DC-UFRPE/Licenciatura Plena em Computação

Fonte: Wikiversidade

Introdução[editar | editar código-fonte]

O Curso[editar | editar código-fonte]

Logo - Lic Computação UFRPE

O curso de Licenciatura Plena em Computação da UFRPE foi instituído em 1999, implantado segundo CUNI no. 181/99, sendo a primeira oferta de vestibular em 2000. O curso passou por uma reformulação de seu projeto pedagógico em 2017 e encontra-se legalmente autorizado segundo Resolução CEPE 220/2018.

Objetivo geral do curso[editar | editar código-fonte]

Formar profissionais com sólida base humanística e tecnológica para atuar como professores na educação básica e em espaços não escolares, e na pesquisa, desenvolvimento e inovação em práticas educacionais.

Objetivos específicos[editar | editar código-fonte]

  • Formar profissionais cientes da importância da introdução e desenvolvimento do pensamento computacional e algorítmico na educação básica, e protagonistas de iniciativas nesse sentido, em contextos interdisciplinares;
  • Fomentar e desenvolver práticas criativas e inovadoras de ensino com o apoio de tecnologias contemporâneas, que sejam tanto aplicadas no curso quanto aprendidas pelos discentes para seu futuro como educadores;
  • Formar profissionais para atuar no projeto, desenvolvimento, avaliação e gestão de tecnologias em contextos educacionais;
  • Desenvolver valores humanos orientados a compromisso social, sustentabilidade, diversidade e ética, que devem nortear a atuação do egresso, em especial no uso de tecnologias visando o bem social e comunitário.

Perfil do profissional[editar | editar código-fonte]

O profissional formado em Licenciatura em Computação deve ser um educador que, utilizando os avanços da informática, contribua e seja capaz de gerar inovações nos processos de ensino e aprendizagem, sendo agente integrador entre os diversos conteúdos da formação do estudante. Deve ser um profissional crítico, com formação pedagógica, computacional, ética e humanística, capaz de aplicar o conhecimento adquirido ao longo de sua formação de modo a propor soluções tecnológicas criativas e inovadoras para problemas relativos às suas diferentes áreas de atuação.

Vagas Turno Modalidade Carga horária total Duração Regime de funcionamento
40 por semestre Noturno Presencial 3585 horas 9 semestres Créditos

Coordenação[editar | editar código-fonte]

Coordenador: Profº. Carlos Julian Menezes Araújo

Vice-coordenador: Profº. Leandro Marques do Nascimento

Secretário: Emaur Florêncio de Oliveira
Telefone: 3320 5441

Emails: secretaria.lc@ufrpe.br / coordenacao.lc@ufrpe.br

Página do curso: http://www.lc.ufrpe.br/

Instagram do curso: https://www.instagram.com/lcufrpe/

Diretório Acadêmico[editar | editar código-fonte]

E-mail: dalcomp.ufrpe@gmail.com

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O Curso...

Grade de Horários/Período[editar | editar código-fonte]

Funcionamento do Curso[editar | editar código-fonte]

O curso de Licenciatura em Computação da UFRPE funciona sob regime de créditos, com uma matriz curricular composta por disciplinas obrigatórias e disciplinas optativas. Além disso, é considerado o conceito de pré-requisitos para estabelecer uma sequência lógica de conhecimentos e competências esperadas para que o discente progrida no curso de uma forma sólida. O discente que progredir no curso conforme a grade curricular proposta irá cursar  disciplinas  optativas  a  partir  do  sexto  período,  mas  não  há  restrições  para  que disciplinas optativas sejam cursadas antes do sexto período, desde que os pré-requisitos, quando existirem, sejam respeitados.

Além disso, o discente deverá elaborar um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser aprovado perante banca examinadora para integralização bem como realizar o Exame Nacional de cursos de Graduação – Enade como Componente Curricular obrigatório.

Projeto Pedagógico do Curso[editar | editar código-fonte]

Grade Curricular[editar | editar código-fonte]

Os  componentes curriculares  da  matriz do  curso  de  Licenciatura  em  Computação estão agrupados em subáreas que foram inspiradas na divisão proposta pela SBC em suas diretrizes curriculares para LC, a saber: Fundamentos da Computação (FC); Matemática (M); Tecnologia  da  Computação  (TC);  Contexto  Social  e  Profissional  (CSP);  e  Formação  do Docente (FD).

Carga Horária do Curso[editar | editar código-fonte]

Detalhamento Carga

Horária (Hr)

(%)
Disciplinas Obrigatórias(*) 2610 72%
Disciplinas Optativas 360 10%
Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) 405 11%
Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) 60 1%
Atividades Complementares 210 6%
Total 3585 100%

Práticas de ensino de computação(*) Excetuando-se TCC;

Grade curricular[editar | editar código-fonte]

1o 2o 3o 4o 5o 6o 7o 8o 9o
Fundamentos Da educação

DED (60)

Educação Brasileira: legislação, organização e políticas

DED (60)

Didática

DED (60)

Metodologia do Ensino da Computação

DED (60)

Prática de Ensino de Computação I

DC (60)

EAD

Prática de Ensino de Computação II

DC (60)

EAD

Educação à Distância

DC (60)

Estágio Supervisionado Obrigatório III Lic. Computação

DED (90)

Estágio Supervisionado Obrigatório IV Lic. Computação

DED (135)

Psicologia I

DED (60)

Psicologia II

DED (60)

Algoritmos e Estrutura de Dados


DC (60)

Banco de Dados

DC (60)

Redes de Computadores

DC (60)

Estágio Supervisionado Obrigatório I Lic. Computaçã

DED (90)

Estágio Supervisionado Obrigatório II Lic. Computação

DED (90)

Libras

DL (60)

Trabalho de Conclusão de Curso

DC (60)

Produção de Textos Acadêmicos I

DL (60)

Cálculo NI

DM (60)

Cálculo NII

DM (60)

Estatística Exploratória

DC (60)

Álgebra Linear NI

DM (60)

Tecnologias na Educação

DC (60)

Educação das Relações Étnico-Raciais

DLCH (60)

Projeto de Desenvolvimento de Software Educacional

DC (60)

Optativa 6

DC (60)

Matemática Discreta I

DC (60)

Matemática Discreta II

DC (60)

Circuitos Digitais

DC (60)

Arquitetura e Organização de Computadores

DC (60)

Sistemas Operacionais

DC (60)

Interação Homem Máquina

DC (60)

Paradigmas de Programação Optativa 02 DC (60) Optativa 4

DC (60)

Pensamento computacional

DC (60)

Programação I

DC (60)

Programação II

DC (60)

Teoria da Computação

DC (60)

Engenharia de Software

DC (60)

Inteligência Artificial

DC (60)

Computação para Análise de Dados

Optativa 3 DC (60)

Optativa 5

DC (60)

Introdução a Ambientes Virtuais de Aprendizagem

DC (30)

EAD

Laboratório Programação I

DC (30)

EAD

Laboratório Programação II

DC (30)

EAD

Aspectos Humanos e Sociais na Computação

DC (60)

EAD

Metodologia Científica Aplicada à Computação

DC (60)

Robótica Educacional I

Optativa 01 DC (60)

Atividades Complementares[editar | editar código-fonte]

Existem subcategorias dentro de ensino, pesquisa e extensão, com cargas horárias pré-definidas (15, 30 ou 60h).

Por exemplo: se você realizou um curso de 37h, ele vai contar como subcategoria "Curso de Extensão", com carga horária de 30h; participação em projeto de extensão contabiliza 60h; PIBID contabiliza 60 ou 120h, etc.

Procure a coordenação para maiores detalhes. É muito importante que os certificados / declarações de cursos explicitem a carga horária.

É preciso ter atividades complementares nas três categorias (Ensino, Pesquisa, Extensão)?

Não, mas no mínimo em duas. Cada categoria contabiliza no máximo 120h. Assim, as 200h (perfil antigo)  ou 210h (perfil novo) exigidas não podem ser acumuladas em uma única categoria. Porém, atualmente, caso o discente esteja apto para colar grau, a carga horaria de uma unica categoria será contabilizada totalmente.

O que conta como Atividade Complementar?

As atividades complementares dividem-se nos três pilares universitários: Ensino, Pesquisa e Extensão. Uma lista não exaustiva de atividades que se encaixam em cada categoria:

  • Ensino: PIBID, Monitoria e outras atividades de iniciação à docência.
  • Pesquisa: PIBIC, PIBITI, PIC, participação em projetos de pesquisa formalizados na universidade, mesmo que não vinculados a fundações de apoio como CNPq ou FACEPE, estágio em Institutos de Pesquisa, ONGs, publicações técnico-científicas (artigos resumidos equivalem a 30h e artigos completos equivalem a 60h).
  • Extensão: Participação em projetos de extensão (bolsista ou voluntário), cursos de curta duração (na área de computação, línguas, etc.), elaboração de produtos formalizados (instrumentos de avaliação, kits pedagógicos, publicações didático-pedagógicas, patentes, sistemas de informação, …), prestação de serviço (consultorias, elaboração de projetos formais, etc.), eventos (encontros, simpósios, congressos, jornadas, oficinas, fóruns, mesas redondas…)

Verificações de aprendizagem[editar | editar código-fonte]

Em cada disciplina serão realizadas três Verificações de Aprendizagem (VAs) e um Exame Final. Cada VA poderá ser feita através de uma única prova escrita ou de avaliações parciais sob a forma de testes escritos, orais ou práticos, realizados em sala de aula ou não, bem como de outros instrumentos de avaliação, dependendo da natureza da disciplina e da orientação docente. O discente deverá se submeter no mínimo a duas VAs dentre as três VAs oferecidas na disciplina. Caso o discente faça as três VAs, a média será calculada aproveitando as duas maiores notas, sem diferença de peso. Será considerado aprovado na disciplina o discente que, cumprido o mínimo exigido de frequência, obtiver:

  • Média igual ou superior a 7,0 (sete), ficando dispensado de prestar Exame Final;
  • Média Final igual ou superior a 5,0 (cinco) entre a média e a nota do Exame Final.

Será considerado reprovado na disciplina o discente que se enquadre em um ou mais dos seguintes casos:

  • Obtiver frequência às aulas inferior a 75%;
  • Obtiver média inferior a 3,0;
  • Obtiver Média Final inferior a 5,0 (cinco).
Logo do curso de Licenciatura Plena em Computação da UFRPE

Logo do Curso[editar | editar código-fonte]

O caranguejo foi escolhido por ser um símbolo dos mangues de Recife, que envolvem nossa cidade com sua rica biodiversidade. Elemento também associado a movimentos culturais pernambucanos, o caranguejo é representado aqui como um caranguejo-processador: a integração da vida orgânica e tecnológica, que se amplifica cada dia mais e torna-se o foco das nossas vivências em Pernambuco e Recife. Os circuitos presentes na marca representam ainda nossas conexões neurais, nossa racionalidade e capacidade de criação, remetendo à aprendizagem e ao processo de ensino.

As principais referências da logo são o movimento Mangue Beat e logos minimalistas de tecnologia dos anos 80 e 90, como a Apple e o COBRA.