Portal:Grupo de Estudos em Português para o ensino fundamental/Germinal/9A

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Segue abaixo trabalho do 9A em que os alunos estão reescrevendo o enredo de Germinal.


Grupo 1[editar | editar código-fonte]

Ary, Bianca, Fabio - PARTE 1

Um homem com cerca de 21 anos chega de madrugada na cidade de Marchiennese. Seu nome era Etiénne. A primeira coisa que avista é uma grande mina, denominada Vourex. O jovem adulto logo percebeu que os trabalhadores desta mina eram pobres e seu trabalho cansativo, lutando por cada centavo que recebiam para sobreviver. Etiénne, mesmo assustado com a condição dos mineiros e o futuro que o esperava, solicitou um emprego lá. Primeiramente, não havia. Foi quando uma moça chamada Fleurence morreu, fazendo com que Etiénne tomasse seu lugar. Esse simples ato mudaria a vida dos mineiros que lá habitavam.

PARTE 2

Na mina as condições eram péssimas, para escavar lá os mineiros tinham que ficar de joelhos, a temperatura atingia 35° e o ar não circulava. No intervalo, Etiénne contou que foi despedido de seu último emprego por dar um soco em seu chefe, para se justificar disse que havia bebido muito. Quando acabou de comer, Chaval pegou Catherine em um lugar que seu pai não poderia vê-la e a beijou. Etiénne que via tudo perguntou sobre a relação entre eles, ela diz que ele não era nada, então, voltaram ao trabalho.

Grupo 2[editar | editar código-fonte]

Berta, Carolina, Ilia - PARTE 3

Étienne ia se habituando ao trabalho na mina, ele era admirado pelo povo, mas Chaval não simpatizava com ele pois história com Catherine não lhe agradava e o sentimento era reciproco. Étienne tinha ideias revolucionárias. Como ele não tinha experiência pedia ajuda a Pluchart, que era o intermediário com a Internacional. Suas ideias se resumiam, basicamente, aos mineiros explorados. Suvarin, por outro lado pensava totalmente diferente. A ideia de Étenne era formar uma caixa de previdências, com o dinheiro dos revoltosos, que seria transformada em caixa de resistência no momento certo. Um meio termo entre essas duas opiniões era a de Rasseneur, dono da taverna, ele achava que a greve era precisa, mas achava que a caixa de previdências não daria certo pois os mineiros não colaborariam. Com o casamento e mudança do filho mais velho de Maheu, havia um espaço sobrando na casa e Étienne foi convidado a preenchê-lo. Étienne aceitou e passou a viver melhor, com isso passou a estudar mais. A influência de Étienne foi se ampliando até a revolucionar toda a aldeia, onde a caixa de previdências começou a funcionar. Étienne foi nomeado secretário da associação e recebia até um pequeno salário por cuidar da contabilidade.

-pontuação (.)X1

Grupo 3[editar | editar código-fonte]

Gabriela G., Henrique, Michelle, Yoram - PARTE 4

Capítulos 1 e 2: Dia 1º de dezembro entra em vigor a nova tabela de preços dos vagonetes. Os mineiros trabalharam normalmente até o fim da quinzena. A greve começou na Voreux e agravou-se a Mirou, Victoire, etc. Apenas a St. Thomas trabalhava normalmente ERROS: • Informações desnecessárias; • Erros gramaticais; • Concordância; • Má construção das informações. Capítulos 3 e 5: Após outra quinzena, as minas Victorie e Feutry-Cantel tinham se juntado aos grevistas e a Saint-Thomas tinha sido afetada. A mina Voreux estava na maior tranquilidade. O líder da greve era Étienne. Pluchart queria ir a Mountsou para juntar os mineiros à Internacional. Um dia, quando Maheu saiu para pescar, Caterine chegou em sua casa trazendo café e açúcar para sua família. Dona Maheu tratou-a muito mal. Haviam passado 15 dias e os mineiros, em pleno inverno, estavam praticamente sem mantimentos. A Companhia a cada dia de greve perdia milhares de francos, e eles estavam perdendo mercado consumidor. ERROS: • Excesso de informações; • Texto repetitivo; • Problemas com concordância. Capítulo 6: Mesmo com todas as dificuldades enfrentadas na época, os irmãos roubavam de qualquer um. Jealin era o líder e pegava os bens roubados para si só, guardando-os em seu esconderijo. Certo dia, Ettiénne encontrou tal esconderijo, mas decidiu não contar esse segredo, apesar de não achar certo o menino viver assim enquanto os outros tinham péssimas condições de vida. ERROS: • Excesso de informação; • Personagens desnecessários; • Texto muito longo; • Informações repetitivas. Capítulo 7: O salário dos mineiros era muito baixo para tanto trabalho. Os mais fracos tinham voltado a trabalhar, com medo de perderem seus empregos substituídos pelos belgas, como ameaçava a Companhia. Todos os restantes preferiam morrer a ceder para a Companhia. Chaval continuava trabalhando. ERROS: • Excesso de informação.

Grupo 4[editar | editar código-fonte]

Gabriela E., Ionatan, Rafael P., Gabriel G. - PARTE 5

PARTE 5

Os trabalhadores estavam revoltados com o baixo salário, e ficaram enfurecidos com a negação do pedido de aumento de salário. Catherine, exausta, não estava aguentava mais as más condições de trabalho na mina, e desmaiou. Inesperadamente, Chaval deu a atenção devida à ela. Os mineiros decidiram que teriam que agir com violência se quisessem conseguir êxito na revolta.

Os grevistas queriam que os trabalhadores de Gaston-Marie parassem de trabalhar, porém Étienne deu ordem de irem para a Mirou. Sem sucesso nesta, Étienne e os grevistas vão para a Gaston-Marie.

Hennebeau chegou à casa de seu capataz muito agitado e fala informações sigilosas e percebe que seu capataz já havia recebido essas informações de sua amante. Hennebeau recebe a mensagem de que a Jeam-Barte havia sido invadida e teve seus cabos cortados

O grupo já não estava mais se escutando, estava desobediente. E isso é confirmado quando Cécile é pega pela multidão e as mulheres começam a arrancar suas roupas e rasgá-las. Maigrait morre, tentando fugir daquela bagunça. E é então que a polícia chega.

Erros:

  • Pontuação." (...) reclamava para Chaval (,) mas ele apenas discutia com ela e a espancava."
  • Acentuação: forca, porem, 'Etienne da (a) ordem ", rasga-las, tira-la , policia
  • Ortografia: sol (sem letra maiúscula),
  • Trechos confusos ou mal construídos: "O contramestre, vovô Quandien, este muito esperto ao ver a multidão chegar (...)", "(...)chega a casa (...)", Maigrat tenta fugir da multidão furiosa e agitada, porém sem (não obtêm) sucesso, fugindo pelo telhado ele cai morrendo na hora.
  • Palavras mal estruturadas: si=nos (?), Motso

Grupo 5[editar | editar código-fonte]

Larissa, Nathan, Mariana - PARTE 6

Capítulos 1,2 e 3 – Paulo, Itamar e Bruno

Os soldados estavam caminhando pela cidade de Montsou, as fábricas estavam inativas, a inundação e a bomba já havia dado muitos gastos. Étienne se deu conta de que a Companhia era forte demais para falir. Os dias estavam difíceis, os mineiros estavam sem trabalho e morrendo de frio e fome. Para os Maheu a situação estava difícil, Alzire estava doente e quase morrendo, o médico iria consultá-la, mas não compareceu, Lenore e Henri estavam mendigando e Maheu estava aflito por sua situação. A casa estava vazia, pois haviam vendido tudo para comprar comida. Suvarin estava em na taverna sozinho, quando ouviu alguém batendo na porta e Étienne o chamando, com medo que ele o entregasse. Foram conversando e decidiram que fariam uma greve.

Capítulos 4 e 5 - Dawid, Leonardo e Rafael J

Catherine estava com Étienne, ele tentava convencê-la a voltar à casa dos pais, mas ela não aceitou, disse que teria que ir para a casa de Chaval. Enquanto ele voltava, viu Jeanlin degolando um guarda, perguntou o porquê do feito do garoto, este disse que achava divertido e então foram esconder o corpo na mina Requillart. Derrubaram teto da mina sobre o corpo. No dia seguinte souberam que os belgas estavam trabalhando na Voreaux. Duas filas de trinta soldados cada foram alinhadas em frente a um muro de tijolos, para que não fossem atacados por trás. O grupo de manifestantes começava a crescer cada vez mais. Com Étienne, Maheu e sua mulher na frente, ofendiam os soldados e os empurravam cada vez mais para o muro. Mas foi quando os manifestantes começaram a jogar tijolos contra os soldados, que se sentiam cada vez mais pressionados, esperando por reforços. Até que os soldados já sem espaço para recuar, foram obrigados a atirar contra os manifestantes. Na matança Maheu foi abatido com muitos outros, os que não estavam nem mortos nem feridos conseguiram fugir em meio a lama.

Erros:

  • Erros de concordância em número e pessoa;
  • Erros de pontuação;
  • Falta de nexo em alguns trechos;
  • Detalhes desnecessários;
  • Erros ortográficos em nomes próprios e em algumas palavras;

(em ambos os textos)

Grupo 6[editar | editar código-fonte]

Victor C., Roberta, Judith - PARTE 7

Com salários baixos e um alto custo de vida, os mineiros se revoltaram contra a Voreux. A repressão dos burgueses foi violenta, causando a prisão de muitos dos revoltosos. Os administradores da Voreux acreditavam que era só uma questão de tempo para tudo voltar ao normal, mas não foi o que aconteceu. A greve saiu do controle e Étienne, ao tentar acalmar a situação, teve que fugir dos mineiros revoltados e acabou se escondendo na caverna de Rasseneur. Poucos dias depois, Étienne deixou aldeia, mas logo voltou.

Os mineiros voltaram a trabalhar na mina. A forte chuva havia se agravado e preocupava alguns operários, pois a mina se encontrava cheia de água. Assim, desobedecendo Dansaert (chefe da mina), estes largaram as tarefas e saíram da mina. A mina desabou com alguns mineiros dentro, entre eles Boa Morte, que foram resgatados 2 dias depois, em péssimas condições. Dansaert foi demitido por abandonar os mineiros. Já outros, incluindo Étienne, Catherine e Chaval, continuaram presos na mina sofrendo com a fome e o frio. A água só aumentava. As disputas constantes por Catherine acabaram saindo do controle, até que Étienne mata Chaval e acaba ficando sozinho com Catherine na mina escura e alagada. Começaram a bater nas pedras pedindo socorro e esperaram pelo resgate. Estavam cada vez mais apaixonados e doentes até que Catherine morreu. Sozinho, Étienne é resgatado pouco tempo depois. Após a tragédia, a Companhia não quisera mantê-lo como operário, portanto estava de partida. Despediu-se da mina, dos operários e da Sra. Maheu e partiu em direção a Paris. Aquela Revolta era o início de tudo, das greves e rebeliões que iriam germinar por toda Europa.

Erros:

1. Pontuação.

2. Ortografia: persiguindo-o, ma.

3. Trechos confusos ou mal construídos.