Portal:Grupo de Estudos em Português para o ensino fundamental/Germinal

Fonte: Wikiversidade
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Enredo de Germinal[editar | editar código-fonte]

Parte 1[editar | editar código-fonte]

Capítulos 1 e 2 - Ary Akerman, Gabriela Ejchel, Michelle Kernkraut.

Um homem com cerca de 21 anos chega na madrugada na cidade de Marchiennese logo vê um grande terreno: a mina Voreux. Seu nome era Etiénne, e ele logo percebeu que os trabalhadores eram pobres, que faziam um trabalho cansativo, lutando por cada centavo que recebiam. Etiénne, mesmo assustado com a condição dos mineiros e o futuro que o esperava, solicitou um emprego lá. Primeiramente, não havia. Foi quando uma moça chamada Fleurence morreu, fazendo com que Etiénne tomasse seu lugar. Esse simples ato mudaria a vida dos mineiros que lá habitavam

Capítulos 4, 5 e 6 - Berta Tannenbaum, Henrique Pipek e Nathan Bitchatcho.

Na mina as condições eram péssimas, para escavar lá os mineiros tinham que ficar de joelhos, a temperatura atingia 35° e o ar não circulava. No intervalo, Etiénne contou que foi despedido de seu último emprego por dar um soco em seu chefe, para se justificar disse que havia bebido muito. Quando acabou de comer, Chaval pegou Catherine em um lugar que seu pai não poderia vê-la e a beijou. Etiénne que via tudo perguntou sobre a relação entre eles, ela diz que ele não era nada, então, voltaram ao trabalho.

Parte 2[editar | editar código-fonte]

Capítulos 1, 2 e 3 - Ilia S. Mirsky Katz, Rafael Bernstein Polster e Bianca Broncher Bernets Profes.

Na casa dos Gregóire, havia uma renda de mil francos. A mãe, o pai e os filhos maiores iam trabalhar na mina, enquanto isso, os menores pediam esmolas. Nas minas o trabalho era tão pesado e a fome era tanta que o descanso não era suficiente para satisfaze-la. Sua vida baseava-se em uma rotina inalterável por conta do problema financeiro. Acordavam cedo todas as manhãs para trabalhar nas minas e voltar na metade do dia para o almoço, após o intervalo, voltavam à mina e trabalhavam até tarde. Para realizar a higiene pessoal, banhavam-se em uma tina. A primeira a utilizar a tina era Catherine, depois os meninos e por ultimo o pai. Todos partilhavam da mesma água. Como a situação da família Gregóire não era muito boa, Jealin teve uma ideia: a família comeria menos salada para vender nas cidades próximas. Havia um canto não operacional da mina onde os jovens se encontravam.


Parte 3[editar | editar código-fonte]

Capítulos 1, 2 e 3 - Carolina Lopes, Ionatan Gottfried, Roberta Liberman

Étienne ia se habituando ao trabalho na mina. Seu trabalho bem feito, sua educação superior, coragem e principalmente, a sua rápida adaptação ao trabalho na mina, eram de se admirar. Só Chaval que não simpatizava com ele: a história com Catherine não lhe agradava. Étienne também não gostava dele. Chaval tratava Catherine muito mal; provocava-a e abusava dela. Surgiam ideias revolucionárias na mente de Étienne. Como era inexperiente, pedia ajuda a Pluchart, mantendo correspondência com este, que era o intermediário com a Internacional. Suas ideias políticas eram passadas a Étienne e se resumiam, basicamente, aos mineiros explorados. Suvarin, um revolucionário russo adepto do anarquismo, tinha a ideia de que a solução seria destruir tudo, pois a fome iria matar todos. Já Étienne, e portanto Pluchart, tinham ideias semelhantes: deviam formar uma caixa de previdências, com o dinheiro dos revoltosos, que seria transformada em caixa de resistência num momento oportuno. A greve era iminente. Um meio termo entre essas duas opiniões era a de Rasseneur, dono da taverna, que era um pouco mais conservador, com ideias práticas que diziam que a greve era precisa, mas achava que a caixa de previdências não daria certo, pois os mineiros não colaborariam. Étienne foi promovido a britador na nova empreitada de Maheu com o leilão dos novos veios. Com o casamento e mudança do filho mais velho de Maheu, havia um espaço sobrando na casa e Étienne foi convidado a preenchê-lo. Étienne aceitou e passou a viver melhor, com a roupa lavada e uma boa cama. Em condições melhores, passou a estudar mais. O seu relacionamento com Catherine era estranho: nunca a troca muda de sentimentos fora tão forte entre eles. A influência de Étienne foi se ampliando até a revolucionar toda a aldeia, onde a caixa de previdências começou a funcionar. Étienne foi nomeado secretário da associação e recebia até um pequeno salário por cuidar da contabilidade. No fundo da terra germinava uma revolução.

Capítulos 4 e 5 - Fabio, Judith e Victor C.

Sem dinheiro para comida, e vendo que a companhia suspendeu o trabalho naquele dia, com a desculpa de fazer o pagamento, começaram a surgir os primeiros pensamentos sobre uma possível greve. Quando Maheu foi pegar seu salário, se espantou, pois havia diminuído muito. Pensou em protestar, mas não teve coragem. A injustiça havia aumentado muito, à noite na taverna Avantage, começou a greve. Étienne resumiu a situação em uma frase: “Se a Companhia quer greve, ela vai ter greve“ Depois de uma semana, o trabalho continuou, mas com um clima de desconfiança, à espera do conflito. De repente, ocorre um desmoronamento e Jeanlin estava sozinho no seu setor, acabou ficando soterrado. Maheu o achou depois de um tempo, com as duas pernas quebradas. Para piorar a situação dos Maheu, Catherine é obrigada a ir morar com Chaval, deixando menos salário para a família, que não apoiou a situação.


Parte 4[editar | editar código-fonte]

Capítulos 1 e 2 - Gabriela Grossmann e Mariana Wertzner

Dia 1º de dezembro entra em vigor a nova tabela de preços dos vagonetes. Os mineiros trabalharam normalmente até o fim da quinzena. A greve começa na Voreux e agravou-se a Mirou, Victoire, etc. Apenas a St. Thomas trabalhava normalmente. Henebeau (diretor da Voreux) era pobre. Casou-se com a filha de um industrial e foi se afastando da mulher. Mudaram-se para Paris e Henebeau é traído pela mulher. Aceita então a direção das minas de Montsou. Paul Négrel (sobrinho de Henebeau) chega ao povoado e o tio lhe oferece o cargo na Voreux. É amante da mulher de Henebeau, esta o junta com Cécile Gregóire, filha de Deneulin, dono da Jean-Bart. Na Jean-Bart ninguém faltou ao trabalho. Maheu foi o escolhido para representar os mineiros na greve. Maheu e Ettiénne foram falar com o diretor da mina, começou uma discussão e foram embora sem mudanças.

Capítulo 3 e 5 - Larissa, Yoram, Gabriel

Após outra quinzena, as minas Victorie e Feutry-Cantel tinham se juntado aos grevistas e a Saint-Thomas tinha sido afetada. A mina Voreux estava na maior tranquilidade. Na casa dos Maheu, não tinha nada para comer, mas eles aguentaram a fome porque eles estavam à espera de justiça neste momento. O líder da greve era Étienne e sua popularidade era muito grande. Pluchart queria ir a Mountsou para juntar os mineiros à Internacional. Rasseneur (um taverneiro) não gostou da ideia. Um dia, quando Maheu saiu para pescar, Caterine chegou em sua casa trazendo café e açúcar para sua família. Dona Maheu tratou-a muito mal, pois achava que Caterine havia abandonado sua família. De repente, Chaval invade a casa e tira Caterine de lá aos tapas. Étienne que estava presente, ficou com raiva de Chaval, mas não houve nenhum conflito entre os dois. Étienne foi dar uma volta ao redor da mina, e se recordou de livros que já tinha lido, onde povos incendiaram suas cidades para impedir que seus inimigos pudessem entrar em seus territórios e conquistassem-nos. Maheu que volta da pescaria com dinheiro, pois, havia conseguido pescar um peixe muito grande e conseguiu vende-lo por um bom preço, no qual, a família Maheu poderia ter o que comer naquela noite. Haviam passado 15 dias e os mineiros, em pleno inverno, estavam praticamente sem mantimentos. Eles estavam desanimados e abatidos, pensando que iriam morrer. Étienne estava planejando ir junto com alguns homens para Paris, mas acabou não dando certo, pois a população inicialmente se mobilizou, mas depois demonstraram indiferença. As mulheres então decidiram comprar fiado em uma grande mercearia, mas logo depois de uma semana o dono parou de vender fiado para elas. Segundo Étienne, o único recurso que atrapalhou o triunfo desta greve foi a falta de recursos. A Companhia estava “pior” do que os mineiros, afinal, a cada dia de greve, eles perdiam milhares de francos, o estoque de carvão havia chegado ao fim e eles estavam perdendo mercado consumidor. Os mineiros tentaram então fazer um acordo com o dono da mina, mas foi em vão. As mulheres apelaram mais uma vez ao mercearista em vender fiado, porém, não adiantou. Nesse dia, a aldeia dos mineiros se sentiu de vez devastada, eles estavam sem comida e aquecimento, sem saber o que fazer naquela noite.

Capítulo 6 - Alessandra. Giulia e Marcelo.

Jealin havia se curado após o incidente da mina, tendo sido engessado. Porém, por o engessamento ser precário, o menino ficou manco. Mesmo com todas as dificuldades enfrentadas na época, Bérberet, Lidie e Jealin roubavam de qualquer um. O filho dos Maheu, Jealin, era o líder. Ele comandava os saques e, no final, pegava esses bens roubados para si só, guardando-os em seu esconderijo, na antiga fornalha da mina, onde vivia quente e bem alimentado. Certo dia, Ettiénne encontrou tal esconderijo, mas decidiu não contar esse segredo, apesar de não achar certo o menino viver assim enquanto os outros tinham péssimas condições de vida, pois pensou que poderia vir a ser útil a ele. Ettiénne se deparou com essa situação depois de ter terminado sua relação com Mouquette, filha de Mouque. Nunca deixou na verdade, de amar Catherine.

Capitulo 7 - Alessandra. Giulia e Marcelo.

Os mineiros e Ettiénne, Maheu e Rasseneur estavam discutindo sobre a greve. O salário dos mineiros era muito baixo para tanto trabalho. Os mais fracos tinham voltado a trabalhar, com medo de perderem seus empregos substituídos pelos belgas, como ameaçava a Companhia. Mas o grupo de grevistas decidido, não queria retornar para as mesmas condições trabalhistas que foram o motivo de sua revolta. Entretanto, Rasseneur discordava desse método. Acreditava que era impossível mudar o mundo pelas leis, e que era necessário esperar até uma revolução social, mas ninguém o ouviu. Todos os restantes preferiam morrer a ceder para a Companhia. Chaval continuava trabalhando, apesar de dizer que estava ao lado dos grevistas. Esses agora iam à mina Jean-Bart, continuar o que começaram. Queriam destruir tudo.


Parte 5[editar | editar código-fonte]

Capítulos 1, 2 e 3 - Ariel, Gustavo e Miriam

No cap 1 – Liderados por Chaval, o grupo de trabalhadores da Jean-Beart marcharam para a mina. Deneulin, acordado por um contramestre, foi resolver a situação com os mineiros revoltados. Os mineiros pedindo por um aumento de 5 centavos por vagonete, e pelo retorno do preço antigo, são surpreendidos com o pedido negado. Deneulin dizia que a mina estava á beira da falência e que se por ventura aumentasse o salário ele estaria destruindo o próprio negócio. Chaval recebe o cargo de contramestre, mas rejeita. Começou então um grande tumulto e Chaval foi conversar com Deneulin sozinho, no fim, Chaval diz que iria acalmar a situação. No cap 2 – Havia muito calor na Jean-Beart e Catherine que estava trabalhando lá não aguentava, reclamava para Chaval mas ele apenas discutia com ela e a espancava, disse para ela tirar a roupa como os outros como não aguentava mais. Após muita força para aguentar o calor Catherine desmaiou ficou pálida e dizia estar com frio. Pela primeira vez, Chaval foi cuidar dela e a tratou como merecido. Catherine, encantada pediu a ele que a beija-se. Entre os mineiros que tentavam sair da mina, lá estava Catherine que não estava aguentando. Gritava por Chaval, mas ele não a ouvia. Conseguiu sair, mas não acreditou que estava vendo a luz do sol No cap 3 - Briga após briga, para melhorarem de vida, os mineiros cansados vão falar com Deneulin novamente. Como não obtiveram êxito, decidiram acabar com a mina, colocando fogo, quebrando tudo, destruindo o elevador e etc. Quando os mineiros da Jean-Beart tentaram sair, os mineiros revoltados começaram a bater nos mineiros que estavam trabalhando, até uma hora que decidem ir para outra mina. Deneulin, convencido que estava tudo perdido fica em Jean-Beart se lamentando.

Capítulo 4 - Isaac, Nicole e Ben

Os grevistas com fome e revoltados queriam que os trabalhadores da Gaston-Marie parassem de trabalhar, com isso foram em direção dela porem Etienne falou que eles não deveriam fazer aquilo e sim irem para Mirou, pois havia trabalhadores lá. O contramestre, vovô Quandien, este muito esperto ao ver a multidão chegar resolve encerrar o trabalho na mina mais cedo impedindo os grevistas de entrarem. Em Victoire eles invadem a mina e esfomeados vão direto para a cantina porem chegando lá não havia pão só havia uma garrafa de Genebra, beberam até ficarem bêbados. Etienne da ordem de irem Gaston-Marie, com o grupo maior de mineiros do que no começo ele manda Chaval dar o primeiro golpe na bomba de agua este se recusa e começa a brigar com Etienne, Catherine entra no meio separando a briga. Chaval foge e Catherine vai atrás dele.

Capitulo 5 - Isaac, Nicole e Ben

Hennebeau estava trabalhando quando chega em sua casa o capataz, agitado, e começa a falar informações sigilosas, ele logo percebe que o capataz estaria recebendo essas informações com sua amante, a esposa de Pierron. Hennebeau fica agitado, pois havia dito que a greve não duraria mais de 15 dias. Hennebeau recebe a mensagem de que a Jeam-Barte havia sido invadida e que seus cabos estavam cortados, é neste momento em que ele entra no quarto de seu sobrinho e percebe o que estava acontecendo: a cama toda bagunçada, o perfume e o calor na cama, se lembrou dos si=nos na madrugada, dos passos que ele ouvia, era sua esposa que o traia, descia toda noite para dormir com seu sobrinho. Os grevistas avisam a Hennebeau que se não tomassem uma decisão sobre a greve os grevistas iriam tomá-las, os grevistas invadem Motso em direção a Vourex. As filhas de Hennebeau estão a caminho de casa com Negreu.

Capítulo 6 - Isaac, Nicole e Ben

Resseneur chama Etienne e fala que os problemas só estão começando, pois o grupo agora já não o obedece mais. O casal Gregorie chega para o jantar. A carruagem que levava as filhas de Hennebeau e Cécile chega a casa, Negreu vendo a multidão diz para irem pela porta dos fundos, mas Cécile é pega pela multidão, as mulheres começam arrancar suas roupas e rasga-las. Denulian consegue tira-la da mão dos grevistas com as suas roupas rasgadas. Os grevistas vão em direção ao armazém de Maigrat, onde encontram pão. Maigrat tenta fugir da multidão furiosa e agitada, porém sem sucesso, fugindo pelo telhado ele cai morrendo na hora. Catheriene vai avisar Etienne que Chaval havia chamado a policia, porém ele nem da ouvidos, ela insiste e com muita força o puxa e diz novamente que a policia estava a caminho. Um estrondo sacode o chão, era a policia.


Parte 6[editar | editar código-fonte]

Capítulos 1,2 e 3 – Paulo, Itamar e Bruno

Os soldados estavam caminhando pela cidade de Monstsou, as fábricas estavam inativas, a inundação e a bomba já havia dado muitos gastos, pois foram substituídos. Étienne se deu conta que a Companhia era forte demais para falir. Os dias estavam difíceis, os mineiros estavam sem trabalho e morrendo de frio e fome, para os Maheu a situação estava difícil, Alziro estava doente e quase morrendo, o médico iria consultá-lo, mas não compareceu, Lenore e Henri estavam mendigando e Maheu estava aflito por sua situação. A casa estava vazia, pois tinham vendido tudo para comprar comida. Suvarim estava em sua taverna só, quando ouviu alguém batendo na porta e Étienne o chamando com medo que ele o entregasse, com o tempo, conversando, decidiram que iam fazer uma greve. No dia seguinte eles conversaram com os operários para anunciar a derrota.

Capítulos 4 e 5 - Dawid, Leonardo e Rafael J

Catherine estava com Étienne, ele tentava convencer ela a ir para a casa dos pais, até chegou a quase beijá-la, mas ela não aceitou, disse que teria que ir para casa de Chaval. Enquanto ele voltava, viu Jeanlin degolando um guarda, perguntou o porquê do feito do garoto. Então foram esconder o corpo na mina Requillant, deixou o corpo em um buraco, e derrubaram teto da mina sobre o corpo. No dia seguinte, souberam que os belgas estavam trabalhando na Voreux. Duas filas de trinta soldados cada foram alinhadas em frente ao um muro de tijolos, para que não fossem atacados por trás, o grupo de manifestantes começava a crescer cada vez mais. Com Étienne, Maheu e sua mulher na frente, ofendiam os soldados e os empurravam cada vez mais para o murro. Mas foi quando os manifestantes começaram a jogar tijolos contra os soldados, que se sentiam cada vez mais pressionados esperando por reforços. Até que os soldados já sem espaço para recuar, foram obrigados a atirar contra os manifestantes. Na matança Maheu foi abatido com muitos outros, os que não estavam nem mortos nem feridos conseguiram fugir em meio a lama.


Parte 7[editar | editar código-fonte]

Capitulo 1,2,3 - Débora, Lívia e Samy.

Com os impostos altos, salários baixos e preços altos das comidas, os mineiros acabam se rebelando contra a mineradora Vourex na cidade de Mountsout, os mineiros se rebelam e para poder reprimir essas greves, os burgueses batalham contra os mineiros e por isso, muitos mineiros são presos e acabam ficando desempregados. Logo são enviados três administradores da Vourex, que dizem estar decepcionados com a greve dos mineiros e que não querem que isso interfira na produtividade dos mineiros sensatos e justos. A mina seria reaberta na próxima semana, e na medida do tempo, tudo voltaria ao normal. Étienne vê a mãe de Catharine brigando com ela, pois esta queria voltar a trabalhar na mineradora para ganhar dinheiro e conseguir alimentar-se. Sua mãe fala que não voltaria a trabalhar na mineradora para receber um péssimo salário. Étienne vê que a greve não acabava então foi falar com os mineradores, que acabam se revoltando contra ele, persiguindo-o . Étienne foge dos mineiros e escondeu-se na fachada da caverna Avantage, onde estava Rasseneur, e este mandou-lhe entrar, dizendo que Étienne não tinha culpa e que os mineiros estavam fora de controle. Poucos dias depois, Étienne foge da aldeia. Os administradores da Vourex colocam cartazes para que os mineiros voltassem á mina no dia seguinte.

Capítulos 3 e 4 - Edy, Lorena e Sofia

Os capítulos 3 e 4 da parte 7 começam em um dia normal, os mineiros descem na mina, como vocês sabem a condição era precária, Dansaert (chefe da mina) faz uma vistoria e vê que o trabalho não estava rendendo. A forte chuva que se iniciou no começo do dia havia se agravado e preocupava alguns operários, depois de algumas horas a bomba que segurava a água para não entrar na mina, não aguentou e a mina se encontrava cheia de água. Vários operários largaram as suas tarefas e saíram da mina, sem obedecer às ordens Dansaert, que tentava organizá-los. Catherine foi ver se havia pessoas nos outros níveis da mina, mas não havia ninguém, por não haver ninguém na mina eles entraram em desespero, pois 1 minuto a mais na mina poderia significar a morte! Ela desabou com alguns mineiros dentro, pois os mineiros que se salvaram foram avisar a aldeia sobre o desabamento. Os familiares dos mineiros forem à mina para resgatar os soterrados. Dansaert foi demitido por abandonar os mineiros. Após 2 dias conseguiram resgatar os mineiros soterrados que estavam em péssimas condições. Boa Morte foi encontrado muito ferido e ficou em repouso na casa de Cécile e no fim do dia foram encontrados os 2 mortos deixando suspeitos da causa de suas mortes.

Capitulo 5 - Felipe, Lucas e Vitor

Os mineiros estavam presos na mina e a á água não parava de subir. Os cavalos morriam na água gelada e faziam sons agonizantes. Ao tentaram sair da mina, Ettiénne e Catherine se separaram do resto do grupo e chegaram a uma nova galeria onde teriam que sair pela chaminé. Lá sofreram com a fome e o frio. Quando tentaram achar outra saída, eles se deparam com o desafeto de Ettiénne, Chaval, que estava sozinho. Em mais uma de suas disputas por Catherine, Ettiénne acertou seu inimigo ma cabeça com a pedra, e ele morreu na hora. Então Ettiénne e Catherine ficaram sozinhos na mina escura e alagada. Começaram a bater nas pedras, esperando ouvir uma resposta do outro lado, e ouviram. Ficaram esperando, mesmo sem esperança, que os encontrassem. Passaram alguns dias e começaram a ter alucinações. Depois deste longo tempo juntos, eles se revelaram um para o outro que se amavam, começaram a se beijar e tiveram uma noite de núpcias. Pouco tempo depois Catherine veio a falecer no colo do seu amado. Ele ficou esperando sozinho por mais uns dias até que escavadores o acharam. Quando saiu da mina. Ettiénne estava velho e barbudo, e haviam vários cadáveres ao ar livre. Capitulo 6 - Amanheceu um dia lindo, Etienne estava caminhando e pensando na vida. Após a tragédia, a Companhia não quisera mantê-lo como operário, portanto estava de partida, mas antes quis passar na mina Voreux e se despedir dos operários e principalmente da Sra. Maheu. Depois do encontro emocionante, Etienne aperto a mão da mulher de Maheu e partiu. No caminho veio a sua cabeça a imagem de Suvarin e Rasseneur. A luta pelo pode estragava tudo. Aquela Revolta era o início de tudo, das greves e rebeliões que iriam germinar por toda Europa.

Reconstrução do enredo[editar | editar código-fonte]

Cada novo grupo (veja os links abaixo referentes a cada turma) deverá reescrever a parte que lhe cabe, levando em conta, principalmente, as seguintes questões:

  • Correção dos erros gramaticais.
  • Redução do tamanho do texto (máximo de dois parágrafos de 5 linhas para cada parte).

O texto refeito deverá ser incluído no espaço referente ao grupo, com uma lista de problemas observados. Veja o exemplo:

  1. Pontuação.
  2. Acentuação: esta, construido, onibus.
  3. Ortografia: pobrema, fássil, ezérssito.
  4. Trechos confusos ou mal construídos.
  5. etc.

Para acessar o trabalhos dos grupos, clique em 9A ou 9B.

Análise do professor[editar | editar código-fonte]