Wikinativa/Thábata De Bellis Leão(vivencia Guarani 2016 - relato de experiência)

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Durante as aulas preparatórias para a viagem, já era possível perceber que a vivência traria muitas transformações, mas nada comparado ao que realmente foi. A experiência de fazer uma imersão na Aldeia Guarani Rio Silveiras, durante quatro dias e três noites, foi incrível, de muito aprendizado e mudanças.

Um dos maiores impactos para mim foi a questão das crenças, eu, particularmente, não sou uma pessoa muito espiritual e/ou religiosa, muito diferente deles, que tem isso bem forte e presente no dia-a-dia deles. Porém, mesmo sendo meio indiferente à tudo isso, durante todos os rituais feitos na casa de reza, eu pude perceber uma energia diferente, o que é muito interessante, porque tudo era feito em guarani, logo, eu não conseguia entender o que estava acontecendo, apenas sentir algo diferente e muito bom, me senti renovada a cada dia.

Outra grande diferença notável foi a questão da tranquilidade, afinal, São Paulo é uma cidade muito barulhenta, rápida, congestionada, caótica e durante os quatro dias que passamos lá, não nos preocupamos com horários, os sons eram todos baixos, era gostoso não ter que ficar se preocupando com essas coisas, era muito mais saudável do que na cidade.

O respeito e a coletividade, também, são diferentes, todos se importam um com os outros e se cuidam, dessa forma, melhora-se a convivência entre eles, a coletividade é marcante na criação das crianças, todos são responsáveis por elas, independente de quem é a mãe e o pai, completamente diferente de cidades, em que, todos são egoístas, individualistas, veem os outros com desconfiança e como ameaças, as pessoas se destratam, são grossas e violentas.

Além, claro, da conexão com a natureza, que na Aldeia é muito forte e linda, tudo tem sua importância e é respeitado, os animais, as plantas, os rios, absolutamente tudo, afinal, eles sobrevivem a partir da natureza. Isso fez despertar em mim uma conexão também, sinto falta de andar descalça na terra, areia, lama, de me banhar em rio, tomar sol, respirar ar puro, de todas essas experiências que são raras na cidade.

Como participei do grupo "compreender a mulher indígena" participei de uma roda de conversa entre mulheres, em que tratamos de assuntos adversos e pudemos perceber diferenças na realidade, dentro da cultura, o que também foi enriquecedor para entender melhor o funcionamento da Aldeia.

Algo notável na Aldeia foi o engajamento político deles, principalmente por parte dos jovens, o que é ótimo e essencial para a sobrevivência e ampliação de direitos deles. Espero, inclusive, que nós consigamos ajuda-los cada vez mais nessas lutas para a conservação dessa cultura maravilhosa.

Por fim, posso dizer que a experiência foi riquíssima e de muitas reflexões. Alguns aspectos do meu cotidiano resolvi mudar, como questão da alimentação, natureza, conectividade e me fez cada vez mais me engajar e pesquisar sobre a questão indígena no Brasil.