Wikinativa/Jéferson Danilo Inácio de Sousa(vivencia Guarani 2016 - relato de experiência)

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Nome: Jéferson Danilo Inácio de Sousa N USP:9065315

Relatório individual sobre a viagem a Aldeia Rio Silveira

Introdução

A disciplina ACH3707 Seminários de Políticas Públicas Setoriais II -Multiculturalismo e Direitos oferecida pelo Prof. Jorge Machado teve como objetivo mostrar um pouco da realidade das sociedades indígenas, uma vez que são povos que aqui habitavam antes da chegada dos Europeus, e sucessivamente gerando conflitos e até vidas dizimadas entre esses grupos existentes.Também verifica-se uma abordagem de seus aspectos culturais,formas de vivência, o processo de demarcação das terras indígenas,a ampliação de suas atividades etc.

Primeira visita a aldeia no Jaraguá: Tenondé porã

Ao adentrarmos na aldeia no jaraguá constatei que os índios que ali viviam levavam uma vida muito simples,não muito distante da maioria população pobre no Brasil,porém, há diferenças ainda mais no tocante da vida cultural que essas sociedades tem há séculos, o grande conflito que persiste entre a legislação de demarcação de terras indígenas,foi um encontro bem receptivo numa tarde de domingo, houve uma conversa com um membro da aldeia,conhecemos a casa de reza, e em seguida demos uma volta pela aldeia, presenciamos uma aula de dança de professores que estavam também presentes da aldeia, todos estavam bem envolvidos,as crianças adoraram pelo que vimos.

Viagem a aldeia Rio Siveiras, Bertioga-SP

A viagem a aldeia Rio Silveiras consistiu em 3 dias de vivência com os moradores da aldeia, chegamos numa tarde de 28 de outubro, e logo começamos a montar nossas barracas e em seguida já fomos bem recebidos,foi um intenso alvoroço, digamos uma "confraternização", durante a tarde fomos até o rio tomar banho,a sensação foi demais porque eu tenho contato com a natureza desde criança na fazenda onde morei,sucedendo ao anoitecer fomos jantar e tivemos o tempo de "reza" na casa onde eles denominam um lugar para a purificação de energias negativas, e outras impurezas no corpo físico. No segundo dia logo pela manhã tivemos o café da manhã, praticamos brincadeiras com as crianças e logo mais vivemos uma aventura com a previsão de chegada na cachoeira,antes disso paramos num rio e nos refrescamos muito, foi demais sentir aquela energia da galera todos se divertindo muito,depois disso demos prosseguimento a uma trilha dentro da mata, resultando de um grupo ter se perdido, e aguardamos a chegada deles com o page, não conseguimos ter o acesso a cachoeira,mas nos refrescamos novamente em outra parte do rio que estávamos perto.

Ao anoitecer nos conduzimos até o nosso banho, e em seguida estava programada a ida até a casa de reza, e lá tivemos o nosso momento, envolvimento com a oração.Logo mais tivemos um momento de descontração vários meninos vieram contar histórias para nós,tivemos um momento de susto ahaha,mas foi maravilhoso.

No domingo tivemos a realização do futebol pela manhã, foi muito bacana grande parte estava envolvida, nesse momento estava realizando meu depoimento sobre a vivência na aldeia, e depois adquiri alguns "geladinhos" aliás fazia muito tempo que eu não via aquilo, outro relato importante é que recebi um nome em guarani, " Wera" que significa tempestade, e uma pintura na minha perna que também teve um significado importante para mim," Deus está no nosso caminho". Fomos visitar uma mãe bem idosa de uma integrante da aldeia,ela nos recebeu carinhosamente, estava muito frágil, porque se encontrava um pouco debilitada não tendo os sentidos da visão e audição.

No último dia houve uma grande despedida agradecimentos por parte da aldeia, foi muito emocionante, tiramos fotos trocamos abraços aquela sensação de estarmos bem com todos bem felizes,Enfim, começamos a arrumar nossas coisas,pertences pessoais para prosseguirmos viagem ao retorno, batendo aquela vontade de permanecer mais um pouco na aldeia,disso tudo fica a troca de experiência vivida na aldeia Rio Silveiras uma o contato com as pessoas que estavam ali, foi um vinculo familiar momentâneo,mas que podemos perpetuar isso,uma ótima noticia é que podemos visitá-los estarão sempre dispostos a nos receber com muito carinho e dedicação,adorei muito essa viagem esse diálogo humano que nunca havia presenciado antes em minha vida.