Introdução ao Jornalismo Científico/MoocIndex

Fonte: Wikiversidade

--MoocIndex for MOOC @ Introdução ao Jornalismo Científico

lesson|Metodologia e Filosofia da Ciência[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=

Esta seção apresenta a tarefa principal do Módulo 1 do curso de "Introdução ao Jornalismo Científico". A realização da tarefa é indispensável para o reconhecimento de participação no curso. Seu trabalho estará acessível, publicado no ambiente wiki, e será anexado ao certificado de realização do curso, quando finalizar todas as atividades.

Para a tarefa, você precisa logar-se na Wikiversidade e cadastrar-se no painel de controle do curso. Se não sabe como fazê-lo, veja as instruções. Se não seguir as instruções, seu trabalho não será considerado, pois não haverá forma de validar sua realização.

A expectativa de tempo para esta tarefa é: 5 horas.

Para o trabalho a seguir, você deverá selecionar um artigo na revista Pesquisa FAPESP. Estão acessíveis na página principal da publicação. Escolha um artigo sobre um tema de pesquisa - ou seja, que seja baseado em uma ou mais de uma publicação científica - e leia-o com cuidado. Responda às perguntas que seguem. As respostas deverão ser publicadas em uma página individual, a ser gerada no campo abaixo. Aí, coloque seu nome de usuário, exatamente como criado na inscrição do curso. Não se esqueça de estar logado.

  1. Coloque o título, a autoria, a data de publicação e o link da matéria selecionada.
  2. Resuma a matéria em até 300 caracteres.
  3. Identifique e analise a partir da matéria: o objeto e a metodologia (observação, hipótese, experimentação, análise e publicação) da pesquisa.
  4. Acesse a(s) pesquisa(s) de origem, de base para o artigo na Pesquisa FAPESP, identifique e analise a seção metodológica. Em especial, explique em que medida o processo de pesquisa foi bem documentado no artigo que você selecionou.
  5. Reveja o conteúdo da aula sobre "A metáfora científica". No artigo da Pesquisa FAPESP selecionado, identifique quais foram as metáforas científicas ou cientificamente inspiradas utilizadas e justifique esse uso a partir das indicações da aula. Analise em que medida contribuem ou dificultam o entendimento da ciência.
  6. Reveja o conteúdo da aula sobre "Ciência e Filosofia". Discorra sobre em que medida o artigo da Pesquisa FAPESP que você selecionou coloca questões filosóficas e apresente exemplos extraídos do texto.


Clique aqui para realizar a atividade

  • learningGoals=

Ao término desse módulo você irá saber:

  1. Alguns dos critérios que diferenciam ciência e filosofia
  2. O que caracteriza a ciência
  3. Como é construído o conhecimento científico
  4. Quais os elementos que norteiam a metodologia científica
  5. Filósofos da ciência e suas respectivas linhas de pensamento
  6. O método específico adotado pelas pesquisas na área da comunicação
  • numThreads=2
  • numThreadsOpen=2

unit|Ciência e Filosofia[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 1 Aula 1.png
  • learningGoals=Para discutir as relações entre ciência e filosofia serão abordados conceitos de Karl Popper e Thomas Kuhn. A hipótese de falseamento da teoria da relatividade e o caso do matemático Ludwig Boltzmann serão utilizados para exemplificar esses conceitos. Esta aula conta com textos de Fernando da Paixão e Antonio Galves.
  • video=

unit|Níveis de entendimento[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 1 Aula2.png
  • learningGoals=A filosofia da biologia e os caminhos que a disciplina percorreu para se tornar autônoma mostram a importância de analisar os problemas em níveis. Tal entendimento, no entanto, não implica hierarquizar as ciências ou reduzir as explicações de sistemas complexos às suas menores partes. O conteúdo desta aula foi produzido em parceria com Daniel Takashi.
  • video=

unit|A metáfora científica[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 1 Aula 3.png
  • learningGoals=O uso de metáforas em nível cognitivo pode ser uma ferramenta adotada pelo jornalismo científico para se aproximar do público. Este tópico, desenvolvido a partir de uma entrevista com Osame Kinouchi, irá tratar alguns exemplos desse uso.
  • video=
    Podcast NeuroMat

unit|Os elementos da metodologia científica: observação, hipótese, experimentação, análise e publicação[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 1 Aula 4.png
  • learningGoals=A metodologia científica pode ser entendida como uma forma de organizar o conhecimento. A respeito dos elementos clássicos da metodologia, serão utilizados alguns exemplos de pesquisas do CEPID NeuroMat para explicar de que forma são feitos experimentos e a observação pode ser teorizada.
  • video=

unit|Metodologia e comunicação[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 1 Aula 5.png
  • learningGoals= O estabelecimento da comunicação como um campo com seus próprios regimentos, os objetos de estudo e as técnicas de coleta de dados são alguns dos pontos discutidos nesta aula. O comunicador João Alexandre Peschanski contribuiu com a elaboração deste conteúdo.
  • video=

lesson|História da Ciência e da Tecnologia[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=

O conhecimento colaborativo, um dos princípios deste curso, parte da noção de que o aprendizado não realiza um percurso linear, no qual uma pessoa, detentora do saber, transmite informações à outra. Ao considerar o conhecimento como uma criação coletiva, reconhece-se a possibilidade de ser gerado a partir de diversas fontes. Nesse sentido, o/a educando/a deixa de ocupar uma posição meramente passiva para construir conhecimento e ajudar outros/as colegas a fazerem o mesmo. Para além de envolver o/a aluno/a no próprio processo de aprendizagem, tornar esse conhecimento aberto e acessível é fundamental para que cada vez mais pessoas tenham acesso a um conteúdo de qualidade. Assim, a tarefa do Módulo 2 consiste em contribuir com verbetes da Wikipédia.

A Wikipédia é a enciclopédia livre em que todo mundo pode editar. Isso não quer dizer que qualquer informação pode ser inserida: todo acréscimo deve vir acompanhado de fontes fiáveis que o justifique e estar de acordo com as regras de notoriedade do projeto. Para entender a Wikipédia e sua comunidade, o primeiro passo é realizar este treinamento de edição básica. Não se esqueça de estar logado/a!

Além do tutorial, veja esta brochura, que dá um contexto ainda mais amplo da Wikipédia. Treine um pouco na sua página de testes: veja como neste vídeo.

Uma vez terminada a leitura do material deste módulo e feito o treinamento, acesse esta lista de conteúdos relacionados à História da Ciência na Wikipédia. Verifique que está logado/a, pois você vai editar na Wikipédia e só as edições realizadas com o login feito são contabilizadas.

Esta tarefa tem como objetivo principal introduzi-lo/la à experiência de edição na Wikipédia. Consiste em revisar e completar pelo menos um verbete da lista de artigos de História da Ciência. Na categoria de História de Ciência, você encontrará páginas e subcategorias da Wikipédia. Escolha uma ou mais páginas na categoria principal ou nas subcategorias secundárias ou ainda mais específicas. Edite quantos desses artigos quiser, com quantas contribuições quiser -- não se importe se já foram editados por outras pessoas que fizeram o curso.

A expectativa é que você contribua pelo menos 15 mil caracteres na Wikipédia em português. A contabilização é feita pelo Dashboard, a ferramenta que você usou para se inscrever neste curso. Lembre-se: toda informação inserida deve ter uma referência que a justifique. A Wikipédia é de certo modo um agregador de referências.

Busque principalmente contribuir em verbetes da lista que estejam incompletos ou mal referenciados. Em alguns, a própria Wikipédia indica que têm problemas, com tags no início dos verbetes. Priorize artigos menores, em relação a maiores. Pesquisa fontes e verifique a informação colocada. Lembre-se: para cada unidade de informação é preciso inserir uma fonte. Veja que alguns desses artigos existem em outros idiomas e talvez faça sentido, se for algo de seu interesse, traduzir trechos dessas outras Wikipédias para o português.

Lembre-se que plágio não é aceito e levará à remoção imediata do conteúdo inserido e eventualmente ao cancelamento de inscrição neste curso. Plágio é a incorporação de trabalho alheio – incluindo linguagem e ideias – sem a devida atribuição de autoria. Há um mecanismo antiplágio rodando em todas as suas contribuições.

Lembre-se também da importância de estar logado com sua conta wiki para que as edições fiquem registradas no seu histórico de atividades. Vale também ressaltar as três principais políticas editoriais da Wikipédia: verificabilidade, princípio da imparcialidade e nada de pesquisa inédita.

  • learningGoals=
  1. Compreender a definição de ciência e sua construção histórica a partir de diferentes perspectivas
  2. Identificar técnicas da pré-história que abriram caminho para o desenvolvimento científico
  3. Conhecer noções científicas presentes nas civilizações antigas da Mesopotâmia, Egito, China e índia
  4. Relacionar filosofia e ciência no contexto da Grécia antiga e do Império Romano
  5. Verificar a orientação da ciência praticada por mulçumanos e em que medida se diferenciava de outras ciências
  6. Perceber o papel inquisidor da Igreja católica nas produções científicas da Idade Média
  7. Analisar criticamente o Renascimento Científico e alguns de sues componentes, como as grandes navegações e a corrente filosófica do humanismo

unit|Introdução[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 1.png
  • learningGoals=Nesta aula, a definição de ciência é feita a partir de três perspectivas: enquanto conjunto de todo conhecimento humano, episteme ou espírito científico/vontade de compreender um assunto. Além disso, busca-se apontar a origem desta área e sua compreensão moderna.
  • video=

unit|Antes da Ciência, veio a Técnica[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 2.png
  • learningGoals=Uma breve exposição do gênero homo é feita para introduzir descobertas e técnicas de manipulação da natureza, tal qual o domínio do fogo, do Paleolítico até a Idade dos Metais.
  • video=

unit|A Técnica nas Primeiras Grandes Civilizações[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 3.png
  • learningGoals=Neste tópico, são indicados os avanços e as compreensões científicas em três principais áreas - matemática, astronomia e medicina - nas civilizações antigas da Mesopotâmia, Egito, China e Índia.
  • video=

unit|Grécia Antiga e Império Romano: enfim, Ciência[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 4.png
  • learningGoals=Acompanha-se o nascimento da Filosofia Natural e a distinção desta área do conhecimento da Ciência. Para isso, são discutidas as sociedades grega e romana e de que modo a organização política, social e cultural dessas duas civilizações impactou nesse processo.
  • video=

unit|O Islã e a Ciência grega[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 5.png
  • learningGoals=Neste ponto, recorre-se à história do Islã para explicar de que modo a Ciência evoluiu com os mulçumanos. Também são indicados os principais cientistas mulçumanos responsáveis por traduzir a produção científica dos gregos antigos e dos neoplatônicos.
  • video=

unit|Idade Média e o caminho para o Renascimento Científico[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 6.png
  • learningGoals=A ortodoxia católica queimou instituições como a Biblioteca e o Museu de Alexandria. Nesse sentido, compreende-se a influência da Igreja no desenvolvimento científico do período.
  • video=

unit|O Renascimento Científico[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 2 Aula 7.png
  • learningGoals= O questionamento da autoridade do Papa e a Queda de Constantinopla marcam a transição da Baixa Idade Média para a Idade Moderna. As Grandes Navegações são, enfim, apontadas como um dos eventos que impulsionou o avanço científico.
  • video=

lesson|Ética da Ciência[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=

Um dos principais desafios da prática do jornalismo científico é entrevistar cientistas sobre seu trabalho, isto porque é ao mesmo tempo necessário introduzir e aprofundar os temas abordados. Nesta tarefa, você deverá entrevistar um pesquisador ou uma pesquisadora sobre Ética da Ciência e sobre questões éticas específicas relacionadas a seu trabalho.

Para a entrevista, é preciso pesquisar de antemão a produção da/do cientista selecionada/a. Procure seu trabalhos em bases de dados de publicações científicas, como o Google Acadêmico, e leia-os antes da conversa.

Prepare então um roteiro de perguntas, pensando-o com base na pauta sobre ética proposta nesta tarefa. Há vários manuais sobre como fazer boas entrevistas, um material que pode ser é útil é Um guia para aprimorar a arte da entrevista, de Natália Mazotte.

É indispensável que o/a entrevistado/a assine e lhe envie um termo de cessão de direitos, tal qual o deste modelo.

A entrevista, em formato de vídeo ou áudio, deve ter no máximo 7 minutos. Você pode assistir a esse [hhttps://encurtador.com.br/tGHOW/ vídeo] para ter ideias de possíveis formatos. Uma vez a entrevista realizada, edite o material, por exemplo melhorando o som, inserindo uma vinheta com o título e o nome da pessoa entrevista e cortando trechos desnecessários.

Considere os aspectos técnicos, como iluminação e som, na momento de produção e informe sua fonte que o material será disponibilizado em licença livre. Também é necessário publicar a entrevista transcrita.

A entrevista deve ser disponibilizada no repositório Wikimedia Commons.

Clique aqui para realizar a atividade

  • learningGoals=
  1. Compreender as regras, escritas ou consensuais, respeitadas pelos cientistas e que garantem o avanço do conhecimento científico
  2. Conhecer e entender as Normas de Merton
  3. Entender alguns dos mecanismos usados por "cientistas" para burlar essas regras e suas consequências
    • Publicações em nichos
    • Periódicos predatórios
  4. Ethos científico: cientistas e jornalistas na divulgação científica

unit|Protocolos éticos em pesquisas experimentais[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=Recomendamos a leitura da página Vacina contra a COVID-19 para a compreensão do processo que orienta o desenvolvimento de uma vacina.
  • image=Módulo 3 Aula 1.png
  • learningGoals= São apresentados critérios que regulamentam pesquisas clínicas com humanos e como o descumprimento deles compromete experimentos nesse sentido. Por fim, comenta-se a diferença das diretrizes de pesquisas com humanos nas ciências biológicas e nas ciências humanas e sociais.
  • video=

unit|Reprodutibilidade[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 3 Aula 2.png
  • learningGoals= O critério de reprodutibilidade, para alguns filósofos da ciência, é condição essencial para diferenciar a atividade científica de qualquer outra. Nesta aula, são elaboradas explicações a respeito desse tópico e como ele se relaciona com o conceito de Ciência Aberta.
  • video=

unit|Revisão por pares[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 3 Aula 3.png
  • learningGoals= Neste tópico, busca-se compreender o processo de validação de um conhecimento, quais são as críticas a esse sistema, os modelos que tentam prezar pela transparência e quais motivos podem levar à rejeição de um artigo científico.
  • video=

unit|Práticas anticientíficas[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 3 Aula 4.png
  • learningGoals= Serão exploradas discussões sobre aquilo que se autodenomina ciência mas não segue uma metodologia científica, a autoridade da ciência, a ascensão de movimentos negacionistas e a importância de difundir a ideia de conhecimento enquanto processo contínuo.
  • video=

lesson|Temas Centrais da Ciência Contemporânea[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=

Selecione uma notícia sobre um tema científico e verifique de que forma ela foi abordada por dois veículos jornalísticos diferentes. Analise tópicos como:

Clique aqui para realizar a atividade

  • learningGoals=
  1. Conhecer a conjectura do cérebro estatístico bem como os conceitos de construção de memórias, predições e modelos
  2. Entender como a modelagem de neurônios é baseada pelas noções de tradução matemática e estocasticidade
  3. Perceber como o comportamento de usuários nas redes sociais afetam decisões da esfera pública e como esse comportamento pode ser analisado por um modelo matemático
  4. Identificar as múltiplas abordagens de ciência aberta, preceitos do ethos científico e de código aberto
  • numThreads=1
  • numThreadsOpen=1

unit|Cérebro estatístico[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 4 Aula 1.png
  • learningGoals=Nesta aula, a pesquisadora Claudia Vargas explica a conjectura do cérebro estatístico, que vem sendo estudada pelo CEPID NeuroMat. A construção de memórias, as predições feitas por esse órgão e a construção de modelos são alguns dos tópicos abordados.
  • furtherReading=

O Cérebro Estatístico

  • video=Podcast A Matemática do Cérebro - Ep. Cérebro, predições e mágica

unit|Modelagem de neurônios[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 4 Aula 2.png
  • learningGoals=A pesquisadora Aline Duarte cita a tradução matemática, comportamentos estocásticos e o modelo Galves-Löcherbach como aspectos fundamentais para compreender o que é modelagem de neurônios. Nesta aula, esses conceitos são aprofundados.
  • furtherReading=Fla-Flu no Cérebro
  • video=Faísca Neuromat: A Matemática do Contágio - Modelo Matemático

unit|Redes sociais[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 4 Aula 3.png
  • learningGoals=Esta aula é baseada na apresentação de Antonio Galves no Faísca NeuroMat. A partir de estudos de caso das eleições de 2018, é proposto um modelo que define o comportamento das pessoas nas redes sociais.
  • video=

unit|Ciência aberta[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 4 Aula 4.png
  • learningGoals=A tese de Jean Carlos Ferreira dos Santos é o ponto de partida para esta aula que trata sobre as múltiplas abordagens da ciência aberta. O conteúdo ainda desenvolve os tópicos de ethos científico, privatização do conhecimento e código aberto.
  • video=

lesson|Modos de Organização e Financiamento dos Sistemas de Pesquisa, no Brasil e no Exterior[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=

Nesta tabela, estão dispostos os dados de pesquisa apresentados nas aulas 5.1 e 5.5. Selecione alguns deles para serem atualizados e indique a fonte. Uma vez editada a tabela, os dados aparecerão automaticamente no texto da aula. Para efetuar este trabalho, não esqueça de estar logado na sua conta wiki, assim, todo o conteúdo produzido por você poderá ser visualizado no histórico. Tendo como referência essa mesma base de dados, monte também um gráfico relevante para este módulo. O gráfico precisa conter título, legenda e fonte e será carregado no Wikimedia Commons.


  • learningGoals=

Ao término desse módulo, você irá saber:

  1. O que é pesquisa e desenvolvimento
  2. O investimento no Brasil: as origens e os destinos do dinheiro
  3. O panorama mundial de investimento em pesquisa e desenvolvimento
  4. Como e quando começou o investimento em pesquisa científica
  5. As instituições responsáveis pela pesquisa e pela distribuição da verba
  6. Quem são, onde estão e em que área atuam os pesquisadores do Brasil

unit|Panorama mundial dos investimentos em pesquisa e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 5 Aula 1.png
  • learningGoals=É traçado um comparativo entre o investimento em Pesquisa & Desenvolvimento em diversos países e a origem desses recursos (privada ou pública). Para esta análise, considera-se o PIB de cada nação e a percentagem destinada a esse setor.
  • video=

unit|Os primeiros financiamentos de P&D e sua chegada ao Brasil[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 5 Aula 2.png
  • learningGoals=A partir de uma recuperação histórica, são comentadas iniciativas que direcionaram investimentos à pesquisa. A começar pelo exemplo de Johannes Kepler e Tycho Brahe até a criação de periódicos científicos durante o século XIX.
  • video=

unit|O estabelecimento da pesquisa no Brasil[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 5 Aula 3.png
  • learningGoals=Seguindo a cronologia dos investimentos no setor científico, esta aula dedica-se ao estudo da criação das agências e institutos de pesquisa. Tais como: Instituto Oswaldo Cruz, Academia Brasileira de Ciências (ABC) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).
  • video=

unit|A estrutura de financiamento para a ciência no Brasil[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 5 Aula 4.png
  • learningGoals=O sistema de financiamento de pesquisa brasileiro opera em nível nacional e estadual. Neste tópico, são indicados centros e agências de financiamento de pesquisa e a forma como atuam.
  • video=

unit|Pesquisadores: quem são, onde trabalham e quais as áreas de atuação[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 5 Aula 5.png
  • learningGoals=Nesta aula, é apresentada a distribuição de pesquisadores no Brasil em relação a gênero, área de conhecimento e região do país
  • video=.

unit|As bolsas de pesquisa e os caminhos até elas[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 5 Aula 6.png
  • learningGoals=Por meio de uma abordagem bem objetiva, são descritas as diversas bolsas oferecidas em âmbito nacional. São incluídos níveis de aprofundamento, duração e valores.
  • video=

lesson|Mídias, Linguagens e Prática do Jornalismo Científico[editar | editar código-fonte]

  • furtherReading=

A partir da tabela de podcasts disponibilizada na aula 6.5, escolha dois programas, nacional ou internacional, e escute 3 episódios de cada (podendo ser trechos ou o episódio completo). Em seguida, publique na sua página de atividades as respostas das seguintes questões:

  1. Qual você acha que é o público-alvo do podcast?
  2. Como você acha que ele é feito?
  3. Qual é a principal força e a principal fragilidade do programa?

Feita essa reflexão, agora é hora de produzir o seu próprio episódio de podcast científico. Ele deverá ter entre 10 e 40 minutos e ser publicado na Wikimedia Commons no formato wav. Como o episódio será publicado em licença livre, não se esqueça de pedir aos convidados que assinem e lhe enviem um termo de cessão de direitos, tal qual o deste modelo.

Antes de elaborar o roteiro é necessário definir alguns pontos do seu podcast:

  1. Qual será o assunto?
  2. Qual será o formato (narrativo, entrevista, debate, roda de conversa)
  3. Quem serão os apresentadores e os convidados?
  4. Qual é o público-alvo?
  5. Qual é a identidade sonora do podcast?

Feito isso, já pode partir para o roteiro. Aqui, disponibilizamos uma estrutura básica de um podcast de entrevista:

  1. Vinheta de abertura
  2. Apresentador cumprimenta o ouvinte
  3. Apresentador comenta o tema do episódio
  4. Apresentador introduz os convidados
  5. Apresentador faz perguntas para os convidados
  6. Convidados falam livremente
  7. Encerramento
  8. Vinheta de encerramento

Anotar as perguntas para os convidados antes da gravação facilitará este processo. Durante a conversa, podem surgir outras questões, mas ter organizado os principais pontos a serem discutidos ajuda a direcionar a entrevista. Grave o conteúdo com equipamentos pessoais, tais como computador, celular e fone de ouvido. A qualidade de som é a base do podcast, por isso opte por ambientes silenciosos e, se necessário, regrave as perguntas depois da entrevista já feita. Caso realize a gravação por vídeochamada, o software livre OBS pode te ajudar na gravação da tela.

Na edição, procure remover ruídos, pausas longas e sons de hesitação. Intercalar vozes e adicionar efeitos sonoros são recursos que ajudam a dinamizar o episódio. Para efeitos sonoros, certifique-se de usar arquivos de bibliotecas de som livres. Algumas sugestões são: Wikimedia Commons, YouTube Library, BBC Sound Effects, Freesound, Facebook Sound Collection e freeSFX. Para editar, recomendamos o software livre Audacity e o Reaper. Depois de editado, o seu podcast está pronto para ser publicado na Wikimedia Commons.

Clique aqui para realizar a atividade



  • learningGoals=
  1. Conhecer como o jornalismo científico se constituiu e como é praticado
  2. Entender estratégias de difusão científica digital
  3. Verificar como a desinformação científica se perpetua e como pode ser combatida
  4. Compreender o uso da imagem como recurso explicativo no jornalismo científico
  5. Traçar um panorama histórico sobre podcasts e entender como o formato tem sido usado para divulgação científica

unit|O jornalismo e a Ciência[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 6 Aula 1.png
  • learningGoals=Será apresentado o percurso histórico do jornalismo científico, considerando a relação com o público e com a comunidade científica. Retirar o público de uma posição de passividade e envolvê-lo em uma ideia de compartilhamento de conhecimento exprime um dos pontos principais de análise.
  • video=

unit|Difusão digital[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 6 Aula 2.png
  • learningGoals=A intersecção entre ciências da computação e jornalismo, o uso da Wikipédia e do YouTube como ferramentas de divulgação científica e as problemáticas e oportunidades de uma difusão sincrônica são temas desta aula.
  • video=

unit|Desinformação científica[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 6 Aula 3.png
  • learningGoals=A disseminação de fake news, movimento antivacina e abordagens ambíguas são discutidos neste tópico como exemplos de desinformação científica. Além disso, são indicadas algumas alternativas que podem ser adotadas pelo jornalismo científico para conter esse fluxo.
  • video=

unit|O uso da imagem no jornalismo científico[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 6 Aula 4.png
  • learningGoals=A imagem como um recurso complexo e explicativo e não apenas ilustrativo pode ser um aliado para o jornalismo científico. Conhecer as bases teóricas dessa ideia e as aplicações práticas dela são objetos de interesse desta aula.
  • video=

unit|Podcasts e ciência[editar | editar código-fonte]

  • image=Módulo 6 Aula 5.png
  • learningGoals=Será explicada a origem do formato podcast, passando por uma contextualização do mercado na atualidade até uma interpretação crítica de programas especificamente voltados à divulgação científica.
  • numThreads=1
  • numThreadsOpen=1
  • video=Podcast sobre a produção de podcasts de divulgação científica