Norma padrão da língua portuguesa/Repetições e elipses

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Estudando frases e nomes: repetições e elipses


Cada palavra da língua portuguesa pode possuir diversos sinônimos. Os sinônimos têm como função substituir uma palavra já citada evitando a repetição de vocábulos. Às vezes, é difícil lembrar de um sinônimo, por isso é bom sempre ter um dicionário. Quando um sinônimo é desconhecido pelos falantes da língua portuguesa, seu uso não é adequado àquela frase ou uma certa palavra não possui sinônimos, podemos trocar a palavra por uma locução ou deixá-la em elipse. Tudo isso deixa um texto menos repetitivo, parecendo ser muito mais abrangente e mais bonito.

Repetições[editar | editar código-fonte]

Para evitar a repetição de um nome, usam-se pronomes pessoais. Para os verbos, existem diversas formas de substituí-los: a transmutação de períodos, a transformação de tempos, mudanças da voz verbal, além dos sinônimos e das elipses. Muitas frases não perdem seus sentidos quando os verbos estão em elipse, porém, no caso dos advérbios, apesar de serem termos acessórios, o sentido original da frase alterar-se-á. A maioria dos advérbios possui um sinônimo, senão, provavelmente terão uma locução, e por último caso, a oração subordinada adverbial. Veja:

Não foi isso que eu queria, pois não era disso que eu gostava, não precisava acontecer uma coisa dessas. - para se evitar o uso constante do advérbio não, devemos utilizar seus sinônimos:
Nunca foi isso que eu queria, pois não era disso que eu gostava, tampouco precisava acontecer uma coisa dessas.

O problema são os advérbios de modo. A maioria não possui sinônimo e o sentido da frase muda quando estão em elipse. Então transformamos o verbo do advérbio em substantivo e o advérbio em adjetivo. Veja:

Ela pulava altamente e depois ria altamente. - para evitar o uso constante do advérbio:
Ela dava pulos altos e depois ria altamente.

Para evitar o uso de adjetivos, o contrário se faz.

Para evitar o uso constante de conjunções integrantes (pois as coordenativas, pronomes relativos e subordinativas adverbiais possuem sinônimos), precisamos transformar os períodos, sejam em subordinação por redução, oração desenvolvida ou absoluta.

Para evitar o uso constante de artigos, basta ocultá-los ou usar um outro determinante.

A repetição como ênfase[editar | editar código-fonte]

Em certos casos, são lícitas as repetições. Ocorre quando estamos dando regras, e queremos dar a elas a ênfase (anáfora). Por exemplo, nesta página foram dadas diversas ênfases por repetição:

"Para evitar o uso de adjetivos..."
"Para evitar o uso constante de conjunções integrantes..."
"Para evitar o uso constante de artigos..."

É importante notar que quando há pouco texto entre as repetições a ênfase deixa de existir, pois atribuí-se o texto como um todo, e não em destaque. Também vale lembrar que, não se deve utilizar mais que quatro ou cinco vezes, pois acabaria tornando-se cansativo e desinteressante.

Radical versus desinência[editar | editar código-fonte]

Quando evita-se a repetição do verbo por transformação do período, alteração da voz verbal ou tempo verbal, o radical do verbo permanece. Então, há ideia de inadequação? Depende. A repetição do radical é menos percebida que a repetição da desinência, principalmente quando a desinência é grande. Quando há grande repetição da desinência, proposital, o texto até pode parecer interessante, pois acabaria formando um belo jogo de palavras (rima), porém, deve-se usar em uma parte uma desinência, e na outra, uma diferente. Para evitar a desinência grande em advérbio de modo, é lícito a retirada da desinência, quando há mais de um advérbio com a mesma desinência relacionado ao mesmo verbo, e apenas se um vier seguido do outro. Veja:

Ela pulava alegre e altamente. (alegremente)

Afixos[editar | editar código-fonte]

A retirada ou colocação de afixos também podem substituir palavras. Exemplo, não constitucional transforma-se em inconstitucional.

Elipses[editar | editar código-fonte]

Elipse é a retirada de uma palavra. Quando ocorre a elipse de conjunção, chama-se assíndeto.