caso do gado, quanto via hidroviária, onde se transportava a riqueza da nação.

Curiosidade![editar | editar código-fonte]

Muitas vezes, os visitantes que vêm em Gameleira, seja turistas ou mesmo netos e filhos de gameleirense, ficam se perguntando sobre as estruturas das casas, uma colada na outra, ou acham isso uma verdadeira “pacatisse” de cidade interiorana. A explicação para isso é que Gameleira figura-se como uma comunidade histórica, desde a fuga de escravos dos engenhos e do desbravamento dos portugueses a procura de riqueza, até encontrar ouro em Minas Gerais. Isto porque, estamos perto de importantes quilombos do país, de Angical, Muquém do São Francisco e nossa vizinha, Mangal Barro Vermelho (Quilombolas). Aqui sempre foi ponto estratégico de quem vinha da capital da colônia (Salvador) para seguir para o Cerrado (Goiás) ou mesmo seguir o curso do rio São Francisco rumo as Minas Gerais.

Por milhares de pessoas que passaram por Gameleira nessa dinâmica da história, poucos fincaram suas raízes por aqui. E isso foi se multiplicando até os dias atuais. Isso explica que, por mais antiga que seja a nossa comunidade, ela não é populosa, pelo motivo de ser um ponto de passagem. Por isso, as casas ainda seguem o estilo barroco.

Os moradores de Gameleira são conhecidos como Gameleirenses[editar | editar código-fonte]