Wikinativa/Juruna

Fonte: Wikiversidade
Writing.png Esta página é somente um esboço. Ampliando-a você ajudará a melhorar a Wikiversidade.


Família da tribo Paquiçamba, da etnia dos Jurunas, em 2010. Foto: Hélvio Romero.

Os Jurunas (Yuruna; autodenominação - Yudjá) formam um grupo indígena que habita o estado brasileiro do Mato Grosso, mais precisamente no Norte do Parque Indígena do Xingu, bem como junto ao baixo rio Xingu, no Pará, na Área Indígena Paquiçamba. O etnônimo Juruna (Yuruna, Jurúna, Juruûna, Juruhuna, Geruna) é de origem estrangeira e parece significar “boca preta” em Língua Geral; teria sido motivado por uma tatuagem que, segundo consta em registros do século XVII, este povo usava quando o seu território no baixo Xingu foi invadido, alguns anos depois da fundação de Belém (1615).


Localização[editar | editar código-fonte]

Canoeiros, os Yudjá são antigos habitantes das ilhas e penínsulas do baixo e médio Xingu, um dos rios mais importantes da Amazônia meridional, atualmente ameaçado por projetos de implantação de complexos hidrelétricos.
Confira no mapa

História[editar | editar código-fonte]

Os registros sobre a história dos Juruna são na maioria relatos de missionários e viajantes que com quem entraram em contato durante expedições realizadas no rio Xingu, assim como crônicas feitas pelo governo português nas tentativas de aprisionamento e escravização. Atualmente enfrentam problemas com a criação da usina Belo Monte, a água que serve de abrigo para milhares de peixes e que é consumida por boa parte da população, a construção da usina irá afetar o habitat natural dos peixes. Essa situação tem preocupado os índios que moram em torno da volta grande do rio Xingu.

Língua[editar | editar código-fonte]

A língua juruna pertence ao tronco linguístico Macro-tupi[1], que abrange diversas línguas das populações indígenas sul-americanas.

População[editar | editar código-fonte]

A população juruna era estimada em 241 pessoas em 2001, mas hoje, após o último censo, observa-se aumento significativo devido a inúmeros nascimentos e baixa taxa de mortalidade. De acordo com censo da Unifesp, atualmente chegam a 348 indivíduos.



Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Referências externas[editar | editar código-fonte]

http://www.ufpa.br/naea/pdf.php?id=254 Sob o signo da identidade: Os índios Juruna da TI Paquiçamba e a ameaça da UHE Belo Monte
http://www.ethnologue.com/language/jur
http://pib.socioambiental.org/pt/povo/yudja/
http://mapas.funai.gov.br/
http://ti.socioambiental.org/pt-br/#!/pt-br/terras-indigenas/3908